Projeto A Leitura É a Bola da Vez. Apresentação ppt

7.278 visualizações

Publicada em

Projeto realizado pela Profª Silvana Bezerra de Morais, com foco na leitura. O projeto foi executado com os alunos do 3º ano E, no ano eltivo 2013, na Escola Municipal Santa Isabel, no bairro Bom Jardim, Fortaleza-CE.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.278
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto A Leitura É a Bola da Vez. Apresentação ppt

  1. 1. SEMINÁRIO MUNICIPAL PNAIC ESCOLA MUNICIPAL SANTA ISABEL- B. JARDIM DISTRITO V – ANO LETIVO 2013 FORMADORA PNAIC: SUÊRDA MÁRCIA Turma do 3º Ano E - Manhã PROJETO A LEITURA É A BOLA DA VEZ Professora: SILVANA BEZERRA DE MORAIS
  2. 2. Disciplina Trabalhada: Língua Portuguesa
  3. 3. JUSTIFICATIVA No início do ano letivo de 2013 elaborei e executei o PROJETO MONITORES DO LETRAMENTO, com a colaboração dos estudantes do 5º ano do turno da tarde, contando com a autorização e apoio dos pais dos mesmos. Os estudantes cumpriam uma escala semanal e participavam, no turno da manhã de atividades de incentivo à leitura e audiências de leitura com a turma do 3º Ano E.
  4. 4. Em agosto fui re-lotada em uma turma GEEMPA à tarde. Com o início do GEEMPA a minha turma de 5º ano foi re-distribuída em outras salas de 5º ano e eu me vi inserida em uma nova realidade, com estudantes de 4º e 5º anos, em sua maioria não leitores. O Projeto foi Reestruturado A alternativa foi investir na leitura
  5. 5. SURGE O PROJETO: A LEITURA É A BOLA DA VEZ
  6. 6. OBJETIVO GERAL Fortalecer a leitura de diversos tipos de textos e através da leitura incentivar a escrita. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Incentivar a oralidade; Trabalhar as dificuldades e limitações no ato de ler; Fortalecer a socialização através da oralidade e da leitura; Trabalhar a timidez; Melhorar a autoestima; Compreender a importância do ato de ler para aprender a escrever certo.
  7. 7. METODOLOGIA ROTINAS FERRAMENTAS PEDAGÓGICAS UTILIZADAS: RODAS DE LEITURA OFICINAS DE LEITURA OFICINAS DE REDAÇÃO FICHAS DE LEITURA
  8. 8. FORMAÇÃO NA E.E.E.M. PRESIDENTE HUMBERTO CASTELO BRANCO CONTRIBUIÇÕES DAS FORMAÇÕES PARA A PRÁTICA
  9. 9. Aprendemos a deixar a nossa sala de aula preparada intencionalmente para o ato de ler.
  10. 10. NA MINHA SALA DE AULA As TECNOLOGIAS foram utilizadas de forma estimulante, com vídeos de músicas conhecidas e exibição de histórias contadas pelos livros (disponíveis no acervo das coleções do PAIC+5/PNAIC).
  11. 11. Os livros das coleções do PNAIC incentivaram o prazer de ler nas crianças pela qualidade gráfica e visual.
  12. 12. Assim que os jogos do CEEL/PNAIC chegaram não perdemos tempo.
  13. 13. A LEITURA PASSOU A ACONTECER EM QUALQUER CANTO.
  14. 14. RODAS DE LEITURA Roda de leitura individual para reconto oral Roda de leitura de pequenos textos no microfone
  15. 15. RODAS DE LEITURA NA PRÁTICA...
  16. 16. OFICINAS DE LEITURA
  17. 17. Os estudantes tinham acesso a variados gêneros espalhados pelas mesas. Depois da leitura, escolhiam um título para recontar usando o microfone.
  18. 18. A maioria ficava muito feliz em ler os textos na frente da sala.
  19. 19. O aluno virou protagonista... Alunos com problemas de leitura avançaram.
  20. 20. Os alunos tímidos foram provocados... Os estudantes aprenderam a respeitar e ouvir os colegas.
  21. 21. Leitura de variados gêneros e estilos para incentivar a curiosidade e estimular a escrita.
  22. 22. OFICINAS DE REDAÇÃO Eram realizadas após as Oficinas de leitura
  23. 23. NAS OFICINAS DE REDAÇÃO OS ALUNOS...  Recontavam Histórias  Escreviam a partir de cenas, tirinhas ou ilustrações (história-muda)
  24. 24. TRABALHO EM GRUPOS O trabalho em grupo foi valorizado nas formações do PNAIC
  25. 25. NA PRÁTICA EM MINHA SALA DE AULA O trabalho em grupos não foi uma opção. Foi uma necessidade. Incentivando o intercâmbio de saberes e experiências...
  26. 26. Compartilhando conhecimentos
  27. 27. AULÃO PREPARATÓRIO PARA A AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO - A.N.A. Foco na leitura e compreensão textuais... Houve a disseminação do saber para outras turmas.
  28. 28. Os conteúdos de outras avaliações externas trabalhados de forma sistematizada.
  29. 29. As questões discutidas com os alunos...
  30. 30. AVALIAÇÃO As leituras eram avaliadas individualmente em cada oficina de leitura; Os alunos apresentavam de forma oral o que leram para o coletivo e respondiam perguntas feitas pelos coleguinhas; Um padrão foi definido para as redações com relação à paragrafação, número de linhas, espaçamento, ortografia etc.
  31. 31. RESULTADOS OBTIDOS Os gráficos mostrarão a evolução da turma nos aspectos relacionados à leitura e a escrita
  32. 32. A LEITURA ESTAVA ASSIM NO INÍCIO DO ANO LETIVO... Lê textos com fluência, 7 Identifica Não lê, 2 apenas Lê somente sílabas, 1 palavras silabando, 2 Lê apenas frases silabando, 1 Lê textos com pausas, 10
  33. 33. NO FINAL DO ANO LETIVO OS ALUNOS ESTAVAM LENDO ASSIM Não lê, 0 Identifica apenas sílabas, 0 Lê apenas frases silabando, 1 Lê textos com pausas, 7 Lê textos com fluência, 15 Lê somente palavras silabando, 0
  34. 34. PERCENTUAIS NA LEITURA NO FIM DO ANO (%) Não lê 0% 4% 31% 65% Identifica apenas sílabas 0% Lê somente palavras silabando 0% Lê apenas frases silabando Lê textos com pausas Lê textos com fluência
  35. 35. A TURMA INICIOU O ANO LETIVO ESCREVENDO ASSIM 4% 13% Pré-Silábicos 48% Silábicos 35% Silábico-alfabéticos Alfabéticos Alfabetizados 0%
  36. 36. A ESCRITA NO FIM DO ANO LETIVO ESTAVA ASSIM 9% 91% 0% Pré-Silábicos 0% Silábicos Silábico-alfabéticos 0% Alfabéticos Alfabetizados
  37. 37. VEJAMOS ALGUNS EXEMPLOS DE ESCRITA DELES EM DEZEMBRO DE 2013...
  38. 38. INGRID PAIVA LUIZ GUILHERME
  39. 39. MARIA INGRID KAYLANE
  40. 40. JULIANA AMANDA
  41. 41. JOÃO BRENO KAUÃ WENDEL
  42. 42. FÁBIO PETERSON
  43. 43. DIOGO MIGUEL RUDSON
  44. 44. LETÍCIA FRANCISCO LUCAS
  45. 45. MARIA EDUARDA Os alunos escrevem além do que lhes é solicitado... E, continuam escrevendo... A ortografia não é mais importante que a disposição em escrever e escrever muito.
  46. 46. AUTO-AVALIAÇÃO  A dinâmica da sala de aula não deixou que alguns momentos únicos fossem registrados. Este trabalho mostra a importância do registro através de imagens e vídeos.  Em 2014 penso em trabalhar com os monitores nos registros da rotina em sala.
  47. 47. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRYANT, Peter & BRADLEY, Lynette. Problemas de Leitura na Criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987. ELLIS, A.W. Leitura, escrita e dislexia: uma análise cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. FERNÁNDEZ, Alicia, A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991. FERREIRO, Emília & TEBEROSKY, Ana. A psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1999. FERREIRO, Emilia. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 1995. [Coleção Questões da Nossa Época, V. 14]. SOARES, Magda Becker. Letramento: Um tema em três gêneros. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. TFOUNI, Leda Verdiani. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez, 2004. VIGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991a. VYGOTSKY, Lev. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Editora Villalobos, 3. Ed. São Paulo, 1994.
  48. 48. Porque quem lê muito escreve melhor!

×