A Negra - Poema de Carlos Drummond de Andrade

589 visualizações

Publicada em

Brevíssima apresentação do poema Negra, de Carlos Drummond de Andrade.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
589
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
177
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Negra - Poema de Carlos Drummond de Andrade

  1. 1. NEGRA A negra para tudo a negra para todos a negra para capinar plantar regar colher carregar empilhar no paiol ensacar lavar passar remendar costurar cozinhar rachar lenha limpar a bunda dos nhozinhos trepar. A negra para tudo nada que não seja tudo tudo tudo até o minuto de (único trabalho para seu proveito exclusivo) morrer. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
  2. 2. NEGRA “Mulher de cor negra” (Dicionário Escolar da Academia Brasileira de Letras) A mulher não tem nome. Tratada apenas como “negra”, pode referir-se, genericamente, a todas as mulheres negras escravas ou trabalhadoras domésticas ou “funcionárias” das fazendas.
  3. 3. Este poema está organizado em DUAS ESTROFES. A primeira estrofe tem 10 versos, e a segunda tem 5 versos. O poema apresenta versos irregulares, já que não têm a mesma quantidade de sílabas métricas, exceto os versos 1 e 2 da primeira estrofe, que têm a mesma quantidade de sílabas. Mesmo assim os versos do poema são considerados VERSOS LIVRES. Os versos do poema não apresentam rima externa, a exceção do 1º e 2º versos da primeira estrofe, que parecem evocar uma rima em “tuDO” e “toDOs”.
  4. 4. Apesar do estilo modernista, a poesia drummondiana vez por outra recorre a elementos da poesia clássica e da estética de outras escolas literárias como a musicalidade do Simbolismo, por exemplo. Podemos destacar as assonâncias e aliterações nos versos: a negra para capinar plantar regar colher carregar empilhar no paiol ensacar lavar passar remendar costurar cozinhar rachar lenha limpar a bunda dos nhozinhos trepar.
  5. 5. No entanto, mesmo em meio a esta composição poética “musical” de influência simbolista, há, como é característico da poesia modernista das fases iniciais, a inclusão do prosaico e de termos considerados antipoéticos no poema, como: “bunda” e “trepar” Outro recurso modernista, advindo do FUTURISMO, estética vanguardista explorada na primeira fase do modernismo por Mário de Andrade e Oswald de Andrade, é a ausência de sinais de pontuação como a vírgula (,). Essa omissão do sinal de pontuação confere maior velocidade à leitura do poema. colher carregar empilhar no paiol ensacar lavar passar remendar costurar cozinhar
  6. 6. Notadamente, o poema foge do “confessionalismo” e adota uma proposta mais voltada à problemática social. Este texto, no entanto, apesar de figurar no livro “Boitempo” (1968), pode ser fruto de alguma reminiscência do menino Carlos, quando de sua infância nas fazendas do avô em Itabira-MG, nas primeiras décadas do século XX, já que, em muitas obras, Drummond cultivara a memória.
  7. 7. Há ainda neste poema, a exploração da ideia de que a liberdade do negro (neste caso, da negra) só era conseguida definitivamente com a morte; o que retoma um aspecto da poesia condoreira no Romantismo brasileiro, presente principalmente nos versos de Castro Alves. A negra para tudo nada que não seja tudo tudo tudo até o minuto de (único trabalho para seu proveito exclusivo) morrer. A morte livra a Negra de trabalhar para os outros. Ela, enfim, descansa.
  8. 8. A negra para tudo a negra para todos trepar. a negra para capinar plantar regar colher carregar empilhar no paiol ensacar lavar passar remendar costurar cozinhar rachar lenha limpar a bunda dos nhozinhos A mulher negra, escrava ou “assalariada”, trabalhadora doméstica, não raro, sofria abuso sexual de seu patrão. Era função das empregadas domésticas negras, escravas ou não, fazer todo o trabalho duro da casa dos senhores, enquanto aos homens negros geralmente cabia o serviço nas fazendas. A escolha do verbo “trepar”, termo chulo, indicativo de ato sexual, mostra a rudeza e a vulgaridade a que o sexo era reduzido, quase animal.
  9. 9. A negra para tudo a negra para todos a negra para capinar plantar Anáfora – Repetição de palavras no início de versos ou, nos textos em prosa, no início de orações. Gradação – Sequência de palavras ou expressões, criando uma progressão (ascendente ou descendente). a negra para capinar plantar regar colher carregar empilhar no paiol ensacar lavar passar remendar costurar cozinhar rachar lenha limpar a bunda dos nhozinhos trepar. * Progressão do trabalho da Negra, cada vez mais intenso e degradante.

×