Aula1 classificacaodosseresvivos

1.797 visualizações

Publicada em

Classificação biológica

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.797
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
105
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula1 classificacaodosseresvivos

  1. 1. Classificação dos Seres Vivos WWW.BIOMAISKATIAQUEIROZ.BLOGSPOT.COM PROFESSORA: KATIAQUEIROZ
  2. 2. Características Gerais dos Seres Vivos Para ser considerado um ser vivo, esse tem que apresentar certas características: 1. Ser constituído de célula; 2. Buscar energia para sobreviver: •Autótrofos: Os seres vivos, como plantas e as algas que realizam a sua nutrição por meio da fotossíntese. •Heterótrofos: Os seres vivos, que buscam energia se alimentando de outros seres vivos pois são incapazes de produzir energia sozinhos (através da fotossíntese).
  3. 3. 3. Responder a estímulos do meio; 4. Se reproduzir; 5. Evoluir. De acordo com o número de células podem ser divididas em: • Unicelulares - Bactérias, cianofitas, protozoários, algas unicelulares e leveduras.
  4. 4. • Pluricelulares - os demais seres vivos. De acordo com a organização estrutural, as células são divididas em: Células Procariontes: principal característica é a ausência de carioteca, são desprovidas de mitocôndrias, plasmídeos, complexo de Golgi e retículo endoplasmático.
  5. 5. Células Eucarióticas: Possuem membrana nuclear individualizada e vários tipos de organelas. A maioria dos animais e plantas a que estamos habituados são dotados deste tipo de célula. Célula vegetal Célula animal
  6. 6. Taxonomia grego antigo táxis: arranjo e nomia: método Sistemática ou Classificação Biológica: É a parte da Biologia que identifica, nomeia e classifica os seres vivos de acordo com o seu grau de parentesco evolutivo.
  7. 7. • Necessidade de padronizar a linguagem para os seres vivos. • Permitiu estabelecer a filogênese ( filo = raça /gênese = origem ) possível seqüência em que os seres vivos surgiram. • Organizar os seres em categorias taxonômicas facilitou o estudo e a análise baseada em semelhança e diferenças. Importância da Taxonomia
  8. 8. Histórico Aristóteles: filósofo grego do século IV a.c., dividiu em dois reinos: • Animais – com movimento; • Plantas – sem movimento. Classificação feita pelo Homem primitivo: •Perigosos e não perigosos; •Comestíveis e não comestíveis; •Venenosos e não venenosos.
  9. 9. Platão: Classificou vegetais quanto ao tamanho. • Gramíneas • Ervas • Arbustos • Árvores Essas são classificações Artificiais, pois observam apenas um critério de classificação escolhido aleatoriamente.
  10. 10. Questão: 1- Diferencie um sistema artificial de classificação de um sistema natural de classificação, com base nos princípios em que se baseiam. R: Os sistemas de classificação que não se baseiam em relações de parentesco evolutivo entre os grupos de seres vivos são considerados ARTIFICIAIS, enquanto os sistemas que procuram compreender essa relações são chamados NATURAIS.
  11. 11. Karl von Linné, Lineu, naturalista sueco do século XVIII, manteve os dois reinos propostos por Aristóteles, mas introduziu importantes alterações na classificação dos seres vivos.
  12. 12. • Estabeleceu a espécie como base da classificação. • Criou cinco grupos taxonômicos ( reino, classe, ordem, gênero e espécie ) • Propôs o uso de palavras latinas • Estabeleceu a nomenclatura binomial ( binomial ) para espécie. Pai da Taxonomia, em 1735, o sueco “Lineu” lançou o livro “ Systema Naturae” com os princípios básicos da classificação biológica:
  13. 13. Exemplo de Lineu: Pantera: nome científico = Panthera leo Onça: nome científico = Panthera onça Panthera onça Nome do gênero Epíteto específico Gênero é um conjunto de espécies semelhantes Epíteto específico é o termo que designa a espécie
  14. 14. Robert Harding Whittaker , biólogo, botânico e ecologista norte-americano em 1969 propôs a classificação dos organismos em 5 reinos, que é a classificação atualmente adotada. São 5 reinos, que se diferenciam pelo tipo de nutrição do ser vivo e pela organização de suas células: • Monera: Procariotos • Protista: Eucariotos unicelulares - Protozoários (sem parede celular) e Algas (com parede celular) • Fungi: Eucariotos aclorofilados • Plantae: Vegetais • Animalia: Animais
  15. 15. Carl Woese em 1977 propôs a organização dos seres vivos em 3 grandes agrupamentos chamados domínios: Archae e Bacteria constituídos por seres de células procarióticas e Eukarya constituídos por seres de células eucarióticas. Cada domínio está subdivido em reinos, muito correspondentes aos filos do sistema de 5 reinos já conhecido. Esse sistema baseia-se na análise da sequência de nucleotídeos do RNA ribossômico e outros critérios moleculares.
  16. 16. 1. Archaea: são organismos procariotos que, freqüentemente são encontrados em ambientes cujas condições são bastante extremas (semelhantes às condições ambientais primordiais na Terra), sendo por isso, muitas vezes considerados como sendo “ancestrais” das bactérias. No entanto, hoje em dia considera-se as archaeas como um grupo “intermediário” entre procarióticos e eucarióticos. Definindo os 03 Domínios: 2. Bacteria: Corresponde a um enorme grupo de procariotos, anteriormente classificados como eubactérias, representadas pelos organismos patogênicos ao homem, e bactérias encontradas nas águas, solos, ambientes em geral. 3. Eukarya: No âmbito microbiológico, compreende as algas, protozoários e fungos (além das plantas e animais).
  17. 17. Definindo os 5 Reinos: 1. Monera - Seres unicelulares (formados por uma única célula), procariontes (células sem núcleo organizado, o tipo mais simples de célula existente). São as bactérias e as algas cianofíceas ou cianobactérias (algas azuis), antes consideradas vegetais primitivos. Cianobactérias
  18. 18. Definindo os 5 Reinos: 2. Protista - Seres unicelulares ou pluricelulares eucariontes (que possuem núcleo individualizado). Seu material genético está organizado nos cromossomos, dentro do núcleo. Representados por protozoários, como a ameba, o tripanossomo (causador do mal de Chagas) o plasmódio (agente da malária), que até a metade do século XX eram considerados animais primitivos e algas unicelulares e pluricelulares. Giardia lamblia (causador da giardíase) Trypanosoma cruzi (causador da Doença de Chagas) Plasmodium (causador da Malária) Toxoplasma gondii (causador da toxoplasmose)
  19. 19. Definindo os 5 Reinos: 3. Fungi - Seres eucariontes uni e pluricelulares. Já foram classificados como vegetais, mas sua membrana possui quitina, molécula típica dos insetos e que não se encontra entre as plantas. São heterótrofos (não produzem seu próprio alimento), por não possuírem clorofila. Têm como representantes as leveduras, o mofo e os cogumelos. LeveduraFungo
  20. 20. Definindo os 5 Reinos: 4. Animalia - São organismos multicelulares e heterótrofos (não produzem seu próprio alimento). Englobam desde as esponjas marinhas até o homem, cujo nome científico é Homo sapiens.
  21. 21. Definindo os 5 Reinos: 5. Plantae - São os vegetais, desde as algas verdes até as plantas superiores. Caracterizam-se por ter as células revestidas por uma membrana de celulose e por serem autótrofas (sintetizam seu próprio alimento pela fotossíntese). Existem cerca de 400 mil espécies de vegetais classificados.
  22. 22. REINOS CARACTERÍSTICAS REPRESENTANTES Monera Unicelulares e procariontes, heterótrofos ou autótrofos por fotossíntese ou quimiossíntese. Bactérias e algas azuis Protista Eucariontes unicelulares ou multi sem tecidos, protozoários são unicelulares heterotróficos e as algas são fotossintetizantes, alimentam-se por absorção. Protozoários e certas algas Fungi Uni ou pluricelulares, eucariontes e heterótrofos por absorção Fungos Plantae Pluricelulares (com tecido), eucariontes e autótrofos por fotossíntese Todos vegetais Animalia Pluricelulares (com tecidos), eucarionte e heterótrofos por ingestão Todos os animais Resumo – 5 Reinos
  23. 23. Categorias taxionômicas e o atual sistema de classificação biológica. Reino: é um grupo de filos; Filos: é um grupo de classes; Classes: é um grupo de ordens; Ordem: é um grupo de famílias; Família: é um grupo de gêneros; Gênero: é um grupo de espécies; Espécie: é um grupo de indivíduos semelhantes que se reproduzem entre si, gerando descendentes férteis.
  24. 24. Regras Internacionais 1. Nomes científicos devem ser escritos em latim. 2. Nome do gênero com inicial maiúscula, da espécie, minúscula. 3. Nomes manuscritos devem ser sublinhados, exceto quando em itálico ou negrito. Ex: Homo sapiens ou Homo sapiens 4. A nomenclatura para Subespécie é trinominal. : Cascavel brasileira = Crotalus terrificus terrificus Cascavel venezuelana = Crotalus terrificus durissus 5. A designação para Subgênero aparece entre o gênero e o epíteto específico, entre parênteses e com inicial maiúscula. Mosquito da Dengue = Aedes ( Stegomya ) aegypti
  25. 25. 6. Se o autor da descrição for mencionado, seu nome deve vir após o termo específico sem pontuação. A data de descrição vem após a vírgula. Ex: Trypanossoma cruzi Chagas, 1909. 7. Tem prioridade os nomes registrados em primeiro lugar. Assim se um pesquisador descrever um animal já classificado, prevalece o primeiro nome. 8. O nome das famílias dos animais recebe o sufixo idae e o da subfamília, inae. Ex: Felidae, Felinae. 9. Nos vegetais, utiliza-se o sufixo aceae para as famílias. Ex: Rosaceae, Palmaceae.
  26. 26. Exemplo de Classificação
  27. 27. Evolução e Sistemática • A sistemática é a área da Biologia que se preocupa principalmente em compreender a filogenia: que é a história evolutiva das espécies de seres vivos. • Sistemática evolutiva X sistemática filogenética ou cladística: • Diferem nos critérios para se definir os táxons: a filogenética usa apenas as novidades evolutivas para formar grupos e há um método para se testar hipóteses de parentesco. • A cladística foi introduzida a partir da divulgação dos trabalhos de Willi Hennig, em 1966.
  28. 28. Sistemática Filogenética ou Cladística • Entende-se que a diversidade de seres vivos é resultante de processos evolutivos e que esses processos ocorrem por anagênese e por cladogênese. • As relações evolutivas entre os seres vivos são representadas por diagramas denominados cladogramas (clado = ramo), em que se destacam os pontos onde ocorreram os eventos cladogenéticos e se considera a anagênese como processo que origina as novidades evolutivas. • A filogenia só pode ser reconstruída com base em caracteres derivados compartilhados.
  29. 29. Anagênese e Cladogênese • Anagênese: processo pelo qual um caráter surge ou se modifica numa população ao longo do tempo, sendo responsável pelas novidades evolutivas. • Cladogênese: processo responsável pela ruptura da coesão inicial numa população, gerando duas ou mais populações que não mais se comunicam.
  30. 30. Tipos de Cladogramas Dicotomia (dico = dois; tómos= divisão) Politomias (poli = muitos)
  31. 31. Nesse esquema de árvore filogenética, os pontos em vermelho significam os ancestrais em comum e as divisões destes em duas outras espécies. Exemplo: as espécies E e F possuem um ancestral em comum (ponto vermelho mais próximo, na figura), que em determinado momento da história se dividiu em duas outras espécies. D compartilha ancestral em comum com E e F, porém estes são mais próximos em termos de parentesco. Exemplo:
  32. 32. Referências Bibliográficas Livro: LAURENCE, J. Biologia. 1.ed. Sites: SÓ BIOLOGIA. Disponível em : <http://www.sobiologia.com.br/>. Acesso em 01 fev. 2013. PORTAL SÃO FRANCISCO. Disponível em: <http://www.portalsaofrancisco.com.br/>. Acesso em 04 fev. 2013. BRASIL ESCOLA. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/>. Acesso em 05 fev. 2013

×