Identificação de necessidades e estabelecimento de requisitos

5.652 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre identificação de necessidades e estabelecimento de requisitos para projetos de design de interação homem-máquina. Explica de forma panorâmica a importância de levantar-se requisitos a partir de estudos de usuários, quais são os principais tipos de requisitos e técnicas de coleta de dados.

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.652
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Identificação de necessidades e estabelecimento de requisitos

  1. 1. Igor Quintal; Roberta Peçanha; Rubeniki Fernandes; Tatiane Krempser. Identificando Necessidades e Estabelecendo Requisitos PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005. cap. 7. p. 221-257.
  2. 2. Introdução: contexto <ul><li>Empresa visa automatizar processos de cadastramento de pedidos. </li></ul>
  3. 3. Contexto <ul><li>A empresa escolhe o software por seu design e marca. </li></ul>
  4. 4. Contexto <ul><li>No primeiro dia de uso do novo software, a produtividade do setor de entregas caiu 60%. </li></ul>
  5. 5. Quais serão as reais necessidades dos usuários?
  6. 6. Introdução: plano de apresentação <ul><li>Objetivo do projeto de design </li></ul><ul><li>Objetivo da atividade de estabelecimento de requisitos </li></ul><ul><li>Requisitos (conceito) </li></ul><ul><li>Estabelecer requisitos </li></ul><ul><li>Tipos de requisitos </li></ul><ul><li>Técnicas de coleta de dados </li></ul>
  7. 7. Objetivo do projeto de design <ul><li>substituir um sistema </li></ul><ul><li>atualizar um sistema </li></ul><ul><li>desenvolver algo inovador </li></ul>
  8. 8. Objetivo da atividade de estabelecimento de requisitos <ul><li>Identificação de necessidades </li></ul><ul><li>Obter conjunto de requisitos </li></ul>
  9. 9. Requisitos <ul><li>“ Consiste em uma declaração sobre um produto pretendido que especifica o que ele deveria fazer ou como deveria operar.” (PREECE et al, 2005, p. 224) </li></ul>Estabelecer Requisitos <ul><li>Estabelecimento de requisitos a atividade de entender o que um produto (software) deve realizar. </li></ul>
  10. 10. Tipos de Requisitos <ul><li>Requisitos Funcionais </li></ul><ul><li>Requisitos Não-Funcionais </li></ul>
  11. 11. Outros requisitos <ul><li>Requisitos de dados </li></ul><ul><li>Requisitos ambientais ou o contexto de uso </li></ul><ul><li>Requisitos do usuário </li></ul><ul><li>Requisitos de usabilidade </li></ul>
  12. 12. Requisitos de dados <ul><li>Captam tipo, volatilidade, tamanho/quantidade, persistência, precisão das quantidades de dados exigidos. </li></ul>
  13. 13. Requisitos ambientais ou o contexto de uso <ul><li>circunstância o produto interativo vai operar </li></ul><ul><li>Ambiente físico </li></ul><ul><li>Ambiente social </li></ul><ul><li>Ambiente organizacional </li></ul><ul><li>Ambiente técnico </li></ul>
  14. 14. Requisitos do usuário <ul><li>Capturam características do grupo de usuários pretendido. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Captam metas de usabilidade e as medidas associadas para um produto em particular. </li></ul>Requisitos de usabilidade
  16. 16. Coleta de Dados <ul><li>A coleta de dados visa fundamentar o estabelecimento de requisitos </li></ul><ul><li>Técnicas </li></ul><ul><li>Questionário </li></ul><ul><li>Entrevistas </li></ul><ul><li>Grupos de estudos específicos (Grupos focais) e workshops </li></ul><ul><li>Observação natural </li></ul><ul><li>Estudo de documentação </li></ul>
  17. 17. Escolhendo as técnicas <ul><li>depende do tipo de informação a se obter </li></ul><ul><li>vantagens e desvantagens de cada método </li></ul><ul><li>recursos disponíveis (tanto financeiros quanto de tempo) </li></ul><ul><li>localização e acessibilidade dos stakeholders </li></ul>
  18. 18. Questionário <ul><li>Os questionários têm como ponto forte a capacidade de responder a perguntas pontuais. É possível alcançar um grande volume de pessoas dispersas geograficamente e permite administração à distância. Atualmente existem sites como SurveyMonkey, MakeSurvey que possibilitam a geração de questionários online dispensando necessidade de impressão e trazendo outras facilidades. Os questionários em geral são complementares a outras técnicas pois o índice de resposta pode ser baixo, são muito rígidos e não permitem exploração de questões. </li></ul>
  19. 19. Entrevistas <ul><li>As entrevistas no contexto de trabalho dos usuários podem levar o entrevistador a entender melhor certas atividades. Elas trazem a vantagem de permitir a exploração de questões. O entrevistador pode guiar o entrevistado. Em geral entrevistas não-estruturadas são usadas no início para elicitar cenários. A interação com seres humanos ao responder perguntas pode ser mais agradável a quem responde. No entanto, trazem a desvantagem de serem dispendiosas em tempo e financeiramente. E são também inviáveis de se alcançar grande quantidade de pessoas. </li></ul>
  20. 20. Grupos focais <ul><li>Os grupos focais são pequenos grupos de pessoas reunidos para avaliar conceitos e identificar problemas. Reunir vários stakeholders para discutir questões e requisitos pode ser muito revelador. Nestas reuniões podem ou não haver tópicos estruturados para discussão. Mas um eixo norteador se faz necessário. Os grupos são úteis para ter-se uma visão consensual sobre requisitos. Através deles é possível observar conflitos e discordâncias. Necessitam planejamento cuidadoso assim como criteriosidade na escolha de participantes. Têm a desvantagem de em geral poucas pessoas tenderem a dominar as discussões. </li></ul>
  21. 21. Observação natural <ul><li>Implica em passar algum tempo com os stakeholders enquanto realizam suas tarefas. Alguém da equipe de design segue um funcionário de perto, fazendo perguntas, anotando e observando o que ele faz. Pode proporcionar insights interessantes. Esta técnica é fundamental não apenas como complemento, mas também como para contextualizar o trabalho ou o comportamento que uma máquina deve apresentar Serve para entender-se como as pessoas fazem as tarefas (exemplos, como catalogam um livro, cadastram clientes, etc.). Apesar de tudo elas requerem muito tempo. </li></ul>
  22. 22. Estudo de documentação <ul><li>Refere-se principalmente às regulamentações registradas de determinada tarefa. Esta técnica permite aprender sobre os procedimentos, regulamentações e padrões, dados que são frequentemente encontrados em manuais. Não deveriam ser a única fonte. As práticas diárias diferem-se do que normalmente é documentado de forma ideal. Outros documentos incluem diários e logs de trabalho. </li></ul>
  23. 23. Algumas diretrizes básicas para coleta de dados <ul><li>conhecer bem os objetivos </li></ul><ul><li>identificação das necessidades </li></ul><ul><li>envolver todos os grupos de stakeholders </li></ul><ul><li>combinação de técnicas </li></ul><ul><li>sessões piloto </li></ul><ul><li>abrir mão do ideal </li></ul><ul><li>forma de registro dos dados </li></ul>

×