Nomenclatura e classificação de cavidades

158.567 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Negócios
13 comentários
136 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
158.567
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.645
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2.723
Comentários
13
Gostaram
136
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nomenclatura e classificação de cavidades

  1. 1. NOMENCLATURA <br />E <br />CLASSIFICAÇÃO DAS CAVIDADES <br />
  2. 2. NOMENCLATURA<br /> “É um conjunto de termos peculiares à uma arte ou ciência, pelos quais indivíduos de uma mesma profissão são capazes de entender-se mutuamente.” <br />MONDELLI, J, 1997<br />
  3. 3. CAVIDADE<br /> Em Odontologia, é o termo empregado para definir a lesão ou a condição do dente,causada pela destruição de tecido duro. <br />
  4. 4. CÁRIE DENTAL<br /> “Reconhecida como uma doença infecto-contagiosa, causada por ácidos orgânicos provenientes da fermentação microbiana dos carboidratos da dieta. A cárie dental leva a destruição dos tecidos duros.”<br />THYLSTRUP,A & FEJERKOV.O, 1988<br />
  5. 5. TIPOS<br />DE<br />CAVIDADE<br />
  6. 6. CAVIDADE<br />PATOLÓGICA<br /> TERAPÊUTICA<br />
  7. 7. CAVIDADE PATOLÓGICA<br />É uma cavidade com forma e dimensões irregulares causada pela destruição dos tecidos duros do dente.<br />
  8. 8. CAVIDADE PATOLÓGICA<br />
  9. 9. CAVIDADE TERAPÊUTICA<br /> É a cavidade com forma geométrica e dimensões definidas, resultante de um processo cirúrgico que visa remover o tecido cariado. <br /> PREPARO CAVITÁRIO<br />
  10. 10. CAVIDADE TERAPÊUTICA<br />
  11. 11. CAVIDADE TERAPÊUTICA<br />
  12. 12. OBJETIVOS DO PREPARO CAVITÁRIO<br /><ul><li>Remover tecido cariado;
  13. 13. Obter formas precisas;
  14. 14. Impedir fratura do dente </li></ul> e do material restaurador;<br />
  15. 15. CLASSIFICAÇÃO DAS CAVIDADES<br /><ul><li> Quanto a finalidade;
  16. 16. De acordo com número de faces</li></ul> que ocorre;<br /><ul><li> De acordo com as faces do dente</li></ul> envolvidas;<br /><ul><li> Classificação de BLACK;
  17. 17. Classificação de MOUNT & HUME.</li></li></ul><li>QUANTO A FINALIDADE<br /><ul><li>Terapêutica :cavidade resultante</li></ul> da total remoção da cárie, em <br /> condições de receber material <br /> restaurador direto. Ex: Rest. Am.<br /><ul><li>Protética :cavidade com ou sem</li></ul> lesão de cárie, cujo objetivo é <br /> servir de suporte de uma peça <br /> protética.<br />
  18. 18. QUANTO A FINALIDADE<br /><ul><li> Cavidade Terapêutica</li></li></ul><li>QUANTO A FINALIDADE<br /><ul><li> Protética</li></li></ul><li> DE ACORDO COM O NÚMERO DE FACES EM QUE OCORRE<br /><ul><li> Simples
  19. 19. Composta
  20. 20. Complexa </li></li></ul><li><ul><li> quando atinge uma só face do dente.</li></ul>CAVIDADE SIMPLES<br />
  21. 21. <ul><li> quando atinge duas faces do dente.</li></ul>CAVIDADE COMPOSTA<br />
  22. 22. <ul><li> quando atinge três ou maisfaces</li></ul>do dente.<br />CAVIDADE COMPLEXA<br />
  23. 23. CAVIDADE OCLUSAL (O)<br />DE ACORDO COM AS FACES ENVOLVIDAS<br />
  24. 24. Oclusal<br />Mesial<br /> Distal<br />DE ACORDO COM AS FACES ENVOLVIDAS<br />Oclusal<br /> Distal<br />Mesial<br />CAVIDADE<br /> MÉSIO-OCLUSAL (MO)<br />CAVIDADE<br /> DISTO-OCLUSAL (DO)<br />
  25. 25. DE ACORDO COM AS FACES ENVOLVIDAS<br />Oclusal<br /> Distal<br />Mesial<br />CAVIDADE<br />MÉSIO-OCLUSO-DISTAL (MOD)<br />
  26. 26. PARTES CONSTITUINTESDAS CAVIDADES<br />
  27. 27. PARTES CONSTITUINTES DAS CAVIDADES<br /><ul><li> Paredes
  28. 28. Ângulos </li></li></ul><li>Paredes<br /><ul><li> São os limites internos das cavidades.
  29. 29. Circundantes
  30. 30. Fundo </li></li></ul><li>Paredes Circundantes<br /><ul><li> São as paredes laterais da cavidade.
  31. 31. Recebem o nome da face do dente a que</li></ul> correspondem ou estão mais próximas.<br />V<br />D<br />Classe I<br />M<br />L<br />
  32. 32. Classe II<br />Classe III<br />Paredes Circundantes<br />M ou D<br />V<br />L<br />L<br />V<br />c<br />c<br />
  33. 33. Paredes de Fundo<br /><ul><li>São as paredes correspondentes ao</li></ul> soalho da cavidade. <br /><ul><li> Pulpar
  34. 34. Axial</li></li></ul><li>P<br />Paredes de Fundo<br /><ul><li> PULPAR –parede que apresenta-se</li></ul> perpendicular ao longo eixo do dente<br /> ou paralela à face oclusal.<br />
  35. 35. Classe II<br />Classe I<br />P<br />Paredes de Fundo<br />GBPD 2005<br />
  36. 36. A<br />Paredes de Fundo<br /><ul><li>AXIAL –parede que apresenta-se</li></ul> paralela ao longo eixo do dente.<br />O<br />V<br />D<br />M<br />V<br />L<br />L<br />c<br />
  37. 37. PARTES CONSTITUINTES DAS CAVIDADES <br />Paredes Circundantes<br />V<br />M ou D<br />M<br />V<br />L<br />D<br />P<br />A<br />L<br />Paredes de Fundo<br />
  38. 38. MOD<br />MO<br />PARTES CONSTITUINTES DAS CAVIDADES <br />Paredes Circundantes<br />V<br />M<br />L<br /> G <br />ou<br /> C<br /> G <br />ou<br /> C<br />V<br />P<br />A<br />L<br />G ou C<br />Paredes de Fundo<br />
  39. 39. ÂNGULOS<br /><ul><li> Ângulo – é a linha ou ponto resultante</li></ul> da união de duas ou mais paredes.<br /><ul><li> Ângulos Diedros
  40. 40. Ângulos Triedros
  41. 41. Cavo - Superficial</li></li></ul><li>Ângulos Diedros<br /><ul><li> São formados pela união de</li></ul> duas paredes de uma cavidade,<br /> denominados pela combinação <br /> dos seus respectivos nomes. <br /> Podem ser do: <br />10 ; 20 ou 30 Grupo.<br />
  42. 42. Ângulo Diedro<br /> 1o Grupo<br /><ul><li> É o ângulo formado pela união de </li></ul> duas paredes circundantes.<br /> V, L, M, D, e C<br />Vestibular / Mesial ou Distal (V-M ou V-D)<br />Lingual / Mesial ou Distal (L-M ou L-D)<br />Vestibular / Cervical (V-C)<br />Lingual / Cervical ( L-C)<br />
  43. 43. Ângulos Diedros<br /> 1o Grupo<br />M-V<br />Ou<br />V- M<br />D-V<br />Ou<br />V- D<br />Mésio – Vestibular<br /> ou<br />Disto – Vestibular<br /> ou<br />V<br />Vestíbulo – Distal<br />Vestíbulo – Mesial<br />V<br />M<br />D<br />M- L<br />Ou<br />L- M<br />D- L<br />Ou<br />L- D<br />L<br />Mésio – Lingual<br /> ou<br />Disto – Lingual<br /> ou<br />L<br />Linguo – Distal<br />Linguo – Mesial<br />Cavidade Oclusal (O)<br />
  44. 44. Ângulos Diedros<br /> 1o Grupo<br />V- C<br />Ou<br />C- V<br />L- C<br />Ou<br />C- L<br />M- V<br />Ou<br />V- M<br />L- M<br />Ou<br />M- L<br />Vestíbulo – Cervical <br /> ou<br />Linguo – Cervical<br /> ou<br />Mésio – Vestibular <br /> ou<br />Linguo – Mesial<br /> ou<br />Cérvico – Lingual<br />Mésio – Lingual<br />Cérvico – Vestibular<br />Vestíbulo – Mesial<br />Cavidade Mésio Oclusal (MO)<br />M<br />V<br />L<br />c<br />
  45. 45. Ângulos Diedros<br /> 2o Grupo<br /><ul><li>É o ângulo formado pela união de uma</li></ul> parede circundante com uma parede <br /> de fundo.<br />V, L, M, D, e C com Axial ou Pulpar<br />Vestibular/ Pulpar ou Axial (V-P) (V-A)<br />Lingual/ Pulpar ou Axial (L-P) (L-A)<br />Cervical / Axial (C-A)<br />Mesial / Pulpar ou Axial (M-P) (M-A)<br />Distal / Pulpar ou Axial (D-P) (D-A)<br />
  46. 46. Ângulos Diedros<br /> 2o Grupo<br />Cavidade Oclusal (O)<br />Vestíbulo-pulpar<br />V-P<br />ou<br /> Pulpo-Vestibular<br />Disto-pulpar<br /> D-P<br />ou<br />Pulpo-Distal<br />P-D<br />V<br />D<br />P<br />M<br />Mésio-pulpar<br /> M-P<br />ou<br />Pulpo-Mesial<br />P-V<br />Linguo-pulpar<br /> L-P<br />ou<br />Pulpo-Lingual<br />L<br />
  47. 47. Ângulos Diedros<br /> 2o Grupo<br />M ou D<br />V<br />L<br />P<br />A<br />C<br />Disto-Pulpar (D-P) ou Pulpo-Distal (P-D)<br /> ou<br />Mésio-Pulpar (M-P) ou Pulpo-Mesial (P-M)<br />Áxio Lingual (A-L)<br />Ou<br />Língüo-Axial (L-A)<br />Áxio-Vestibular (A-V)<br />ou<br />Vestíbulo-Axial (V-A)<br />Áxio Cervical (A-C)<br />ou<br />Cérvico-Axial (C-A)<br />
  48. 48. Ângulos Diedros<br /> 3o Grupo<br /><ul><li>É o ângulo formado pela união das paredes </li></ul> de fundo da cavidade.<br />Axial e Pulpar (A-P)<br />
  49. 49. Ângulos Diedros<br /> 3o Grupo<br />D ou M<br />V<br />V<br />L<br />P <br />D <br />P<br />A<br />M<br />A<br />C<br />L<br />Áxio Pulpar (A-P)<br /> ou<br />Pulpo-Axial (P-A)<br />
  50. 50. Ângulos Triedros<br /><ul><li> São ângulos formados pelo encontro de três paredes e denominados pela combinação </li></ul> de seus respectivos nomes.<br />
  51. 51. Ângulos Triedros<br />Disto-Linguo-Pulpar<br /> D-L-P<br />D<br />V<br />L<br />A<br />C<br />Vestibulo-Cérvico-Axial (V-C-A)<br />
  52. 52. Ângulo Triedro<br /> Incisal<br />I<br />P<br />ou<br />L<br />V<br />Triedro Incisal<br />
  53. 53. Ângulo Cavo-superficial<br /><ul><li> É o ângulo formado pela </li></ul> junção das paredes da <br /> cavidade com a superfície <br /> externa do dente.<br />
  54. 54. Ângulo Cavo-superficial<br />Cavo-superficial <br /> Definido (Am)<br />MONDELLI, 2003<br />
  55. 55. Ângulo Cavo-superficial<br /> Cavo-superficial <br /> Biselado (RMF)<br />MONDELLI, 2003<br />
  56. 56. CLASSIFICAÇÃO DAS CAVIDADES PROPOSTA POR G.V.BLACK<br /><ul><li> Etiológica
  57. 57. Baseada nas áreas do dente que apresentam suscetibilidade à cárie.
  58. 58. Cavidades em Cicatrículas e Fissuras
  59. 59. Cavidades em Superfície Lisas</li></li></ul><li>CLASSIFICAÇÃO DAS CAVIDADES PROPOSTA POR G.V.BLACK<br /><ul><li> Artificial
  60. 60. Baseada na técnica de instrumentação </li></ul> da cavidade<br />
  61. 61. CICATRÍCULAS E FISSURAS<br />Sucetibilidade à cárie<br />
  62. 62. SUPERFÍCIE LISA<br />Imunidade Relativa à cárie<br />
  63. 63. CLASSIFICAÇÃO ARTIFICIAL DE BLACK<br /><ul><li>Classe I
  64. 64. Classe II
  65. 65. Classe III
  66. 66. Classe IV
  67. 67. Classe V</li></li></ul><li> CLASSE I <br /><ul><li>Regiões de má coalescência do esmalte (cicatrículas e fissuras) </li></ul>- Oclusal de pré-molares e molares;<br /> - 2/3 oclusais da face vestibular dos molares inferiores;<br /> - 2/3 oclusais da face palatina dos molares superiores;<br /> - Palatina dos incisivos e caninos superiores.<br />
  68. 68. CICATRÍCULA E FISSURA<br />
  69. 69. CLASSE I<br />
  70. 70. CLASSE II <br /><ul><li> Faces proximais de molares e</li></ul> pré-molares.<br />
  71. 71. CLASSE II<br />MO ou DO <br />
  72. 72. CLASSE III <br /><ul><li> Faces proximais (mesial e/ou distal) dos dentes anteriores (incisivos centrais, laterais e caninos), sem comprometimento do ângulo incisal.</li></li></ul><li>CLASSE III<br />
  73. 73. CLASSE IV <br /><ul><li> Faces proximais (mesial e/ou distal) dos dentes anteriores (incisivos centrais, laterais e caninos),com comprometimento do ângulo incisal.</li></li></ul><li>CLASSE IV<br />
  74. 74. CLASSE V <br /><ul><li>Terço gengival ou cervical das faces vestibulares e linguais de todos os dentes.</li></li></ul><li>CLASSE V<br />
  75. 75. CLASSE VI <br /><ul><li> Bordas incisais e nas </li></ul> pontas de cúspides.<br />Howard e Simon<br />
  76. 76. CLASSE Vl<br />
  77. 77. CLASSE I DE SOCKWELL<br /><ul><li>Cicatrículas e fissuras </li></ul> incipientes “em ponto”<br /> na face vestibular de <br /> dentes anteriores.<br />
  78. 78. CLASSE I DE SOCKWELL<br />
  79. 79. NOMENCLATURA<br />Black primeiro autor a se preocupar<br />com a classificação dos preparos <br />cavitários.<br />
  80. 80. Dental Office G.V Black<br />
  81. 81. PRESERVATION AND RESTORATION <br /> OF TOOTH STRUCTURE<br />Graham J. Mount & W.R. Hume<br /> Ed. Mosby, 1998<br /> Nova Classificação<br /> das Lesões de Cárie <br />
  82. 82. Considera os locais de maior acúmulo<br /> do biofilme, tanto na raíz como na coroa.<br />CLASSIFICAÇÃO DE MOUNT & HUME<br />TAMANHOE NALOCALIZAÇÃO<br />DA LESÃO DE CÁRIE<br /> Mount, G.J.; Hume, W.R., A revised classification<br /> of carious lesions by site and size. Quintessence <br /> Int. 1997; 28; 301-303.<br />
  83. 83. Classificação de Lesões de Cárie <br />1<br />2<br />3<br />
  84. 84. LOCALIZAÇÃO 1<br />LOCALIZAÇÃO 2<br />LOCALIZAÇÃO 3<br />- Sulcos, fissuras e defeitos no esmalte da superfície oclusal dos dentes posteriores ou de outras superfícies lisas.<br />- Superfície proximal imediatamente abaixo das áreas de contato com o dente vizinho.<br /> - Superfície correspondente ao 1/3 gengival da<br />Coroa ou superfície radicular.<br />
  85. 85. TAMANHO 1<br />TAMANHO 2<br /><ul><li> Mínimo envolvimento da dentina, na qual a</li></ul> remineralização é o tratamento correto.<br /><ul><li> Moderado envolvimento da dentina. Após o preparo cavitário, o remanescente do esmalte é sadio, suportado por dentina sadia e não falha </li></ul> sobre cargas oclusais.<br />
  86. 86. TAMANHO 3<br />TAMANHO 4<br /><ul><li> A cavidade é maior que a anterior, no entanto, o remanescente dental é suficientemente forte para </li></ul> suportar a restauração.<br /><ul><li> Cáries extensas com grande perda de estrutura </li></ul> dentária ou ausência total de cúspides.<br />
  87. 87. Tamanho<br />Mínimo<br />Moderada<br />Ampla<br />Extensa<br />Localização(1) (2) (3) (4)<br />Cicatrículas e Fissuras (1)1.11.2 1.31.4<br />Faces de Contato (2) 2.1 2.2 2.3 2.4<br />Cervical (3) 3.1 3.2 3.3 3.4 <br />Proposta de Classificação <br /> de Lesões de Cárie <br />MOUNT, G.J. & HUME, W.R. Quintessense Int. 28 : 301-3,1997<br />
  88. 88. <ul><li> Não inclusão de lesões cariosas não cavitadas;
  89. 89. Não referências à profundidade da lesão.</li></ul>DEFICIÊNCIAS NESTA CLASSIFICAÇÃO<br />Classificação <br />MOUNT & HUME MODIFICADA<br />LASFARGUES,J.J. et al. – New concepts of minimally invasive preparations: a SI/STA<br />concept. In: ROULET,J.F. & DEGRANGE,M. ADHESION: the silent revolution. <br />Quintessense, London, 2000, 107- 152<br />
  90. 90. ESTÁGIO 0<br />ESTÁGIO 1<br />Classificação <br />MOUNT & HUME MODIFICADA<br />O diagnóstico clínico demonstra<br />atividade da doença, porém sem <br />presença de cavitação.<br />Constata-se a presença de uma<br />alteração superficial que progride<br />além da área de remineralização.<br />
  91. 91. ESTÁGIO 2<br />ESTÁGIO 3<br />ESTÁGIO 4<br />Presença de lesão de tamanho <br />moderado com cavitação localiza<br />da em dentina sem o enfraqueci-<br />mento das cúspides.<br />Presença de lesão grande, com <br />extensa cavitação em dentina <br />causando enfraquecimento das <br />cúspides.<br />Presença de lesão muito grande, <br />cuja progressão foi capaz de <br />destruir uma ou mais cúspides.<br />
  92. 92. Tamanho - Estágio<br />Ausência<br />de<br />cavidade<br />Muito<br />Grande<br />Moderada<br />Grande<br />Mínima<br />Localização(0) (1) (2) (3) (4)<br />Cicatrículas e Fissuras (1)1.01.1 1.21.31.4<br />Faces de Contato (2) 2.0 2.1 2.2 2.3 2.4<br />Cervical (3) 3.03.1 3.2 3.3 3.4<br /> Classificação <br /> MOUNT & HUME MODIFICADA<br />LASFARGUES,J.J. et al. , 2000<br />
  93. 93. Lesão 1.0<br />Lesão 3.0<br />
  94. 94. Lesão 1.1<br />Lesão 1.2<br />
  95. 95. Lesão 1.3<br />Lesão 1.4<br />
  96. 96. Lesão 2.1 (12) 2.2 (11) 2.3 (21) e 2.4 (22)<br />Lesão 2.2<br />
  97. 97. Lesão 2.3 (11) 2 e Lesão 2.4 (12)<br />Lesão 3.1<br />
  98. 98. Lesão 3.2<br />Lesão 3.3<br />
  99. 99. Lesão 3.4<br />

×