Romantismo

1.187 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.187
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
189
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romantismo

  1. 1. Romantismo<br />
  2. 2. Romantismo<br />Teve início na literatura e filosofia, principalmente na Alemanha com o movimento do SturmundDrang<br />Reage ao racionalismo iluminado e positivista da Europa da época e representa a emergência do subjectivo, do irracional e da aspiração à beleza ideal inatingível e sublime<br />Etimologia<br />Vocábulo francês roman(que designou nos séculos XVII/XVIII o novelesco, o fabuloso e fantástico na literatura, por oposição ao racional)<br />Foi depois adoptada para designar o movimento literário entre 1800 e 1830 com Wackenroder, Novalis<br />A sua aplicação à música vem desde o artigo escrito por Hoffmann, em 1810, sobre Beethoven<br />
  3. 3. Romantismo Musical<br />Novas percepções na música e o papel do compositor foram objecto de profundas mudanças<br />Predomina a expressão do “eu”<br />Afastamento entre sentimento e razão<br />Reivindica-se para a música o papel máximo entre as artes<br />
  4. 4. A Ascensão da Burguesia<br />Aqueda do Antigo Regimesignificou a decadência da aristocracia e a ascensão da burguesia, que se transformou na força motora de toda a actividade industrial e cultural<br />Alteração da posição sociológica do músico, que recusa o papel subordinado à corte ou à igreja para reivindicar uma completa autonomia no plano das escolhas artísticas e morais<br />
  5. 5. Destino da Música<br />O salão doméstico <br />Ambiente mais intimista <br />Círculo restrito de amigos que abrigavam os génios incompreendidos<br />A grande sala de concerto<br />Favorece a figura do virtuoso<br />
  6. 6. A emergência da figura do virtuoso <br />O pensamento tecnicista da época reflecte-se numa técnica instrumental cada vez mais perfeita<br />Os expoentes máximos nesse campo foram o violinista Paganini, e o pianista Liszt<br />HilaryHahn Paganini Caprice No. 24.flv<br />YouTube - Hilary Hahn Paganini Caprice No. 24<br />
  7. 7.
  8. 8. Orquestra<br />Crescimento em tamanho e abrangência<br />Maior gama dinâmica, variedade de alturas sonoras, novas possibilidades tímbricas<br />
  9. 9. Organicidade<br />A necessidade de correlacionar os andamentos de uma sinfonia, ou outro género musical, foi resolvida pelo recurso de um tema recorrente <br />Berlioz:idée fixe<br />César Franck: motivo cíclico<br />Liszt: transformação temática<br />
  10. 10. Temática romântica<br />Os sonhos, a noite e o luar, os rios, os lagos e florestas, o mistério, a magia e o sobrenatural, as terras exóticas e o passado distante<br />
  11. 11. Dialécticas românticas<br />
  12. 12. Herança e Novidade<br />Tradição e Revolução<br />O romantismo foi encarado como uma revolta contra as limitações do classicismo, contudo, os compositores continuavam a cultivar os géneros herdados<br />Até ao fim do século XVIII os compositores compunham para o seu tempo, enquanto os músicos românticos apelavam para a posteridade<br />Música do Futuro (Zukunftsmusic)<br />Linha de pensamento composicional que acredita no progresso da música, na inovação e numa arte que transcende uma época<br />
  13. 13.
  14. 14. Música / Palavra<br />A poesia pretende adquirir as qualidades da música, e a música as qualidades da poesia<br />Lied<br />Pequenas peças de carácter<br />Música programática<br />Música programática <br />Música baseada num conteúdo extramusical (poema sinfónica, sinfonia programática)<br />Música Absoluta<br />Sem conteúdo extramusical<br />
  15. 15. A multidão e o indivíduo<br />O público <br />burguês, numeroso, diversificado e pouco preparado<br />os compositores se queriam ter êxito tinham de chegar ao seu novo e vasto auditório (Concerto Público)<br />O artista <br />pouco sociável, que procura a inspiração dentro de si e compõe para a posteridade, para um público ideal, ou então para um pequeno círculo de espíritos afins, confessando-lhe os seus sentimentos mais íntimos<br />
  16. 16. Nacionalismo / Internacionalismo / Exotismo<br />Nacionalismo<br />Acentuam-se as diferenças entre os estilos musicais nacionais<br />Ofolclore começou a ser venerado como expressão espontânea da alma nacional<br />Internacionalismo<br />A música dirigia-se a toda a humanidade apesar da linguagem universal<br />Exotismo<br />Fascínio pelo longínquo, recorrendo frequentemente aos idiomas musicais e a temáticas estrangeiras<br />
  17. 17. Lied<br />Poema em alemão musicado, de curta duração, para piano e canto<br />Valorização de um património cultural<br />estudo da música tradicional alemã e pelas antologias poéticas Das KnabenWunderhorn (Armim e Brentano)<br />
  18. 18. Música Instrumental<br />A música instrumental surge no século XIX como arte ideal<br />O seu material (sons) está desligado do mundo concreto dos objectos, não tem uma capacidade referencial, por isso mesmo é a ideal para falar do subjectivo<br />Actua directamente sobre o espírito, sem a mediação das palavras<br />Com o intento de expressar uma gama inteira de sentimentos pela música, aperfeiçoou-se a variedade dos instrumentos orquestrais, para que fosse possível reconstruir atmosferas emocionais e matizes de sentimentos através da mistura das cores tímbricas<br />
  19. 19. Piano <br />Evolução organológica<br />Permite explorar toda a extensão do teclado, escrevendo texturas ricas e variadas que dependiam do pedal direito<br />Preferência pela pequena peça de carácter<br />Géneros musicais que têm um conteúdo literário implícito: Impromptu, momentos musicais, Klavierstück, nocturnos, prelúdios, fantasias)<br />O papel do piano<br />Virtuosístico, intimista e revelador da poesia <br />

×