IECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na Amazônia

4.837 visualizações

Publicada em

Aula - Geografia - 7º Ano - EFII

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.837
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
85
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
154
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

IECJ - Cap. 15 - A organização do espaço na Amazônia

  1. 1. 7º anoCapítulo 15 – A organização do espaço da Amazônia
  2. 2. Observe as imagens. O cartaz é uma propaganda do governo federal divulgada nos primeiros anos da década de 1970.
  3. 3. Adilson MoralezProcesso artesanal de confecção de couro ecológicodesenvolvido pela comunidade do Maguary, na FlorestaNacional do Tapajós, em Alter do Chão, PA.
  4. 4. Conversa Qual é a região destacada no cartaz. O que você sabe sobre ela? Como podemos interpretar a expressão “Chega de lendas” na frase em destaque no cartaz?
  5. 5.  Qual mensagem sobre a Amazônia os criadores do cartaz quiseram transmitir? Quais os objetivos do governo federal em relação a essa região? Se você fosse elaborar um cartaz para atrair pessoas que desejassem investir na Amazônia, quais aspectos destacaria? Explique.
  6. 6. Amazônia Legal e o domínio amazônico Onde vivem cerca de 18 milhões de habitantes.Complexo regional amazônico Abrange uma área de aproximadamente 41,8 milhões de km². Atualmente a Amazônia Legal É área de atuação da Agência de Desenvolvimento da Amazônia.
  7. 7. Complexo Regional da AmazôniaMário Yoshida Fonte: Pedro Pinchas Geiger. Organização regional do Brasil. Revista Geográfica. Rio de Janeiro, n. 61. jul./dez. 1964. p.51. In: Angélica Alves Magnano. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro, v. 57, n.4, out./dez. 1995. p. 77 (adaptado).
  8. 8. Domínio Amazônico Trecho da América do Sul com cerca de 7,8 milhões de km². ABRANGETerritórios da Bolívia,do Peru, do Equador, Foi delimitadoda Colômbia, da com base nosVenezuela, da Guiana,do Suriname, da aspectos naturais.Guiana Francesa e doBrasil. Essa área é também chamada de Amazônia Internacional.
  9. 9. Brasil – Amazônia LegalMário Yoshida Fonte: ADA (Agência de Desenvolvimento da Amazônia), 2002.
  10. 10. Mário Yoshida Amazônia Internacional Fonte: ADA (Agência de Desenvolvimento da Amazônia), 2002.
  11. 11. O Domínio Amazônico:• compreende cerca de um terço das florestas tropicais;• um quinto da água doce disponível no globo;• apresenta grande variedade e diversidade de espéciesvegetais e animais. Por isso, afirma-se que a Amazônia apresenta uma grande biodiversidade. Como mais da metade da Amazônia faz parte do Brasil Boa parte dessa biodiversidade encontra-se no país.
  12. 12. Muitas de suas plantas e animais São utilizadas pela indústria farmacêutica de perfumaria e cosméticos, de alimentos etc. Outras tantas são analisadas pelos institutos de pesquisa dos países desenvolvidos.A partir de Podem ser fabricadossubstâncias medicamentos e outrosencontradas nessas produtos. Bases deplantas e animais: novas matérias-primas podem ser descobertas.
  13. 13. Fabio Colombini Floresta Amazônica, AM (2002).
  14. 14. A organização espacial da Amazônia A porção norte do território brasileiro não despertou grandeinteresse da metrópole portuguesa na época da colonização. Pois nela não foram encontradas riquezas minerais, ou solos favoráveis para a prática agrícola. Também foram instaladosDurante o período fortes, com o objetivo decolonial, a sua defender o território deocupação limitou-se invasões. Muitos dessesà instalação de fortes acabaram semissões religiosas. tornando vilas.
  15. 15. Final do século XIX - início do século XX Provocando Ocorreu um surto de povoamento uma sensível Proporcionado diminuição no fluxo Pela extração do látex populacional para a região. da seringueira. Nesse período, a Década de 1920 região atraiu A atividade milhares de econômica de pessoas, que se extração do látexestabeleceram para entrou em trabalhar como decadência seringueiros.
  16. 16. Ricardo Azoury/ Olhar Imagem Teatro da Paz, em Belém, PA (2008).
  17. 17. Um desafio amazônico: desenvolver sem destruirGeógrafa Bertha Becker A natureza da Amazônia é “reavaliada e revalorizada a partir de duas lógicas muito diferentes”.A preocupação em E a visão da região comoconservar os estoque de recursosecossistemas e naturais a serempossibilitar a explorados semsobrevivência e o preocupação com adesenvolvimento sustentabilidade e comodos povos que área de expansão para avivem na região. pecuária e para a agricultura.
  18. 18. Pensar nessas duas lógicas significa pensar no futuro da Amazônia.O próprio debate sobre a necessidade de encontrarmosmodelos de desenvolvimento que priorizem:• a redução das desigualdades sociais;• a eliminação da pobreza;• a conservação dos ecossistemas naturais; Deve servir de exemplo para a elaboração de propostas de desenvolvimento socioeconômico na Amazônia.
  19. 19. Carlos Penteado/ Documentária Comunidade quilombola que vive na floresta, em Saracusa, Santarém, PA (2005).
  20. 20. A Amazônia é uma reserva fundamental de: Tem um papel expressivo no volume • biodiversidade; de gases que podem • água; ou não intensificar o efeito estufa. • carbono fixado.Brasil:• considerado o 5º maior emissor mundial de gases doefeito estufa;• 75% das emissões são resultado dos desmatamentos edas queimadas;• apenas 25% das emissões do Brasil são fruto daqueima de combustíveis fósseis.
  21. 21. Considerando:• a grande diversidade sociocultural da região amazônica;• a importância que tem para a estabilidade climáticaregional e continental;• a influência que tem na intensificação do efeito estufa;• o estoque de água;• a biodiversidade; Não há como realizar projetos que não tenham como ponto de partida estudos aprofundados sobre as peculiaridades sociais, ambientais e econômicas da Amazônia.
  22. 22. O governo precisa atuar mais diretamente na região InclusiveCriando condições para que a pesquisa seja intensificada e a fiscalização, mais atuante. É fundamental estabelecer projetos que não colaborem para a expansão das áreas desmatadas.Há também a preocupação com a expansão daagricultura voltada para a produção de biocombustíveis. É provável que venha a ocorrer uma expansão significativa da produção de cana no Brasil.
  23. 23. Kim-Ir-Sem Cultivo de cana-de-açúcar nas proximidades de Sinop, MT (2005).
  24. 24. A ocupação da AmazôniaGovernos anteriores à década de 1970 já davam sinais depreocupação com o povoamento da Amazônia. Porque a consideravam um espaço com um vazio demográfico que deveria ser ocupado. Em 1953, no governo Getulio Vargas, foi Em 1958, no governo criada a Juscelino Kubitschek, Superintendência do iniciava-se a Plano de Valorização construção da rodovia Econômica da Belém-Brasília. Amazônia.
  25. 25. As estratégias do Estado brasileiroPeríodo da ditadura militar Os governantes do Estado brasileiro pretendiam levar adiante planos, programas e projetos diversos com o objetivo de ocupar e explorar economicamente a região amazônica. O governo entendia que a região desocupada poderia ser facilmente invadida e ter suas riquezas exploradas por estrangeiros. Além disso, nessa imensa área poderiam ser organizadas forças contrárias ao governo militar.
  26. 26. Foram criados órgãos como:• a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia,que substituiu a SPVEA, para planejar, coordenar econtrolar o desenvolvimento. Também foram criados: • projetos de pesquisa; • outras rodovias; • o polo industrial — a Zona Franca de Manaus; • diversos projetos agropecuários e minerais.
  27. 27. As rodovias e as agrovilas O governo brasileiro aplicouInício de 1970 recursos para a abertura de 15 mil km de estradas. Rodovia Transamazônica Grande símbolo da integração nacional. Revelou-se, em pouco tempo, um exemplo de Apenas um trecho ainda má administração de funciona como estrada. recursos e de projetos na região.
  28. 28. Zaida Siqueira/ Olhar Imagem Rodovia Transamazônica em Altamira, PA (2006).
  29. 29. Ao implantar os projetos de colonização, por meio do Incra O governo estabeleceu uma rede de agrovilas ao longo dessas diversas rodovias. Elas eram formadas por lotes de terra doados às famílias de agricultores.Em função de uma série defatores, como:• a distância de centros urbanosmaiores; O projeto das• terras de baixíssima fertilidade; agrovilas fracassou.• falta de assistência escolar e deassistência médica;• uma grande incidência dedoenças.
  30. 30. Observe o mapa a seguir. Estradas - AmazôniaCarlos Tadeu de Carvalho Gamba Fonte: Disponível em: http://www.imazon.org.br/upload/m_estradas2003.jpg. Acesso em: 7 mai 2008.
  31. 31. Polamazônia e os grandes projetos A partir de 1974 O governo redirecionou a ocupação e a exploração econômica. Implantou a Polamazônia, por meio do qual estabeleceu 15 “polos de desenvolvimento”.Esse novo programacaracterizou-se:• pela implantação de Essas atividades foramextensas áreas agrícolas, de grandes responsáveiscriação de gado e de pela maior parte das áreasexploração da madeira. devastadas na Amazônia.
  32. 32. Além de contribuir para o desmatamento, esse programa: • levou à formação de grandes propriedades rurais; • estimulou os conflitos pela posse de terras; • colaborou para a invasão de terras indígenas.O governo acaboucontribuindo para oaumento dos problemas Os maiores latifúndiossociais e para a criação improdutivos do Brasilde permanentes focos estão na regiãode conflitos envolvendo amazônica.latifundiários, empresasmadeireiras, índios eposseiros.
  33. 33. O projeto grande Carajás Foi o de maior destaque, pela sua área de atuação e pelas atividades e obras envolvidas. • Extração de riquezas minerais; • Construção da hidrelétrica de Tucuruí; • Construção da Estrada de Ferro Carajás, ligando a região de extração mineral aos portos de Itaqui e Ponta da Madeira, em São Luís, no Maranhão.
  34. 34. Projeto Grande CarajásMário Yoshida Fonte: Bertha Becker. Amazônia. São Paulo: Ática, 1990. p. 66 (Série Princípios).
  35. 35. Fazem parte também do projeto Grande Carajás osprojetos:• Trombetas, de onde se extrai a bauxita;• Alumar e Alunorte, que transformam a bauxita emalumina;• Albrás, onde a alumina é então transformada emalumínio.
  36. 36. Cláudio Pinheiro/ Ma/ Futura PressFábrica da Alunorte (2006).
  37. 37. Um modelo de desenvolvimento sem futuro O governo brasileiro esperava que esses projetos atraíssem as empresas transformadoras de alumínio e, com isso, houvesse geração de muitos empregos. Entretanto, não foi o que ocorreu. Acabou favorecendo os grandes grupos Para poder investir, o empresariais governo brasileiro fez estrangeiros e mais empréstimos no nacionais e exigiu exterior, tornando a dívida grandes gastos do externa ainda maior. governo brasileiro.
  38. 38. Jefferson Rudy/MMA Desmatamento na floresta Amazônica, AM (2008).
  39. 39. Em termos sociais e ambientais, o saldo do modelo deocupação e desenvolvimento colocado em prática ébastante negativo:• parte considerável da floresta foi devastada;• muitas riquezas foram retiradas da região, com poucobenefício à população local;• os conflitos pela posse de terras se agravaram com aconcentração da propriedade rural;• terras indígenas foram invadidas e muitos confrontosentre não-índios e grupos indígenas continuam a ocorrer.
  40. 40. Celso Junior/AE Representante de etnias indígenas manifestando-se pelos seus direitos em Brasília (2004).
  41. 41. O extrativismo sustentável e o ecoturismo Um novo modelo de desenvolvimento precisa ser posto em prática na Amazônia Que combine a conservação e a preservação ambiental e a melhoria nas condições de vida.Na década de 1970,uma enorme quantia Essa quantia, além defoi oferecida pelo favorecer quem jágoverno, por meio de dispunha de muitossubsídios, a grandes recursos, contribuiu parae médios empresários a devastação da floresta.e produtores rurais.
  42. 42. Uma quantidade menorde recursos, que fosseinvestida na regiãopara desenvolver Dentre essasoutras atividades atividades, destaca-segeradoras de o extrativismoempregos e renda, sustentável, que nãoteria bons resultados causa prejuízos àna melhoria das floresta.condições de vida dapopulação.
  43. 43. Para subsidiar as empresas interessadas e osplanejamentos dos governos municipais e estaduais,a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária está realizando o Zoneamento Agroecológico da região. O estudo compreende: • o mapeamento dos recursos naturais; • a indicação de áreas aptas para o uso sustentável; • potencialidades e limitações quanto ao uso do solo; • conservação e preservação ambiental; • potencialidades sociais.
  44. 44. Outra atividade que poderia ser uma grande fonte de renda para a região: O ecoturismoPode-se dizer que o potencial da Amazônia para odesenvolvimento dessa atividade é o maior do mundo Em razão da riqueza do ecossistema amazônico.
  45. 45. O turismo verde na Amazônia está apenas engatinhando.Barcos de turismo no encontro do rio Solimões (de águasclaras) e do rio Negro (de águas escuras).

×