PELVE FEMININA II    OVÁRIOSMR2 Roberto Corrêa   20.10.2011
Lesões ovarianas benignasAfecções benignas como lesões císticas nãoneoplásicas e os tumores ovarianos benignos:maioria das...
Lesões císticas não neoplásicasCisto ovariano fisiológicoCisto de inclusão peritonealHyperreactio luteinalisSíndrome dos o...
Cisto ovariano fisiológicoEtiologia: falta de rotura ou de regressão defolículos ovarianos;Tamanho: 3 a 8 cm, maioria até ...
Cisto ovariano fisiológicoRM e TC: uniloculares, exibindo as mesmascaracterísticas de imagem dos folículos normais.Imagem ...
T2               T1 pós contraste     T1 supressão
Cisto hemorrágico: T1 com supressão
Cisto de inclusão peritonealSão pseudocistos formados por acúmulos delíquido produzido pelos ovários que são formadossecun...
Cisto de inclusão peritonealNos exames de imagem aparecem como:• Lesões anexiais císticas uni ou multiloculares;• Contorno...
Septações junto ao útero, ovário no meio da lesão e parede da lesão sem realce
Hyperreactio luteinalisOu Síndrome da Hiperestimulação Ovariana* Etiologia: transtornos associados a altos níveis deHcG: m...
Hyperreactio luteinalisAchados nas imagens:Ovários     bilateralmente  aumentados devolume( 10 a 20cm); Assemelham-se a ...
Síndrome dos ovários policísticosTranstorno endócrino complexo caracterizadopor hiperandrogenismo e anovulação crônica; ...
Síndrome dos ovários policísticosRM:       ovários   esféricos,  discretamenteaumentados de volume bilateralmente comnume...
Cisto endometriótico Manifestação mais comum da endometriose; Envolvimento bilateral em 33 a 50%; Infertilidade: 30-50%...
Cisto endometriótico Parede do cisto geralmente espessa e fibróticae cercada por aderências; Maioria: 3 a 6 cm e raramen...
Cisto endometriótico Compostas por cistos únicos ou múltiplos,tipicamente exibindo alta intensidade do sinal emT1 com e s...
T2: sombreamento   T1: cistos hiperintensos
Hidrossalpinge A salpingite é a causa mais comum de oclusãoda tuba uterina distal, o que resulta emhidrossalpinge; Outra...
Hidrossalpinge Se grande: devido à proximidade do ovário,pode simular uma lesão anexial multisseptada; No entanto, a hid...
Diagnóstico Diferencial RM e TC multiplanares e a opacificação dointestino na TC facilitam a identificação da origemovari...
Diagnóstico Diferencial Cistadenoma pode exibir as mesmascaracterísticas dos cistos foliculares: geralmente serealiza seg...
Diagnóstico Diferencial A saturação de gordura auxilia em identificargordura     nos    dermoides,    que,   como      os...
Tumores ovarianos benignos A maioria dos tumores ovarianos é benigna (60-80%); Grande espectro de tumores ovarianos; Ti...
Teratoma cístico benigno Tumores benignos de células germinativas; Neoplasia ovariana mais comum em idadefértil; Bilate...
Teratoma cístico benigno Imagens: TC e RM: Característica específica: gordura no interior deuma lesão ovariana unilocula...
Cistadenoma Maioria dos tumores epiteliais ovarianos; Frequência aumenta com a idade: 80% dostumores benignos na pós-men...
Cistadenoma Imagens: TC e RM Massas císticas de paredes finas e regulares; Pode haver septações finas(<3mm) com realce;...
Cistadenofibroma: subtipo de cistadenoma seroso.
Fibroma e fibrotecoma Tumores de origem estromal: 3-4% dostumores ovarianos; Tipicamente unilaterais(90%); Mulheres na ...
Fibroma e fibrotecoma Imagens: TC e RM: Tumores ovarianos sólidos bem delimitados;T1: baixa a intermediária intensidade...
T1: isointenso aoT2 coronal:                    miométriobaixo sinalT1 pós contraste:homogêneo
Tumor de Brenner Raros tumores ovarianos epiteliais(2%); Idade média à apresentação: 50 anos; Vasta maioria é benigna(9...
T2   T1 contraste
Diagnóstico Diferencial Alto sinal em T1: dermoides, endometriomas,cistos hemorrágicos e tumores mucinososhemorrágicos; ...
Neoplasias Malignas do Ovário Neoplasias epiteliais(86%); Neoplasias de células germinativas; Neoplasias do cordão sexu...
Câncer de Ovário Epitelial Segunda malignidade ginecológica maiscomum(Haaga); 8º. neoplasia em mulheres(Brasil) INCA: Es...
Câncer de Ovário Epitelial Devido à falta de sintomas e disseminaçãoperitoneal precoce: 70% dos casos com propagaçãoalém ...
Câncer de Ovário Epitelial Divisão histológica:1)Cistadenocarcinoma seroso(40-65%);2)Câncer mucinoso(10%);3)Câncer endome...
Câncer de Ovário Epitelial Estadiamento: sistema FIGO e TNM:Baseia-se nos achados durante uma laparotomiade estadiamento ...
Câncer de Ovário Epitelial Papel dos exames de imagem:TCMD é a modalidade de escolha;RM: papel como modalidade de solução...
Câncer de Ovário Epitelial: TC e RM Massa ovariana sólida e cística uni ou bilateral; Lesão multiloculada com espessura ...
Lesão sólida OE e nódulos em FS   Massa predominantemente sólida                                    Finos cistos e ascite ...
BIBLIOGRAFIA:1.http://www.slideshare.net/CHIRLEI/tumores-                  de-ovrio;                  2. Haaga; 3. Fundame...
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Pelve feminina ii 18.10.11 final
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pelve feminina ii 18.10.11 final

6.038 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.038
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pelve feminina ii 18.10.11 final

  1. 1. PELVE FEMININA II OVÁRIOSMR2 Roberto Corrêa 20.10.2011
  2. 2. Lesões ovarianas benignasAfecções benignas como lesões císticas nãoneoplásicas e os tumores ovarianos benignos:maioria das massas ovarianas.A caracterização por TC ou RM se baseiaclassicamente na morfologia interna, tecidos,vascularização e topografia das lesões.
  3. 3. Lesões císticas não neoplásicasCisto ovariano fisiológicoCisto de inclusão peritonealHyperreactio luteinalisSíndrome dos ovários policísticosCisto endometrióideHidrossalpinge
  4. 4. Cisto ovariano fisiológicoEtiologia: falta de rotura ou de regressão defolículos ovarianos;Tamanho: 3 a 8 cm, maioria até 5 cm;Extremamente comuns em idade fértil;Maioria é assintomática e hormonalmente inativa;Complicações: rotura, hemorragia e torção;Cistos foliculares na puberdade: síndrome deMcCune-Albright.
  5. 5. Cisto ovariano fisiológicoRM e TC: uniloculares, exibindo as mesmascaracterísticas de imagem dos folículos normais.Imagem de sinal alto ou intermediário em T1:hemorragia;Nestes casos: úteis técnicas de saturação degordura para diferenciar entre conteúdoproteináceo ou hemorrágico e gordura.
  6. 6. T2 T1 pós contraste T1 supressão
  7. 7. Cisto hemorrágico: T1 com supressão
  8. 8. Cisto de inclusão peritonealSão pseudocistos formados por acúmulos delíquido produzido pelos ovários que são formadossecundariamente às aderências peritoneais;Tipicamente encontrados na pré-menopausa comhistória de cirurgia, endometriose ou DIP;Tamanho variável: alguns mm a grandes lesõescísticas;Sintomas: dor ou desconforto pélvico por efeito demassa ou assintomáticos.
  9. 9. Cisto de inclusão peritonealNos exames de imagem aparecem como:• Lesões anexiais císticas uni ou multiloculares;• Contornos irregulares definidos pelas estruturasao redor da lesão;• Massa anexial cística que contenha o ovário nocentro ou na periferia da lesão: altamentesugestivo;• Geralmente densidade e sinal de água;• Pode conter septações finas, mas não há realce.
  10. 10. Septações junto ao útero, ovário no meio da lesão e parede da lesão sem realce
  11. 11. Hyperreactio luteinalisOu Síndrome da Hiperestimulação Ovariana* Etiologia: transtornos associados a altos níveis deHcG: mola hidatiforme, coriocarcinoma e,raramente, em gestações múltiplas ou diabetes.* Até 65% das pacientes tratadas comogonadotrofinas para infertilidade;•Típico: ovários aumentados de volume commúltiplos cistos teca-luteínicos;• Casos graves: ↑ovários, ascite e derrame pleural:
  12. 12. Hyperreactio luteinalisAchados nas imagens:Ovários bilateralmente aumentados devolume( 10 a 20cm); Assemelham-se a tumores multicísticos eapresentam tamanho uniforme; Conteúdo semelhante à água e não háespessamento mural.
  13. 13. Síndrome dos ovários policísticosTranstorno endócrino complexo caracterizadopor hiperandrogenismo e anovulação crônica; Afeta 5 a 20% das mulheres em idade fértil eaté 50% das mulheres com infertilidade; Tríade clássica de amenorreia, hirsutismo eobesidade ocorrem em metade das pacientes; SOP não deve ser diagnosticada apenas porimagens; Papel da RM: complementação da US
  14. 14. Síndrome dos ovários policísticosRM: ovários esféricos, discretamenteaumentados de volume bilateralmente comnumerosos pequenos folículos em uma localizaçãosubcapsular, rodeando o estroma centralanormalmente largo e com baixa intensidade dosinal;Diferentemente dos ovários normais,estesfolículos medem menos de 1,0 cm e tem tamanhoe aspecto uniformes;Fazer imagens das suprarrenais: descartartumor
  15. 15. Cisto endometriótico Manifestação mais comum da endometriose; Envolvimento bilateral em 33 a 50%; Infertilidade: 30-50% das mulheres comendometriose; Causa mais comum de dor pélvica crônica emmulheres em idade fértil; Cistos endometrióticos se apresentam comolesões hemorrágicas complexas cheias dederivados do sangue de diferentes idades.
  16. 16. Cisto endometriótico Parede do cisto geralmente espessa e fibróticae cercada por aderências; Maioria: 3 a 6 cm e raramente excede 15 cm; Ca-125 pode estar elevado e se correlacionacom a atividade da doença; RM: diagnóstico se baseia na detecção dederivados do sangue de diferentes idades emmassa anexial uni ou bilateral;
  17. 17. Cisto endometriótico Compostas por cistos únicos ou múltiplos,tipicamente exibindo alta intensidade do sinal emT1 com e sem supressão de gordura; Variável a intensidade de sinal em T2; Baixa intensidade em T2(“sombreado”)se deveao sangramento crônico e é um sinal específico deendometriomas; Forma irregular e paredes espessas com baixaintensidade de sinal e que realçam pós contraste.
  18. 18. T2: sombreamento T1: cistos hiperintensos
  19. 19. Hidrossalpinge A salpingite é a causa mais comum de oclusãoda tuba uterina distal, o que resulta emhidrossalpinge; Outras causas: tumores tubários, endometriosee aderências de cirurgias prévias; Líquido seroso, sangue ou pus podemacumular-se e causar a dilatação da tuba; Nas imagens: se apresenta como uma estruturatubular cheia de líquido que se origina no fundouterino e é separada do ovário ipsilateral;
  20. 20. Hidrossalpinge Se grande: devido à proximidade do ovário,pode simular uma lesão anexial multisseptada; No entanto, a hidrossalpinge aparece comouma estrutura cística tortuosa com septaçõesmurais interdigitadas; A parede e os septos são finos e exibem baixaintensidade de sinal em T2. O realce septal distintonas imagens contrastadas ponderadas em T1 ou deTC podem oferecer o diagnóstico de piossalpingite; Habitualmente: alto sinal em T2.
  21. 21. Diagnóstico Diferencial RM e TC multiplanares e a opacificação dointestino na TC facilitam a identificação da origemovariana ou extraovariana da lesão; Somente os cistos paraovarianos e ahidrossalpinge representam lesões císticasextraovarianas; Na hidrossalpinge extensa: pode ser difícildiferenciar de cistadenoma multissepatado, mas aestrutura serpenginosa e a presença de pregasmurais e de septos incompletos são característicasda tuba dilatada;
  22. 22. Diagnóstico Diferencial Cistadenoma pode exibir as mesmascaracterísticas dos cistos foliculares: geralmente serealiza seguimento US cistos funcionaisregridem em 2 a 3 ciclos menstruais; A falta de realce da parede, os contornosirregulares e antecedentes de cirurgia ou deaderências pélvicas: cistos de inclusãoperioteneais; O tamanho uniforme dos cistos e um quadroclínico típico auxiliam na diferenciação de cistosteca-luteínicos;
  23. 23. Diagnóstico Diferencial A saturação de gordura auxilia em identificargordura nos dermoides, que, como osendometriomas, podem exibir alta intensidade desinal nas imagens ponderadas em T1; Diferentemente dos endometriomas, os cistoshemorrágicos funcionais geralmente são unilaterais enão exibem hipossinal nas imagens ponderadas emT2; A falta de componentes sólidos ou de projeçõespapilares auxilia em diferenciar endometriomas doscânceres de ovário hemorrágicos ou mucinosos.
  24. 24. Tumores ovarianos benignos A maioria dos tumores ovarianos é benigna (60-80%); Grande espectro de tumores ovarianos; Tipos: teratoma benigno(58%), cistadenomas(37%), fibromas-fibrotecomas(4%) e tumores deBrenner(1%).
  25. 25. Teratoma cístico benigno Tumores benignos de células germinativas; Neoplasia ovariana mais comum em idadefértil; Bilaterais em 10 a 25% dos casos; A maioria tem material gorduroso liquefeito epêlos no interior da cavidade do cisto ou há tecidoadiposo dentro da parede do cisto ou do tampãodermoide; Tamanho: 60% medem entre 5 e 10cm; Complicações: torção, peritonite química e
  26. 26. Teratoma cístico benigno Imagens: TC e RM: Característica específica: gordura no interior deuma lesão ovariana unilocular encapsulada; Não se recomenda sequência STIR(endometriomas podem ter supressão de sinal); Uso de imagens com desvio químico; Cerca de 8-15% tem pouca ou nenhumagordura macroscópica; TC e RM podem avaliar as complicações.
  27. 27. Cistadenoma Maioria dos tumores epiteliais ovarianos; Frequência aumenta com a idade: 80% dostumores benignos na pós-menopausa; Lesões císticas uni ou multiloculadas comparede fina cheias de conteúdo seroso, mucinosoe algumas vezes hemorrágico; Cistadenomas serosos: 20% é bilateral; Rotura de C. mucinoso: pseudomixomaperitoneal; Torção e dor inespecífica por efeito de massa.
  28. 28. Cistadenoma Imagens: TC e RM Massas císticas de paredes finas e regulares; Pode haver septações finas(<3mm) com realce; Serosos costumam ser uni ou biloculados; Intensidade do sinal e densidade de água; Projeções papilares em até 20% dos casos; Mucinosos costumam ser grandes(>10)cm; Mucinosos tem intensidade variável em T1 e T2e na TC.
  29. 29. Cistadenofibroma: subtipo de cistadenoma seroso.
  30. 30. Fibroma e fibrotecoma Tumores de origem estromal: 3-4% dostumores ovarianos; Tipicamente unilaterais(90%); Mulheres na peri e pós-menopausa; Compostos por fibroblastos e células em fuso etem abundante conteúdo em colágeno ou célulasda teca; pode elevar CA-125; Associação com síndrome de Meigs: 1%; Tecomas são hormonalmente ativos em 60%dos casos e câncer de endométrio em 20%.
  31. 31. Fibroma e fibrotecoma Imagens: TC e RM: Tumores ovarianos sólidos bem delimitados;T1: baixa a intermediária intensidade do sinal; T2: Sinal muito baixo(semelhante leiomiomas); Realce leve ou tardio pós contraste(TC e RM); Lesões maiores: calcificações amorfas.
  32. 32. T1: isointenso aoT2 coronal: miométriobaixo sinalT1 pós contraste:homogêneo
  33. 33. Tumor de Brenner Raros tumores ovarianos epiteliais(2%); Idade média à apresentação: 50 anos; Vasta maioria é benigna(98%); Incidentaloma; Menor de 2 cm em 60% dos casos; Imagem: tumor sólido unilateral com baixo sinalem T2; TC: calcificações amorfas; Imagem cística: diagnóstico de tumor de fusão.
  34. 34. T2 T1 contraste
  35. 35. Diagnóstico Diferencial Alto sinal em T1: dermoides, endometriomas,cistos hemorrágicos e tumores mucinososhemorrágicos; T1 com supressão de gordura(↓sinal):teratoma Dermoides sem gordura ou monodérmicosraros (ex: struma ovarii): indistinguível do câncerde ovário; Controle sequencial; Tumores anexiais sólidos de baixo sinal em T2:fibromas, fibrotecomas ou tumor de Brenner.
  36. 36. Neoplasias Malignas do Ovário Neoplasias epiteliais(86%); Neoplasias de células germinativas; Neoplasias do cordão sexual-estroma; Linfoma.Dependendo das características histológicas edo comportamento biológico, as lesões epiteliaispodem ser classificadas como invasivas oulimítrofes.
  37. 37. Câncer de Ovário Epitelial Segunda malignidade ginecológica maiscomum(Haaga); 8º. neoplasia em mulheres(Brasil) INCA: Estimativa de novos casos: 3.837 (2009); Número de mortes: 2.836 (2008) Incidência se eleva continuamente entre os 30e os 70 anos, com pico aos 59 anos; Mais letal que o câncer de endométrio e colouterino combinados; ACS: 22430 novos casos e 15280 mortes em
  38. 38. Câncer de Ovário Epitelial Devido à falta de sintomas e disseminaçãoperitoneal precoce: 70% dos casos com propagaçãoalém da pelve(> ou = estágio III); O estágio é o fator mais importante para oprognóstico; Taxas de sobrevida em 5 anos caem de 93% comdoença localizada para 28% nas com metástases; Disseminação peritoneal(ascite); drenagemlinfática segue os vasos ováricos até LND ilíacoscomuns e para-aórticos e pelo ligamento largo e osparamétrios até LND ilíacos externos e obturatórios.
  39. 39. Câncer de Ovário Epitelial Divisão histológica:1)Cistadenocarcinoma seroso(40-65%);2)Câncer mucinoso(10%);3)Câncer endometrioide(10%);4)Câncer de células claras(5%);5)Tumor de Brenner maligno(2%);6)Cânceres indiferenciados(5 a 10%).
  40. 40. Câncer de Ovário Epitelial Estadiamento: sistema FIGO e TNM:Baseia-se nos achados durante uma laparotomiade estadiamento abrangente, que inclui umahisterectomia abdominal total, salpingo-ooferectomia bilateral, omentectomia infra-cólicae linfadenectomia;Além disso, são colhidas citologia peritoneal emúltiplas biópsias peritoenais na pelve e abdomesuperior;Subestadiamento: 18-31% dos casos.
  41. 41. Câncer de Ovário Epitelial Papel dos exames de imagem:TCMD é a modalidade de escolha;RM: papel como modalidade de solução deproblemas;Precisão do estadiamento: 53-92% TC; 78-88%RM;Novos conceitos estão sendo criados tendendo aum tratamento mais individualizado, abordado porequipe multidisciplinar e os exames de imagemdesempenham papel fundamental.
  42. 42. Câncer de Ovário Epitelial: TC e RM Massa ovariana sólida e cística uni ou bilateral; Lesão multiloculada com espessura > 3mm; Septações que se contrastam irregularmente; Componentes não fibrosos sólidos contrastados Excrescências papilares; Componentes císticos podem conter líquidoseroso, mucinoso ou hemorrágico(melhor visto emT2); Sinais secundários: ascite, implantes peritoenaisou aumento de volume dos linfonodos.
  43. 43. Lesão sólida OE e nódulos em FS Massa predominantemente sólida Finos cistos e ascite em FSAsterisco: fibroide uterino
  44. 44. BIBLIOGRAFIA:1.http://www.slideshare.net/CHIRLEI/tumores- de-ovrio; 2. Haaga; 3. Fundamentos em Radiologia e Diagnóstico por Imagem(Brant); 4. Gamuts in Radiology; 5. www.inca.gov.br

×