Aula 20 cultura, conhecimento e poder

690 visualizações

Publicada em

Aula - 20 cultura conhecimento e poder

aula - 20 cultura conhecimento e poder ,cultura ,conhecimento ,poder ,cultura conhecimento e poder

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
690
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
117
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 20 cultura, conhecimento e poder

  1. 1. CULTURA
  2. 2. O senso comum diz que: "culto" é aquele que tem conhecimentos sobre arte, estuda música clássica, fala mais de um idioma ou compreende o mundo da política.
  3. 3. A antropologia diz que: cultura são os modos de vida, os padrões de comportamento, sistemas de crenças característicos de cada sociedade. Sendo assim, nenhuma sociedade, nenhum povo jamais agirá de forma idêntica à dos demais.
  4. 4. * CULTURA → É o conjunto de construções materiais e abstratas produzidas pelos homens durante sua existência e que possuem significado. MUNDO NATURAL MUNDO CULTURAL Ações instintivas e indicativas Ações conscientes e simbólicas X Construção da relação indivíduo X sociedade
  5. 5. Capacidade de aprender com o meio e transformá-lo; Extraordinária diversidade de formas sociais produzidas pelos seres humanos; Sistema de crenças; Fornece regras de ação social; Proporciona significado às coisas criadas pela humanidade (conhecimento, crenças, arte, moral, costumes, religião, linguagem e produtos materiais).
  6. 6. Seja pela família, pela escola ou idioma, vamos adquirindo uma maneira de pensar e agir que não é exatamente individual, já que as demais pessoas do grupo também tem visões de mundo parecidas. Como o mundo está em constate mudança, os valores também mudam, as crenças também mudam, a cultura também muda.
  7. 7. "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades" Luís de Camões
  8. 8. IDEOLOGIA
  9. 9. Muitas das mudanças culturais estão associadas à noção de conhecimento Conhecimento: conjunto das informações e princípios armazenados pelos povos ou por toda humanidade. Somos produto e produtores da nossa cultura e conhecimento.
  10. 10. Quando se fala em saber, vem à cabeça a ideia de um tipo de conhecimento institucionalizado, aceito por grande parte do grupo. É claro que isso só ocorre porque esse conhecimento é referendado pelas elites sociais.
  11. 11. “A cultura é algo que alguns fazem e possuem enquanto os demais a recebem passivamente”. Com essa perspectiva, simplesmente aderimos à forma atual da ideologia, a ideologia da competência, que divide a sociedade entre aqueles que sabem, e por isso mandam, e aqueles que não sabem, e por isso obedecem.
  12. 12. As ideias não podem nem devem ser tomadas pelo seu significado manifesto, mas analisadas em termos das forças que estão por trás delas; Responsável pela manutenção e também pela transformação do STATUS QUO; Derivam das percepções sensoriais; Ideia falsa ou ilusão.
  13. 13. História e Tradição: pluralidade de vivências; Conflitos e contradições: sentimentos disfarçados pelo discurso homogêneo e universalizado da sociedade vigente; Ideologias dominantes desqualificam culturas e saberes diferentes;
  14. 14. INDUSTRIA CULTURAL DE MASSAS E A IDEOLOGIA
  15. 15. A contribuição da indústria cultural para a manipulação do indivíduo Adorno  Cultura de Massa  Indústria Cultural Reprodução da mesmice com ares de novidade Cinema, rádio, revistas constituem um sistema. Deixam de ser arte e passam a ser um negócio, produzindo propositalmente LIXO CULTURAL
  16. 16. Filmes, revistas, programas de rádio e TV adestram o espectador atrofiam a imaginação e a espontaneidade
  17. 17. Com qual objetivo? Facilitar a manipulação
  18. 18. Como ninguém mais tem que se responsabilizar pelo que pensa, a indústria cultural se incumbirá de seu pensamento. E o indivíduo é incapaz de se ver manipulado.
  19. 19. A CULTURA GARANTE O PODER! Quanto menos conhecimento tiver o indivíduo, mais fácil será dominá-lo Os grupos dominantes procuram manter suas posições através da distinção, definindo e impondo o “bom gosto”.
  20. 20. CULTURA POPULAR X CULTURA ERUDITA
  21. 21. Diversidade cultural Não devemos condenar as classes populares ao monolinguíssimo. Mozart Samba
  22. 22. * CULTURA POPULAR → É a forma de produção cultural não-institucionalizada, onde o agente cultural (o POVO) desconhece a importância de sua produção cultural * CULTURA ERUDITA → É a forma de produção cultural institucionalizada, ligada ao domínio da escrita e da leitura, da escola e da universidade e do pensamento científico. CARACTERÍSTICAS: CARACTERÍSTICAS: Surge de tradições e costumes regionais; Passada por gerações através da forma oral; É heterogênea; Surge da pesquisa e da produção acadêmicas; É preservada e passada por gerações através de meios escritos e/ou gravados; É heterogênea e pretende-se dominante * CULTURA DE MASSA = INDÚSTRIA CULTURAL Mercantilização dos bens culturais = consumismo Homogeneização das manifestações culturais; Disseminação da propaganda e banalização da produção cultural
  23. 23. CULTURA ERUDITA  Produção cultural da dita elite de uma sociedade.  Uma classe hegemônica que considera a sua representação superior, melhor que as outras.  Procura estabelecer um padrão de regras de comportamento à outras culturas. Vênus moderna
  24. 24. CULTURA POPULAR -As tradições de um povo, muitas vezes opostas as regras da cultura erudita; - É de domínio público, de todos que não tem acesso ao padrão. - É colocada ideologicamente como inferior, de segunda natureza, pela cultura erudita; - É riquíssima por ser criativa; - É manifestação própria e autônoma da criação popular
  25. 25. Relacionada a divisão por classes; Categorização de acordo com o espaço de produção dos bens culturais; Erudito: europeu, ocidental, universal; Popular: manifestações produzidas pelo povo, genuinamente populares, rurais e urbanas; O termo subcultura indica que a contracultura só existe como negação, como rejeição dos valores institucionalizados
  26. 26. “Para Alfredo Bosi, a CULTURA é alguma coisa que se faz, e não apenas um produto que se adquire. É por isso que não tem sentido comparar CULTURA POPULAR com CULTURA ERUDITA. Quando afirmamos que ter CULTURA significa ser superior e não ter CULTURA significa ser inferior, utilizamos a condição de posse de CULTURA como elemento para diferenciação social e imposição de uma superioridade que não existe. Isso é IDEOLOGIA.”
  27. 27. CONTRACULTURA
  28. 28. Surgida nos Estados Unidos na década de 1960, a contracultura pode ser entendida como um movimento de contestação de caráter social e cultural. Nasceu e ganhou força, principalmente entre os jovens desta década, seguindo pelas décadas posteriores até os dias atuais.
  29. 29. Jovens inovando estilos, voltando-se mais para o antissocial aos olhos das famílias mais conservadoras, com um espírito mais libertário, resumido como uma cultura alternativa ou cultura marginal, focada principalmente nas transformações da consciência, dos valores e do comportamento, na busca de outros espaços e novos canais de expressão para o indivíduo e pequenas realidades do cotidiano, embora o movimento Hippie, que representa esse auge, almejasse a transformação da sociedade como um todo, através da tomada de consciência, da mudança de atitude e do protesto político.
  30. 30. Os precursores da revolução contracultural foram os chamados beatniks, cuja característica mais importante foi o inconformismo com a realidade do começo da década de 1960. Os líderes do movimento beatnik, que serviu de base para o movimento hippie, foram Jack Kerouac, Allen Ginsberg e William Burroughs.
  31. 31. POLÍTICAS CULTURAIS
  32. 32. A falta de conhecimento das artes clássicas leva a uma falta de contato e interesse pelas mesmas, o que por sua vez contribui para perpetuar sua falta de conhecimento; Não se pode gostar do que não se conhece; Não deveríamos estimular as pessoas a adquirir o gosto por um tipo de arte, mas oferecer-lhes a oportunidade de experimentar diversas formas de manifestações artísticas. Assim poderiam exercer seu livre arbítrio na participação em uma ou outra forma de arte, em vez de consumir o que conhecem, simplesmente por estarem acostumadas
  33. 33. COMO PODEMOS AJUDAR?6 PERGUNTAS
  34. 34. 1. As instituições que se denominam promotoras de cultura vêm realmente fazendo o que se propõem, ou incluem-se na indústria manipuladora?
  35. 35. 2. O que fazer diante de ações como o uso indevido da Lei Rouanet, elaborada objetivando alavancar a cultura, e hoje utilizada muitas vezes com fins unicamente comerciais? Os abusos vão de exemplos famosos como o Cirque du Soleil e revista Bravo! beneficiados pela lei e que cobram ingressos exorbitantes do consumidor final, até festas de final de ano com propaganda de supermercados nas mesas.
  36. 36. 3. O que fazer quando existe a distinção nestas instituições quanto ao tipo de promoção da cultura para as diferentes classes?
  37. 37. 4. Qual o tipo de treinamento a se oferecer ao preceptor cultural para que, além de promover a arte de qualidade, possa contribuir com a conscientização geral do indivíduo?
  38. 38. 5. Como retirar o indivíduo de seu estado de alienação causado pela indústria cultural, contribuindo para que realmente exerça sua capacidade intelectual?
  39. 39. 6. As empresas que fazem uso das leis de incentivo, criando espaços de promoção da cultura, realizam seu discurso na prática ou se tornam meios diversificados de manipulação dos que detêm o poder?

×