2 roma

2.669 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.669
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
414
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2 roma

  1. 1.
  2. 2.
  3. 3. As versões da origem de Roma<br />
  4. 4. OrigemLendária<br />Conta a lenda que Roma foi fundada em 753 a.C. por Rômulo e Remo, os gêmeos, filhos do deus Marte, que foram abandonados às margens do Tibre logo após o nascimento e, milagrosamente, sobreviveram amamentados por uma loba. <br />Sabe-se que os irmãos foram recolhidos por um pastor, Fáustulo, sendo criados por uma mulher AccaLaurentia e, quando crescidos, disputaram o trono da nova cidade. <br /> Os relatos apontam que Remo, para insultar o irmão, saltara as muralhas da cidade erguida por Rômulo; este lançou-se sobre Remo e matou-o dizendo: "Assim há de morrer aquele que transpuser minhas muralhas." Desta forma Rômulo ficou sendo o único chefe, e a nova cidade recebeu o nome de seu fundador.<br />
  5. 5. Origemhistórica – I versão<br />Roma foi por muito tempo uma pequena aldeia de pastores e agricultores, próxima ao rio Tibre.<br />Essa aldeia tornou ponto de passagem para os mercadores e pastores que migravam com seus rebanhos.<br />A região próxima ao Tibre era riquíssima em sal, o produto era transportado para Roma depois escoado para península itálica e outras regiões.<br />Assim Roma tornou um centro comercial de mercadorias agrícolas, gado e sal.<br />
  6. 6. Origemhistórica – I I versão<br />A história, porém, atesta que Roma provavelmente surgiu como uma fortificação militar por volta do século VIII a.C. -para defender-se dos povos etruscos.<br />A economia no período era baseada na agricultura e no pastoreio. <br />
  7. 7. Classes sociais<br />
  8. 8. A terra em Roma<br />Quanto mais terras a pessoa possuía, mais prestígio social teria.<br />Essas terras, porém, podiam ser públicas ou privadas:<br /><ul><li> As terras privadas eram ocupadas por famílias romanas desde os primeiros tempos,
  9. 9. As terras públicas, por sua vez, geralmente eram as conquistadas de outros povos durante a expansão romana.</li></li></ul><li>Períodos de Roma<br /> Monarquia (753 a.C. a 509 a.C.) República(509 a.C. a 29 a.C.) Império(29 a.C. a 476 d.C.)<br />
  10. 10. Monarquia <br />A documentação do período monárquico de Roma é muito precária, o que torna este período menos conhecido que os períodos posteriores.<br />Várias dessas anotações registram a sucessão de sete reis, começando com Rômulo em 753 a.C., como representado nas obras de Virgílio (Eneida) e Tito Lívio (História de Roma).<br />A região do Lácio foi habitada por vários povos. <br />Além dos latinos, os etruscos tiveram um papel importante na história da Monarquia de Roma, já que vários dos reis tinham origem etrusca.<br />
  11. 11. Durante a monarquia, o rei acumulava os poderes: executivo, judicial e religioso<br />O monarca era ainda auxiliado por dois instrumentos :<br />Senado:(Conselho de Anciãos) formado por patrícios que detinham o poder legislativo e de veto.<br /><ul><li> Assembléia: formado por todos os cidadãos em idade militar, função de aprovar o Rei escolhido pelo senado e declarar a guerra e a paz.</li></li></ul><li>O fim da monarquia<br />Tarquínio, o Soberbo, foi o último rei de Roma, tendo-na governado de 534 a 509 a.C, <br />Foi deposto por uma revolta patrícia em virtude de seu despotismo<br />Ele desejava reduzir a importância do Senado, <br />Os patrícios passaram a concentrar o poder através do Senado, instaurando a Republica inicia um novo período de Roma.<br />
  12. 12. Republica romana<br />Neste período Roma deixa de ser uma aldeia e ganha fisionomia de uma cidade.<br /><ul><li>Nobres
  13. 13. Comerciantes
  14. 14. Artesãos
  15. 15. Artistas</li></li></ul><li>O governo da Republica romana<br />O senado<br />Os magistrados<br />As assembléias<br />Tribunos da Plebe<br />
  16. 16. O senado<br />Durante o período republicano, o Senado romano ganhou grande poder.<br />As atividades executivas eram exercidas pelos cônsules<br />Os senadores,(sempre de origem patrícia), cuidavam:<br /><ul><li>das finanças públicas,
  17. 17. da administração
  18. 18. e da política externa.</li></li></ul><li>Magistrados (funcionários ordinários)<br />OS CÔNSULES. <br /><ul><li>Eram considerados senadores de maior hierarquia do que os demais,
  19. 19. Eleitos para um mandato de um ano,
  20. 20. Os debates seguiam tal hierarquia e senioridade.
  21. 21. Como detentores do poder militar, indicava o alto comando do exército romano.
  22. 22. convocavam o senado e as assembléias populares</li></li></ul><li>Pretores<br />Como magistratura eminentemente judicial<br /><ul><li>Os pretores eram as altas autoridades para o procedimento judicial</li></li></ul><li>Censores<br />Também chamados sanctissimusmagistratus. Segundo o costume, os censores eram eleitos entre os ex cônsules.<br />Funções:<br /><ul><li> o exame da lista dos senadores (lectiosenatus),
  23. 23. a atualização das listas de cidadãos (census),
  24. 24. a vigilância sobre os costumes (cura morum)
  25. 25. a direção dos bens do Estado e das obras públicas.</li></li></ul><li>EDIS<br /><ul><li>Estes magistrados eram eleitos de quatro em quatro anos.
  26. 26. Era uma magistratura de polícia,
  27. 27. Vigiavam a ordem pública em Roma e nos seus arrabaldes,
  28. 28. Fiscalizavam os edifícios e as construções, a limpeza das ruas e praças, as condições de higiene nas termas, etc.
  29. 29. Supervisionavam o abastecimento de víveres à cidade, agindo contra a especulação nos artigos de primeira necessidade,
  30. 30. vigiavam pela qualidade dos produtos no mercado, controlando os pesos e as medidas.
  31. 31. Também tinham a seu cargo a organização dos jogos públicos,</li></li></ul><li>QUESTORES<br />Funções de tesoureiros do Estado.<br /><ul><li>Administravam o Tesouro do Estado, guardado no templo de Saturno. Tinham a custódia dos arquivos do Estado </li></li></ul><li>Patrícios XPlebeus<br />
  32. 32. Tribunos da Plebe<br />A criação dos tribunos da plebe está ligada às lutas dos plebeus por uma maior participação política e melhores condições de vida.<br />Em 367 a.C, foi aprovada a Lei Licínia, que garantia a participação dos plebeus no Consulado (dois cônsules eram eleitos: um patrício e um plebeu).<br /><ul><li>Esta lei também acabou com a escravidão por dívidas (válida somente para cidadãos romanos).</li></li></ul><li>Reforma agrária - Tibério e Caio(IRMÃOS GRACO)<br />Na tentativa de atender os interesses populares, os Graco pretenderam fazer reformas com o objetivo de diminuir o êxodo rural e oferecer trabalho e melhores condições à aquela numerosa população que estava vivendo na cidade.<br /> Por trás dessas reformas o objetivo maior era diminuir as tensões entre patrícios e plebeus<br />
  33. 33. Motivos que enfraqueceram a republica<br />O Senado, enquanto instrumento de poder da elite patrícia, sofreu uma forte contestação:<br />Comerciantes extremamente enriquecidos com a expansão de Roma;<br /> Plebeus miseráveis e descontentes;<br /> Enorme contingente de escravos. <br />pretensões políticas dos generais, fortalecidos pela crescente importância do Exército na vida romana.<br />
  34. 34. Tentativa de golpe autocrata<br />As instituições republicanas encontravam-se em crise desde o princípio do século I a.C.,<br /><ul><li>Sulla quebrou todas as regras constitucionais ao tomar a cidade de Roma com o seu exército, em 82 a.C.,
  35. 35. Objetivo: tornar Ditador Vitalício.
  36. 36. Sulla resignou e devolveu o poder ao Senado Romano, mas no entanto o precedente estava lançado.</li></li></ul><li>O fim da republica<br />Uma imensa instabilidade política, na qual revoltas de escravos, guerras civis, ditaduras, tentativas de golpe e governos formalmente ilegais sucederam-se.<br />Em meio a essa crise, formou-se uma aliança envolvendo Crasso e Pompeu, dois generais que se fizeram eleger cônsules em 62 a.C.<br />Entretanto, crescia a fama de Caio Júlio, também general, que havia acabado de conquistar a Gália, detentor de um prestígio cada vez mais amplo junto à plebe romana - e, notadamente, junto ao Exército.<br />
  37. 37. Primeiro triunvirato<br />Ante o crescente prestígio de Júlio, Crasso e Pompeu viram-se obrigados a aceitar sua presença no poder, criando uma fórmula chamada de Triunvirato, ilegal e não prevista na composição institucional da República.<br />A morte de Crasso, em 53 a.C., fez com que a oposição entre Pompeu, direto representante dos interesses da aristocracia patrícia, e Júlio ficasse explícita.<br />
  38. 38. Pompeu x julius césar<br />Declaradamente Pompeu e Julius passa a disputar o poder.<br />Com a vitoria Julius César este é nomeado cônsul vitalício.<br />Tornava uma Ditadura (diferente dos conceitos atuais) comandada por Gaius Julius César<br />
  39. 39. Gaius Julius César<br />César então teve o título de ditador e concentrou todo o poder em Roma.<br />Obras:<br />Reformou as instituições<br />Conferiu maior celebridade à justiça,<br />Estimulou o crescimento econômico,<br />Aperfeiçoou o governo das províncias<br />Promoveu festas para alegrar o povo.<br /><ul><li>Outra frase célebre de César dita em 47 a.c. na Ásia foi Venividivici (Vim, vi e venci)</li></li></ul><li>A morte de julius césar<br />César sempre governou visualizando o interesse geral.<br /> Graças as suas reformas, Júlio César conquistou enorme apoio popular, <br />Em compensação, os ricos (aristocratas e patrícios) sentiram-se prejudicados em seus privilégios e começaram a conspirar. <br />O centro dessa conspiração era o Senado, controlado por patrícios.<br />No dia 15 de março de 44 a.C., quando Júlio César entrava no Senado, os conspiradores o envolveram armados de punhais.<br />Júlio Cesar recebeu 23 punhaladas, e suas palavras derradeiras demonstram antes de tudo um coração dilacerado pela ingratidão, especialmente de Brutus, filho único e adotivo.<br />O assassinato de César provocou uma verdadeira revolta popular.<br />
  40. 40. Segundo triunvirato<br />O Segundo Triunvirato foi estabelecido em 43 a.C., na República Romana, entre Marco António, Octávio e Lépido, que haveria de se prolongar até 33 a.C.<br />Ao contrário do primeiro triunvirato (acordo informal), o segundo triunvirato foi uma aliança política formal reconhecida pelo Senado.<br />A luta pelo poder no Segundo Triunvirato continuou, Lépido foi afastado do poder,<br />Em seguida Octavio vence as forças de Marco Antonio e torna-se o primeiro Imperador de Roma com titulo de Octávio Augusto<br />
  41. 41. Augusto (63 a.C. - 14 d.C.).<br />O reinado de César Augusto é considerado período de prosperidade e expansão. <br />A nova estrutura política; título era "César" e foi este que Augusto e seus sucessores adaptaram. <br />Augusto era também comandante-chefe do exército<br />decidia a guerra ou a paz,<br /> Se auto-nomeou "tribuno por toda a vida". <br />
  42. 42. Sinais de um grande imperio<br />Nasceu como conseqüência do esforço de expansão crescente de Roma durante os séculos III e II a.C.. <br />Nos últimos anos do século II a.C., Caio Mário transformou o exército romano num exército profissional<br />
  43. 43. Exercito romano instrumento do poder<br /><ul><li>A lealdade dos soldados de uma legião era declarada ao general que a liderava e não à sua pátria.
  44. 44. Este fato, combinado com as numerosas guerras que Roma travou nos finais da República favoreceu o surgimento de uma série de líderes militares (Lúcio Cornélio Sulla, Pompeu, Júlio César),
  45. 45. A percebendo-se da força à sua disposição, começam a utilizá-la como meio de obter ou reforçar o seu poder político.</li></li></ul><li>O exército romano<br />O Império Romano dependia de um exército forte e bem organizado, que realizava as campanhas de expansão e defendia as fronteiras.<br />Os legionários eram a base do exército romano (a maioria deles eram voluntários). <br />Para entrar no exército era imprescindível ser cidadão romano. <br />O exército estruturava-se em legiões de seis mil soldados, cada uma dividida em dez cortes.<br />
  46. 46. Expansão de Roma<br />Após dominar toda a península itálica, os romanos partiram para as conquistas de outros territórios.<br /> Com um exército bem preparado e muitos recursos, venceram os cartagineses nas Guerras Púnicas (século III a.C).<br />Esta vitória foi muito importante, pois garantiu a supremacia romana no Mar Mediterrâneo.<br />Os romanos passaram a chamar o Mediterrâneo de “MareNostrum”.<br />
  47. 47. Após dominar Cartago, Roma ampliou suas conquistas, dominando:<br />a Grécia,<br /> o Egito,<br /> a Macedônia,<br /> a Gália,<br /> a Germânia,<br /> a Trácia,<br /> a Síria<br /> a Palestina.<br />
  48. 48. Conseqüências da expansão romana<br />Com as conquistas, a vida e a estrutura de Roma passaram por significativas mudanças:<br /><ul><li> O império romano passou a ser muito mais comercial do que agrário.
  49. 49. Povos conquistados foram escravizados ou passaram a pagar impostos para o império.
  50. 50. As províncias (regiões controladas por Roma) renderam grandes recursos para Roma.
  51. 51. A capital do Império Romano enriqueceu e a vida dos romanos mudou.</li></li></ul><li>Cidade de Roma no século I a.C.<br />No século I a.C., Roma, cidade repleta de confortos:<br />Casas comerciais,<br />Jardins<br />Edifícios monumentais. <br />Melhorias no sistema de esgotos e nos aquedutos da cidade.<br />
  52. 52. Diferenças culturais<br />O império que Augusto recebeu era vasto e heterogêneo, com várias línguas e vários povos:<br />O grego era a língua mais falada nos territórios orientais, <br />O latim progredia pouco nestes territórios, mas nos territórios ocidentais era a língua mais falada.<br />Augusto passou a tratar todos os habitantes do império como iguais <br />Visitou várias zonas para verificar quais os problemas de cada província, assim estas floresceram e atingiram o máximo do seu desenvolvimento. <br />
  53. 53. A religião romana<br />A religião romana foi formada combinando diversos cultos e várias influências. (Crenças etruscas, gregas e orientais).<br />O Estado romano propagava uma religião oficial que prestava culto aos grandes deuses de origem grega, porém com nomes latinos.<br />
  54. 54. Os rituais religiosos romanos eram controlados pelos governantes romanos. <br />O culto a uma religião diferente a do império era proibida e condenada. <br />*Os cristãos, por exemplo, foram perseguidos e assassinados em várias províncias do império romano.<br />
  55. 55. Muitos imperadores, por exemplo, exigiram o culto pessoal como se fossem deuses. Esta prática começou a partir do governo do imperador Júlio César.<br />O Edito de Milão de Constantino estabeleceu a liberdade de culto aos cristãos, encerrando as violentas perseguições,<br />No século IV d.C., o cristianismo tornou-se a religião oficial, por determinação do imperador Teodósio,<br /> A prática do politeísmo foi, aos poucos, sendo abandonada.<br />
  56. 56. A desigualdade social na roma antiga<br />Normalmente, os pequenos proprietários não possuíam escravos, ao contrário das famílias mais abastadas, cuja produção era maior pelo uso da mão-de-obra escrava obtida nas guerras. <br />As viúvas e os filhos dos pequenos agricultores, não encontrando meios de cultivar suas propriedades, acabavam por desfazer-se delas.<br />Para piorar essa situação, os produtos agrícolas importados das regiões conquistadas chegavam por baixo preço, levando os pequenos agricultores a enfrentar situações difíceis, culminando em dívidas e na perda de suas próprias terras.<br />
  57. 57. Crise no Império Romano<br />Econômico:<br />Com o fim das guerras de conquista, esgotou-se a principal fonte fornecedora de escravos.<br />Fez surgir o colonato e provocou o êxodo urbano.<br />os proprietários começaram a arrendar partes das suas terras a trabalhadores livres denominados colonos.<br />Social: <br />Surgimento do cristianismo<br />Político:<br />A crise se também se instalou no exercito, generais se duelavam usando suas legiões, intrigas e corrupção.<br />
  58. 58. Constantinopla<br />Para resolver a situação o imperador Constantino transferiu a capital do império de Roma para a cidade de Bizâncio (Constantinopla).<br />
  59. 59. A divisão do império<br />Apesar da crise o Império Romano permaneceu unificado ate 395, o imperador Teodósio dividiu o Império Romano entre os seus dois filhos:<br /><ul><li>Honório:Império Romano do Ocidente,
  60. 60. Arcádio: Império Romano do Oriente.</li></li></ul><li>Fim o Império Romano do Ocidente<br />Os povos germânicos (bárbaros), estavam forçando a penetração pelas fronteiras do norte do império.<br />Em 476, chega após a invasão de diversos povos bárbaros, entre eles, visigodos, vândalos, burgúndios, suevos, saxões, ostrogodos, hunos etc.<br /> Era o fim da Antiguidade e início de uma nova época chamada de Idade Média.<br />
  61. 61. Império Bizantino<br />O auge deste império foi atingido durante o reinado do imperador Justiniano (527-565),<br />Visava reconquistar o poder que o Império Romano havia perdido no ocidente. <br />Com este objetivo, ele buscou uma relação pacífica com os persas, retomou o norte da África, a Itália e a Espanha.<br /> Durante seu governo, Justiniano recuperou grande parte daquele que foi o Império Romano do Ocidente.<br />
  62. 62. A religião foi fundamental para a manutenção do Império Bizantino, pois as doutrinas dirigidas a esta sociedade eram as mesmas da sociedade romana.<br /> O cristianismo ocupava um lugar de destaque na vida dos bizantinos e podia ser observado, inclusive, nas mais diferentes manifestações artísticas. <br />As catedrais e os mosaicos bizantino estão entre as obras de arte e arquitetura mais belos do mundo<br />
  63. 63. Sociedade Bizantina<br />
  64. 64. A Questão Iconoclasta<br />Os monges: além de ganhar muito dinheiro com a venda de ícones, também tinham forte poder de manipulação sobre sociedade.<br /> Entretanto, incomodado com este poder, o governo proibiu a veneração de imagens, a não ser a de Jesus Cristo, e decretou pena de morte a todos aqueles que as adorassem.<br />
  65. 65. Fim do Império Bizantino<br />Após a morte de Justiniano, o Império Bizantino ficou a mercê de diversas invasões, e, a partir daí, deu-se início a queda de Constantinopla.<br /> Com seu enfraquecimento, o império foi divido entre diferentes realezas feudais.<br />Constantinopla teve sua queda definitiva no ano de 1453, após ser tomada pelos turcos<br />
  66. 66. Istambul<br />Atualmente, Constantinopla é conhecida como Istambul e pertence à Turquia<br />
  67. 67. Império Romano<br />Fontes:<br />COC – Sistema de Ensino<br />Objetivo – Sistema de Ensino<br />Expoente – Sistema de Ensino<br />Prof. Rogério Ribeiro Rodrigues<br />email: profrogerio1@hotmail.com<br />http://lattes.cnpq.br/4912035968628922<br />

×