Paloma 7a

141 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
141
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Paloma 7a

  1. 1. *Nome: Paloma n:26 Cristine n:07* 7A* *Professora Rosicler *
  2. 2. **O que é** <ul><li>A obesidade infantil é uma doença nutricional que tem gerado muita preocupação por parte dos médicos, não só pelo grande aumento na sua freqüência mas também por suas conseqüências sociais, psicológicas e orgânicas. Torna-se cada vez mais importante a prevenção e tratamento precoces, devido as ligações que a O.I. (obesidade infantil) apresenta com doenças da vida adulta, como hipertensão arterial, diabetes e doenças cardiovasculares; além de alterações ortopédicas e dermatológicas. </li></ul>
  3. 3. *Sitomas* <ul><li>Nas diversas etapas do seu desenvolvimento, o organismo humano é o resultado de diferentes interações entre o seu patrimônio genético (herdado de seus pais e familiares), o ambiente sócioeconômico, cultural e educativo e o seu ambiente individual e familiar. Assim, uma determinada pessoa apresenta diversas características peculiares que a distinguem, especialmente em sua saúde e nutrição. </li></ul><ul><li>A obesidade é o resultado de diversas dessas interações, nas quais chamam a atenção os aspectos genéticos, ambientais e comportamentais. Assim, filhos com ambos os pais obesos apresentam alto risco de obesidade, bem como determinadas mudanças sociais estimulam o aumento de peso em todo um grupo de pessoas. Recentemente, vem se acrescentando uma série de conhecimentos científicos referentes aos diversos mecanismos pelos quais se ganha peso, demonstrando cada vez mais que essa situação se associa, na maioria das vezes, com diversos fatores. </li></ul>
  4. 4. Medidas Preventivas <ul><li>OBJETIVO: Avaliar a concordância entre o índice de massa corporal segundo padrão internacional e indicadores de adiposidade no diagnóstico de sobrepeso e obesidade em escolares. MÉTODOS: Avaliação de peso e estatura de 528 escolares, entre 6 e 10 anos, de ambos os sexos, seguida da classificação das crianças em eutróficas, com baixo peso, sobrepeso ou obesidade segundo índice de massa corporal por idade. A adiposidade foi estimada a partir da somatória das medidas das dobras cutâneas tricipital e subescapular, tricipital e da panturrilha medial e pelas circunferências da cintura e quadril. RESULTADOS: a prevalência de sobrepeso e obesidade foi de 21,2% nas meninas e 18,8% nos meninos. A porcentagem de gordura corporal média nas crianças normais (17,7%) foi significativamente diferente da observada nas crianças com sobrepeso (27,0%) e obesidade (29,4%) (p < 0,02). As circunferências médias da cintura e quadril dos meninos e meninas eutróficos (56,9 cm e 67,7 cm) diferiu significativamente daqueles com sobrepeso (65,9 cm e 77 cm) (p < 0,01). Não houve diferença na razão cintura-quadril entre os grupos. A porcentagem de gordura corporal, a circunferência da cintura e a circunferência do quadril correlacionaram-se significativamente com o índice de massa corporal (p < 0,01). CONCLUSÃO: O uso do índice de </li></ul>
  5. 5. *Creditos* <ul><li>Com a correria do dia a dia, as exigências da sociedade moderna – com serviços que devem funcionar 24h, trabalho, internet, globalização…– foi se intensificando o desencontro entre os horários convencionais e os criados para atender necessidades específicas, além da redução nas horas de sono . </li></ul><ul><li>Essa dessincronização pode levar a distúrbios do ritmo circadiano , iniciando pelo ritmo vigília-sono. </li></ul><ul><li>Na maioria dos casos, o corpo humano é exposto a o estresse contínuo a partir de tentativas de se adaptar , o mais rapidamente possível, às diferentes horas de trabalho, viagens ou noites sem dormir. </li></ul><ul><li>Estudos recentes mostram que alterações neste ritmo influenciam aspectos relacionados à ao equilíbrio das funções do corpo, como o controle da glicemia, a liberação dos hormônios responsáveis pela fome e saciedade e o controle do peso. </li></ul>

×