2010 volume1 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito

480 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
480
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2010 volume1 cadernodoaluno_matematica_ensinofundamentalii_8aserie_gabarito

  1. 1. Caro Professor,Em 2009 os Cadernos do Aluno foram editados e distribuídos a todos os estudantes darede estadual de ensino. Eles serviram de apoio ao trabalho dos professores ao longo detodo o ano e foram usados, testados, analisados e revisados para a nova edição a partirde 2010.As alterações foram apontadas pelos autores, que analisaram novamente o material, porleitores especializados nas disciplinas e, sobretudo, pelos próprios professores, quepostaram suas sugestões e contribuíram para o aperfeiçoamento dos Cadernos. Notetambém que alguns dados foram atualizados em função do lançamento de publicaçõesmais recentes.Quando você receber a nova edição do Caderno do Aluno, veja o que mudou e analiseas diferenças, para estar sempre bem preparado para suas aulas.Na primeira parte deste documento, você encontra as respostas das atividades propostasno Caderno do Aluno. Como os Cadernos do Professor não serão editados em 2010,utilize as informações e os ajustes que estão na segunda parte deste documento.Bom trabalho!Equipe São Paulo faz escola. 1
  2. 2. GABARITO Caderno do Aluno de Matemática – 8ª série/9º ano – Volume 1 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 CONJUNTOS E NÚMEROSPáginas 3 - 41. a) Isso se deve ao fato de que as informações não são excludentes, isto é, elas possuem elementos em comum. Por exemplo, os 20 alunos que acertaram as duas questões estão incluídos no resultado dos que acertaram a primeira questão (35). Assim, a soma obtida contém dupla contagem de alunos, o que gera a diferença observada. b) 35 – 20 = 15 alunos Acertaram apenas a 1ª questão (15) Acertaram a 1ª questão (35) Acertaram a 1ª e a 2ª questão (20) c) 25 – 20 = 5 alunos Acertaram apenas a 2ª questão (5) Acertaram a 2ª questão (25) Acertaram a 1ª e a 2ª questão (20) 2
  3. 3. 15 d) % de alunos que acertaram apenas a primeira questão:  0,375 ou 37,5%. 40 5 % de alunos que acertaram apenas a segunda questão:  0,125 ou 12,5%. 40 Assim, a porcentagem de alunos que acertaram apenas uma questão é 50%.Página 52. a) Paulistanos • André • Luiz • Júlio • Renata b) Ensino Fundamental • Patrícia • Renato • Reinaldo • Lucas • Rafael • Antônio 3
  4. 4. c) Corinthians • João São Paulo • Alice • Alberto • Tomás • Helena • Diego • Marcus • Laís • AndréPágina 73. a) III b) III c) II d) III e) I f) IIPágina 84. a) d) 4
  5. 5. b) e) c) f) g)Páginas 9 - 135. a) Apenas o diagrama III pode representar os argumentos dados. O diagrama I contradiz a premissa de que todos os curitibanos são paranaenses. E o diagrama II representa o contrário da premissa II, pois indica que todos os paranaenses são curitibanos. b) Apenas o diagrama II corresponde à argumentação dada. Tanto o diagrama I como o III contradizem a primeira premissa. c) O diagrama que representa a argumentação dada é o II. O diagrama I está errado, pois não se afirma que todas as pirâmides são poliedros regulares. O diagrama III também está em desacordo com as premissas, pois nem todos os poliedros regulares são pirâmides. 5
  6. 6. Problemas, conjuntos e diagramasPágina 116. a) b) c)7. a) b) O problema informa que 100 famílias assistem aos programas A e B. Desse total, sabemos que 20 famílias assistem aos três programas. Portanto, o número de famílias que só assiste aos programas A e B é a diferença entre 100 e 20, ou seja, 80. O mesmo vale para as outras interseções. c) No caso do programa A, esse número será a diferença entre o total de pessoas que assiste ao programa A (370) e a soma das interseções 6
  7. 7. A  B, A  C e A  B  C. A – (B + C) = 370 – (80 + 10 + 20) = 260. O mesmo deve ser feito para os programas B e C. d) Com base nos diagramas preenchidos, deve-se verificar se a soma das partes corresponde ao total de entrevistados. Soma das partes: 260 + 160 + 290 + 80 + 40 + 10 + 20 = 860. Neste problema, a soma das partes (860) é menor que o total de entrevistados (1 200). A diferença (340) corresponde ao número de entrevistados que não assiste a nenhum dos três programas. Isso pode ser representado como o conjunto complementar em relação ao total de entrevistados.8. a) 340 pessoas assistem ao programa A e não assistem ao programa C: 260 + 80 = 340. b) 40 pessoas. 7
  8. 8. c) O programa com maior fidelidade é o C, com 290 espectadores, contra 260 do A e 160 do B.Páginas 13 - 149. U = 60 1ª 2ª  5 8 10 12 10 3 6 6 3ª a) Apenas 5 alunos erraram as três questões. b) 12 + 8 + 6 + 10 + 10 + 3 = 49 . 49 alunos acertaram a 1ª ou a 2ª questão. c) 12 + 8 + 10 + 5 = 35 . 35 alunos erraram a 3ª questão. 8
  9. 9. Desafio!Página 14 Uma estratégia possível seria representar a interseção dos três conjuntos por x ecompletar o diagrama com as informações dadas.a) Sabendo que todos os subconjuntos totalizam 100%, basta resolver a seguinte equação: 15 + x + 2 + x + 10 + x + 18 – x + 15 – x + 25 – x + x + 5 = 100 Obtém-se x = 10%. Portanto, 10% dos entrevistados consomem as três marcas. 9
  10. 10. b) Substituindo os valores de x no diagrama, obtemos: Os entrevistados que consomem apenas uma das três marcas são 25% + 12% + 20% = 57%.Páginas 15 - 1610. Diagrama c.11.12. a) Verdadeira. Os naturais são um subconjunto dos inteiros, pois todo número natural também é inteiro. 10
  11. 11. b) Falsa. A reunião dos naturais com os inteiros é o próprio conjunto dos inteiros.NZ=Zc) Verdadeira. Os racionais são o complementar dos irracionais em relação aosreais.d) Falsa. A interseção entre inteiros e racionais é o próprio conjunto dos inteiros.ZQ=Ze) Falsa. Não há interseção entre racionais e irracionais, pois são conjuntosmutuamente exclusivos. Q  Ir =  11
  12. 12. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 NÚMEROS REAIS E AS FRAÇÕES CONTÍNUASPáginas 17 - 191. 4 a) b) 0,8 52. 25 5 a) 2,5   x = 2,4999... (1) 10 2 10x = 24,999... (2) 100x = 249,999... (3) 225 5 Fazendo (3) – (2) : x=  90 2 b) x= 0,999...(1) 10x = 9,999 (2) 9 Fazendo (2) – (1): x  1 9 32 8 c) 0,32   x = 0,31999...(1) 100 25 10x = 3,1999...(2) 100x = 31,999... (3) 1 000x = 319,999...(4) 10 000x = 31999,999...(5) 2 880 8 Fazendo (5) – (4) : x=  9 000 25 12
  13. 13. 3. A atividade 1 sugere um processo geral para transformar decimais finitos em dízimas periódicas. Sempre que o período de um número é formado por infinitos “noves”, podemos encontrar uma representação decimal finita para esse número. Na outra direção, sempre que temos um decimal finito, é possível escrevê-lo como uma dízima periódica com período formado por infinitos “noves”. Exemplos de decimais finitos transformados em dízimas: 35,43999... = 35,44 –726,999... = –727 0,0071= 0,0070999...4. 3 3 7 4 9 9 a)  0,375  0,374999 ...       ... 8 10 100 1 000 10 000 100 000 7 3 3 3 b)  2,333...  2     ... 3 10 100 1 000Página 205. x  2,3939.... (1) 10 x  23,9393... (2) 100 x  239,3939... (3) 237 79 Fazendo (3)  (1) : x   99 33 24 12 Por outro lado, 2,4   10 5 mmc (5,33)  165 , então : 79 395 12 396  e  33 165 5 165 13
  14. 14. Página 226. a) Se o aluno utilizar uma calculadora de oito dígitos para fazer a conta 16 ÷ 7, vai encontrar como resultado 2,2857142. Como não identificamos facilmente nessa divisão um período que se repita, é possível que o aluno responda que o resultado é um decimal finito. Nesse caso, é desejável que se retome a discussão feita na Situação de Aprendizagem “As dízimas periódicas são previsíveis...”, do Caderno de 7ª série do volume 1. Naquele momento, foi discutido que, ao realizarmos a divisão entre numerador e denominador de uma fração irredutível, o resultado só será dízima periódica se ao menos um dos fatores do denominador da fração for diferente de 2 e 16 diferente de 5. Como o denominador da fração apresenta fator primo 7, sabemos 7 que a representação decimal decorrente da conta de divisão será uma dízima periódica. Uma vez que os oito dígitos da calculadora não foram suficientes para a identificação do período, recomendamos que o professor solicite aos alunos que façam a conta armada até que identifiquem com clareza o período (16 ÷ 7 = 2,285714285714... = 2, 285714 ). 16 b) Faremos agora o desenvolvimento de com fração contínua: 7 16 16 1 (1) está entre 2 e 3, portanto,  2  , com x > 1. 7 7 x 16 1 7 16 1 (2) De  2  decorre que x = , ou seja, 2  7 x 2 7 7 . 7 1 2 7 (3) está entre 3 e 4, portanto,  3  , com y > 1. 2 2 y 7 1 7 1 (4) De  3 decorre que y = 2, ou seja,  3  . 2 y 2 2 (5) Como y = , o processo está encerrado e a fração contínua procurada é: 16 1  2 7 1 3 2 14
  15. 15. Página 23 30 30 17. (1) está entre 2 e 3, portanto,  2  , com x > 1. 13 13 x 30 1 13 30 1 (2) De  2  decorre que x = , ou seja, 2 13 x 4 13 13 4 13 13 1 (5) está entre 3 e 4, portanto,  3  , com y > 1. 4 4 y 13 1 13 1 (6) De  3  decorre que y = 4, ou seja, 3  . 4 y 4 4 (8) Como y = , o processo está encerrado e a fração contínua procurada é: 30 1  2 13 1 3 4Página 27 18. 24 está entre 4 e 5, portanto, 24 = 4  , com x > 1. x 1 (1) De 24 = 4  decorre que: x 1 24  4  x 1 x 24  4 1 24  4 x . 24  4 24  4 4  24 x 8 15
  16. 16. Temos, portanto, 1 24  4  4  24 8 4  24 4  24 1(2) = é um número entre 1 e 2, portanto, 1 , y > 1. 8 8 y 4  24 1(3) De  1 decorre que y = 4  24 e, portanto, temos: 8 y4  24 1 1  8 4  24Substituindo o resultado do passo 3 no resultado do passo 1 temos: 1 24  4  1 1 4  24 1(4) Como y = 4  24 é um número entre 8 e 9, temos 4  24  8  , com w > w1. 1 4 24(5) De 4  24  8  decorre que w  . Como w repetiu o valor de x, a w 8partir de agora o processo começa a se repetir novamente. Segue, portanto, que afração contínua que representa 24 será: 1 24  4  1 1 1 8 1 1 1 8 1 1 1 8  16
  17. 17. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 ARITMÉTICA, ÁLGEBRA E GEOMETRIA COM A RETA REALPáginas 30 - 331. O estabelecimento da unidade de medida é uma resposta pessoal (a figura na atividade é apenas ilustrativa de uma possível resposta).2. Atividade resolvida – o professor deve apenas orientar como se constrói e quais são as propriedades da reta mediatriz.3. 1 (1) Traçamos (conforme já foi descrito). 2 1 (2) Traçamos a mediatriz do segmento que liga os números 0 e . 2 1 (3) O ponto de cruzamento entre a mediatriz e a reta real é o número . 4 17
  18. 18. 1 1 14. Primeiro marcaríamos o 0 e o 1. Em seguida, encontraríamos , e pela 2 4 8 1 construção de mediatrizes. De posse de , transportaríamos o segmento de extremos 8 1 em 0 e sete vezes à esquerda da marcação do zero da reta. 85. As respostas dessa atividade são apresentadas no Caderno do Aluno para que ele mesmo possa ir conferindo se sua construção está caminhando corretamente.Página 346.Páginas 35 - 377. As respostas dessa atividade são apresentadas no Caderno do Aluno para que ele mesmo possa ir conferindo se sua construção está caminhando corretamente.8. a) 2 b) 4 2 c) 8 2 d) n 2 , com n potência inteira de 2 (n ≠ 1) 18
  19. 19. Página 409.10. 19
  20. 20. SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 POTÊNCIAS, NOTAÇÃO CIENTÍFICA E ORDEM DE GRANDEZAPáginas 42 - 431. a) 250 = 25 . 10 = 2,5 . 100 = 0,25 . 1 000 = 2 500 . 0,1 b) 0,004 = 4 . 0, 001 = 0,4 . 0,01 = 0,04 . 0,1 = 0,0004 . 10 c) 4,73 = 47,3 . 0,1 = 0, 473 . 10 = 473 . 0,01 = 0,0473 . 100 d) 0,125 = 125 . 10 3 = 12,5 . 10 2 = 1,25 . 10 1 = 0,0125 . 101 e) 25 300 = 2 530 . 101 = 253 . 10 2 = 25,3 . 10 3 = 253 000 . 10 12. 20
  21. 21. Páginas 43 - 44Páginas 44 - 453. a) Sete bilhões e trezentos milhões ou 7,3 . 10 9 b) Dois quintilhões, novecentos e oitenta quatrilhões ou 2,98 . 1018 c) Vinte e cinco centésimos ou 2,5 . 101 d) Quatro décimos de milésimos ou 4 . 104 e) Cento e vinte e cinco décimos de milionésimos ou 1,25 . 1054. a) (1,3 . 109 habitantes) b) (7,045 . 106 km2) e (4,75 . 106 km2) c) (3 . 10 5 km/s) d) ( 10 4 m) 21
  22. 22. Página 455. a) 1,2 . 103 . 5 . 105 = 6 . 108 b) 1,5 . 10-4 . 2 . 10-3 = 3 . 10-7 c) 4,5 . 105 ÷ 9 . 10-3 = 0,5 . 108 = 5 . 107 d) (4 . 10-4)4 = 256 . 10-16 = 2,56 . 10-146. a) 103 . (2,5 . 102 + 7) = 103 . (257) = 2,57 . 105 b) 2,5 . 107 – 0,5 . 107 = 2 . 107 c) 1 280 . 105 + 4 . 105 = 1 284 . 105 = 1,284 . 108 d) 75,4 . 106 – 3,2 . 106 = 72,2 . 106 = 7,22 . 107Página 467. 22
  23. 23. 8.Podemos resolver esse problema aplicando o Teorema de Pitágoras.D2 Sol  Sat  D2 Sol  Terra  D2 Terra SatD 2 Sol  Sat  D 2 Sol  Terra  D 2 Terra Sat(1,4 .10 9 ) 2  (1,4 .108 ) 2  D 2Terra  SatD 2 Terra Sat  1,96 .1018  1,96 .1016D 2 Terra Sat  196 .1016  1,96 .1016D 2 Terra Sat  194,04 .1016DTerra  Sat  194,04 .1016  13,9 .108  1,39 .109A distância entre a Terra e Saturno é de aproximadamente 1 390 000 000 km.Páginas 47 - 489. a) É da ordem de 1010 . b) É da ordem de 1025 kg. c) É da ordem de 10–27 g. d) É da ordem de 104 m. e) É da ordem de 1010 anos. 23
  24. 24. AJUSTES Caderno do Professor de Matemática – 8ª série/9º ano – Volume 1 Professor, a seguir você poderá conferir alguns ajustes. Eles estão sinalizados a cadapágina. 24
  25. 25. Matemática – 8a série, 1o bimestre esses dois conjuntos. Os elementos da inter- 5. Complementar: caso particular da dife- seção possuem as propriedades de A e de B rença entre dois conjuntos, quando um simultaneamente. Escrevemos A ∩ B. deles é subconjunto do outro. Contém os elementos de A que não pertencem Exemplo: os diagramas mostram que alguns ao subconjunto B.números ímpares são primos, como, por exem-plo, 3, 5, 7, etc. O 9 é ímpar, mas não é primo. CA = B – A B A B Exemplo: o complementar dos múltiplos Ímpares Primos de 10 em relação aos múltiplos de 5 são 5, 15, 25, 35, 45, ... M(5) M(10) 3. Reunião ou união: a ou b. O conjunto da reunião entre A e B contém todos os ele- mentos de A e de B. Escrevemos A ∪ B. 6. Conjuntos mutuamente exclusivos ou Exemplo: a reunião dos múltiplos de dois e dijuntos: nenhum a é b. Se nenhum ele-dos múltiplos de três. A interseção são os múl- mento de um conjunto A pertence a outrotiplos de seis. conjunto B, então esses conjuntos são mu- tuamente exclusivos. A interseção entre os M(2) M(3) dois conjuntos é vazia. A ∩ B = ∅. Exemplo: os números pares e os números ímpares são mutuamente exclusivos, pois não possuem elemento em comum. 4. Diferença: algum a não é b. Os elemen- tos da diferença entre os conjuntos A e Pares Ímpares B são aqueles que pertencem a A e não pertencem a B. Escrevemos A – B. Exemplo: a figura representa os números paresque não são primos. Trata-se da diferença entre os Para representarmos as relações entre doisconjuntos. Pares – Primos = {0, 4, 6, 8, 10, ...}. ou mais conjuntos, recorremos a mais diagra- mas. Por exemplo: Pares Primos Animais Minerais Mamíferos 13
  26. 26. Atividade 7 denominada ordem de grandeza do número que expressa a medida. Com base na tabela anterior, imagine o se- guinte problema: Em determinado instante, Exemplos: Sol, Terra e Saturno formam um triângu- a) o raio orbital médio do planeta Júpiter lo retângulo com o ângulo reto na Terra. mede aproximadamente 778 547 200 km. Neste momento, qual é a distância entre Esse número pode ser escrito como 7,785472 . 108 km. Como 7 está mais Saturno e a Terra? próximo de 10 do que de 1, podemos aproximá-lo para 10, resultando no produto 10 . 108. Portanto, sua ordem de grandeza é de 109. b) a ordem de grandeza do número 0,000031 é 10–5. Isso porque, escreven- do o número em notação científica, 3,1 . 10–5, notamos que o 3 está mais Podemos resolver esse problema aplicando o próximo do 1 do que do 10. Portanto, aproximamos o número para baixo, re- Teorema de Pitágoras. sultando em 1 . 10–5. DSol -Sat = DSol -Terra + DTerra-Sat 2 2 2 Conhecendo as ordens de grandezas de 2 (1,4 . 10 ) = (1,4 . 10 ) + D 9 2 8 2 Terra – Sat diversas medidas, podemos facilmente dis- 2 DTerra - Sat = 1,96 . 1018 – 1,96 . 1016 tinguir qual é a menor ou a maior, bastando 2 comparar os expoentes das potências de 10. DTerra - Sat = 196 . 1016 – 1,96 . 1016 Retomando a tabela da atividade 6, que infor- 2 DTerra - Sat = 194,04 . 1016 ma as distâncias médias dos planetas ao Sol, DTerra - Sat = 194,04 . 10 6 � 13,9 . 10 8  = podemos constatar que a distância Terra-Sol é da ordem de 108 km, enquanto a de Júpiter = 1,39 . 109 é da ordem de 109 km, ou seja, é cerca de A distância entre a Terra e Saturno é de 10 vezes mais distante. aproximadamente 1 390 000 000 km. Atividade 8 Ordem de grandeza Dê a ordem de grandeza das seguintes Em muitas situações, quando trabalha- medidas: mos com medidas muito grandes ou muito a) população mundial: aproximadamente pequenas, não há necessidade de conhecer 6,6 bilhões em 2007. com precisão todos os algarismos que com- 1010 põem o número. Nesses casos, basta conhe- b) massa da Terra: 5,9742 . 1024 kg cer a potência de 10 que mais se aproxima de um determinado valor. Essa potência é 1025 kg48

×