Universidade Presbiteriana Mackenzie
Curso de Letras
Metodologia de Ensino de Língua Inglesa
Nomes: Hévila Ramos e Priscil...
Introdução
O presente trabalho tem como objetivo apresentar, de forma
organizada, uma síntese dos aspectos mais relevantes...
Capítulo 4
Interação e criatividade num
ambiente comunicativo
p. 57-67
A melhor maneira de se aprender a interagir
é por meio da própria interação
Em um ambiente interativo, torna-se possível a...
• Nesse contexto, algumas técnicas são adotadas para garantir
que haja interação genuína entre os aprendizes:
- Execução d...
- Deste modo, as aulas ministradas em um ambiente
comunicativo, são centradas no aluno;
- O professor, nesse contexto, des...
• O ambiente de aprendizado interativo estimula a criatividade
e a autonomia dos estudantes, além de ser considerado um
im...
Material Autêntico, Autenticidade
• A Abordagem Comunicativa, tratada neste capítulo, defende
que o processo de ensino/apr...
• Expor o aluno a um material autêntico dá a ele a
oportunidade de observar aspectos culturais intrínsecos à
língua, como ...
• No entanto, parte dos professores demonstra certa resistência
em utilizar textos autênticos nas aulas, pois é necessário...
• Além disso, o surgimento das modalidades virtuais de textos
acentuaram os debates em torno da utilização de textos
autên...
Os Projetos de Trabalhos
No interior da Abordagem Comunicativa, há, ainda, o ensino-
aprendizagem de línguas por meio de P...
• A Abordagem Comunicativa tem sido a “metodologia mais
aceita desde a de Gramática e Tradução” (2012, p. 65)
embora ainda...
A Era Pós-Método
• Surge a partir da necessidade de haver uma pedagogia que
compreendesse o professor como um ser autônomo...
A Era Pós-Método
“Não-existe-método-ideal”
(2012, p.67).
O sucesso de qualquer método depende do posicionamento do
profess...
Capítulo 5
Algumas questões
comunicacionais para
o terceiro milênio
p. 71- 78
Para Início de Conversa
• Por conta da Globalização, da
informatização e da tecnologia, o ensino-
aprendizado de línguas e...
O Dialeto Mundial do Terceiro Milênio
O Globish
• Robert McCrum, em seu livro “Globish” (2010), trata do tema
do surgiment...
• Como a própria grafia sugere, é o inglês global, modificado
pelos aprendizes que o utilizam como segunda língua nas
rela...
Globalização, Cultura e Línguas:
Glocalização, o Global e o Local
• A criação de uma cultura global numa dimensão local.
•...
• A World Wide Web torna necessário o frequente contato
intercultural, dando lugar ao hibridismo cultural.
• Com o constan...
• A sociedade globalizada da atualidade exige a ciência de
vários idiomas, tendo como natural o uso do inglês.
• A língua ...
• David Crystal afirma que aprender uma língua é ter
imediatamente direito a ela.
• O globish não pode ser chamado de língua. Ele corresponde à
função de ferramenta, um tipo de dialeto utilizado por não
n...
O Ciberespaço e o Ensino de Línguas
• Materiais autênticos integrados às tecnologias de informação,
inseridos na metodolog...
O Ensino de Línguas Assistido por
Computador
• No início do ensino de línguas, as aulas eram dadas com
pouco ou nenhum sup...
• O uso de softwares no ensino de línguas cria uma maior
exposição do aprendiz à língua que está conhecendo.
• Além do con...
• O computador, por meio da internet, das grandes redes
sociais, diminui barreiras e rompe as fronteiras das
associações c...
Conclusão
Conforme pode-se observar nestes capítulos, os estudos
linguísticos que se referem ao ensino-aprendizagem de
lín...
A utilização de materiais autênticos e o Pós-Método
aumentaram a eficácia do ensino e aprendizagem de línguas,
contribuind...
Portanto, pode-se afirmar que a obra completa, e não
somente os poucos capítulos abordados, é de fundamental
importância n...
Resenha Hévila e Priscila - 4A
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Resenha Hévila e Priscila - 4A

148 visualizações

Publicada em

Resenha do livro Línguas Estrangeiras: o ensino em um contexto cultural. Prof. Dr. Vera Lúcia Hanna

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
148
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resenha Hévila e Priscila - 4A

  1. 1. Universidade Presbiteriana Mackenzie Curso de Letras Metodologia de Ensino de Língua Inglesa Nomes: Hévila Ramos e Priscila Carvalho Abril 2015 Resenha do Livro HANNA, Vera L. Harabagi. Línguas estrangeiras: o ensino em um contexto cultural. São Paulo: Editora Mackenzie. 2012. (Coleção Conexão Inicial; v.2)
  2. 2. Introdução O presente trabalho tem como objetivo apresentar, de forma organizada, uma síntese dos aspectos mais relevantes dos capítulos quatro e cinco da obra Línguas Estrangeiras: o ensino em contexto social, assim como sua análise crítica. O capítulo quatro trata da importância da interação no âmbito da Abordagem Comunicativa, além de destacar a utilização de material autêntico nas aulas. O capítulo cinco analisa o ensino de idiomas no terceiro milênio, os novos meios de comunicação e suas implicações no contexto educacional. Por fim, conclui-se apresentando as considerações sobre cada capítulo estudado.
  3. 3. Capítulo 4 Interação e criatividade num ambiente comunicativo p. 57-67
  4. 4. A melhor maneira de se aprender a interagir é por meio da própria interação Em um ambiente interativo, torna-se possível a "troca colaborativa de pensamentos, sentimentos ou opiniões" (2012, p. 57) entre professores e alunos, com o objetivo de desenvolver, de forma mais expressiva e produzindo linguagem verdadeira, as habilidades básicas necessárias para a aquisição de língua estrangeira:
  5. 5. • Nesse contexto, algumas técnicas são adotadas para garantir que haja interação genuína entre os aprendizes: - Execução de trabalhos em pares ou grupos; - Uso de textos produzidos em contextos do mundo real (sem a artificialidade dos textos elaborados para fins didáticos); - Produção e prática da linguagem (oral/escrita) de forma significativa e espontânea, para interlocutores/leitores reais, não imaginados.
  6. 6. - Deste modo, as aulas ministradas em um ambiente comunicativo, são centradas no aluno; - O professor, nesse contexto, desempenha o papel de facilitador da aprendizagem, “iniciador da interação”(2012, p. 58);
  7. 7. • O ambiente de aprendizado interativo estimula a criatividade e a autonomia dos estudantes, além de ser considerado um importante fator de motivação de alunos e professores. • A Interação proporciona o aprendizado e a prática da língua estrangeira em contextos sociais e culturais, visto que é necessário adquirir conhecimentos sobre variações situacionais, hábitos e costumes dos falantes para que haja uma comunicação efetiva na língua-alvo.
  8. 8. Material Autêntico, Autenticidade • A Abordagem Comunicativa, tratada neste capítulo, defende que o processo de ensino/aprendizagem de língua estrangeira seja realizado de forma contextualizada, utilizando textos autênticos: “Um texto autêntico é [...] extraído da linguagem real, produzido por um falante ou autor real para uma audiência real, concebido para transmitir uma mensagem real” (2012, p. 59).
  9. 9. • Expor o aluno a um material autêntico dá a ele a oportunidade de observar aspectos culturais intrínsecos à língua, como hábitos, costumes e comportamentos que são perceptíveis na comunicação natural e espontânea.
  10. 10. • No entanto, parte dos professores demonstra certa resistência em utilizar textos autênticos nas aulas, pois é necessário fazer uma seleção criteriosa do material – tarefa complexa, que demanda tempo. • Ainda assim, as abordagens centradas no aluno, que priorizam a interação, têm proporcionado debates que contribuem para transformar o papel do professor, os planos de ensino, os materiais, sistemas de avaliação, etc.
  11. 11. • Além disso, o surgimento das modalidades virtuais de textos acentuaram os debates em torno da utilização de textos autênticos, posto que “a web apresenta um repertório infinito de produtos culturais e, hoje, representa a maior fonte de textos autênticos para professores e alunos” (2012, p. 63).
  12. 12. Os Projetos de Trabalhos No interior da Abordagem Comunicativa, há, ainda, o ensino- aprendizagem de línguas por meio de Projetos, que tem por objetivo a aplicação dos múltiplos conhecimentos adquiridos pelo aluno, de forma que este: - Exercite a autonomia; - Assimile a partir da própria experiência; - Desenvolva a capacidade de trabalhar em grupo. • Esse modelo “é transdisciplinar por natureza” (2012, p. 65).
  13. 13. • A Abordagem Comunicativa tem sido a “metodologia mais aceita desde a de Gramática e Tradução” (2012, p. 65) embora ainda não tenha superado esta em termos de amplitude e prática efetiva.
  14. 14. A Era Pós-Método • Surge a partir da necessidade de haver uma pedagogia que compreendesse o professor como um ser autônomo, reflexivo e capaz de se apropriar de uma abordagem de ensino e adaptá-la conforme as suas necessidades. Diferentemente do professor tradicional passivo, dependente e fixado aos métodos.
  15. 15. A Era Pós-Método “Não-existe-método-ideal” (2012, p.67). O sucesso de qualquer método depende do posicionamento do professor, do contexto social e cultural em que se insere, a quem se destina e a finalidade a que se destina.
  16. 16. Capítulo 5 Algumas questões comunicacionais para o terceiro milênio p. 71- 78
  17. 17. Para Início de Conversa • Por conta da Globalização, da informatização e da tecnologia, o ensino- aprendizado de línguas estrangeiras deve ser repensado e reformulado com um enfoque cultural. • As relações pessoais promovidas por migrações, comunicação por meio da tecnologia e a Globalização favorecem a mistura de culturas e a necessidade de aprendizagem de novas línguas.
  18. 18. O Dialeto Mundial do Terceiro Milênio O Globish • Robert McCrum, em seu livro “Globish” (2010), trata do tema do surgimento de uma nova língua, “o inglês como língua franca”. Porém não o inglês tradicional, mas o Globish.
  19. 19. • Como a própria grafia sugere, é o inglês global, modificado pelos aprendizes que o utilizam como segunda língua nas relações de trabalho, estudos, comunicação através da internet e outras mídias. • “[...] desconhecer línguas, hoje, sobretudo a inglesa, significa ser analfabeto na modernidade-mundo, o que sugeriria uma nova fronteira de exclusão, conforme adverte Ortiz.” (HANNA, 2012)
  20. 20. Globalização, Cultura e Línguas: Glocalização, o Global e o Local • A criação de uma cultura global numa dimensão local. • Tendo surgido na década de 90, a glocalização gerou debates sobre a possibilidade de promover influências negativas sobre as culturas de massa locais. • A glocalização favorece a diversidade, as misturas, as contribuições internas para culturas externas.
  21. 21. • A World Wide Web torna necessário o frequente contato intercultural, dando lugar ao hibridismo cultural. • Com o constante crescimento das relações de comunicação via internet, os usuários da rede devem adquirir domínio suficiente de uma língua estrangeira, a ponto de serem capazes de manejá-la, desnudá-la e vesti-la. • “Aqueles que participam ativamente desse processo poderão ser reconhecidos como falantes interculturais ou falantes transnacionais, mediadores entre culturas, etnógrafos da comunicação” (HANNA; BASTOS, 2012)
  22. 22. • A sociedade globalizada da atualidade exige a ciência de vários idiomas, tendo como natural o uso do inglês. • A língua inglesa está passando por um processo de modificação, tendo recebido diversas contribuições de outras línguas e dando origem a “novos ingleses”.
  23. 23. • David Crystal afirma que aprender uma língua é ter imediatamente direito a ela.
  24. 24. • O globish não pode ser chamado de língua. Ele corresponde à função de ferramenta, um tipo de dialeto utilizado por não nativos. Um inglês simplificado, com menos regras gramaticais.
  25. 25. O Ciberespaço e o Ensino de Línguas • Materiais autênticos integrados às tecnologias de informação, inseridos na metodologia, auxiliam no aprendizado de línguas estrangeiras por meio da interação. • A interação por meio de computadores facilita a inter-relação sociocultural mundial.
  26. 26. O Ensino de Línguas Assistido por Computador • No início do ensino de línguas, as aulas eram dadas com pouco ou nenhum suporte metodológico. O único material disponível era o quadro negro. • Com o passar dos anos, foram sendo inseridos retroprojetores, fitas de áudio, etc.
  27. 27. • O uso de softwares no ensino de línguas cria uma maior exposição do aprendiz à língua que está conhecendo. • Além do contato virtual, o aluno precisa, sobretudo, das experiências sociais pessoalmente.
  28. 28. • O computador, por meio da internet, das grandes redes sociais, diminui barreiras e rompe as fronteiras das associações culturais. • A liberdade da rede proporciona aos seus usuários a possibilidade de conhecer outros povos e suas peculiaridades, assim como seu idioma. • A tecnologia continuará contribuindo para a evolução, expansão, e transformação da língua à medida que seus conviventes a adotarem como ferramenta de compartilhamento de conhecimentos.
  29. 29. Conclusão Conforme pode-se observar nestes capítulos, os estudos linguísticos que se referem ao ensino-aprendizagem de língua estrangeira buscam permanentemente questionar e quebrar paradigmas da educação tradicional, procurando alternativas que produzam resultados mais eficazes. Nesse contexto, a Abordagem Comunicativa possibilita que os alunos aprendam a língua e seus aspectos culturais intrínsecos sob uma abordagem dialógica, que valoriza a autonomia e criatividade do estudante.
  30. 30. A utilização de materiais autênticos e o Pós-Método aumentaram a eficácia do ensino e aprendizagem de línguas, contribuindo para a introdução de novas culturas em outras e enriquecendo os currículos acadêmicos, juntamente com o aumento da competência dos professores. A possibilidade da interação virtual facilitou a diversificação linguística e cultural, deu uma nova face à metodologia do ensino de idiomas e alavancou ainda mais os novos dialetos, como o Globish, Spanglish e Franglish, que foram surgindo de acordo com as necessidades comunicacionais em nível internacional.
  31. 31. Portanto, pode-se afirmar que a obra completa, e não somente os poucos capítulos abordados, é de fundamental importância nos cursos universitários, pois apresenta concepções metodológicas alternativas e proporciona um questionamento sobre os métodos tradicionais ainda vigentes, inclusive, na própria universidade.

×