Apocalipse

551 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
551
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apocalipse

  1. 1. ApocalipseA descoberta dos novoscódigos de interpretaçãoS e m i n á r i oHaroldo DutraDias
  2. 2. Deus, Espírito e Maté riasegundo o EspiritismoMaté ria EspíritoDeus
  3. 3. "Os Espíritos são iguais ou existe entre eles uma hierarquiaqualquer? São de diferentes ordens, conforme o grau de perfeiç ão aque chegaram." - O Livro dos Espíritos - Questão 96."São os pró prios Espíritos que se melhoram e, melhorando-se,passam de uma ordem inferior para uma ordem superior." - O Livrodos Espíritos - Questão 114."Deus criou todos os Espíritos simples e ignorantes, isto é , semsaber". - O Livro dos Espíritos - Questão 115."Há Espíritos que permanecerão para sempre nas ordens inferiores?Não; todos se tornarão perfeitos." - O Livro dos Espíritos - Questão 116.Espíritos
  4. 4. "Os Espíritos podem degenerar? Não; à medida que avanç am,compreendem o que os distanciava da perfeiç ão." - O Livro dosEspíritos - Questão 118."Todos os Espíritos passam pela fieira do mal para chegar ao bem?Não pela fieira do mal, mas por aquela da ignorância." - O Livro dosEspíritos - Questão 120."Como podem os Espíritos, em sua origem, quando ainda não têmconsciência de si mesmos, ter a liberdade de escolher entre o beme o mal? O livre-arbítrio se desenvolve à medida que o Espíritoadquire consciência de si mesmo." - O Livro dos Espíritos - Questão 122."Os Espíritos que, desde o princípio, seguiram a rota do bem, têmnecessidade de encarnaç ão? Todos são criados simples eignorantes e se instruem nas lutas e tribulaç ões da vida corporal.Deus, que é justo, não podia fazer felizes a uns, sem fadigas e semtrabalho e, por conseguinte, sem mé rito." - O Livro dos Espíritos -Questão 133.Espíritos
  5. 5. "Qual dos dois, o mundo espiritual ou o mundo corporal, é oprincipal na ordem das coisas? O mundo espiritual, que preexiste esobrevive a tudo." - O Livro dos Espíritos - Questão 85.Mundo Espiritual
  6. 6. "Tudo o que se pode dizer e podeis compreender é que os mundosse formam pela condensaç ão da maté ria disseminada no espaç o". -O Livro dos Espíritos - Questão 39."Pode um mundo completamente formado desaparecer e a maté riaque o compõe disseminar-se de novo no espaç o? Sim, Deus renovaos mundos, como renova os seres vivos." - O Livro dos Espíritos -Questão 41."O mundo corporal poderia deixar de existir, ou nunca ter existido,sem que isso alterasse a essência do mundo espiritual? Sim; elessão independentes e, não obstante, a correlaç ão entre ambos éincessante, porque reagem incessantemente um sobre o outro." - OLivro dos Espíritos - Questão 86."Fica sabendo que teu mundo não existe de toda a eternidade eque, muito tempo antes que ele existisse, já havia Espíritos quetinham atingido o grau supremo. Os homens então acreditaram queMundo Físico
  7. 7. "É preciso que tudo se destrua para renascer e se regenerar, poisisso a que chamais destruiç ão não passa de uma transformaç ão,que tem por fim a renovaç ão e a melhoria dos seres vivos." - O Livrodos Espíritos - Questão 728."A necessidade de destruiç ão é a mesma em todos os mundos? Éproporcional ao estado mais ou menos material dos mundos. Deixade existir quando o físico e o moral se acham mais depurados." - OLivro dos Espíritos - Questão 732."Com que fim Deus castiga a Humanidade por meio de flagelosdestruidores? Para fazê-la progredir mais depressa. Já nãodissemos que a destruiç ão é necessária para a regeneraç ão moraldos Espíritos, que em cada nova existência sobem mais um degrauna escala da perfeiç ão? É preciso que se veja o objetivo, para sepoder apreciar os resultados." - O Livro dos Espíritos - Questão 737Lei do Progresso x Lei daDestruiç ão
  8. 8. "O progresso moral acompanha sempre o progresso intelectual? Éa sua consequência, mas nem sempre o segue imediatamente." - OLivro dos Espíritos - Questão 780."O progresso completo constitui o objetivo, mas os povos, como osindivíduos, só o atingem gradualmente. Enquanto o senso moralnão se houver desenvolvido neles, pode o mesmo acontecer que sesirvam da inteligência para a prática do mal. O moral e a inteligênciasão duas forç as que só se equilibram com o passar do tempo." - OLivro dos Espíritos - Questão 780b."Há o progresso regular e lento que resulta da forç a das coisas.Quando, poré m, um povo não progride tão depressa quanto deveria,Deus o sujeita, de tempos em tempos, a um abalo físico ou moralque o transforma." - O Livro dos Espíritos - Questão 783.Lei do Progresso x Lei daDestruiç ão
  9. 9. "(...) muito breve, o homem estará ligado à gló ria da RELIGIÃOCÓSMICA, da Religião do Amor e da Sabedoria, que o CristianismoRenascente, no Espiritismo de hoje, edificará para a Humanidade,ajustando-a ao concerto de benç ãos, que o grande porvir nosreserva."CHICO XAVIERentrevista para a Revista da LBV, de 05 de Janeiro de 1954, Questão 3.Religião Có smica
  10. 10. "Nessa substância original, ao influxo do pró prio Senhor Supremo,operam as Inteligências Divinas a Ele agregadas, em processo decomunhão indescritível (...) extraindo desse hálito espiritual osceleiros da energia com que constroem os sistemas da Imensidade,em serviç o de Co-criaç ão em plano maior, de conformidade com osdesígnios do Todo-Misericordioso, que faz deles agentesorientadores da Criaç ão Excelsa."Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, espírito André Luiz.Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte, Cap. 1.Evoluç ão em Dois Mundos
  11. 11. "A lado de Deus estão numerosos Espíritos chegados ao topo daescala dos Espíritos puros, que mereceram ser iniciados em seusdesígnios, para dirigirem a sua execuç ão. Deus escolheu dentreeles seus enviados superiores, encarregados de missões especiais.Podeis chamá-los Cristos (...)." Revista Espírita - Lacordaire - Paris, 1862."Os Messias, seres superiores, chegados ao mais alto grau dahierarquia celeste, depois de terem atingido uma perfeiç ão que ostorna infalíveis daí por diante, e acima das fraquezas humanas,mesmo na encarnaç ão. Admitidos nos conselhos do Altíssimo,recebem diretamente sua palavra, que são encarregados detransmitir e fazer cumprir. Verdadeiros representantes daDivindade, da qual tem o pensamento, é entre eles que Deusescolhe seus enviados especiais, ou seus Messias, para asgrandes missões gerais (...)."Revista Espírita, Ano 1868, MêsFevereiroReferência aos Cristos/Messias
  12. 12. "Rezam as tradiç ões do mundo espiritual que na direç ão de todosos fenô menos, do nosso sistema, existe uma Comunidade deEspíritos Puros e Eleitos pelo Senhor Supremo do Universo, emcujas mãos se conservam as ré deas diretoras da vida de todas ascoletividades planetárias." – A Caminho da Luz - Capítulo 1.A Caminho da Luz
  13. 13. "(...) consideramos Jesus Cristo como sendo Espírito de evoluç ãosuprema, em confronto com a evoluç ão dos chamados terrícolasque somos nó s outros. Não o senhor do sistema solar (...). ""Acho formidável o que o Prof. Herculanos Pires disse. Quer dizerque Jesus seria o demiurgo da Terra. E o demiurgo do sistemasolar será, então, um demiurgo da mais alta potência construtora."Herculano Pires e Chico Xavier.Na Era do Espírito - Cap. Presente de Natal.Na Era do Espírito
  14. 14. "(...) Jesus Cristo, como Governador de nosso mundo, no sistemasolar, conta, naturalmente, com GRANDES INSTRUTORES, para aevoluç ão física e para a evoluç ão espiritual, na organizaç ãoplanetária. E, subordinados a estes MINISTROS (...) conta ele comuma assembleia de múltiplos instrutores, de variadas condiç ões,que lhe obedecem às ordens e às instruç ões, numa Esfera cujaevoluç ão, de momento, escapa à nossa possibilidade deapreciaç ão."CHICO XAVIERentrevista para a Revista da LBV, de 05 de Janeiro de 1954, Questão 1.Governador do Orbe e os GrandesInstrutores
  15. 15. "(...) os Espíritos como Buda, como Zoroastro, como aqueles outrosGRANDES INSTRUTORES da Í ndia e da Gré cia, por exemplo, queeram considerados orientadores ou chefes de grandes movimentosmitoló gicos, serão MINISTROS do Cristo (...).""(...) os MINISTROS do Senhor estão cooperando para quealcancemos a seguranç a, com a estabilidade precisa, para que oplaneta seja realmente promovido a mundo de paz e felicidade paratodos os seus habitantes."Herculano Pires e Chico Xavier.Na Era do Espírito - Cap. Presente de Natal.Governador do Orbe e os GrandesInstrutores
  16. 16. "(...) a Natureza inteira mergulhada no fluido divino. (...) Não haveránenhum ser, por mais ínfimo que o suponhamos, que de algummodo não esteja saturado dele. Achomo-nos, assim,constantemente em presenç a da Divindade (...)". – A Gênese - Cap. II,item 24." (...) se figurarmos todos os seres penetrados do fluido divino,soberanamente inteligente, compreenderemos a sabedoriaprevidente e a unidade de vistas que presidem a todos osmovimentos instintivos para o bem de cada indivíduo." - A Gênese -Cap. III, item 15.Providência Divina
  17. 17. "Essa solicitude é tanto mais ativa, quanto menos recurso tem oindivíduo em si mesmo e na sua inteligência. É por isso que ela semostra maior e mais absoluta nos animais e nos seres inferiores,do que no homem." - A Gênese - Cap. III, item 15."O instinto maternal, o mais nobre de todos (...) fica realç ado eenobrecido. (...) Por intermé dio da mãe, o pró prio Deus vela pelassuas criaturas que nascem." - A Gênese - Cap. III, item 15.Providência Divina
  18. 18. Físico e astrô nomo, nasceu em 26 defevereiro de 1786, em Estagel,Franç a. Suas obras completas, em 13volumes, foram publicadas apó s suamorte. Ocupou diversos cargospolíticos, entre eles o de Deputado,Ministro da Marinha e Ministro daGuerra.Dominique Franç ois Jean Arago
  19. 19. "Vou mais longe ainda: digo que a nossa nebulosa, que é como umarquipé lago na imensidade, tendo també m seu movimento detranslaç ão atravé s de miríades de nebulosas, sobre a influênciadaquelas de que se aproxima.""Assim, as nebulosas reagem sobre as nebulosas, os sistemasreagem sobre os sistemas, como os planetas reagem sobre osplanetas, como os elementos de cada planeta reagem uns sobre osoutros, e assim sucessivamente, até o átomo.""Essa efervescência, a princípio inconsciente, que não passa de umvago desejo, uma aspiraç ão indefinida por algo melhor, umanecessidade de mudanç a, traduz-se por uma agitaç ão surda,depois por atos que levam às revoluç ões morais, as quais, crede-obem, també m têm sua periodicidade, como as revoluç ões físicas,porque tudo se encadeia."A Gênese - Cap. XVIII, item 8, Arago.Dominique Franç ois Jean Arago
  20. 20. "Cada corpo celeste, alé m da leis simples que presidem à divisãodos dias e das noites, das estaç ões, etc..., sofrem revoluç ões quedemandam milhares de sé culos para a sua perfeita realizaç ão.""O homem não abarca senão as fases de duraç ão relativamentecurta, cuja periodicidade pode constatar; mas há umas quecompreendem longas geraç ões de seres e, mesmo, sucessões deraç as (...)". - A Gênese."Num mesmo sistema planetário todos os corpos que deledependem reagem uns sobre os outros"."Vou mais longe: digo que os sistemas planetários reagem unssobre os outros, em razão da aproximaç ão ou do afastamento queresulta de seu movimento de translaç ão atravé s das miríades desistemas que compõem a nossa nebulosa". – A Gênese.Dominique Franç ois Jean Arago
  21. 21. "(...) acreditamos que o nosso visitante sublime (Asclé pios) suspirapor integrar-se no quadro de representantes do nosso orbe, juntoàs gloriosas comunidades que habitam, por exemplo, Júpiter eSaturno. Os componentes dessas, por sua vez, esperam, ansiosos,o instante de serem convocados às divinas assembleias que regemo nosso sistema solar. Entre essas últimas, estão os que aguardam,cuidadosos e vigilantes, o minuto em que serão chamados acolaborar com os que sustentam a constelaç ão de Hé rcules, a cujafamília pertencemos. Os que orientam nosso grupo de estrelasaspiram, naturalmente, a formar, um dia, na coroa de gênioscelestiais que amparam a vida e dirigem-na, no sistema galáxico emque nos movimentamos. E sabe meu amigo que a nossa Via-Láctea,viveiro e fonte de milhões de mundos, é somente um detalhe daCriaç ão Divina, uma nesga do Universo!" - O Livro dos Espíritos - Cap.3, André Luiz, Chico Xavier.Complemento da Obra Subsidiária
  22. 22. "Apareceu então a Terra, na Comunidade dos Mundos do nossosistema evolutivo, em torno do Sol. O nosso Sol, depois, em outraface do painel, evoluindo para a constelaç ão que, se não meengano, é chamada de Andrô meda. Depois, essa constelaç ão,arrastando o nosso sistema e outros, evoluía em direç ão a outraconstelaç ão que já não tinha nome na minha cabeç a. Essa outraconstelaç ão avanç ava para outra muito maior dentro da nossagaláxia. Depois, apareceu a nossa galáxia, imensa (...). E a nossagaláxia evoluía com outras galáxias em torno de uma nebulosaenorme e que Emmanuel me disse que passava a evoluir em tornode outras nebulosas". - Na Era do Espírito - Herculano Pires/Chico Xavier,Cap. Presente de Natal.Complemento da Obra Subsidiária
  23. 23. "Porque tudo está dentro da Ordem Divina. Cada mundo, cadasistema, cada galáxia, orientados por Inteligências Divinas, e Deuspara lá disso tudo, sem que possamos fazer-lhe uma definiç ão.Senti uma vontade enorme de voltar para a minha cama e tomarcafé quente!" - Na Era do Espírito - Herculano Pires/Chico Xavier, Cap.Presente de Natal.Complemento da Obra Subsidiária
  24. 24. "Eis o apelo contínuo presente nos profetas: o Deus simpático aoser humano, preocupado com a dor e o sofrimento, clama porjustiç a e outorga redenç ão, convoca o humano a ser simpático aoseu pathos pelo ser humano. Para Herschel, o objetivo do serhumano é cuidar da humanidade como Deus o faria (Kasimow,2007, p. 23). Deus necessita do humano para que este possarealizar a redenç ão".Livro de Abraham Joshua Herschel.Caráter do Profeta e de sua Obra
  25. 25. "Com respeito às profecias de Nostradamus (...) pede-nosEmmanuel para lermos com meditaç ão a Parábola de Jonas noAntigo Testamento." - Encontros no Tempo, Cap. 1 - Parábola de Jonas.Objetivo da Profecia
  26. 26. O Calendário Judaico e suas FestasA Religião do Tempo
  27. 27. Genesis 2:2 "E, havendo Deus acabado no dia sé timo a sua obra,que tinha feito, descansou no sé timo dia de toda a sua obra, quetinha feito."A Metáfora do 7O Ciclo PerfeitoSHABUA Período de Sete→7 (sete) = 2 x ( 3,5 ) = 2 x ( 1 + 2 + ½ ) = 2 x( 7 x 0,5 )
  28. 28. SHABUA DE DIAS − 7 DIAS Num 14:34, Ez: 4:6→ → 7ANOSLev 12:5SHABUA DE SEMANAS (DIAS) − 49 DIAS ( 7 x 7 dias) → 49ANOSLev 23:15, Dt 16:9/10 e 16SHABUA DE MESES 7 meses =− 210 DIAS ( 7 x 30 dias) →210 ANOSEz 39:12/14SHABUA DE ANOS 7 anos =− 2.520 DIAS ( 7 x 360 dias) →2.520 ANOSGen 29:27/28, Dn 7:25, Ez 39:9Is 38:5/8, Ap 12:6 e 14, Ap 13:5Equaç ões Profé ticasAs Sete Shabua2.520 dias = 84 meses = 2 x 42 meses = 7x 12 meses12 meses = 1 ano profético
  29. 29. SHABUA DE SEMANA-ANOS − 49 ANOS ( 7 x 7 anos) ANO−DO JUBILEU → 7 x 2.520 ANOSLev 25:8SHABUA DE MILÊNIOS − 7.000 ANOS ( 7 x 1.000 anos) −SEMANA ADÂMICAII Ped 3:8, Sl 90:4Os 6:2/3, Ap 20:1/7SHABUA DE ERAS − 7x ( 7 x valor indefinido ) SEMANA DA−CRIAÇÃOGen 1/2Equaç ões Profé ticasAs Sete Shabua
  30. 30. 1ª - As sete epístolas às sete igrejas (cap 2 a3)2ª - Os sete selos (cap 4:1 a 8:1)3ª - As sete trombetas (cap 8:2 a 11)4ª - As sete figuras místicas (cap 12 a 14)I - Mulher vestida ao solII - Dragão vermelhoIII - Filho da mulherIV - Primeira besta que emerge do marV - Segunda besta que levanta da terraVI - Cordeiro do monte SiãoVII - Filho do Homem sobre a nuvem5ª - O derramamento das sete taç as (cap 15e 16)6ª - Julgamento e queda da Babilô nia (cap 17a 20)7ª - As gló rias da nova Jerusalé m (cap 21 eEstrutura Livro ApocalipseAs sete vistas (subdivididas em sete partes cada uma)
  31. 31. "Mas eu paro, porque o dia de amanhã ainda não aparece. Mal nosaproximamos da meia-noite."Revista Espírita, Ano 1868, Mês de Maio, mensagem do Espírito da Fé.Aplicaç ão da Lei - CasosReló gio de Acaz - As Horas do Apocalipse
  32. 32. Isaias, 38:5-8 - ‘’Ouvi a tua oraç ão, e vi as tuas lágrimas, eis queacrescentarei aos teus dias quinze anos. (...) Eis que fareiretroceder dez graus a sombra lanç ada pelo sol declinante noreló gio de Acaz. Assim retrocedeu o sol os dez graus que já tinhadeclinado.’’.O reló gio de Acaz pode ser explicado com vantagem por umdispositivo correspondente, isto é , por uma semi-esfera oca,dividida em 12 partes, equivalentes às 12 horas do dia (horas deluz). Cada uma dessas partes está subdividida em 10 outras,chamadas graus, às quais, por sua vez, se subdividem em 6 partes.Assim, 10 graus ou 6.0 partículas correspondem a 1 hora.Consoante Isaias, 1 hora corresponde a 15 anos profé ticos, 1 diainteiro profé tico (24 horas) corresponderá a 24x15 anos, ou seja,360 anos.Aplicaç ão da Lei - CasosReló gio de Acaz - As Horas do Apocalipse
  33. 33. .Aplicaç ão da Lei - CasosReló gio de Acaz - As Horas do Apocalipse
  34. 34. .Aplicaç ão da Lei - CasosCiclo das Geraç ões(Entrevista Chico Xavier, Revista LBV, 05/01/54)
  35. 35. .Aplicaç ão da Lei - CasosCiclo das Geraç ões(Entrevista Chico Xavier, Revista LBV, 05/01/54)
  36. 36. Haroldo Dutra Diastwitter.com/haroldoddwww.portalser.org

×