A importância da família para o processo da aprendizagem escolar   por flávia silveira da silva
Próximos SlideShare
Carregando em...5
×

Curtiu isso? Compartilhe com sua rede

Compartilhar

A importância da família para o processo da aprendizagem escolar por flávia silveira da silva

  • 40,099 visualizações
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Be the first to comment
No Downloads

Visualizações

Visualizações totais
40,099
No Slideshare
40,018
A partir de incorporações
81
Número de incorporações
2

Ações

Compartilhamentos
Downloads
448
Comentários
0
Curtidas
7

Incorporar 81

http://pactonovo.blogspot.com.br 80
http://pactonovo.blogspot.com 1

Conteúdo do relatório

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO “LATO SENSU” AVM FACULDADE INTEGRADA A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA PARA O PROCESSO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR Por: Flávia Silveira da Silva Orientador Prof. Geni Lima Rio de Janeiro 2012
  • 2. 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO “LATO SENSU” AVM FACULDADE INTEGRADA A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA PARA O PROCESSO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Orientação Educacional e Pedagógica. Por: Flávia Silveira da Silva
  • 3. 3 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, que tem cuidado de mim com tanto amor, me deu fé e esperança. Permitindo a realização de mais uma etapa na minha vida. A minha família pelo apoio e incentivo para o meu crescimento profissional. As colegas do curso pela força que impulsionou na elaboração deste trabalho. Aos professores que se dedicaram, e contribuíram significativamente para o meu aprendizado.
  • 4. 4 DEDICATÓRIA Dedico primeiramente ao meu filho Pedro Lucas, que embora muito pequeno, tentou entender as horas que a mamãe precisava se dedicar ao trabalho. Sei que desde já está aprendendo o valor do ensino na vida de uma pessoa. Ao meu esposo que sempre esteve ao meu lado com muita paciência e amor. A todos que buscam dignidade e qualidade da educação em nosso país.
  • 5. 5 RESUMO Neste trabalho procurou-se enfocar a importância da família para o processo da aprendizagem escolar, principalmente a sua influência no desenvolvimento das crianças, podendo contribuir para o sucesso ou o fracasso ao longo de sua vida escolar. Entendemos que a criança em desenvolvimento irá sofrer fortes influências da família, pois é nela que se encontra o referencial de valores, crenças, comportamentos e costumes. Podendo influenciar de maneira positiva ou negativa neste processo da aprendizagem. Não só a família, mas a escola também precisa entender a importância da família e buscar meios de inseri-la no cotidiano escolar de seus filhos. O Orientador Educacional é o profissional que poderá trazer a sua contribuição de maneira muito significativa, promovendo o envolvimento das famílias com o aprendizado de suas crianças e desenvolvendo a parceria com a escola, buscando a solução de problemas que possam surgir. Sendo assim, o capítulo I traz os diferentes modelos de famílias que foram surgindo ao longo do tempo devido às transformações sociais e econômicas da sociedade e os reflexos dessas mudanças na escola. No capítulo II é abordado a influência da família no desenvolvimento da criança, e como ela pode contribuir tanto para o sucesso ou como para o fracasso escolar. O capítulo III, procura enfocar como deve ser olhar e o fazer do Orientador Educacional diante das mudanças na família, e as ações que podem ser desenvolvidas para envolver as famílias no processo da aprendizagem escolar de suas crianças. Ao final desta pesquisa, a conclusão promove a análise e reflexão, de todos que de alguma maneira estão envolvidos com o processo da aprendizagem escolar, e na busca de uma educação de qualidade.
  • 6. 6 METODOLOGIA Trabalho de caráter teórico, que será desenvolvido através de pesquisa bibliográfica, voltada para a análise de livros, revistas e artigos publicados na internet relacionados à família e sua influência no processo da aprendizagem escolar e a contribuição da Orientação Educacional na relação família e escola. Bem como ações que podem ser desenvolvidas pelo Orientador, visando um melhor envolvimento das famílias com o desenvolvimento da vida escolar de suas crianças. Trazendo questões de suma importância para o conhecimento de estudantes e profissionais voltados para a educação.
  • 7. 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I – FAMÍLIA: DIFERENTES MODELOS E 10 GRANDES MUDANÇAS. CAPÍTULO II – A FAMÍLIA E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO 17 DA APRENDIZAGEM ESCOLAR CAPÍTULO III- O ORIENTADOR EDUCACIONAL E SUA 27 CONTRIBUIÇÃO NA RELAÇÃO FAMÍLIA /ESCOLA. CONCLUSÃO 36 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 38 ÍNDICE 40
  • 8. 8 INTRODUÇÃO Desde o início da humanidade, a família tem sido colocada como pilar principal da sociedade, exercendo forte influência no desenvolvimento da criança até a fase adulta. Sendo colocado sobre ela o peso de estruturar ou desestruturar todo o processo de aprendizagem de um indivíduo. Pois é na família que se encontra todo referencial de valores, comportamentos, crenças e costumes. É no âmbito familiar que a criança inicia seus primeiros estágios de aprendizagem, que mas tarde se estende à escola. È possível perceber as mudanças ocorridas na família ao longo do tempo, devido a diversas transformações sociais, políticas, econômicas e culturais. Assim, podemos ver o reflexo dessas mudanças na escola, que muitas vezes se encontra perdidas, sem conseguir exercer o papel de educar para a cidadania e preparar para o mercado de trabalho. Quando tenta assumir o papel da família. E pais atribuindo à escola o total dever de ensinar e educar, sem ao menos buscar participar da vida escolar de seus filhos. Por isso, o problema dessa pesquisa se resume em como a família influência no desenvolvimento da aprendizagem escolar, e quais os aspectos envolvidos neste processo. O objetivo geral desta pesquisa é enfocar a importância da família no processo da aprendizagem escolar de crianças no primeiro seguimento do Ensino Fundamental. Tendo relacionados à pesquisa, os seguintes objetivos específicos:  Destacar a influência que a família pode exercer para o sucesso ou fracasso da vida escolar de seus filhos.  Demonstrar como o Orientador Educacional pode contribuir para envolver a família na vida escolar de suas crianças. E sua atuação como mediador na relação família e escola.  Analisar quais os processos envolvidos na construção da aprendizagem.
  • 9. 9 A delimitação dessa pesquisa se dá através de um estudo teórico, trazendo uma abordagem de como as famílias de hoje têm influenciado no desenvolvimento de suas crianças no início de sua vida escolar, e como o Orientador Educacional poderá inseri-la no cotidiano da escola. A metodologia utilizada nesta pesquisa foi uma análise bibliográfica, e esta será estruturada em capítulos. Nesta pesquisa, tentaremos trazer uma contribuição para profissionais na área de Orientação Educacional, bem como a todos envolvidos no contexto escolar. Para uma maior conscientização da importância da família estar envolvida com a escola e o desenvolvimento da aprendizagem, principalmente no início da vida escolar. CAPÍTULO I
  • 10. 10 FAMÍLIA: DIFERENTES MODELOS E GRANDES MUDANÇAS A família não é algo biológico, algo natural ou dado, mas um produto de diferentes formas históricas de organização entre os humanos que, aos poucos, foram sendo institucionalizadas na forma de organização familiar. (PRADO, 2009) O termo família, originado do vocábulo latino “famulus”, revela a ideologia patriarcal e androcêntrica implícita em sua origem: “ famulus quer dizer escravo doméstico, e família, o conjunto de escravos pertencentes a um mesmo homem.” Com o tempo, o termo família passou a significar um grupo social cujo chefe mantinha sob seu poder a mulher,os filhos e certos números de escravos, com direito sobre eles. (FRANCESCHINI e PORTELLA, 2011) As famílias foram se organizando e se modificando ao longo da história, e hoje, apresentam diversos modelos. 1.1- Os diferentes modelos de famílias hoje Segundo o dicionário Aurélio (2001), a família é conceituada como grupo de pessoas aparentadas,do mesmo sangue e origem que vivem na mesma casa,particularmente o pai,a mãe e os filhos.Esse é o modelo de família nuclear,constituída apenas pelo casal e seus filhos. Desde crianças vemos esse modelo em diversos meios como, livros, filmes, na televisão, mesmo que a vivência seja de outra maneira. A família é unida por múltiplos laços capazes de manter os membros moralmente, materialmente e reciprocamente durante uma vida e durante as gerações. Esse é um modelo que foi instituído desde o princípio da humanidade, quando o homem uniu-se a uma mulher para a procriação e continuação da espécie humana na Terra. O homem como o provedor da família e a mulher como aquela que auxilia, cuida da casa e dos filhos. Segundo sociólogos e demógrafos, uma mãe com seus filhos sem a participação de um pai, não constitui uma família, mas sim uma família natural ou incompleta.
  • 11. 11 O modelo de família e a sua composição variam conforme o tipo de sociedade e a época vivida. A família não é um simples fenômeno natural. Ela é uma instituição social variando através da História e apresentando até formas e finalidades diversas numa mesma época e lugar, conforme o grupo social que esteja sendo observado. (PRADO, 2009, p.12) Como toda instituição social, ela apresenta aspectos positivos, pois desenvolve a sociabilidade, o afeto e a solidariedade. Mas apresenta também, a imposições normativas de usos e costumes, que muitas vezes geram conflitos no âmbito familiar. Mas com todas as mudanças sociais, históricas, culturais e econômicas ao longo do tempo; aparecem então, diferentes modelos de famílias. Existem famílias de pais únicos ou mono parental, trata-se de uma variação do modelo nuclear, devido a fenômenos sociais como o divórcio, óbito, abandono de lar ou adoção de crianças por uma só pessoa. Há um modelo mais ampliado, trata-se da família extensa, em que existe uma extensão das relações entre pais e filhos para avós ou outros parentes mais próximos. Muito além dessas duas estruturas básicas e principais, temos outros modelos de famílias, reflexos das mudanças sociais e culturais do nosso tempo. Como as famílias comunitárias e as famílias arco-íris, também chamadas de famílias alternativas. Na família comunitária, o papel dos pais é descentralizado, sendo as crianças responsabilidade de todos os membros adultos, qualquer que seja o grau de parentesco. Educando coletivamente essas crianças, na tentativa de resolver diversos problemas. E as famílias arco-íris ou famílias homossexuais são o mais atual modelo, é aquela constituída por pessoas homossexuais e os seus filhos, que na maioria dos casos foram adotados ou frutos de uniões anteriores. Ou ainda, no caso de duas mulheres com filhos por inseminação artificial. De acordo com Prado (2009), outra forma de família seria aquela baseada numa união livre, em que mesmo com a presença de filhos, não há uma
  • 12. 12 legalização civil e nem formalização religiosa. Sendo muito comum nas camadas de baixa renda, muita das vezes ligada a uma estratégia de sobrevivência. Buscam-se também, uma maneira de poder desfazer a união a qualquer momento que houver uma insatisfação de ambas as partes, sem precisar passar pelas questões envolvidas num divórcio. Podemos observar os diferentes modelos de famílias hoje, que é resultado de adaptações e tentativas de resolver grandes mudanças ocorridas na sociedade. Além de mudanças ocorridas devido a problemas gerados por divórcios, óbitos, abandonos etc. Independente de diversas mudanças e modelos, a família continua sendo um núcleo fundamental na sociedade. É através da família que o Estado também pode exercer o seu controle sobre os indivíduos, dependendo do momento histórico e econômico que esta sociedade está vivendo. Sendo que cada família terá o seu modo de vida dentro das normas estabelecidas pelo Estado. Uma família é não só um tecido fundamental de relações mas também um conjunto de papéis socialmente definidos.A organização da vida familiar depende do que a sociedade,através de seus usos e costumes,espera de um pai,de uma mãe,dos filhos,de todos os membros,enfim.(PRADO,2009,p.24) 1.2- As mudanças ocorridas na família e seus reflexos na escola
  • 13. 13 Podemos facilmente observar hoje, neste presente século, que a família veio sofrendo grandes mudanças. Que os diferentes modelos de famílias foram surgindo e se adaptando as próprias mudanças culturais, sociais e econômicas da sociedade ao longo do tempo. A família tem como função proporcionar e garantir o pleno desenvolvimento de um indivíduo, desde o seu nascimento até a fase de sua independência. Nesse desenvolvimento envolve dar proteção, afeto, educação, promover a sociabilidade, zelar pela saúde e o bem estar. Mas o que temos visto é a inversão de valores e a negligência da família em desempenhar a sua função. Sendo a escola, o lugar que vai receber diretamente os reflexos dessas mudanças e os problemas que ocorrem nessas famílias. Como afirma Prado: Hoje, os laços entre os membros da família nuclear se enfraquecem, porque a responsabilidade coletiva da família enquanto núcleo através do qual se realizam projetos em comum diminui cada vez mais. (2009, p.28) Assim, a família acaba colocando na escola a total responsabilidade de educar seus filhos em todos os aspectos, se ausentando de suas responsabilidades. A escola, como colocado na LDB (1996), tem a função de promover a cidadania e a qualificação para o trabalho. Portanto, a escola não pode assumir para si a função da família, pois ela se retira das suas obrigatoriedades sociais que é a formação e qualificação do aluno para o mundo do trabalho ou para o universo da cidadania. ( ALMEIDA,2011,p.148) È claro que a escola também é lugar de se aprender valores, como a solidariedade, o respeito às diferenças. Mas ela não tem a força que a família tem na formação pessoal desses valores. Pois o exemplo e a orientação familiar terão mais importância no desenvolvimento da criança.
  • 14. 14 Observamos por exemplo, famílias em que a mãe é sozinha com seus filhos, trabalham a semana toda fora e só aparece em casa no final de semana. Quem vai educar esses filhos? A escola? Outro exemplo são crianças criadas por avós, sem muito contato com a mãe ou o pai, que se ausentam das suas responsabilidades, colocando um peso a mais para os idosos. Que muitas vezes não tem condições físicas e emocionais para lidar com as diversas fases da infância e adolescência. Essas e outras situações serão refletidas na escola. Realmente ela acaba tentando de alguma maneira amenizar os problemas gerados pela falta ou negligência dos pais dessas crianças. Que na maioria das vezes, começam a apresentar problemas de comportamento e aprendizagem. Portanto, a escola muitas das vezes, se encontra perdida no seu papel de educar e formar, devido às variações que temos de famílias. Se é negligência da escola não trabalhar com valores humanos e deixar esta responsabilidade somente para as estruturas familiares, também é negligência da escola assumir esta formação de valores e deixar para outros a formação para a habilidade e a competência da qual o aluno também precisa, tanto quanto a formação de valores para a interação social. (ALMEIDA, 2011, p.149) Pensando assim, podemos entender que se a escola assumir o papel da família, por ela se apresentar desestruturada, estará abrindo mão do seu papel de garantir condições para o desenvolvimento social e profissional na vida de seus alunos. A família e a escola nessa era moderna têm travado uma luta, a família atribui à escola toda a função de educar. E a escola culpa a família pelos problemas que surgem por negligência ou ausência no papel de educar. Hoje, é de extrema importância que a família e a escola sejam parceiras no ato de educar. Precisam buscar compreender que o processo de educação deve ser algo partilhado, uma depende da outra para alcançar um melhor objetivo no futuro.
  • 15. 15 De acordo com Almeida: O Pai precisa de ajuda no sentido de educar. A mãe precisa ser auxiliada no sentido de educar. A escola precisa ser alertada no sentido de educar, e a sociedade precisa ser despertada no sentido também de educar. (ALMEIDA, 2011, p.150) A escola precisa compreender toda essas mudanças na estrutura das famílias e procurar olhar de uma maneira, que possa entender que muitos problemas de comportamentos e aprendizado não devem ser atribuídos somente as famílias. Pois a escola complementa a educação que começa na família. Muitas vezes é mais fácil a escola, por não conseguir realizar um diagnóstico ou um acompanhamento, responsabilizar a família. Por acreditar que toda a base dos problemas vivenciados pelo aluno na escola e até na sociedade, sejam reflexos de uma família com problemas. Uma família dita como “desestruturada” nem sempre é sinônimo de aluno problemático, assim como, um aluno pode apresentar diversos problemas e estar inserido numa família bem estruturada socialmente e intelectualmente. (ALMEIDA, 2011) Assim é de grande importância repensar o papel da família e a sua importância, e o papel que a escola está assumindo, sem muitas das vezes ter condições sociais e até mesmo intelectuais. Deve-se pensar até que ponto sua participação se faz necessária na interação com as famílias. Caso esse dois elementos, Família e Escola, não assumam as rédeas da boa educação, as portas das oportunidades irão se fechando,transformando a falta de educação em uma grande barreira para a ascensão social, elevando as gerações à condição de desamparados socialmente. (CHRAIM, 2009, p.10) Portanto, podemos entender que a escola precisa estar preparada para dar auxilio e apoio para os diversos tipos de famílias que se apresentam neste presente século.
  • 16. 16 As famílias têm passado por um momento de perdas de referenciais, convive com mudanças e transformações sociais constantes. As mudanças nos padrões de diferenças de gerações, de responsabilidade e autoridade dos pais; a diversificação de arranjos familiares nos leva a grandes interrogações diante do futuro. Além de dúvidas e dilemas no que se refere à educação dos filhos na atualidade. (PORTELLA, FRANCESCHINI, 2006) De acordo com Chraim (2009), a degradação dessas duas bases, Família e Escola aumentam o índice de criminalidade, insatisfação e insegurança social. È preciso a família e a escola refletir como melhorar a educação e a formação de nossos filhos, para um futuro melhor na sociedade.
  • 17. 17 CAPÍTULO II A FAMÍLIA E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR 2.1- A influência da família no desenvolvimento da criança De acordo com Sampaio (2011), é no ambiente familiar que a criança inicia suas primeiras aprendizagens. Quando aprende primeiro a sugar, depois rolar,engatinhar,comer de colherinha, dizer as primeiras palavras,a andar. Todo esse desenvolvimento é presenciado primeiramente pela família, que precisa dar-lhe estímulos, para que a criança conquiste cada vez mais novas habilidades. Não importa o modelo da família e nem os elementos que a compõem. O importante é a dinâmica de cada família, principalmente os laços afetivos, que terão fortes influências em todo o processo de desenvolvimento dessa criança. Chraim diz: È na base familiar que a criança começa a construir sua real identidade, que será formada a partir das experiências e da forma como aprendeu a lidar com as informações que recebe. (...)a base familiar forma a personalidade da criança por meio da carga genética,das características pessoais, das influências do meio onde vive e, principalmente,da interação entre esses fatores que norteiam seu caráter.(2009, p.26 e 27 ) A criança vai evoluindo gradativamente em todos os aspectos, físico, emocional e intelectual. E na primeira infância, que ocorre entre 0 a 6 anos de idade, que ela vive um estágio de dependência de adultos muitas da vezes responsáveis ou não, dentro de seu ambiente familiar.
  • 18. 18 É o período da inconsciência, da fantasia e do mundo do faz-de- conta. Está aprendendo a conhecer o mundo ao seu redor, testando seus limites, desenvolvendo sua atenção, trabalhando sua memória e compreensão. Mas para que todo o desenvolvimento infantil tenha êxito, é de fundamental importância a participação da família, de uma maneira efetiva e comprometida. O comprometimento dos adultos proporciona às crianças, que se apresentam nessa fase, uma educação sadia, com responsabilidade e afeto, para que sintam seguras na sua formação. (CHRAIM, 2009, p.39) Como a família é a primeira sociedade que a criança tem contato, ela precisa ser capaz de dar segurança, afeto e encorajamento. Para que essa criança seja capaz de se desenvolver em um adulto preparado para conviver de maneira harmoniosa dentro do universo social. Os pais serão sempre pontos de referência para a aprendizagem da criança. Por isso, é importante que a família estimule o pensamento desta criança, ajudando-a a pensar com autonomia,ouvindo seus questionamentos e permitindo que faça suas escolhas,colocando os limites necessários. (SAMPAIO, 2011) Sabe-se que os primeiros estágios de aprendizagens se dão na família e que, mas tarde se entende à escola. Segundo Visca (1991, p.68) estas aprendizagens se dividem em quatro estágios: primeiro o da protoaprendizagem, que é o da interação da criança com a mãe, onde começa as relações de dependência e vínculos; o segundo estágio é o da deuteroaprendizagem, em que o sujeito que alcançou a protoaprendizagem, adquire maior contato com o grupo familiar e uma visão dos objetos animados e inanimados. Já o terceiro estágio, que ainda ocorre antes do ingresso na escola, é chamado de aprendizagem assistemática, elaborada a partir da relação entre o sujeito e a comunidade onde está inserido. O quarto estágio é o da aprendizagem sistemática, que é o da interação do sujeito com as instituições,
  • 19. 19 principalmente a escolar. Onde irá adquirir conhecimentos fundamentais para sua formação. De acordo com Sampaio: Antes de entrar na escola, a criança deveria receber seus primeiros estímulos em casa, tendo contato com livros compatíveis com sua idade, lego e outros brinquedos de encaixe, massa de modelar, tintas, músicas e poesias com rimas. (...) A criança deveria estar, continuamente, neste contato com objetos que pudessem ajudá-la no desenvolvimento de habilidades motoras, lingüísticas, musicais, lógicas. (2011, p.74) Quando existem estímulos e incentivos da família, a criança se desenvolve de maneira sadia e com mais possibilidades de sucesso nas fases posteriores a de sua infância. A criança que cresce num ambiente repleto de estímulos e incentivos a aprendizagem, terão chances de um bom desenvolvimento intelectual. Ao contrário, se essa criança não é estimulada principalmente afetiva e intelectualmente ela poderá apresentar uma série de dificuldades ou atrasos no seu desenvolvimento ao longo do tempo. Segundo Jean Piaget, a criança passa por vários estágios de desenvolvimento cognitivo, onde ela atravessa diferentes formas de pensamento. Se ela não for motivada no devido período em que se encontra, implicará em um possível atraso no seu desenvolvimento. È de grande importância o reconhecimento dessas etapas do desenvolvimento cognitivo, que estão classificados em: período sensório-motor (do nascimento até os dois anos de idade),período pré-operatório(de 2 até 7 ou 8 anos),período operatório concreto(dos 7 aos 12 anos) e o período operatório formal(a partir dos 12 anos). No período sensório-motor, a criança não tem consciência do eu e do outro. Ela alterna momentos de tensão e relaxamento em busca de momentos
  • 20. 20 que lhe agradem e fugindo dos desagradáveis. Está na evolução da percepção e da motricidade. Nesta fase é de fundamental importância o estímulo dos pais, oferecendo objetos para que sejam manipulados pela criança, trabalhar a coordenação motora, a fala. Para que essa criança apresente um desenvolvimento satisfatório na fase seguinte, a do período pré-operatório. Neste nível, a criança começa a ter a percepção da realidade em sua volta, pois já existe uma representação ou simbolização. Mas ainda não é capaz de acompanhar as transformações e de descentrar o pensamento. Ela já consegue se relacionar de maneira mais direta com a família e o ambiente externo, e muitas crianças já estão inseridos em creches ou escolas. È de fundamental importância a interação da família com essa criança que está na fase de aprendizagens diversas. Bem como, a sua participação e contribuição na vida escolar. Pois se houver uma defasagem cognitiva nesse período, essa criança poderá ter problemas na aprendizagem. E na fase do operatório concreto, poderá apresentar dificuldades em resolver problemas matemáticos, interpretar textos, entender conteúdos de sua idade. (SAMPAIO, 2011, p.45) O terceiro nível de desenvolvimento, o operatório concreto, é o período em que a criança já apresenta a capacidade de pensar de forma mais ordenada e reversível diante das transformações a sua volta. Deverá ter a capacidade de resolução, assimilação e interpretação. Nesse estágio, tanto a família como a escola precisam participar de maneira efetiva, para poder intervir se houver um problema de aprendizagem, de maneira que possa ajudar essa criança a melhorar o seu desenvolvimento cognitivo. Já o último nível, que se inicia por volta dos 12 anos em diante, é uma fase de transição da vida infantil para a adolescência. È o período operatório formal, também chamado de hipotético-dedutivo, isto é, ele opera uma inversão entre o real e o possível. Há uma dedução lógica e formulação de hipóteses à medida que possam atuar concretamente sobre diferentes objetos. (SAMPAIO, 2011, p.48) Nesta fase, o incentivo dos pais na busca de informações, da leitura e escrita será de grande importância. Pois o compromisso com as atividades,
  • 21. 21 tanto na família como na escola, será um indicativo para o sucesso da vida acadêmica. Segundo Chraim: Se a aprendizagem começa na base familiar onde os pais formam o caráter, os valores, o respeito pelas leis, a hierarquia; agora, é a vida escolar que vai complementar esse crescimento, ao informar, transmitir conhecimentos, reforçar o sentido de cidadania, dando reforços às responsabilidades sociais por meio da vida acadêmica. (2009, p. 45) Se a base familiar for bem alicerçada e consistente, a criança terá mais chances de manter um bom desenvolvimento intelectual, como conseqüência, sucesso nas diversas fases de sua vida escolar.
  • 22. 22 2.2- A família e sua influência para o sucesso ou fracasso da vida escolar Sabemos que a vida familiar é o primeiro elo de aprendizagens significativas na vida de um indivíduo. E que a família consiste em uma matriz psicossocial para o desenvolvimento de seus membros. Assim, o sucesso ou o fracasso dos inúmeros papéis que vamos exercer ao longo de nossa história, dependerá em grande parte, de nossas relações dentro do sistema familiar. (FRANCESCHINI e PORTELLA, 2011) A maneira como cada indivíduo aprende é construído desde as primeiras experiências infantis. Fernandez (1990) fala da aquisição de aprendizagens, como as de se alimentar, a autonomia no andar, no correr e no uso de objetos, os quais estabelecem padrões de conduta para experiências futuras, mas que são aprendidas na fase infantil. Mas nada disso determina como a criança aprenderá, e quais serão seus sucessos ou fracassos. Quando a criança chega à fase escolar, onde ela começa a se envolver e participar de novas aprendizagens, a participação da família será de fundamental importância. Pois muitas das vezes, a escola sinaliza para família as dificuldades da criança no processo de aprendizagem e a família nada faz. Essa conduta acaba gerando sucessivos fracassos na sua vida escolar. Podemos entender, que quando uma criança recebe estímulos, e seus pais acompanham de maneira efetiva todo o processo de educação, ajudando nas atividades, participando das reuniões e sempre se comunicando com os professores. Essa criança terá um melhor desempenho escolar. Já quando essa criança tem pais ausentes ou um vínculo familiar ruim, ela também acaba apresentando uma baixa auto-estima e conseqüentemente alguns distúrbios de aprendizagens. Entende-se que quando a criança tem um bom vínculo familiar, ela apresentará um bom relacionamento com seu grupo escolar.
  • 23. 23 A influência da família é decisiva para o bom desempenho da vida escolar das crianças. Sampaio diz: Observamos, pois, que a base se dá na família. É por meio dela que o sujeito se estrutura, cria vínculos afetivos, inicia seu desenvolvimento cognitivo e emocional. Não é na escola que o desenvolvimento começa como pensam, erroneamente, muitos pais, e grande parte dos problemas e conflitos entre escola e família reside aí, quando alguns pais querem atribuir somente à escola o dever de ensinar e educar, sem participar desta educação. (2011, p.76) As crianças que possuem pais extremamente ausentes, geralmente vivenciam sentimentos de insegurança, carência afetiva e desvalorização, que poderá gerar obstáculos na aprendizagem escolar. E conseqüentemente, fracassos (repetências e distorção idade/série) ao longo da vida escolar. Muitas das vezes, esse fracasso é colocado diante da família, que atribui a escola e aos professores por não se empenharem na tarefa de educar e transmitir todo o conhecimento necessário que sua criança precisa, se ausentando da sua responsabilidade. Muitos pais acabam sendo negligentes ou ocultando problemas vivenciados dentro de seus lares, que não são revelados. Como agressões físicas, pai alcoolizado ou usuário de drogas, separações e ameaças. Que trazem graves problemas emocionais, que poderão causar sérios prejuízos no processo da aprendizagem dessa criança. De acordo com Visca “crianças com uma forte alteração emocional, se produz uma involução intelectual com perdas nas estruturas cognitivas, em uma ordem de sucessão inversa à de sua construção”. (1991, p.50) Crianças pequenas necessitam do acompanhamento dos pais, que devem se esforçar para acompanhar e ajudar nas atividades, demonstrar atenção é um fator muito importante. Assim como o diálogo e a afetividade entre os pais e a criança.
  • 24. 24 O vínculo afetivo familiar deve ser cultivado desde a primeira infância, colocando-se a disposição para ajudar nas tarefas escolares sempre que o filho precisar. Se não há envolvimento e nem diálogo, não tem como conhecer a maneira de pensar dos filhos, como eles estão aprendendo ou o que lhes incomodam. (SAMPAIO, 2011) Quando se pensa no sucesso escolar de muitos alunos, logo se associa a participação eficiente da família. Que investe na educação de seus filhos, dando apoio direto e compensando nas eventuais dificuldades. Geralmente observamos que são famílias dotadas de recursos econômicos e culturais, apresentam níveis de escolaridade maior. Podendo oferecer recursos como computador ligado à internet e livros como apoio no processo da aprendizagem escolar. Trazendo como conseqüência, a probabilidade de uma vida acadêmica de sucesso. Já o fracasso escolar, como a face oposta do sucesso, tem sido sempre associado no âmbito escolar; como o resultado de famílias que apresentam baixa renda, baixo nível de escolaridade e problemas como negligência, violência, falta de afetividade e diálogo. Mas também, não podemos deixar de pensar, naquelas famílias que mesmo com toda a sua deficiência, se esforçam e tentam oferecer atenção e apoio para suas crianças. Que poderão construir um futuro acadêmico de sucesso. Quando se trata de sucesso ou fracasso escolar, além do fator família, há diversas implicações envolvidas. Pois no processo da aprendizagem escolar, assim como a interação da família é fundamental, vemos que a escola precisa exercer a sua responsabilidade de transmitir conhecimentos necessários para uma boa formação e assumir o papel de formar cidadãos comprometidos com a vida social. Assim como a família, é a primeira sociedade onde a criança começa os seus primeiros contatos com a convivência humana, a escola irá complementar ao longo dos anos, o desenvolvimento intelectual e social. Uma grande parte de nossa vida é vivida na escola de forma sistemática, e aprendemos a conviver e viver com as diversas informações, com o grupo escolar e suas diversidades. De acordo com Chraim, “se a família e a escola não amparam suas crianças, logicamente a mãe “rua” os adotará e, conseqüentemente, as drogas passarão a fazer parte de suas vidas com muita naturalidade. ”(2009, p. 58)
  • 25. 25 Então, podemos observar que muitas crianças já no início da sua vida escolar, ficam perdidas em meio à escola e a família. Pois se a família negligência essa criança e a escola não oferecem possibilidades para a permanência e continuidade da vida escolar, a possibilidade ao fracasso e a marginalização social será muito maior. Escola e família precisam ter o mesmo objetivo: fazer a criança se desenvolver em todos os aspectos e ter sucesso na aprendizagem. Assim, é possível conseguir uma significativa diminuição da evasão, da violência, e um melhor rendimento escolar. Segundo Tiba (1996, p.178) “é dentro de casa, na socialização familiar, que um filho adquire,aprende e absorve a disciplina para, num futuro próximo, ter saúde social (...)” Um ambiente familiar de acolhimento e afeto é fundamental para o bom desenvolvimento, para que não haja muitos problemas nas fases do aprendizado escolar. Mesmo aquelas famílias compostas por membros com baixo nível de escolaridade, é possível tentar reverter à probabilidade do fracasso escolar de suas crianças. Medidas simples como: falar sobre a importância dos estudos para a vida profissional e pessoal, demonstrar apoio e interesse pelo cotidiano escolar, mesmo que não tenha como ajudar nas atividades. Entendemos que a educação familiar é um fator muito importante na formação da criança, desenvolvendo a criatividade, a ética e a cidadania, refletindo no processo da aprendizagem. Conforme diz Gokhale: (...). A educação bem sucedida da criança na família é que vai servir de apoio à sua criatividade e ao seu comportamento produtivo quando for adulto... A família tem sido, é e será a influência mais poderosa para o desenvolvimento da personalidade e do caráter das pessoas. (apud LOPES e VIVALDO, 2007) È necessário um envolvimento entre família e escola, para a construção de uma educação de qualidade, criando possibilidades para o sucesso no desenvolvimento escolar. Dentro de todos os fatores que envolvem o processo da aprendizagem escolar, a família é e sempre será o fator de maior influência.
  • 26. 26 Algumas atitudes dos pais podem favorecer o sucesso de seus filhos como: - fale sempre bem da escola para criar em seu filho uma expectativa positiva em relação aos estudos; - procure saber o que ele aprendeu e como se relacionou com todos; - conheça bem a escola, o professor e converse sobre a criança e o desenvolvimento dela na escola; - crie o hábito de observar os materiais escolares e sempre que possível ajude nas lições de casa; - quando o filho estiver com problemas, compartilhe-os com a escola sem omitir fatos e nem julgar atitudes; - mantenha uma relação de respeito, carinho e consideração com todos os professores; - reforce sempre a auto-estima e a autoconfiança de seu filho; (REVISTA NOVA ESCOLA, JULHO 2006) Pequenas atitudes dos pais diante de seus filhos e com a escola, podem contribuir de maneira muito significativa para um melhor desenvolvimento da aprendizagem.
  • 27. 27 CAPÍTULO III O ORIENTADOR EDUCACIONAL E SUA CONTRIBUIÇÃO NA RELAÇÃO FAMÍLIA/ESCOLA 3.1As perspectivas do Orientador Educacional diante das mudanças na família Diante de tantas mudanças que vieram ocorrendo nos aspectos da família, e que continuam na própria sociedade, com transformações sócio-culturais, econômicas e comportamentais. È de fundamental importância que o profissional da Orientação Educacional, possa entender e ter um olhar voltado para essas mudanças que ocorreram na família e que vão influenciar diretamente no processo da aprendizagem escolar. Sabemos que neste processo, envolve a participação de todos, aluno, professor, família e profissionais especialistas como o Orientador Educacional. Conforme declara a Lei Orgânica do Ensino Secundário (Decreto-Lei n° 4.424 de 09/04/42): É função do Orientador Educacional, mediante a necessária observação, cooperar, no sentido de cada aluno se encaminhe, convenientemente, nos estudos e na escolha de sua profissão, ministrando-lhe esclarecimentos e conselhos sempre em entendimento com sua família. (Art. 81) Conforme declara o artigo acima, o Orientador Educacional precisa trabalhar dentro de todas as atribuições de sua função, mas sempre voltado para o entendimento com as famílias. Pois, é através da família que ele poderá encontrar as causas de alguns problemas de aprendizagem, bem como, buscar maneiras de contribuir através da orientação, com ações voltadas para a relação da família com o processo da aprendizagem escolar de seus filhos.
  • 28. 28 O Orientador Educacional, hoje, precisa ter sua perspectiva voltada para a realidade das diferentes famílias presentes no meio escolar e ter a sua atuação voltada para esta realidade. Conforme declara Prado: É, sem dúvida, importante que o orientador educacional tenha a sua ação orientada pela reflexão permanente do seu fazer, buscando identificar os sinais que apontam para a necessidade de mudança. È preciso estar preparado para o desafio do novo século, há de se associar à reflexão uma atitude de busca constante de solução para as questões do dia-a-dia da escola e da vida na sociedade. (2009, p.72) Há, portanto, a necessidade de uma nova abordagem de Orientação, voltada para as exigências e necessidades do mundo moderno. Onde se apresenta também, diversos modelos de famílias com seus diferentes comportamentos, valores, crenças e costumes. “A Orientação Educacional, por certo, procurará compreender e ajudar o aluno inserido no seu próprio contexto, com sua cultura e seus próprios valores.” (GRINSPUN, 1998, p.14) È necessário que a Orientação esteja voltada para a construção do aluno e não apenas para resolver possíveis problemas que estejam ocorrendo. Durante toda a história da Orientação Educacional, o trabalho do Orientador era muito voltado apenas para resolver problemas de comportamentos e aprendizagem do educando, quando o professor não dava conta de resolver. È de fundamental importância a contribuição da Orientação para ajudar a resolver conflitos, mas é preciso um olhar e um fazer voltado para realidade do educando, que está inserido em outro momento histórico. (GRINSPUN, 1998) O orientador deve procurar conhecer as diferentes realidades no contexto familiar, e os seus reflexos no cotidiano escolar. Procurando elaborar suas ações, para ajudar e orientar todos os envolvidos no processo da aprendizagem: aluno, família, professor, especialistas etc.
  • 29. 29 Grinspun sustenta que: É necessário que o Orientador educacional seja capaz de: - analisar com a equipe as contradições da escola e as diferentes relações que exerçam influência na aprendizagem; - estruturar seu trabalho a partir da análise e da crítica da realidade social, política e econômica do país; - fundamentar cientificamente sua ação, buscando novas teorias a partir de sua prática. (GRINSPUN, 1998) È de suma importância o Orientador Educacional ampliar sua visão diante da realidade em que se encontra a escola e todos os que estão inseridos nela direta ou indiretamente, para poder estruturar o seu trabalho, buscando alternativas de atuação junto aos alunos, professores, famílias e comunidade, no intuito de melhorar o desenvolvimento da criança ou do adolescente. Principalmente analisar as diferentes relações que influenciam diretamente o processo da aprendizagem, dentre todas, as relações familiares. (...) apesar dessa interferência intensiva da escola na educação das crianças, a instituição social mais importante continua sendo a família, razão pela qual a OE não pode tomar o lugar desta e nem se contrapor a ela na educação dos filhos. Deve, porém, procurar colaborar estritamente com ela. Por este motivo, uma das principais áreas de atuação do Or.E., senão a principal, é a familiar. (GIACAGLIA e PENTEADO, 2010, p.148) Conforme declara Giacaglia e Penteado na citação acima, a Orientação educacional deve ter como a sua principal área de atuação, a família. Contribuindo de maneira efetiva na relação família e escola, se colocando como um elo entre esses dois elementos de grande influência no desenvolvimento da vida escolar.
  • 30. 30 Dentro desta realidade, Prado declara que: Diante dos desafios proposto pela pós-modernidade, caberá a nós repensar as inúmeras perspectivas de ação, do orientador educacional, compondo um quadro que nos leve à necessidade de traçar um novo perfil para esse profissional do ensino, voltado para novas perspectivas de atuação, buscando trabalhar com uma proposta embasada no real, em contraponto com a realidade proclamada. (PRADO, 2009, p.101) Cabe ao Orientador traçar o seu plano de ação, conforme as necessidades atuais. Com suas perspectivas voltadas para trabalhar juntamente com professores, alunos, famílias e a escola num todo, com objetivo de atender as necessidades do educando, de forma global em relação aos aspectos cognitivos, sociais e afetivos.
  • 31. 31 3.2 Ações do Orientador Educacional para envolver as famílias no desenvolvimento da vida escolar de suas crianças. Diante dos mais variados tipos de famílias com quem o Orientador Educacional deverá interagir. E de acordo com a caracterização dos tipos de famílias de cada escola, o O.E. deverá planejar suas ações para envolver as famílias com a vida escolar de suas crianças, devido a necessidade e importância para um melhor rendimento escolar, e um bom desenvolvimento da aprendizagem. A primeira estratégia que deve ser elaborado pelo O.E. , têm como principal finalidade, buscar um maior conhecimento dessas famílias que compõem o meio escolar. É preciso levantar algumas informações necessárias, para conhecer as famílias e seus diversos aspectos, até como um meio para conhecer e compreender o aluno. Assim terá maior facilidade para se criar um canal de comunicação entre o O.E. e a família. Essas informações devem ser coletadas por meio de questionários, que deverão ser respondidos pelos pais ou responsáveis, mas que terão maior eficiência se for respondido no início do ano, no momento da matrícula ou na primeira reunião a ser realizada, evitando que esse questionário quando levado, possa ser perdido ou esquecido. Esse primeiro passo é fundamental para se criar uma interação e um maior conhecimento entre a escola e a família. Sabemos que muitos pais ou responsáveis não podem comparecer na escola, devido a sua rotina de trabalho, mas o Orientador precisa estar atento a essa realidade e tentar facilitar a vinda desses pais á escola, criando alternativas e condições para que essa interação aconteça. E tentar mostrar a importância dessa comunicação, para o desenvolvimento da aprendizagem escolar de suas crianças. Há também o caso de pais que não querem ou não gostam de ir à escola, pois na maior parte das vezes já foram convocados muitas vezes para tratar de problemas de rendimento ou mau comportamento dos seus filhos, tirando do O. E. a possibilidade de tratar de outros assuntos importantes relacionados ao cotidiano escolar.
  • 32. 32 Alguns pais precisam de ações que incentivem o seu comparecimento na escola, além dos fatos relativos apenas sobre a vida escolar do aluno. Como uma possibilidade de incentivo, seria a realização de eventos abertos ao público, que atrai a comunidade e os pais que estão nelas inseridos, realizando festas e comemorações, fazendo com que a escola se torne um meio de propagar a cultura. Diante desta possibilidade de ação do Orientador Educacional, Giacaglia e Penteado sustentam que: Embora a organização de festas escolares e de atividades extraclasse não seja sua responsabilidade, ele tem nelas a oportunidade de manter contatos com os pais e a comunidade, facilitando assim sua atuação. Tais eventos – pelo seu caráter festivo e de lazer- contribuem para desvincular a idéia de que a presença de pais na escola significa reclamação sobre o aluno. (2010, p. 161) È muito importante na relação escola-família, mostrar que a presença dos pais na escola, não está simplesmente restrita a reclamações e punições. Mas que essa integração ajuda a mostrar para as famílias e a comunidade que sua presença na escola é fundamental para uma melhor comunicação, promovendo a cooperação para o desenvolvimento da vida escolar. Outra ação muito empregada pelo O. E. é a realização de reuniões, tanto com alunos ou com os pais. Essas reuniões devem ser bem planejadas, pois conforme a realidade atual, muitos pais não dispõem de tempo para participar. Sabemos que é difícil manter contato individual com todas as famílias dos alunos. As reuniões costumam ser um meio, mas prático e freqüente de integração da escola com a família, devem ser bem planejadas para que haja maior eficiência e participação. È necessário observar alguns requisitos para se obter maior eficácia. Destacam-se: boa organização e planejamento, periodicidade, datas, duração e escolha de horários favoráveis à presença dos pais, pontualidade, elaboração de pautas com a temática de interesse geral, convocação por escrito e local adequado. (GIACAGLIA e PENTEADO, 2010)
  • 33. 33 Conforme a realidade de cada escola pode-se realizar essas reuniões a cada bimestre, tendo como um dos objetivos principais tratarem sobre o rendimento escolar de seus alunos, os resultados obtidos nas avaliações, possíveis problemas de aprendizagem, e também ressaltar os pontos positivos, as metas alcançadas e que se deseja alcançar para o próximo bimestre. De acordo com Giacaglia e Penteado: Ao se definir a melhor data para serem marcadas as reuniões previstas, devem-se levar em conta fatores como o tipo de escola, os hábitos da comunidade, a proximidade dos feriados e outros que possam interferir na freqüência dos pais ou responsáveis. Assim como há preocupação com o número de reuniões, deve haver também com a duração delas. (2010, p.247) È importante que o horário seja bem definido, pois muitos pais acabam ficando impedidos de comparecer, mesmo que desejassem. Deve se evitar que sejam muito longas e cansativas, para não desestimular os pais para as próximas que ocorrerem. Outra ação que pode ser empregada pelo Orientador Educacional, para promover a participação da família com a escola, são as palestras. Um recurso que pode ser usado na escola, direcionada a todos, como apenas para determinados grupos, como somente para os pais ou para os alunos. Dependendo do assunto a ser abordado. As palestras são ótimos meios de promover a comunicação sobre diversos assuntos e temas. Para que se alcance o objetivo, é necessário que o tema da palestra seja de interesse do grupo destinado, tratado de forma adequada à platéia, bem elaborado e fundamentado. E que o palestrante seja alguém com requisito para falar do assunto de maneira que venha alcançar a platéia com eficiência.
  • 34. 34 A partir das informações colhidas através dos diversos recursos e das ações descritas, o Orientador Educacional terá a possibilidade de conhecer as famílias, promover a integração com a escola, manter a comunicação e a colaboração dos pais, contribuindo para um melhor desenvolvimento da vida escolar dos alunos. Para um melhor desenvolvimento do trabalho em Orientação Educacional, em relação à família, Giacaglia e Penteado (2010) apresentam os seguintes objetivos que devem fazer parte do planejamento do orientador: - colaborar com a família no desenvolvimento e educação do aluno. - contribuir para o processo da integração escola-família-comunidade, atuando como elemento de ligação e comunicação entre todos. - Desenvolver atitudes favoráveis à efetiva participação dos pais na tarefa educativa. - Orientar os pais ou responsáveis quanto à realização das lições de casa e quanto à ajuda que eles podem dar, ou que não devem fazê-lo, na realização de tais tarefas. - Identificar possibilidades e disponibilidades de colaboração por parte dos pais em relação à escola. - Orientar os pais para que tenham atitudes corretas em relação aos estudos dos filhos. - Identificar possíveis influências do ambiente familiar que possam estar prejudicando o desempenho do aluno na escola e atuar sobre elas. - Realizar palestras para orientações dos pais com relação a problemas do interesse deles na educação de seus filhos e na prevenção de problemas freqüentes entre alunos.
  • 35. 35 - Promover grupos de discussão sobre esses problemas. - Promover atividades que possam trazer as famílias dos alunos à escola. Podemos entender que o papel do orientador educacional “na dimensão contextualizada diz respeito, basicamente, ao estudo da realidade do aluno, trazendo-a para dentro da escola, no sentido da melhor promoção do seu desenvolvimento.” (GRINSPUN, 1998)
  • 36. 36 CONCLUSÃO Como podemos observar, a família ao longo do tempo veio sofrendo diversas mudanças, com o surgimento de diferentes modelos resultados de transformações históricas, econômicas e sociais que ocorreram na sociedade. A família como pilar da sociedade continua sendo referencial e influência na vida dos sujeitos que nela estão inseridos. Ela é a base para o desenvolvimento do indivíduo desde o nascimento, pois os primeiros estímulos e vivências iniciam-se primeiro no meio familiar e mais tarde na escola. Entendemos que a criança em desenvolvimento irá sofrer fortes influências da família, que pode influenciar de maneira positiva ou negativa no processo da aprendizagem, que também será refletido na escola, onde a criança adquire novos conhecimentos. A criança que cresce num ambiente familiar com estímulos, afetividade e incentivos terão maior possibilidade de um bom desenvolvimento intelectual. Mas quando há negligência e falta de incentivo por parte da família, ela poderá apresentar dificuldades e problemas ao longo do processo da aprendizagem escolar. Conclui-se que todo o processo da aprendizagem escolar, não está restrito simplesmente à escola e como ela pode interferir. Mas envolve muito mais a participação da família e como ela pode influenciar no desempenho escolar. O sucesso ou o fracasso da vida escolar dependerá em grande parte, da relação dentro do sistema familiar. Uma família que estimula e participa efetivamente da vida escolar de seus filhos, dando auxílio sempre que possível nas tarefas, comparecendo na escola, participando de reuniões e eventos, interagindo com a escola, estará contribuindo para um melhor aprendizado de seus filhos, e criando possibilidades para uma vida escolar de sucesso. Concluímos também, que a escola precisa entender a importância da família e buscar meios de inseri-la em seu cotidiano. Sendo de fundamental importância o trabalho do Orientador Educacional nessa relação. Em que se faz necessário um olhar voltado para as diversas realidades presentes no meio escolar, quanto aos modelos de famílias, seus valores, crenças e costumes. Como um elemento de ligação entre a escola e a família, o Orientador precisa planejar o seu trabalho de maneira que possa integrar a família e obter a sua
  • 37. 37 colaboração no processo da aprendizagem de suas crianças. Tendo como objetivos, o bem-estar, o desenvolvimento e a formação do educando. O Orientador Educacional precisa planejar sua ação com a finalidade de criar estratégias para uma maior comunicação com as famílias e tentar trazer os pais à escola, fazendo com que possam participar desde o planejamento do projeto político pedagógico até as decisões da escola. O conhecimento da família e uma comunicação efetiva entre ela e a escola, e a realização de um trabalho de orientação eficiente, são essenciais para o desenvolvimento de uma vida escolar de sucesso. Acredito que somente com pais, professores e uma equipe pedagógica comprometida com o futuro desta geração, é que poderemos colaborar para uma educação de qualidade, formando cidadãos comprometidos com a vida social.
  • 38. 38 BIBLIOGRAFIA 1. ALMEIDA, Geraldo Peçanha. E quando os filhos não podem ser aquilo que os seus pais sonharam? 3ª ed. Rio de Janeiro: Wak editora, 2011. 2. CHRAIM, Albertina de Mattos. Familia e escola: a arte de aprender para ensinar. Rio de Janeiro: Wak editora, 2009. 3. FERNANDEZ, Alicia. A inteligência aprisionada: abordagens psicopedagógicas clínica da criança e sua família. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990) 4. GIACAGLIA, Lia Renata Angelini e PENTEADO, Wilma Millan Alves. Orientação Educacional na prática: princípios, histórico, legislação, técnicas e instrumentos. 6ª ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010. 5. GRINSPUN, Mírian P. S. Zippin. A prática dos Orientadores Educacionais. 6ª ed. São Paulo: Cortez, 1998. 6. LOPES, Analídia e VIVALDO, Leonardo. A influência da família no rendimento escolar do indivíduo. www.partes.com.br/educação/familiaerendimento.asp,acessado: 24/07/2012. 7. PORTELLA, Fabiani Ortiz e FRANCESCHINI, Ingrid Schröeder. Família e Aprendizagem: uma relação necessária. 3ª ed. Rio de Janeiro: Wak editora, 2011. 8. PORTO, Olívia. Orientação Educacional: teoria, prática e ação. Rio de Janeiro: Wak editora, 2009. 9. PRADO, Danda. O que é família. São Paulo: Brasiliense, 1981.
  • 39. 39 10.REVISTA NOVA ESCOLA. Rio de Janeiro; ed. Abril, Julho de 2006. p.34 a 37. 11.SAMPAIO, Simaia. Dificuldades de aprendizagem: a psicopedagogia na relação sujeito,família e escola. 3ª ed. Rio de Janeiro: Wak editora, 2011. 12. VISCA, Jorge. Psicopedagogia: novas contribuições. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991. 13. pk. Wikipedia. Org/ wiki/ familia , acesso: 11/06/2012. 14.www. Scielo.br/pdf/cp/n110/n110a06.pdf , acesso: 22/07/2012.
  • 40. 40 ÍNDICE FOLHA DE ROSTO 02 AGRADECIMENTO 03 DEDICATÓRIA 04 RESUMO 05 METODOLOGIA 06 SUMÁRIO 07 INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I FAMÍLIA: DIFERENTES MODELOS E GRANDES MUDANÇAS 10 1.1Os diferentes modelos de famílias 10 1.2As mudanças ocorridas na família e seus reflexos na escola 13 CAPÍTULO II A FAMÍLIA E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO DA 17 APRENDIZAGEM ESCOLAR 2.1 A influência da família no desenvolvimento da criança 17 2.2 A família e sua influência para o sucesso ou fracasso 23 da vida escolar CAPÍTULO III O ORIENTADOR EDUCACIONAL E SUA CONTRIBUIÇÃO 27 NA RELAÇÃO FAMÍLIA/ESCOLA 3.1As perspectivas do Orientador Educacional diante das 27 mudanças na família 3.2 Ações do Orientador Educacional para envolver as 31 famílias no desenvolvimento da vida escolar de suas crianças. CONCLUSÃO 36 BIBLIOGRAFIA 38 ÍNDICE 40
  • 41. 41