Artigo Científico - O uso da ferramenta de storytelling como estratégia de marketing digital

412 visualizações

Publicada em

Apresentação de Artigo Científico de conclusão da Pós Graduação de Gestão em Marketing Digital, pela Universidade Católica Dom Bosco, São Paulo.

O artigo completo se encontra em minha conta

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
412
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo Científico - O uso da ferramenta de storytelling como estratégia de marketing digital

  1. 1. O uso da ferramenta de storytelling como estratégia de marketing digital
  2. 2. INTRODUÇÃO • Entretenimento • Fogueira (desenvolvimento social, econômico e político) • Mesa de Bar • Novo comportamento do consumidor • Internet • Storytelling
  3. 3. 1. MARKETING
  4. 4. Além da venda Kotler (2010): “o marketing começa bem antes da existência de um produto” Miller (2009): “o marketing pode ser considerado como o responsável por profundas mudanças culturais e sociais, capaz de definir hábitos, desejos e até comportamentos”
  5. 5. O marketing também envolve: • Troca • Necessidades não atendidas: cliente como centro • Segmentação de mercado • Custo acessível
  6. 6. Acompanhar mudanças Se o comportamento do consumidor mudar, então o marketing também deve mudar Cobra (1992): “o marketing é mais do que uma forma de sentir o mercado, ele é um compromisso com a busca da melhoria da qualidade de vida das pessoas”
  7. 7. Globalização e tecnologia Kotler (2006): “a capacidade de mudança requer a capacidade de aprender” Entra aqui o desafio de entender: o que nos trouxe para tais mudanças?
  8. 8. 2. NOVO CONSUMIDOR
  9. 9. Tecnologia responsável pela mudança Austin (2007): “a tecnologia é a responsável por essa mudança no consumidor” • Ecommerce: poder de barganha do cliente que busca pelo melhor preço
  10. 10. Salzman (2003): “o novo consumidor acredita mais nos amigos” Berguer (2014): “o boca a boca é transmitido para um receptor relevante, transmitindo assim confiança por parte do emissor” Buzzmarketing: propaganda boca a boca
  11. 11. 3. MARKETING DIGITAL
  12. 12. Marketing em plataforma digital • O uso dos 4P´s na plataforma digital • Uso de plataformas digitais (redes sociais, games, mobile, entre outros ) para desenvolver estratégias digitais
  13. 13. 4. WEB E MÍDIAS SOCIAIS
  14. 14. Colaboração e democratização • Web 2.0: termo criado por Tim O’Reilly para discutir sobre como a web estava produzindo sistemas, aplicativos e ferramentas por meio do usuário, de forma autônoma. • Colaboração em ferramentas participativas como Blogs e mídias sociais
  15. 15. Democratização para empresas: oportunidade no nicho de mercado
  16. 16. Interação com o cliente Tapscott (2006): “em vez de excluir pessoas, devemos incluir elas” • Atendimento e interatividade com clientes nas mídias sociais: baixo custo, aproximação, pesquisa de satisfação e conteúdo relevante
  17. 17. 4. STORYTELLING
  18. 18. A arte de contar histórias Castro (2013): “define como story que seria o fato ou a impressão do fato, enquanto telling seria o fato recriado através de imagens”
  19. 19. Quando surgiu? Castro (2013): “aproximadamente cem mil anos atrás, quando o homem se surpreendeu com algo e foi contar para alguém” Berger (2014): “para um cidadão grego de 1000 a.C a distração das pessoas eram as histórias envolta da fogueira. Exemplo: a história “o cavalo de Tróia” e “a Odisséia” Mcsill (2013): “podia ser notado nos ancestrais. Storytelling é o velho hábito de contar histórias sobre caçadas e vitórias em volta da fogueira”
  20. 20. 4.1 A CONSTRUÇÃO DAS HISTÓRIAS
  21. 21. Evolução Berguer (2014): “Deixamos de nos reunir em volta da fogueira, mas substituímos o mesmo ritual por uma mesa de bar com os amigos” Sendo assim, as pessoas continuam e irão continuar contando histórias
  22. 22. Toda história tem começo, meio e fim
  23. 23. Alfredo (2013): “Em uma história é essencial definir fato, tempo, lugar, personagens, causa, modo e consequência” Os elementos básicos de uma narrativa é introdução, desenvolvimento e conclusão.
  24. 24. Toda história precisa de um herói
  25. 25. O herói que enfrenta um obstáculo Mcsill (2013): “toda a estória deve ter um personagem que simpatizamos, e que se esforça até as últimas gotas de sangue para superar obstáculos aparentemente intransponíveis, a fim de atingir um fim satisfatório, e assim se tornar uma pessoa melhor” Qual é o objetivo desse herói? Aonde ele quer chegar?
  26. 26. Campbell (1989): “Herói é um ser humano que surge do cotidiano e que se aventura numa região com coisas sobrenaturais, onde ali encontra fabulosas forças e obtém uma vitória decisiva. Logo após isso, o herói retorna de sua aventura com o poder de trazer benefícios aos seus semelhante”
  27. 27. Conhecimento e inspiração através das histórias Alfredo (2013): “Quando passamos um legado às próximas gerações, fizemos isso através das histórias” Motivos sociais e políticos como desemprego, afeta o psicológico e aumenta o stress. São nessas situações que as histórias vêm camuflada de heroísmo Matos (2010): “Histórias são ferramentas capazes de inspirar, mudar e motivas as pessoas”
  28. 28. 4.2 STORYTELLING E A TRANSMÍDIA
  29. 29. A mesma história para diversos canais Scartozzoni (2011): “transmídia seria levar trechos diferentes ou complementares de uma mensagem para diversas mídias” Transmídia storytelling seria distribuir a mesma história para diversos canais
  30. 30. A mesma história adaptada para cada público em diversos canais
  31. 31. Jenkins (2006): “uma história de transmídia ocorre através de múltiplas plataformas de mídia com nichos diferentes, onde possui um novo texto que contribui de maneira distinta para o todo” Gabriel (2010): “mesma mensagem distribuída em diversas plataformas por meio da portabilidade” Cada público ao se deparar com a história adaptada para o seu meio, terá um maior entendimento e compreensão da história
  32. 32. Transmídia Storytelling: The Walking Dead História em quadrinho (origem) Seriado na televisão
  33. 33. Jogo de vídeo game Web series no Youtube Livros A mesma história adaptada para cada meio e público
  34. 34. Cultura da convergência Jenkins (2006) Responsável pela criação do termo cultura da convergência, onde velhas e novas mídias se encontram, mídia corporativa e alternativa se cruzam, e o poder do produtor e consumidor interagem de maneiras imprevisíveis
  35. 35. 4.3 STORYTELLING NAS EMPRESAS
  36. 36. Narrativas sempre estiveram presente nas empresas Matos (2010): “as histórias circulam nos corredores, almoços, chão de fábrica, assim como nos ambientes não formais do trabalho” • Vem sendo usada como ferramenta de gestão desde 1990, devido a necessidade de reaprender a pensar, agir, trabalhar em rede, gerenciar a distância, adaptar-se a novos negócios, entre outros.
  37. 37. Mostrar com as histórias onde a empresa deseja chegar
  38. 38. Engajamento entre colaboradores e facilidade de comunicação Onde a empresa quer chegar? Castro (2013): “Através das histórias podemos engajar os colaboradores, e criar elementos da narrativa que descreva onde a organização deseja chegar” • Ferramenta capaz de nortear as estratégias organizacionais e possibilitar as implementações de sonhos do ser humano
  39. 39. Necessidade de novos modelos de liderança
  40. 40. Histórias engajam todas as gerações Castro (2013): “o storytelling vem para suprir a necessidade da utilização de novos modelos de liderança, devido as transformações geradas pela tecnologia e pela atuação das novas gerações” • 20 a 40% dos trabalhadores são das novas gerações (Y e Z), e estão sendo liderados por executivos das gerações X e Baby Boomers. As novas gerações vem mudando a expectativas do mercado • Novas gerações são movidas pelas estórias que envolvem o legado de seus pais e avós • Storytelling é a linguagem comum capaz de engajar todas as gerações
  41. 41. Líder deve ser contador de histórias
  42. 42. Como a empresa chegou até aqui? • Assim como as demais histórias, existe um personagem incrível que enfrentou desafios e atingiu resultados extraordinários. Nesse caso, o personagem é o fundador que criou uma empresa de sucesso. • O fundador se torna uma inspiração e herói para os colaboradores • Aumenta o envolvimento da equipe com a empresa • Melhora resultados ao se identificar com os valores da empresa • Uma história não é esquecida pelos stakeholders • Na gestão do conhecimento, histórias ajudam no aproveitamento e transmissão do capital criativo e know how
  43. 43. 4. STORYTELLING NO MARKETING DIGITAL
  44. 44. Histórias são inesquecíveis Matos (2010): “Em meio a grande quantidade de informações, o cérebro humano acaba selecionando as informações mais relevantes para serem armazenadas. O cérebro é capaz de recordar mais histórias do que as demais informações”
  45. 45. Mudanças de comportamento exige mais esforço para conseguir atenção
  46. 46. Assistir televisão enquanto usa o celular Murray (2001): “as atividades cotidianas como assistir televisão e navegar na internet estão se fundindo, o que consecutivamente leva o mercado a criar novos canais de participação” Gabriel (2012): “grandes tendências de comunicação e marketing vêm sendo contaminadas pela integração ON e OFF, por meio da transmídia storytelling, redes sociais, vídeo, busca, realidade aumentada, entre outros, o que unifica o ON e OFF, e que compõe a vida das pessoas. • Cibridismo
  47. 47. Jenkins (2006): “a web está se tornando cada vez mais um local de participação do consumidor, o qual pode incluir maneiras não autorizadas e não previstas em relação ao conteúdo de mídia” Murray (2011): “a participação digital está mudando as atividades sequenciais e realizadas de forma separada, como assistir e depois interagir, para assistir enquanto interagi”
  48. 48. Unificação das mídias se torna essencial Jenkins (2006): “a experiência não deve ser contida em uma única plataforma de mídia, mas deve ser espalhada para ao maior número possível delas” • Storytelling funciona como estratégia de conteúdo relevante, que visa satisfazer o comportamento desse novo consumidor, que está presente nas plataformas digitais, e interagi com diversas mídias ao mesmo tempo • Blog: o blogueiro se torna um contador de história digital
  49. 49. Compartilhamento da inteligência de todos em busca de uma solução
  50. 50. • A influência dessa nova atitude pode ser compreendida com o termo inteligência coletiva, o qual significa o compartilhamento da inteligência de diversos indivíduos que colaboram em busca da solução de um problema, usando como ferramenta a internet • A contribuição e influência de inúmeros contribuintes em um processo, já podia ser observado em obras literárias como Ilíada e a Odisséia de Homero Colaboração não é algo novo
  51. 51. Consumidores compram histórias
  52. 52. Histórias reforçam a presença da marca na cabeça do consumidor • Storytelling reforça o top of mind na cabeça do consumidor, devido a capacidade humana de memorizar experiências • Quando o consumidor se depara com uma história emocionante, ele compartilha com os amigos através das mídias sociais, promovendo assim a propaganda boca a boca disfarçada.
  53. 53. CONCLUSÃO
  54. 54. • Histórias fazem parte do entretenimento do mundo • Histórias vem para resgatar a eficiência da propaganda • O storytelling pode ser usado por qualquer empresa • Possibilita criar uma vantagem competitiva e um diferencial • Histórias emocionam e se tornam inesquecíveis • Histórias são capazes de motivar e engajar a equipe • Histórias ajudam na construção e reforço de uma marca • As mídias sociais ajudam na disseminação das histórias por qualquer pessoa em qualquer lugar
  55. 55. HISTÓRIAS DURAM PARA SEMPRE

×