Navio Negreiro - Castro Alves

5.280 visualizações

Publicada em

Apresentação com trechos do poema Navio Negreiro de Castro Alves e imagens associadas, algumas do filme Amistad.

Publicada em: Educação
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.280
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
865
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Navio Negreiro - Castro Alves

  1. 1. Estudando o poema Castro Alves
  2. 2. Castro AlvesANTÔNIO FREDERICO DECASTRO ALVES nasceu nafazendaCabaceiras, próxima à vilade Curralinho, hoje cidadede Castro Alves, no Estadoda Bahia. O poeta dos escravos Aos 17 anos fez as primeiras poesias.
  3. 3. Um pouco de sua vida...Aos dezesseis anos foi para o Recife e começouos preparatórios para se habilitar à matrícula naAcademia de Direito. Mas achando a cidadeinsípida, dedicou-se á boêmia e aos amores. Oresultado dessa vadiagem foi a reprovação noexame de geometria. Em1864, porém, conseguiu matricular-se no CursoJurídico. Participou ativamente da vidaestudantil e literária, sendo notado como poetae orador, o que mais tarde ira torná-lo um dosarautos do movimento abolicionista e da causarepublicana.
  4. 4. Em São Paulo, cursou o terceiro ano daFaculdade de Direito do Largo de SãoFrancisco, mas nas férias do fim de 1868, feriu-seno pé direito com um tiro acidental deespingarda, por ocasião de uma caçada.Disso resultou longa enfermidade, váriasintervenções cirúrgicas e finalmente aamputação do pé. Antes de regressar à sua terranatal, publicou, em 1870, o livro "EspumasFlutuantes". Foi vitimado pela tuberculose um anomais tarde.Morreu às três e meia da tarde do dia 6 de julho de 1871.
  5. 5. “Era um sonho dantesco... o tombadilho”
  6. 6. “Tinir de ferros...”
  7. 7. “estalar de açoite...”
  8. 8. “Senhor Deus dos desgraçados!Dizei-me vós, Senhor Deus!Se é loucura... se é verdadeTanto horror perante os céus?!”
  9. 9. “Legiões de homens negros como a noite”
  10. 10. “Presa nos elos de uma só cadeia,A multidão faminta cambaleia,”
  11. 11. “Negras mulheres, suspendendo às tetas Magras crianças, cujas bocas pretas Rega o sangue das mães: (...) ”
  12. 12. “Que cena infame e vil... Meu Deus! Meu Deus! Que horror!”
  13. 13. Fuga de escravos, óleo sobre tela por François Auguste Biard (1859).
  14. 14. Quilombo
  15. 15. Quilombo dos Palmares
  16. 16. Lei Áurea13 de maio de 1888
  17. 17. A escravidão ainda existe.Abolição, sim. Igualdade, aindanãoQuase um século e meio após aabolição da escravatura, os negrosainda não alcançaram igualdadede oportunidades e sofrem com oracismo institucionalizado, que vaiaos poucos sendo superado.

×