Modernismo 2

1.986 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.986
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modernismo 2

  1. 1. MODERNISMO segundo momento
  2. 2. MOMENTOHISTÓRICO A década de 30 surge trazendo a guerra, a catástrofe, a falta de liberdade. Os felizes e – até mesmo – ingênuos anos 20 são engolidos por regimes autoritários, tensões e uma sensação de morte e extermínio iminentes.
  3. 3. MOMENTOHISTÓRICO A democracia passa a ser questionada, afinal, nos Estados Unidos – maior exemplo mundial daquela ordem social – milhões de pessoas vagavam pelas ruas na mais profunda pobreza em busca de um emprego. A “terra das oportunidades” parecia um sonho que se acabava: miséria, fome e desemprego em um cenário de colapso industrial.
  4. 4. MOMENTOHISTÓRICO O inevitável agravamento das questões sociais cria um campo fértil ao avanço das ideias socialistas e comunistas, ampliando o clima conflituoso, contrapondo-se ideais marxistas às burguesias nacionais, defensoras do autoritarismo estatal, baseado nos pilares do conservadorismo, do nacionalismo e de uma militarização crescente.
  5. 5. MOMENTOHISTÓRICO O sentimento anticomunista, antiparlamentar e antidemocrático leva à criação de um Estado fascista. A Itália de Mussolini, a Alemanha de Hitler, a Espanha de Franco e Portugal de Salazar são provas inequívocas do crescimento de tais conceitos.
  6. 6. MOMENTOHISTÓRICO As frustrações geradas pelas derrotas na I Guerra Mundial e a contestação do Tratado de Versalhes dão o componente de orgulho que faltava ao povo alemão para apoiar seu Führer na construção de um novo Reich. Esse quadro levaria o mundo à II Grande Guerra (1939-1945), com centenas de milhões de vítimas, e apresentaria o mundo à Era Atômica com a detonação das bombas em Hiroxima e Nagasáqui, no final da Grande Guerra.
  7. 7. MOMENTOHISTÓRICO O Brasil também não apresenta um cenário de tranquilidade. A década de 30 marca o fim da República Velha, ligada às velhas oligarquias do café e o início da revolução que levaria ao período da ditadura de Getúlio Vargas.
  8. 8. MOMENTOHISTÓRICO Em 1932, São Paulo busca a contrarrevolução como resposta à frustração das oligarquias cafeeiras paulistas com a nova ordem. Sentiam-se prejudicados pelas mudanças econômicas de Vargas, com incentivos à industrialização e à entrada de capital estadunidense.
  9. 9. MOMENTOHISTÓRICO Vargas ainda enfrentou outras revoltas até tornar-se ditador, em 1937, dando origem ao período conhecido como Estado Novo, caracterizado pela perseguição aos comunistas, por ações antidemocráticas, pelo nacionalismo conservador e pela idolatria – quase fascista – do chefe de Estado: Getúlio Vargas.
  10. 10. ESTÉTICADAPOESIAMODERNISTADE30 Inserida em um contexto histórico conturbado, assiste-se à ampliação temática, incorporando as preocupações relativas à humanidade e ao "estar-no-mundo". As pesquisas estéticas aprofundam-se e a poesia chocante e destruidora dá lugar à construção de um novo modelo de pensar o homem e o mundo.
  11. 11. ESTÉTICADAPOESIAMODERNISTADE30 O interessante é perceber que, em vista das mazelas, da guerra e da crise, surgem também poetas que voltam-se mais para dentro de si mesmos e buscam certa espiritualização, como forma de negar a realidade horrenda que se descortina.
  12. 12. ESTÉTICADAPOESIAMODERNISTADE30 A principal característica, no entanto, é a ampliação das relações entre o "eu" e o mundo, por muitas vezes com a fragilização desse "eu". A preocupação do homem, do seu interior e de sua vida social é uma constante. A consequência é a imagem da fragilidade diante do mundo, da impotência e da miséria humana. Contra tudo isso, resta a união e as ações coletivas.
  13. 13. GERAÇÃO DE 30
  14. 14. ESTÉTICADAGERAÇÃODE30 Com toda a turbulência por que passava o mundo na década de 30, o experimentalismo estético característico das vanguardas foi deixado de lado, voltando-se a uma visão mais realista do passado, na busca de ser melhor compreendida pela massa de pessoas que não possuíam alto grau de instrução. A arte busca um entendimento imediato, sem grandes problemas de reflexão e, até mesmo, explorando sua função propagandística. A criação se submetia, então, à ideologia.
  15. 15. ESTÉTICADAGERAÇÃODE30 Em todas essas manifestações podemos encontrar pontos em comum, como a rejeição do vanguardismo e de seu experimentalismo; a necessidade de imitação do real, com foco na verossimilhança; e o caráter de denúncia social.
  16. 16. ESTÉTICADAGERAÇÃODE30 A idéia de uma função social e política da literatura era algo comum aos autores da geração. O escritor deveria pensar a sociedade, funcionar como sua consciência. Essa preocupação com a nação, de contribuição com a grandeza da pátria, data do Romantismo, mas, para a geração de 30, havia profundas diferenças nos objetivos: a mudança das estruturas sociais e a busca de uma conscientização da nação.
  17. 17. ESTÉTICADAGERAÇÃODE30 Encontram-se, no período, obras de temática agrária, retratando um universo rural decadente ou mesmo já inexistente. A exploração de temas como o coronelismo e a denúncia da opressão dos trabalhadores rurais e o conflito entre os dos países dentro de um mesmo Brasil: o país agrário, de mentalidade fundiária em contraposição com o país urbano, moderno e em desenvolvimento.
  18. 18. ESTÉTICADAGERAÇÃODE30 Vale ressaltar que o rótulo de romance regionalista não contempla a diversidade da produção dos autores da época. É evidente que há a nítida preocupação local nas obras do período, mas é também evidente que se universaliza o tema para discutir a sociedade e o país, dentro de óticas localizadas. Ainda assim, é importante lembrar que há romances rurais e urbanos, não sendo correto imaginar o termo “regional” como aplicável apenas ao interior e ao sertão.

×