Espaco industrial brasileiro 2011 prof edu gonzaga

3.879 visualizações

Publicada em

Aula de industrialização brasileira. É uma pequena síntese da distribuição, das características e das perspectivas do processo industrial brasileira.

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.879
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espaco industrial brasileiro 2011 prof edu gonzaga

  1. 1. Espaço Industrial Brasileiro Professor Edu Gonzaga
  2. 2. <ul><li>Crise de 1929 </li></ul><ul><li>Acarretou grandes dificuldades ao modelo econômico brasileiro agro-exportador </li></ul><ul><li>Até 1930 a industrialização brasileira foi marcada por indústrias tradicionais (alimentos e têxteis) </li></ul><ul><li>Com a crise uma parcela razoável do capital cafeeiro foi reinvestida em atividades urbanas fabris </li></ul>
  3. 3. Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945) <ul><li>Estimulou a industrialização brasileira, que precisou substituir os produtos importados e dinamizar a sua produção local </li></ul><ul><li>SUBSTITUIÇÃO DE IMPORTAÇÕES </li></ul>
  4. 4. Vargas JK Regime Militar Democracia
  5. 5. Fatores tradicionais de localização industrial <ul><li>Mão-de-obra farta e barata </li></ul><ul><li>Matéria-prima abundante </li></ul><ul><li>Meios de Transporte </li></ul><ul><li>Comunicação </li></ul><ul><li>Disponibilidade de energia </li></ul><ul><li>Mercado consumidor </li></ul><ul><li>Presença de outras indústrias </li></ul>GERA AGLOMERAÇÃO INDUSTRIAL
  6. 6. Distribuição espacial da indústria
  7. 8. 496.519 180.478
  8. 9. Distribuição Industrial <ul><li>Eixo Rio - São Paulo </li></ul><ul><ul><li>Diversificação e dinamismo – Deseconomia atual </li></ul></ul><ul><li>Zona Franca de Manaus </li></ul><ul><ul><li>Eletroeletrônica – indústrias maquiladoras (montadoras) </li></ul></ul><ul><li>Centro – Oeste </li></ul><ul><ul><li>Agroindústrias e novas expansões recentes - Hyundai </li></ul></ul><ul><li>Sul </li></ul><ul><ul><li>Novos pólos – Globalização - MERCOSUL </li></ul></ul><ul><li>Nordeste </li></ul><ul><ul><li>Expansão recente - Ford </li></ul></ul>
  9. 10. Desconcentração industrial
  10. 11. Atividade industrial da Região sudeste no contexto brasileiro
  11. 12. Atividade industrial de São Paulo no conjunto do Sudeste
  12. 13. Sudeste
  13. 14. Minas Gerais: Exportações por região de planejamento - jan-dez 2007
  14. 15. Distribuição Espacial da Indústria em Minas Gerais
  15. 16. Eixos de expansão urbano-industrial
  16. 17. O elevado custo de produção em São Paulo, devido aos elevados impostos e ao alto valor da terra, o que leva á dispersão espacial da indústria A excelente infra-estrutura, como por exemplo as ótimas condições das rodovias, também facilita o escoamento da produção industrial 1 É a principal ligação entre as maiores metrópoles do Brasil: São Paulo e Rio de Janeiro As indústrias que se multiplicaram ao longo do tempo, atraindo mão-de-obra e promovendo o crescimento da população urbana UFMG 2007
  17. 18. Extrativa - Carvão Vinícola Automobilística Indústria têxtil Diversificada Sul CURITIBA Gêneros alimentícios, Mobiliário, Minerais não-metálicos, Madeira, Produtos químicos e farmacêuticos, Bebidas e artefatos de couros e peles
  18. 19. Nordeste
  19. 20. Processo industrial <ul><li>Obstáculos/problemas </li></ul><ul><ul><li>Questão ambiental – poluição do ar, sonora, água etc </li></ul></ul><ul><ul><li>Remessa de lucros para matrizes </li></ul></ul><ul><ul><li>Sindicalização do operário </li></ul></ul><ul><ul><li>Impostos (alta carga tributária) </li></ul></ul><ul><ul><li>Encarecimento da mão-de-obra </li></ul></ul><ul><ul><li>Encarecimento e falta de terrenos nas grandes cidades </li></ul></ul><ul><ul><li>Mobilidade urbana (engarrafamentos) </li></ul></ul><ul><ul><li>Violência urbana </li></ul></ul><ul><ul><li>Trabalhador mora longe = ↑ custos </li></ul></ul>GERA DESECONOMIA POR AGLOMERAÇÃO
  20. 21. Novos Fatores Locacionais <ul><ul><li>O melhor local é aquele que proporciona o maior lucro </li></ul></ul><ul><ul><li>Mão-de-obra qualificada </li></ul></ul><ul><ul><li>Meios de transporte baratos e eficientes </li></ul></ul><ul><ul><li>Modernos sistemas de comunicação </li></ul></ul><ul><ul><li>Renúncia fiscal (Incentivos fiscais) </li></ul></ul><ul><ul><li>Segurança pública </li></ul></ul><ul><ul><li>Qualidade de vida </li></ul></ul>
  21. 22. Industrialização Brasileira (Síntese) <ul><li>Modelo: substituição de importações </li></ul><ul><li>Indústria de base – Vargas ( CSN 41 , CVRD 41 , FNM 42 , BNDES 43 , CHESF 43 e PETROBRAS 54 ) </li></ul><ul><li>Indústria de bens de consumo – JK levou a Internacionalização da Economia - Multinacionais </li></ul><ul><li>Ditadura Militar – Milagre econômico (68 a 73) </li></ul><ul><li>Collor – Abertura às importações = Neoliberalismo , o capital internacional passa a controlar não apenas as indústrias, mas a própria economia do país (privatizações – CSN, EMBRATEL, CVRD, toda malha ferroviária e boa parte da rodoviária do país) </li></ul>
  22. 23. Tendências atuais <ul><li>Formação de CLUSTERS - concentração de empresas concorrentes, o que aumenta a competitividade industrial em novos pólos industriais </li></ul><ul><li>Continuação da Internacionalização – maiores investimentos externos = ↑ real X ↓ dólar </li></ul><ul><li>Crescimento de multinacionais do Brasil – Embraer, Petrobrás </li></ul><ul><li>Expansão de TECNOPÓLOS : Campinas, São José dos Campos, Santa Rita do Sapucaí, São Carlos, Vale do software de Blumenau (Possui cerca de 500 empresas de software, mais que o número de padarias) </li></ul>

×