Cultura Novas Identidades

1.105 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.105
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cultura Novas Identidades

  1. 1. Unidade 3<br />O surgimento de Novas identidades e formas de sociabilidade<br />
  2. 2. Cultura material<br />São os meios que formam o ambiente concreto de determinada sociedade. Em arqueologia, chama-se cultura material o conjunto de:<br />Objetos; utensílios; ferramentas; adornos; meios de transporte; moradias; armas; etc.<br />
  3. 3. Cultura imaterial<br />Cultura imaterial (ou patrimônio cultura intengível) é uma concepção de patrimônio cultural que abrange as expressões cultuais e as tradições que um grupo de indivíduos preserva em respeito à sua ancestralidade, para as gerações futuras.<br />Exemplos: os saberes, os modos de fazer (técnica), as formas de expressão, celebrações, as festas, danças populares, lendas, músicas, costumes e outras tradições<br />
  4. 4. Patrimônio cultural<br />É o conjunto de todos os bens, materiais ou imateriais, que, pelo seu valor próprio, devam ser considerados de interesse relevante para a permanência e a identidade da cultura de um povo.<br />O patrimônio é a nossa herança do passado, com que vivemos hoje, e que passamos às gerações vindouras.<br />
  5. 5. Folksociety<br />Refere-se a um tipo de sociedade totalmente coesa – moral, religiosa, política e socialmente – devido ao pequeno número de pessoas vivendo isoladas. É tida como o modelo das sociedades pré-letradas ou “primitivas” tradicionalmente estudadas pelos antropólogos. Era caracterizada por uma ordem moral absoluta que satisfaria todas as “necessidades espirituais” de um indivíduo, de seu nascimento até a sua morte.<br />
  6. 6. Sociabilidade baseada no lugar<br />Foi uma fonte importante de apoio e interação social, tanto em sociedades agrícolas quanto nos primeiros estágios da era industrial – com ressalva adicional de que essa sociabilidade era fundada não só em vizinhança, mas em locais de trabalho<br />Esse tipo de sociedade não desapareceu, mas certamente desempenha papel pequeno na estruturação de relações sociais para a maioria da população em sociedades desenvolvidas.<br />
  7. 7. Sociabilidade baseada no lugar<br />Comunidades de imigrantes normalmente continuam a basear fortemente em interação ligadas em lugar. Mas é a condição de imigrante, e a concentração espacial de pessoas com essa condição em certa áreas, que determina o padrão de sociabilidade, e não a mera contiguidade espacial da localidade.<br />O decisivo, portanto, é a passagem da limitação espacial como fonte da sociabilidade para a comunidade espacial como expressão da organização social.<br />
  8. 8. Sociabilidade na internet<br />A análise necessária para a compreensão das novas formas de interação social na era da internet deve basear-se uma redefinição de comunidade, dando menos ênfase a seu componente cultural, e mais ênfase a seu papel de apoio a indivíduos e família, e desvinculando sua existência social de um tipo único de suporte material.<br />“Comunidades são redes de laços interpessoais que proporcionam sociabilidade, apoio, informação, um senso de integração e identidade social”. (Barry Wellman)<br />
  9. 9. Transformação ocorrida com o surgimento das sociedades complexas<br />Substituição de comunidades espaciais por redes como formas fundamentais de sociabilidade.<br />
  10. 10. Transformação ocorrida com o surgimento das sociedades complexas<br />Ascensão do individualismo – Após a transição da predominância de relações primárias (corporificadas em famílias e comunidades) para a de relações secundárias (corporificadas em associações), o novo padrão dominante parece fundar-se no que poderíamos chamar de relações terciárias, ou no que Wellman chama de “comunidades personalizadas”, corporificadas em redes egocentradas.<br />
  11. 11. Transformação ocorrida com o surgimento das sociedades complexas<br />Essa relação individualizada com a sociedade é um padrão de sociabilidade específico, não um atributo psicológico. Enraíza-se, em primeiro lugar, na individualização da relação entre capital e trabalho, entre trabalhadores e o processo de trabalho, na empresa de rede. É induzida pelo patriarcalismo e a subsequente desintegração da família nuclear tradicional, tal como constituída no final do séc. XIX. <br />
  12. 12. Transformação ocorrida com o surgimento das sociedades complexas<br />É sustentada pelos novos padrões de urbanização, à medida que subúrbios e condomínios de luxo ainda mais afastados se proliferam, e a desvinculação entra a função e significado nos microlugares das megacidades individualiza e fragmenta o contexto espacial de existência.<br />E é racionalizada pela crise de legitimidades política, à medida que a crescente distância entre os cidadãos e o Estado enfatiza o mecanismo de representação e estimula a saída do indivíduo da esfera pública.<br />
  13. 13. Transformação ocorrida com o surgimento das sociedades complexas<br />O novo padrão de sociabilidade em nossas sociedades é caracterizado pelo individualismo em rede.<br />
  14. 14. A internet pré web 2.0 como suporte ao individualismo em rede<br />Estudos realizados por Barry Wellman, pelo Internet andAmericanLife Project do PewInstitute, indicaram que a Internet era eficaz na manutenção de laços fracos, que de outra forma seriam perdidos no cotejo entre o esforço para se envolver em interação física e o valor da comunicação.<br />As pessoas ligam e desligam da Internet, mudam de interesse, não revelam necessariamente sua identidade e migram para outros padrões online.<br />
  15. 15. A internet pré web 2.0 como suporte ao individualismo em rede<br />Por outro lado, a internet desempenha um papel positivo na manutenção de laços fortes à distância. Já se observou que relações familiares e de amizade, pressionadas pela crescente disparidade das formas de família, pelo individualismo e, por vezes, pela mobilidade geográfica, estão sendo ajudadas pelo uso da internet.<br />
  16. 16. A internet pré web 2.0 como suporte ao individualismo em rede<br />Segundo Wellman:<br />“redes sociais complexas sempre existiram, mas desenvolvimentos tecnológicos recentes nas comunicações permitiram seu advento como uma forma dominante de organização social” (2001)<br />O individualismo em rede é um padrão social, não um acúmulo de indivíduos isolados. O que ocorre é que antes indivíduos montam suas redes, online ou offline, com base em seus interesses, valores, afinidades e projetos.<br />
  17. 17. Exercício em dupla<br />Listar ao menos três redes sociais offline e três redes sociais online que vocês estão inseridos e destacar quais os elos que unem cada um dos integrantes.<br />No caso das redes offlines, seria possível que a rede se desenvolvesse dentro do ambiente da internet?<br />No caso das redes online, seria possível que a rede se desenvolvesse fora do ambiente da internet?<br />Quais dessas redes poderiam existir há mais de 500 anos? Por quê?<br />
  18. 18. bibliografia<br />A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócos e a sociedade por Manuel Castells<br />

×