A obra de Gil Vicente

14.574 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.574
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.690
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
394
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A obra de Gil Vicente

  1. 1. O Teatro é a Representação da Vida 9º Ano LPO 2007 / 2008
  2. 2. <ul><li>Teatro vem de Theatron (grego) – significa “o que se vê”; </li></ul><ul><li>Tem origem na Grécia; </li></ul><ul><li>O Homem sentiu a necessidade de exteriorizar os seus sentimentos e as suas sensações; </li></ul><ul><li>Assim, nasceram os actos lúdicos, a dança e mais tarde o que chamamos teatro; </li></ul><ul><li>Começou por ser a narração de lendas ligadas aos deuses da mitologia grega; </li></ul><ul><li>Na Grécia e Roma antigas, os escritores produziam tragédias e comédias. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Acabamento estético; </li></ul><ul><li>Deu consistência literária às representações teatrais que sempre existiram; </li></ul><ul><li>Peças que eram representadas em salões; </li></ul><ul><li>Peças que eram para festejar determinados acontecimentos: nascimentos/casamentos; partidas/chegadas do rei ... </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Designação genérica das peças de Gil Vicente; </li></ul><ul><li>São peças de gosto tradicional: </li></ul><ul><li>de assunto religioso ou profano; </li></ul><ul><li>sério ou cómico; </li></ul><ul><li>sem divisões em actos e cenas. </li></ul>
  5. 5. <ul><ul><ul><li>Em 1562, Luis Vicente divide a obra de seu pai em: </li></ul></ul></ul><ul><li>MORALIDADES (peças alegóricas de cariz religioso que podem conter elementos da Bíblia); </li></ul><ul><li>FARSAS (com tipos e ambientes da sociedade da época e com intuitos satíricos); </li></ul><ul><li>COMÉDIAS E TRAGICOMÉDIAS (de tema profano e de grande espectáculo, representadas em ocasiões festivas da corte). </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Gil Vicente (dramaturgo de cariz satírico) utiliza vários processos geradores do riso na sua crítica social ( SÁTIRA ); </li></ul><ul><li>Criticar, provocando o riso nos espectadores, não só era mais divertido e adequado à função lúdica que o teatro vicentino tinha, como também permitia que a crítica fosse mais facilmente aceite. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>CÓMICO </li></ul><ul><li>(algo que resulta de uma coincidência, um contraste, um desajuste, seja comportamental ou situacional) </li></ul><ul><ul><li>Cómico de situação </li></ul></ul><ul><li>(resultado da própria situação, das circunstâncias criadas pelas personagens); </li></ul><ul><ul><li>Cómico de carácter </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>(resulta do temperamento, da maneira de ser ou estar, da personalidade); </li></ul></ul></ul>
  8. 8. <ul><li>CÓMICO DE LINGUAGEM </li></ul><ul><li>(resulta do uso de vários recursos linguísticos que têm como função provocar o riso) </li></ul><ul><li>EX.: </li></ul><ul><ul><ul><li>Uso de calão </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Diferentes registo de língua </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ironia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Jogo de palavras </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Pragas, rezas, provérbios </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Latim macarrónico </li></ul></ul></ul>
  9. 9. <ul><li>2. IRONIA </li></ul><ul><li>recurso muito utilizado por G. Vicente; </li></ul><ul><li>dizer o contrário do que se pensa, usando uma entoação que o dê a entender. </li></ul><ul><li>3. TIPOS </li></ul><ul><li>personagens-tipo que representam uma classe, uma profissão, uma idade; </li></ul><ul><li>Personagens detentoras de características atribuíveis ao grupo social, profissional ou etário a que pertencem, sem densidade psicológica e interior que poderia fazer delas casos únicos e singulares. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>O teatro de Gil Vicente é de natureza e alcance social, logo NÃO visa criticar indivíduos determinados, MAS instituições, classes ou grupos sociais, por isso é que ele utiliza as personagens-tipo. </li></ul>Fonte: retirado da internet, sem referência. Adaptado por Teresa Pombo, 2008.

×