Universidade Estadual do Ceará  Centro de Humanidades  Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada - PosLADISCIPLINA...
Aspecto conceitual da toponímia Toponímia como disciplina curricular: USP – anos 70 Objetivo: Encontrar um modelo sistêm...
Situação linguística do território Oficialmente: monolíngue Traços plurilíngues (presença autóctone milenar, grande mass...
Fundamentação Toponímia no Brasil – Dois movimentos de linguagem:  Nativa (substrato)/ Advinda (superestratos)‫‏‬ No pri...
 Toponímia e Antroponímia (Onomástica) Foco de análise: do sistema toponímico (estudo do lugar/ natureza geográfica) par...
Conclusões a.) A toponímia desenvolveu-se acompanhando um vocabulário geográfico de ocorrências. b.) Por detrás da ação ...
Modelo para a investigação Formulação da hipótese Delimitação da área de estudos Tratamento dos dados e do corpus Conc...
Metodologia 1º aspecto: Visão mais teórica, ampla e abrangente do conhecimento científico advindo dos nomes. 2º aspecto:...
 Modelo taxionômico, de fundo semântico, voltado à recuperação sêmica dominante na nomeclatura e responsável pela motivaç...
Conclusões No plano das concretudes, há lugar para confluências ou cruzamentos de saberes, por exemplo, do campo lexical ...
Conclusões Na Toponímia, em suas modalidades, pôde-se traçar, desde então, até o presente um continun de suas posições co...
Toponímia Aplicada (MG)‫‏‬ Configuração do Estado: 853 municípios Estrutura administartiva: Mesorregião central (12 micr...
Metodologia Modelo semântico-motivador das ocorrências toponomásticas, que conformam a realidade designativa da nomeclatu...
Procedimento metodológico Levantamento sincrônico de investigações (Nível 1)‫‏‬ Ampliação diacrônica (Nível 2) (Quando a...
Etapas do estudo 1ª) Análise dialetológica dos designativos das unidades municipais, segundo as camadas linguísticas do p...
Conclusões parciais Universo: 67 microrregiões 17 (nomeadas por nomes indígenas)‫‏‬ 04 (composição híbrida P – I)‫‏‬ M...
Fundamentos da toponímia estudo de caso - glaucia marques
Fundamentos da toponímia estudo de caso - glaucia marques
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fundamentos da toponímia estudo de caso - glaucia marques

675 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
675
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fundamentos da toponímia estudo de caso - glaucia marques

  1. 1. Universidade Estadual do Ceará Centro de Humanidades Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada - PosLADISCIPLINA: Tópicos Especiais em linguagem,tecnologia e ensino-aprendizagem: Estudos doléxico e da cultura Fundamentos da Toponímia. Estudo de caso: o Projeto ATEMIG – Atlas Toponímico do Estado de Minas Gerais Maria Vicentina de Paula do Amaral Dick - USP
  2. 2. Aspecto conceitual da toponímia Toponímia como disciplina curricular: USP – anos 70 Objetivo: Encontrar um modelo sistêmico que respondesse a necessidades não meramente especulativas, mas que estivessem fundamentadas na realidade etnocultural conhecida ou a conhecer.
  3. 3. Situação linguística do território Oficialmente: monolíngue Traços plurilíngues (presença autóctone milenar, grande massa alógena oriunda da África)‫‏‬ A mescla das três etnias formou as matrizes etnolinguísticas da população Funcionamento das línguas naturais: funcionamento de sua toponímia Toponímia no Brasil: Interesse mais nas línguas da terra (tupi antigo) do que no elenco denominativo do português
  4. 4. Fundamentação Toponímia no Brasil – Dois movimentos de linguagem: Nativa (substrato)/ Advinda (superestratos)‫‏‬ No primeiro contato: toponímia resultante de origem portuguesa (1501) “O domínio da terra pelo europeu, assim, antes de ocorrer pela força, fez-se pela língua...” Segundo momento: bilinguismo assimétrico
  5. 5.  Toponímia e Antroponímia (Onomástica) Foco de análise: do sistema toponímico (estudo do lugar/ natureza geográfica) para o sistema onomástico (estudo do espaço e do nome do espaço/ natureza linguística)‫‏‬ Metodologia: indutivo-dedutiva de acordo com os procedimentos característicos da pesquisa do léxico
  6. 6. Conclusões a.) A toponímia desenvolveu-se acompanhando um vocabulário geográfico de ocorrências. b.) Por detrás da ação de nomear existem intenções bem delineadas, mas que com o tempo se tornam menos claras. “O valor pragmático do topônimo não se subsume apenas na intencionalidade momentânea ou casual do denominador; é superior a ela, com implicações exteriorizadas, gerando uma tensão dialética entre objetivos, finalidades, escolhas e resultados práticos.”
  7. 7. Modelo para a investigação Formulação da hipótese Delimitação da área de estudos Tratamento dos dados e do corpus Conclusão e bibliografia
  8. 8. Metodologia 1º aspecto: Visão mais teórica, ampla e abrangente do conhecimento científico advindo dos nomes. 2º aspecto: Busca do conhecimento prático das parcialidades locais/ regionais, visando a reconstrução de uma tipologia onomástica de aplicação mais ampla, a partir de novas formas recolhidas.
  9. 9.  Modelo taxionômico, de fundo semântico, voltado à recuperação sêmica dominante na nomeclatura e responsável pela motivação toponímica introjetada. No levantamento aplicado, expressões descritivas do meio em que ocorrem não surgem, de início, como topônimos propriamente ditos e, sim, como formas expressivas de um discurso, no interior de uma narrativa.
  10. 10. Conclusões No plano das concretudes, há lugar para confluências ou cruzamentos de saberes, por exemplo, do campo lexical e terminológico com a própria história da cultura, que envolve não apenas a recuperação etmológica e genética dos antigos falares nativos como os princípios etnológicos e etnográficos interagindo aos linguísticos.
  11. 11. Conclusões Na Toponímia, em suas modalidades, pôde-se traçar, desde então, até o presente um continun de suas posições conservadoras ou inovadoras a respeito dos fatos de língua que interferem nos nomes, como é o caso do Brasil, especialmente, e da toponímia americana, genericamente.
  12. 12. Toponímia Aplicada (MG)‫‏‬ Configuração do Estado: 853 municípios Estrutura administartiva: Mesorregião central (12 microrregiões (158 municípios)‫‏‬
  13. 13. Metodologia Modelo semântico-motivador das ocorrências toponomásticas, que conformam a realidade designativa da nomeclatura geográfica oficial do país, publicada pelo IBGE, com as atualizações posteriores.
  14. 14. Procedimento metodológico Levantamento sincrônico de investigações (Nível 1)‫‏‬ Ampliação diacrônica (Nível 2) (Quando a identificação do termo ainda resultar incompleta ou inconclusa – distanciamento temporal e espacial em que o pesquisador se encontra e a ocorrência) Representação cartográfica dos dados
  15. 15. Etapas do estudo 1ª) Análise dialetológica dos designativos das unidades municipais, segundo as camadas linguísticas do português do Brasil. 2ª) Levantamento dos acidentes geográficos dos municípios, tanto os de natureza física como os antropo-culturais.
  16. 16. Conclusões parciais Universo: 67 microrregiões 17 (nomeadas por nomes indígenas)‫‏‬ 04 (composição híbrida P – I)‫‏‬ Mesorregiões (Predominância portuguesa)‫‏‬ “O estudo permitiu sentir a dificuldade em definir com precisão as diferenças específicas entre categorias com ocorrências bem próximas, como os sócio e historiotopônimos e os antropotopônimos.”

×