coleta seletiva e reciclagem

700 visualizações

Publicada em

educação ambiental;

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
700
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

coleta seletiva e reciclagem

  1. 1. ESCOLA ESTADUAL JORGE AMADO PROJETO INTERDISCIPLINAR DE COLETA SELETIVA E RECICLAGEM
  2. 2. “Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro, acontece comigo. Então, eu preciso participar das decisões que interferem na minha vida” . Herbet de Souza (Betinho)
  3. 3. O QUE É LIXO? LIXO= resíduo: “qualquer material líquido ou sólido, que sobra das atividades humanas, que não mais seja necessário para quem descarta”. QUANTO À ORIGEM OS RESÍDUOS PODEM SER: - Domiciliar - Entulho - Comercial - Industrial - Hospitalar - Agrícola - Portos, aeroportos, terminais rodoviários e ferroviários.
  4. 4. QUANTO À NATUREZA OS RESÍDUOS PODEM SER CLASSIFICADOS EM: Orgânicos Restos de alimentos; cascas de frutas e de ovos; folhagens, plantas mortas; papéis/papelões, pó de café. Inorgânicos Vidros; plásticos; metais; materiais sintéticos.
  5. 5. O QUE É A COLETA SELETIVA? É uma operação que facilita o reuso, o reaproveitamento e a reciclagem dos materiais presentes no lixo. Consiste em coletar separadamente os materiais recicláveis presentes no lixo após o descarte seletivo realizado pela população. Os materiais coletados são: papel, papelão, metal, vidro, plástico, ferro, pilhas, baterias e outros.
  6. 6. FORMAS DE SEPARAÇÃO DE MATERIAIS
  7. 7. 1) Separação dos materiais na fonte (residências, escolas, escritórios, industrias), pelo gerador com posterior coleta seletiva e envio às usinas de reciclagem. 2) Separação dos materiais em usinas de triagem, após a coleta normal e transporte de lixo Para os materiais secos recicláveis, existe uma padronização internacional para a identificação, por cores, nos recipientes coletores:
  8. 8. O QUE PRECISAMOS PARA FAZER A COLETA SELETIVA? Separação seletiva dos diferentes produtos antes do encaminhamento para o processo de reciclagem. Estrutura e apoio da administração municipal. Cooperação da população, que deve estar ciente das vantagens dos custos da coleta seletiva. Disponibilidade de uma logística adequada.
  9. 9. QUAIS OS BENEFÍCIOS DA COLETA SELETIVA? melhoria na qualidade dos materiais recuperados. Estimula a cidadania e gera renda. Permite parcerias com catadores, empresas, associações ecológicas, escolas, sucateiros.
  10. 10. QUAIS SÃO AS FORMAS DE TRATAMENTO DOS RESÍDUOS? LIXÃO - É uma forma inadequada de disposição final de resíduos sólidos, que se caracteriza pela simples descarga sobre o solo, sem medidas de proteção ao meio ambiente ou à saúde pública.
  11. 11. ATERRO CONTROLADO
  12. 12. ATERRO SANITÁRIO É fundamentado em critérios de engenharia e normas específicas, que permitem a confinação segura em termos de controle de poluição ambiental e de saúde pública.
  13. 13. QUAIS AS FORMAS DE TRATAMENTO DOS RESÍDUOS? 1 – INCINERAÇÃO “A incineração é um processo de decomposição térmica, onde há redução de peso, do volume e das características de periculosidade dos resíduos, com a consequente eliminação da matéria orgânica e características de patogenicidade (capacidade de transmissão de doenças) através da combustão controlada”. Incineração: resíduos industriais e de serviços de saúde.
  14. 14. INCINERADOR HOSPITALAR
  15. 15. 2. RECICLAGEM DE MATERIAIS É o resultado de uma série de atividades através da qual materiais que se tornariam lixo ou estão no lixo, são desviados, sendo coletados, separados e processados para serem usados como matéria-prima na manufatura de bens, feitos anteriormente apenas com matéria-prima virgem.
  16. 16. QUAIS OS BENEFÍCIOS DA RECICLAGEM? Diminuição da quantidade de lixo a ser aterrado (consequentemente aumenta a vida útil dos aterros sanitários) Preservação dos recursos naturais Economia de energia Diminuição da poluição do ar, das águas e do solo. Geração empregos através da criação de indústrias recicladoras. Protege os animais.
  17. 17. O QUE É PRECISO PARA A RECICLAGEM DE RESÍDUOS? Disponibilidade de uma tecnologia de reciclagem fácil; Alta concentração da substância a ser recuperada dos materiais recicláveis; Consumo energético compatível; Baixa emissão e geração de resíduos no processo de reciclagem; Aplicabilidade do produto secundário obtido (mercado); Valor econômico considerável da substância recuperada Viabilidade econômica da reciclagem em comparação com a obtenção da matéria-prima, considerando também o custo da deposição do produto;
  18. 18. 3 - COMPOSTAGEM
  19. 19. CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA COMPOSTAGEM - Aeração suficiente: revolvimento da pilha a cada 7 ou 15 dias. - Umidade adequada: entre 40% e 60%. - Presença de microrganismos.
  20. 20. COMO FAZER A COMPOSTAGEM CASEIRA?
  21. 21.  Coloque em sua cozinha um recipiente só para resíduos orgânicos;  Escolha em seu quintal uma área sombreada para montar sua compoteira;  Deposite diariamente ou de dois em dois dias o resíduo orgânico gerado e cubra com folhas, grama, serragem, terra;  Regue com água para manter a umidade;  Revire o monte para arejar de três em três dias.
  22. 22. O produto da compostagem é um adubo orgânico muito fértil e que pode ser usado na horta, pomares e nos canteiros de jardins. O líquido coletado pode ser usado como inseticida.
  23. 23. Referencia bibliográfica 1 - BERNADES JR., C.; SABAGG, M.A.F. & FERRARI, A.A.P. Aspectos tecnológicos de projetos de aterros de resíduos sólidos. In RESID'99, 1999, São Paulo. Associação Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE), 30 set. 1999. p.51-68 2 - CUNHA, M.A. & CONSONI, A.J. Os estudos do meio físico na disposição de resíduos. In: BITAR, O.Y. (Coord.). Curso de geologia aplicada ao meio ambiente. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE) e Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), 1995. cap. 4.6, p.217-227. 3 - HEITZMANN JR., J. F. Alteração na composição do solo nas proximidades de depósitos de resíduos domésticos na bacia do Rio Piracicaba, São Paulo, Brasil. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE). Síntese de Tese. 1999. 66p.

×