Higiene maos

553 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
553
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Higiene maos

  1. 1. Enfa Julia Yaeko KawagoeSCIH do H Albert Einstein
  2. 2. Principal via de transmissão de microrganismos é através das MÃOS!Infecções adquiridas nas unidades assistenciais;Disseminação de germes MR Baixa adesão à LM
  3. 3. Pele normal Pele normal
  4. 4. Funções da Pele• Proteger órgãos internos• Auxiliar na regulação térmica• Prover barreira contra substâncias externas/microrganismos• Excretar água e eletrólitos• Estocar gordura• Prover percepção táctil
  5. 5. Transitória: microrganismos adquiridos por contato direto com o meio ambiente, contaminam a pele temporariamenteResidente: microrganismos que vivem e multiplicam-se nas camadas profundas da pele, glândulas sebáceas e folículos pilosos.
  6. 6. 
  7. 7. Contaminação das mãos com a pele do paciente MRSA VRE 13-25% 38% 40% 29% 30-39% 86%Hill RLR et al. J Antimicrob Chemother 1988;22:377 Bonten MJM et al. Lancet 1996; 348:1615Sanford MD et al. Clin Infect Dis 1994;19:1123
  8. 8. Contaminação das mãos ambiente Roupas cama Bed Linen Patientpaciente Roupa de Gown Overbed Table Mesa cabeceira BP Cuff Esfignomanômetro VRE Side Rails Grades da cama MRSA Bath Door Handle Maçaneta da porta banheiro IV Pump Button Bomba infusãoRoom Door Handle Maçaneta da porta quarto 0 20 40 60 80 100 Porcentagem de superfícies contaminadas Com MRSA e VRE
  9. 9. Ambiente inanimado / fonte de transmissão de infecção X culturas positivas para VREAbstract: The Risk of Hand and Glove Contamination after Contact with a VRE (+) Patient Environment. Hayden M, CAAC, 2001, Chicago, IL.
  10. 10. How-to Guide:Improving Hand HygieneA Guide for Improving Practices among Health Care Workers
  11. 11. 80 Hand Hygiene Compliance Rate Hand Hygiene Compliance (%) 70 At Hospital of Saint Raphael 60 50 Handwash 40 Alc. Hand Gel 30 20 10 0 Baseline 2001 2002 2003 40 Liters/1000 Pt-Days Alcohol Hand Rub Usage 30 Hand Gel 20 Hand Rinse 10 0 1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4Boyce JM et al. 2000 2001 2002 2003SHEA 2005
  12. 12. 16Mortalidade materna, 1842 14 12 10 8 6 4 2 0 First Clinic Second Clinic
  13. 13. Maio de 1847, Ignaz P. Semmelweis, torna obrigatória aanti-sepsia das mãos com solução clorada
  14. 14. Taxa de Mortalidade Materna da Primeira e Segunda Clínica Maternidade do Hospital Geral de Viena 20Mortalidade Materna (%) 15 Intervenção 10 5 0 1841 1842 1843 1844 1845 1846 1847 1848 1849 1850 Ano Primeira clínica Segunda clínica
  15. 15. 66% em 1997 48%em 1994
  16. 16. 0.7 20 90 Lavagem das mãos 1 Taxa de ataque de MRSA (novos casos por 100 admissões) 0.6 Infecções hospitalares (casos por 100 admissões) 80 Anti-sepsia mãos - álcool 8 1 70 6 66.2 0.5 60 14Adesão ( % ) 0.4 50 12 47.6 0.3 40 10 30 8 0.2 6 20 4 0.1 10 2 0 0 1 2 3 4 5 6 7 93 94 95 96 97 98 Períodos de observação Ano Pittet. Lancet 2000;356:1307-12
  17. 17. Autor Ano Local AderênciaPreston 1981 Unidades de internação 16% UTI 30%Albert 1981 UTIs 41% UTIs 28%Larson 1983 Todas as unidades 45%Donowitz 1990 UTI Pediátrica 30%Graham 1990 UTI 32%Dubbert 1990 UTI 81%Pettinger 1991 UTI Cirúrgica 51%Larson 1992 UTI Neonatal 29%Doebbeling 1992 UTIs 40%Zimakoff 1993 UTIs 40%Meengs 1994 Pronto atendimento 32%Pittet 1999 Todas as unidades 48%Bischoff 2000 UTI 20%Brown 2003 UTI Neonatal 44%Won 2004 UTI Neonatal 43% Adaptado de: Pittet. Infect Control Hosp Epidemiol 2000;21:381-6
  18. 18. •••••••• Pittet, D. EID;2001:7:234-240
  19. 19. Pittet, D. EID;2001:7:234-240
  20. 20. Pittet, D. EID;2001:7:234-240
  21. 21. Os cuidados se iniciam com a prevençãoOnde está a pia? das lesões nas mãos....
  22. 22. 1. Atividade antibacteriana Boa Melhor Muito melhorSabão Sabão contendo alcoolcomum clorexidinaMais efetivo que lavar as mãos, inclusive quando comparado ao sabão com clorexidina
  23. 23. 1. Redução da carga bacteriana das mãos Tempo após a higiene das mãos % log 0 60 180 minutos 99.9 3.0% e log 10 99.0 2.0 Produto alcoólico Redução Bacterina (70% Isopropílico) 90.0 1.0 Sabão Antimicrobiano (Clorexedina 4%) 0.0 0.0 Sabão comum Base Adaptado de: Hosp Epidemiol Infect Control, 2nd Edition, 1999.
  24. 24. 2. Efeito do produto alcoólico na pele Escore de pele Conteúdo de água na epidermeSeca Boa 6 27 5 25 4 23 3 21 2 19 1 17 15 SecaBoa0 Início 2 semanas Início 2 semanas Álcool Sabão e água Álcool Sabão e água Higiene das mãos com álcool é menos prejudicial às mãos Boyce J, Infect Control Hosp Epidemiol 2000;21(7):438-441.
  25. 25.  Produto alcóolico reduz o tempo necessário para a higiene das mãos Voss A and Widmer AF, Infect Control Hosp Epidemiol 1997:18;205-208.
  26. 26. 
  27. 27. 
  28. 28. 1 23 4
  29. 29. 5 67 8
  30. 30. Percent Compliance 50 45 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Baseline 1 Dispenser 1 Dispenser Per 4 Beds For Every BedBischoff WE et al. Arch Intern Med 2000;160:1017
  31. 31. Tese – Escola de Enfermagem USPOrientadora: Profa kazuko Uchikawa Graziano A: álcool etílico - apresentação gel a 62% (p/p); B: álcool etílico - apresentação gel a 70% (p/p); C: álcool etílico - apresentação líquida contendo glicerina (2%), a 70% (p/v); D: Produto referência álcool isopropílico – 60% Metodologia européia: EN 1500
  32. 32. IIb – Coleta de amostras bacterianas pós-HM (S.marcescens recuperadas) 1. Produto-referência Enxaguar dedos em água 5 seg Retirar águaIIa – Coleta de amostras bacterianas pré-HM Aplicar 3ml, friccionar 30 seg (contagem inicial de S.marcescens) Aplicar 3ml, friccionar 30 seg Enxaguar Incubar a 36 Leitura 48 h Secar Secar por 2’ Coletar amostras – placa LM por um minuto Sangue carneiro (1,2 ml) de Petri (10 ml de TSB) IIb – Coleta de amostras bacterianas pós-HM (S.marcescens recuperadas) Incubar a 36 2. Produtos-testes Secar por 3’ Leitura 48 h Enxaguar Retirar dedos excesso em água 5’’ água Mãos no fluido com Coleta amostras – placa Aplicar 2 - 3ml, friccionar 30 a 60’’ S.marcescens, por 5’’. de Petri (10 ml de TSB) Incubar a 36 Leitura 48 h Coletar amostras – placa de Petri (10 ml de TSB)
  33. 33. Fator de redução logarítmica em log10,
  34. 34. Valores de fator de redução logarítmica (log10) dos produtos-teste(A, B e C) e referência (D) em mãos artificialmente sujas comsangue. * nível de significância foi estabelecido em P = 0,10 unicaudal.Produto Valor inicial Valor final Fator de Wilcoxon média (DP) média (DP) redução valor de média (DP) P* A 6.95 (0,36) 3,65 (0,61) 3,29 0,074 (0,77) (S) B 6,97 (0,29) 3,62 (0,69) 3,36 0,198 (0,75) (NS) C 7,05 (0,37) 3,49 (0,60) 3,56 0,826 (0,72 ) (NS) D 7,32 (0,34 ) 3,66 (0,62 ) 3,66 (0,59 )
  35. 35. Média log10 - contagem de bactérias colonizantes de mãos, com esem sangue utilizando produtos de HM (12 sujeitos por produto).
  36. 36.  Integridade da pele; Atividade antimicrobiana: microbiotapermanente e TEMPORÁRIA; Técnica adequada.
  37. 37. Requer menos tempo;Mais efetivo que lavar as mãos,inclusive quando comparado aosabão com clorexidina;Mais acessível que a pia;Melhora a condição da pele.
  38. 38. PREVENIR É IMPORTANTE!Proteja pacientes…proteja-se….proteja osmembros das equipes…Promova a qualidade da assistência prestadaao seu paciente!

×