Madre Ipólita Congregação Pequenas Filhas de São José
Pela graça de Deus e para alegria demeus pais Luiz e Rosa vim ao mundo    no dia 09 de maio de 1864 na      pequena cidade...
Passei minha infância serena           tranqüila em Ronco aolado de meus pais e minha irmã    Elisa. As famílias de Ronco ...
Aos 11 anos recebi o sacramento  da Crisma, sendo educada desdepequena na fé cristã que me tornousensível as coisas de Deu...
    Eu tinha treze anos quando   chegou ao meu povoado o  Padre José Baldo em 1877.Ele não era esperado em Ronco, pois pod...
Padre Baldo era uma homem apaixonado por Deus e pelo   povo, e seu entusiasmo,dedicação e serviço aos maispobres me cativa...
Eu estava muito empenhada e comprometida com os trabalhos   de assistência aos pobres da    paróquia promovidos pelo      ...
Na suas inúmeras iniciativas para socorrer os pobres em   suas necessidades Padre   Baldo funda em 1882 aPiedosa União das...
Eu tinha então meus 18 anos e meu  coração estava voltado para os pobres. Fui a primeira integrante  dessa iniciativa junt...
Com as orientações de Padre Baldo compreendia e  tentava viver o que Jesusfala no Evangelho “Tudo que   fizestes a um meno...
O amor a Jesus me impelia cada vez mais a amar aqueles que Ele escolheu, os pobres. Reconhecia que Cristo estava  presente...
Quando Jesus no Evangelho de João   disse ao discípulos que queriam  segui-Lo “Vinde e vede” Ele tinhatoda razão. Foi perc...
Minha vocação nasceu, cresceu e   foi cultivada no calor e féardente e do meu povoado e sob   a orientação de pastor tão  ...
Com Dom Baldo descobri a beleza da consagração religiosa.            Ele nos dizia:     “Filhinhas entre todas as grandeza...
Socorrer, assistir, consolar, cuidar  providenciar se tornou a minha missão o meu serviço. Os pobres de Ronco ocuparam meu...
Na minha missão coubetambém a tarefa de conduzir a família quando o nosso pai Padre Baldo foi ao encontrode Deus. Sempre r...
Apresentei para vocês    um pouco de minhahistória, minha vocação e    minha missão e teconvido a pensar tambémna sua miss...
Cristo continua a nos dizer: Eu estava com fome, e vocês me  deram de comer; eu estava com  sede, e me deram de beber; eu ...
Texto: Ir Ana Vilma PFSJFormatação do Slides: Ir Franca PFSJImagens: WebCongregação Pequenas Filhas de São José           ...
Originale m. ipolita diap
Originale m. ipolita diap
Originale m. ipolita diap
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Originale m. ipolita diap

75 visualizações

Publicada em

Minha vida, minha vocação

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
75
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Originale m. ipolita diap

  1. 1. Madre Ipólita Congregação Pequenas Filhas de São José
  2. 2. Pela graça de Deus e para alegria demeus pais Luiz e Rosa vim ao mundo no dia 09 de maio de 1864 na pequena cidadezinha de Ronco – Verona – Itália. Dois dias depois recebi a graça do Batismo passando a pertencer à família de Deus.
  3. 3. Passei minha infância serena tranqüila em Ronco aolado de meus pais e minha irmã Elisa. As famílias de Ronco passavam muitas dificuldades, viviam na pobreza extrema explorados pelos latifundiários, donos das terras. Meu pai erapedreiro e conseguia sustentar a nossa família com seu trabalho.
  4. 4. Aos 11 anos recebi o sacramento da Crisma, sendo educada desdepequena na fé cristã que me tornousensível as coisas de Deus e o amor pelos pobres. Em minha família aprendi a amar Jesus na Eucaristia, olhar o seu Sagrado Coração e ter uma terna devoção á sua Mãe.
  5. 5.   Eu tinha treze anos quando chegou ao meu povoado o Padre José Baldo em 1877.Ele não era esperado em Ronco, pois poderosos anticlericais deRonco já sabiam da sua fama de homem dedicado ao serviço de Deus e aos pobres. Eles não queriam ser incomodados.
  6. 6. Padre Baldo era uma homem apaixonado por Deus e pelo povo, e seu entusiasmo,dedicação e serviço aos maispobres me cativava cada dia mais.
  7. 7. Eu estava muito empenhada e comprometida com os trabalhos de assistência aos pobres da paróquia promovidos pelo Padre Baldo.Aos dezesseis anos senti que algoestava amadurecendo dentro de mim, o desejo de me doar totalmente ao Senhor estava aquecendo meu coração.
  8. 8. Na suas inúmeras iniciativas para socorrer os pobres em suas necessidades Padre Baldo funda em 1882 aPiedosa União das Ancilas deSanta Maria do Socorro para atender os enfermos.
  9. 9. Eu tinha então meus 18 anos e meu coração estava voltado para os pobres. Fui a primeira integrante dessa iniciativa juntamente com outras amigas. Prestávamosassistência domiciliar aos doentes e idosos de Ronco e redondeza. Oferecia-lhes nossos cuidados, nossa atenção, nossa palavra amiga.
  10. 10. Com as orientações de Padre Baldo compreendia e tentava viver o que Jesusfala no Evangelho “Tudo que fizestes a um menor dosmeus irmãos foi a mim que o fizeram.” Mt. 25, 40.
  11. 11. O amor a Jesus me impelia cada vez mais a amar aqueles que Ele escolheu, os pobres. Reconhecia que Cristo estava presente em cada irmão que sofria e era feliz pelaoportunidade de poder servi-Lo.  
  12. 12. Quando Jesus no Evangelho de João disse ao discípulos que queriam segui-Lo “Vinde e vede” Ele tinhatoda razão. Foi percorrendo casa por casa de Ronco que pude perceber ainda mais o Cristo na extrema pobreza da minha pequena cidade.
  13. 13. Minha vocação nasceu, cresceu e foi cultivada no calor e féardente e do meu povoado e sob a orientação de pastor tão dedicado que era oPadre Baldo que nos impulsionava a dar tudo de nós a Deus. “Não é todo de Deus quem procura algo que não é Deus”
  14. 14. Com Dom Baldo descobri a beleza da consagração religiosa. Ele nos dizia: “Filhinhas entre todas as grandezas do mundo nada é tão grande como a vossa vocação a serdes as esposas de Jesus”. No dia da minha consagração confirmei o meu propósito de viver só para Ele. “Senhor , eis-me aqui para ser tua parasempre e por toda a eternidade”
  15. 15. Socorrer, assistir, consolar, cuidar providenciar se tornou a minha missão o meu serviço. Os pobres de Ronco ocuparam meu coração. Percorrendo as ruas de Ronco carregava sob o manto do meu vestido preto, um pedaço de pão para saciar a quem encontrasse com fome pelo caminho.
  16. 16. Na minha missão coubetambém a tarefa de conduzir a família quando o nosso pai Padre Baldo foi ao encontrode Deus. Sempre recomendei as irmãs que Deus deveria estar sempre em primeiro lugar. “Vivamos continuamente na presença de Deus.”
  17. 17. Apresentei para vocês um pouco de minhahistória, minha vocação e minha missão e teconvido a pensar tambémna sua missão de cristão.
  18. 18. Cristo continua a nos dizer: Eu estava com fome, e vocês me deram de comer; eu estava com sede, e me deram de beber; eu era estrangeiro, e me receberamem sua casa; eu estava sem roupa, e me vestiram; eu estava doente, e cuidaram de mim; eu estava na prisão, e vocês foram me visitar’.Mt. 25, 35-36
  19. 19. Texto: Ir Ana Vilma PFSJFormatação do Slides: Ir Franca PFSJImagens: WebCongregação Pequenas Filhas de São José Casa de Nazaré Congregação Pequenas Filhas de São José Rua Suaçui 420 Noviciado Padre Josè Baldo Bairro Jardim de Alá Rua Rio Mossoró, 292 33943-620 Ribeirão das Neves MG 32.265-220 Riacho das Pedras Tel. (0xx) 31 36382507 Contagem MGpequenasfilhasjustinopolis@yahoo.com.br Tel. (0xx) 31 33926143 pfsaojoseriacho@yahoo.com.br

×