Pensamento Sistêmico      O Pensamento como um Sistema de David                                Bohm                       ...
Roteiro•   O pensamento como um sistema e o sistema de observação•   A palavra e a linguagem como representação do pensame...
O processo de observação desse sistema e            a janela para a aprendizagem• No final da sessão anterior discutimos s...
A palavra como representação do pensamento• Depois que você vê algo sobre como o sistema está  funcionando, deve também te...
A palavra como representação do pensamento• Ao usar a palavra não estamos trazendo a memória, mas  gerando o estado atual ...
A linguagem como representação                         do pensamento• Para ver e compreender bem o sistema são  necessário...
O pensamento e suas representações não-                      verbais                                 Há um tipo de símbolo...
A representação como um jogo de reflexos• A representação é um jogo de reflexos que inclui  sentimento e aparência visual ...
Automatismo do pensamento• Muitas vezes as intenções são reflexivas; elas simplesmente  surgem “automaticamente”.      – O...
A cultura e o equívoco do pensamento• Nossa capacidade de entender o pensamento  herda uma questão cultural que nos ensina...
O saber nunca será absoluto• O saber nunca será absoluto, pois o conhecimento é  limitado, porque ele é apenas uma represe...
O conhecimento sempre é limitado!• As opiniões são “apenas” suposições e é  fundamental que saibamos disso.• Podemos fazer...
A importância e o desafio de                       suspender as suposições• A suspenção das suposições é um desafio, até  ...
Reflexos e suas conexões• Tudo que você pensar está conectado aos  reflexos, que, por sua vez, envolverá tudo aquilo  que ...
O pensamento e o “ato de pensar”• O pensamento apenas funciona automaticamente. Mas  quando você está pensando já está pro...
Autoengano do pensamento e a                      necessidade absoluta• O pensamento pode nos enganar mostrando que está  ...
Tendência de autoengano e                        o pensamento saudável• Tendência de autoengano do pensamento      – O pen...
Realidade e coerência• A ciência tem dito que as coisas chegam no  sistema nervoso, e que é no cérebro que elas  são, de a...
Realidade, coerência e representação• Formação das representações:      – A representação coloca certas coisas como sendo ...
Influência do pensamento na percepção               e o fenômeno da ilusão• O pensamento afeta o que você vê e,  consequen...
Participação do pensamento“O pensamento tem uma participaçãomuito ativa, principalmente da formacomo cria o mundo. O pensa...
Divisão e fragmentação do pensamento• O pensamento funciona por meio da divisão; e, assim que se divide, não  pode ser a t...
Propriocepção e movimento• A propriocepção (autopercepção).      – Ex: Mulher com derrame cerebral• Geralmente focamos nos...
Propriocepção e intenção• Se dissermos que o pensamento é um reflexo como  qualquer outro reflexo muscular – muito mais su...
Propriocepção e a paranóia• A paranóia ocorre quando a propriocepção falha  ainda mais, e as pessoas tem dificuldades de  ...
Falta de propriocepção do pensamento as               conclusões equivocadas• A falta de propriocepção do pensamento, como...
Apropriação do pensamento• (1) Observar a situação      – Devemos tomar consciência do que está acontecendo e como estamos...
Ruídos no pensamento que afetam a                      propriocepção• Dado que:      – O corpo tem propriocepção e o pensa...
Complexidade do pensamento e                         suas confusões• (1) Se você olha simplesmente para si mesmo; sem  ent...
Projeções do pensamento e a                       influência das emoções• O pensamento está condicionado ao passado e proj...
Sugestão de Bohm• Tentar usar as palavras que  geram o processo – não apenas  com raiva, ou medo, ou inveja,  ou mesmo o p...
Entrevista Krishnamurti• Neste diálogo entre Krishnamurti e Jean Louis Dewez,  realizado em Brockwook Park, em 1979, é inv...
Links para os vídeosVÍDEOS UTILIZADOS NO SEMINÁRIO:      – Reflexo biológico            • http://www.youtube.com/watch?v=n...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos seminário 3

573 visualizações

Publicada em

Slides do 3º seminário do grupo de estudos do livro "Pensamento como Sistema" de David Bohm - Turma Recife.
Elaborados por: César Delmas e Maria Conceição Gusmão.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
573
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos seminário 3

  1. 1. Pensamento Sistêmico O Pensamento como um Sistema de David Bohm Grupo de Estudos Turma Recife 2012 Seminário 3 Recife, 19 de Novembro de 2012 César Augusto Delmas e Conceição GusmãoGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  2. 2. Roteiro• O pensamento como um sistema e o sistema de observação• A palavra e a linguagem como representação do pensamento• Jogo de reflexos, automatismo e limitação do conhecimento• A cultura e o equívoco do pensamento• Importância e desafio de suspender as suposições• Reflexos e o “ato de pensar”• Tendência de autoengano e o pensamento saudável• Realidade, coerência e representação• Percepção e o fenômeno da ilusão• Participação do pensamento• Divisão e fragmentação do pensamento• Propriocepção, movimento, intenção e paranóia• Projeção dos pensamento e a influência das emoçõesGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  3. 3. O processo de observação desse sistema e a janela para a aprendizagem• No final da sessão anterior discutimos sobre o que é chamado “sistema”. – Dissemos que o núcleo desse sistema é o pensamento.• É por meio da observação que compreendemos a maneira como o sistema funciona e, consequentemente, aprendermos algo sobre ele.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  4. 4. A palavra como representação do pensamento• Depois que você vê algo sobre como o sistema está funcionando, deve também tentar colocá-lo em palavras: – Você pode até ver algo, mas se o processo de pensamento não sabe disso, continuará agindo como antes (ciclo vicioso). – O processo de pensamento por si só não consegue “ver”. Ele consegue apenas obter informação. – O uso das palavras é essencial para tornar visível o pensamento.• As palavras são a forma de colocar o pensamento em evidência, no qual geralmente funciona implicitamente sem que você esteja ciente dele.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  5. 5. A palavra como representação do pensamento• Ao usar a palavra não estamos trazendo a memória, mas gerando o estado atual o qual estamos tentando explorar (exemplo: raiva) – Se, em vez de esperar que algo aconteça para trazer a raiva novamente, você a traz à tona usando as palavras apropriadas, então terá tempo de olhar para ela. – Uma dos principais pontos a se observar é que as palavras estão fazendo e como elas estão criando tudo isso As palavras representam o pensamento!• Exemplo da GM: pode existir fábricas, prédios e tudo mais, contudo, se as pessoas não acreditarem que ela existe, ela não existe.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  6. 6. A linguagem como representação do pensamento• Para ver e compreender bem o sistema são necessários elementos de linguagem e representações precisas em pensamento.• Existem múltiplas formas de representar e transmitir o pensamento: – Deve haver outros tipos de linguagem, além das palavras (por exemplo, a imagem). – Na verdade, há um “pensamento implícito que segue sem dizer”. Diz implicitamente que “sempre que algo como isso acontece, eu tenho de reagir dessa maneira”. Esse é o pensamento .Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  7. 7. O pensamento e suas representações não- verbais Há um tipo de símbolo pré-verbal e deve haver outros os quais não sabemos ainda. A linguagem está no topo da lista. No entanto, quando aprendemos a falar, esquecemos disso e não reconhecemos que esses símbolos ainda fazem parte do nosso pensamento.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  8. 8. A representação como um jogo de reflexos• A representação é um jogo de reflexos que inclui sentimento e aparência visual do restante.• O jogo de reflexos pode atribuir e criar o sentimento que está na forma que foi atribuído. – A palavra “mesa” amarra tudo isso fazendo ter a sensação de que a mesa vai ser, por exemplo, sólida, o que pode ser um engano ou estar correto.• Não precisamos ter as palavras/linguagem para criarmos as representações: – O arco-íris é uma representação que foi criada nas pessoas, provavelmente, mesmo antes de ter surgido em palavras.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  9. 9. Automatismo do pensamento• Muitas vezes as intenções são reflexivas; elas simplesmente surgem “automaticamente”. – O sistema funciona reflexivamente e mecanicamente por si, ao mesmo tempo em que nos dá a impressão de que existe um eu como centro. VÍDEO: REFLEXO BIOLÓGICO• O sistema contém um reflexo que gera o pensamento que sou eu aquele que está fazendo tudo. Possui um sistema bem elaborado que acoberta o que está acontecendo. – Muitas vezes o pensamento vem como forma de justificativas... (1) “Eu preciso fazer isso”; (2) “Seria errado fazê-lo” e (3) “Mas eu fiz, pois...” – Isso se dá de forma tão automática, quanto o reflexo do joelho a “uma martelada”.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  10. 10. A cultura e o equívoco do pensamento• Nossa capacidade de entender o pensamento herda uma questão cultural que nos ensina equivocadamente que é algo apenas intelectual. – Poderíamos nos tornar conscientes deles se não fosse por esse motivo.• O pensamento é incompleto, pois oferece uma representação daquilo que estamos pensando. – Ex: A forma que o artista pinta um quadro representando alguém que pode nem existir.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  11. 11. O saber nunca será absoluto• O saber nunca será absoluto, pois o conhecimento é limitado, porque ele é apenas uma representação. – O conhecimento pode ser adequado, mas não é a coisa propriamente dita, seja lá o que for, não é “aquilo que é”.• A noção de que conhecemos a coisa como um todo, ou que temos o conhecimento absoluto, não funcionará. – As coisas mudam, transformam-se. E o conhecimento está limitado ao passado. – Fazemos projeções, prolongando nosso conhecimento do passado para o futuro. Contudo, não temos garantia de que funcionará O conhecimento sempre é relativo a certas condições e circunstâncias.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  12. 12. O conhecimento sempre é limitado!• As opiniões são “apenas” suposições e é fundamental que saibamos disso.• Podemos fazer uma suposição provisória que, o que sabemos, funcionará. – Mas o ponto principal é que isso precisa ser mantido aberto. Se não funcionar, devemos estar prontos para ver que não está funcionado e mudar.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  13. 13. A importância e o desafio de suspender as suposições• A suspenção das suposições é um desafio, até se tornar um novo hábito. Repetição do reflexo Conclusões em forma de suposições Geração de Conclusão fechada novos reflexos Manutenção do na afirmação hábito Geração de novos hábitos Devemos tirar proveito disso e aprender com os novos reflexos!Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  14. 14. Reflexos e suas conexões• Tudo que você pensar está conectado aos reflexos, que, por sua vez, envolverá tudo aquilo que você poderá fazer com eles. – Inicialmente reconhecemos as coisas por reflexos, em seguida, pensamos em outras atributos e ligações dessas coisas e, por fim, conectamos a outros reflexos.• Dá para ver como tudo está conectado? Os reflexos intelectuais e os reflexos visuais, o emocional, o físico, o químico, etc. estão conectados, para que você fique automaticamente pronto para agir.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  15. 15. O pensamento e o “ato de pensar”• O pensamento apenas funciona automaticamente. Mas quando você está pensando já está pronto para ver o que não funciona e está pronto para começar a mudar.• O “ato de pensar” está diretamente ligado ao presente (que traz um rastro do passado), porque inclui a incoerência que o pensamento está, na realidade, fazendo. • Pode permitir também que novos reflexos se formem, novos arranjos, novas ideias. Se os reflexos fossem, de alguma forma, abertos, flexíveis e mutáveis, funcionariam perfeitamente.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  16. 16. Autoengano do pensamento e a necessidade absoluta• O pensamento pode nos enganar mostrando que está pensando quando, na realidade, não está: – A cada truque que aprendemos, o pensamento já saberá no próximo momento. Se vemos um truque, logo em seguida, o pensamento já o terá nos reflexos. – Em outras palavras, nós somos o pensamento – o pensamento não é diferente de nós. Nós somos os enganadores e a decepção.• Necessidade absoluta: – Pode haver uma necessidade absoluta como sendo apenas uma percepção, dizendo que neste momento você claramente deve fazer uma ação exclusiva. Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  17. 17. Tendência de autoengano e o pensamento saudável• Tendência de autoengano do pensamento – O pensamento possui uma tendência de afirmar que sabe e tem controle de tudo. – Esse tipo de pensamento transmite sensação de segurança que ajuda na liberação das endorfinas e, consequentemente, na sensação de bem estar. – Quando as endorfinas são removidas, os nervos se agitam e volta o impulsos de pensamento voltados à segurança – À medida que a civilização se desenvolve, parece que esse impulso aumenta (sistema de recompensa). VÍDEO: A FORÇA DO PENSAMENTO• O pensamento saudável (ordenado e bem arranjado) exige que seja intrinsecamente construído e montado, de forma que sempre haja espaço para algo novo e diferente.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  18. 18. Realidade e coerência• A ciência tem dito que as coisas chegam no sistema nervoso, e que é no cérebro que elas são, de alguma forma, organizadas no nosso senso de realidade do mundo. – A questão é se essa realidade é coerente com nossa experiência. – Se a realidade é tão formada a ponto de não aceitar a coerência, teremos, então, de mudá-la.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  19. 19. Realidade, coerência e representação• Formação das representações: – A representação coloca certas coisas como sendo únicas, certas com sendo muitas, certas como sendo necessárias, gerais, exclusivas. Ela organiza tudo. – As aparências podem estar corretas até certo ponto ou poderão ser ilusórias. VÍDEO: ILUSÃO DO PENSAMENTO• A maneira como falamos sobre as coisas e o modo como pensamos sobre as coisas afetam a maneira com as vemos. – Em muitas formas sutis, a representação entra na percepção e perdemos a noção do que está vindo do pensamentoGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  20. 20. Influência do pensamento na percepção e o fenômeno da ilusão• O pensamento afeta o que você vê e, consequentemente, a representação afeta a percepção.• A representação entra diretamente na percepção em muitas formas sutis e você perde a noção de que está vindo no pensamento. – As vezes, você sabe que algo é uma representação, como quando você vê uma foto.• E isso é uma tremenda fonte de ilusão, uma vez que esquecemos do fato de que isso esteja acontecendo. – A partir desse equívoco, que baseamos nossas suposições, ações e ato de pensar nesse falso fato. VÍDEO: PERCEPÇÃO Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  21. 21. Participação do pensamento“O pensamento tem uma participaçãomuito ativa, principalmente da formacomo cria o mundo. O pensamentoparticipa de tudo, sobretudo napercepção, no entanto, nosso ideal depensamento objetivo é a não-participação absoluta – a ideia de queo pensamento está simplesmente nosdizendo como são as coisas e nãofazendo coisa alguma, seja o que for”.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  22. 22. Divisão e fragmentação do pensamento• O pensamento funciona por meio da divisão; e, assim que se divide, não pode ser a totalidade. – O pensamento pode dividir, no sentido de marcar as partes de uma totalidade, tal como distinguir as várias engrenagem de um relógio. – Ou o pensamento pode fragmentar, tal como esmagar um relógio com um martelo. Neste ultimo caso, o pensamento separa as coisas que, na realidade, era uma.• Deveríamos fazer uma linha pontilhada entre o pensamento e a percepção (marcar as partes de um todo). Contudo o pensamento, tacitamente, faz uma linha sólida colocando pensamento de um lado e a percepção do outro – A separação, a divisão é experimentada como sendo real – essa é a representação do pensamento. Isso se torna a percepção da situação. – Dessa forma, o pensamento está criando uma sensação de separação e, em seguida, a ação flui dessa quebra de coisas.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  23. 23. Propriocepção e movimento• A propriocepção (autopercepção). – Ex: Mulher com derrame cerebral• Geralmente focamos nossa atenção no resultado e não nos percebemos (tomamos consciência) da nossa intenção. – Portanto, encontrar a intenção certa pode ser crucial para conseguir fazer o movimento certo.• Há alguma relação entre a intenção de mover e o movimento; como também há algo no meio disso que sabemos vagamente, e que tem tudo a ver com a propriocepção.• “Vou dizer que o pensamento é um movimento. Cada reflexo, na realidade, é um movimento. Quando acontece ‘A’, o ‘B’ vem em seguida”. – Na nossa cultura o pensamento e o movimento corpóreo são duas esferas totalmente diferentes e que não estão basicamente conectadas.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  24. 24. Propriocepção e intenção• Se dissermos que o pensamento é um reflexo como qualquer outro reflexo muscular – muito mais sutil, complexo e mutável – poderemos, então, ser capazes de ser proprioceptivo com o pensamento.• Nosso processo de pensamento deveria ter a consciência desse movimento, da intenção de pensar e do resultado que o pensamento gera.• Ao ser mais atento a isso, poderemos ser mais conscientes de como o pensamento produz um resultado fora de nós mesmos e, quem sabe, também, dentro de nós.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  25. 25. Propriocepção e a paranóia• A paranóia ocorre quando a propriocepção falha ainda mais, e as pessoas tem dificuldades de obter isso de forma correta ou de modo algum. Ela projeta seus próprios medos nas suas percepções, o tempo todo. Devemos ser capazes de ir direto ao assunto sobre como o pensamento afeta a percepção, dizendo: “Ok, isso é apenas minha imaginação”. Mas geralmente não fazemos isso.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  26. 26. Falta de propriocepção do pensamento as conclusões equivocadas• A falta de propriocepção do pensamento, como conhecemos agora, significa que não conseguimos distinguir se uma imagem está baseado no que está acontecendo ou naquilo que penso que está acontecendo. – A espécie humana não sabe o que faz e não sabe como percebe; deve haver uma outra maneira de ver.• Devemos ser capazes de dizer: – “Eu vejo o que está acontecendo. Cheguei as minhas conclusões. Consigo distinguir minhas conclusões daquilo que vejo e verificarei com o que vir mais tarde . No entanto, minha visão não está bloqueada pelas minhas conclusões” (senso comum). Um grande problema é que, muitas vezes, consideramos nossas conclusões como sendo fatos!Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  27. 27. Apropriação do pensamento• (1) Observar a situação – Devemos tomar consciência do que está acontecendo e como estamos criando nossas representações• (2) Descrevê-la corretamente – Se víssemos o que está acontecendo e descrevêssemos de forma equivocada, estaríamos desinformando o sistema sobre o que está fazendo e, assim, o sistema ficaria mais confuso. – Toda informação que o sistema possui, sobre si mesmo, afeta o que ele faz• (3) Tirar conclusões e deduções: – É muito importante tirar conclusões corretas sobre o pensamento. Elas não são meras especulações inúteis. Esse processo, apesar de fundamental, não é suficiente porque ainda não conseguimos nos livrar dos reflexos!Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  28. 28. Ruídos no pensamento que afetam a propriocepção• Dado que: – O corpo tem propriocepção e o pensamento (provavelmente) não e que os processos do corpo e do pensamento estão separados por uma linha pontilhada.• Seria dedutivo pensar que: – O pensamento deveria ter, em algum nível, o movimento da propriocepção na sua natureza;• Entretanto: – Ocorre alguns choques ou ruídos no pensamento que afogam a sensibilidade desse movimento Há algo no acontecendo no pensamento que rejeita, evita ou resiste à sensibilidade. Se pudéssemos ver a atividade do pensamento, na realidade, não existe; são gerações do próprio pensamento (o eu, a sociedade, etc.)Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  29. 29. Complexidade do pensamento e suas confusões• (1) Se você olha simplesmente para si mesmo; sem entender as questões que levantamos, você estará olhando para algo que foi inventado pelo pensamento. E, inevitavelmente, ficará confuso. – Estou explicando por que você ficará confuso quando simplesmente entra na introspecção – tendo em vista que você sempre vê aquilo que foi gerado pelo pensamento, e apresentado como percepção.• (2) Se você não olhar para essas questões, tais como a propriocepção e algumas outras, certamente ficará confuso.• (3) Não significa que tudo estará bem, se não olharmos para isso. Continuaremos com essa confusão acontecendo no mundo e que, com toda certeza, nos guiará até sabe lá onde. Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  30. 30. Projeções do pensamento e a influência das emoções• O pensamento está condicionado ao passado e projeta o que está para acontecer no futuro; logo, não estou entendendo o que está acontecendo no presente porque minha mente está condicionada ao que aconteceu, ou o que acontecerá.• Se estou no presente, estou ouvindo tudo o que está acontecendo – as pessoas ao meu redor, ou seja lá o que acontece – e, ao mesmo tempo, estou ouvindo o que você está dizendo, como também estou ouvindo como meu corpo se sente. É um único movimento. Não há separação; sou apenas um com você. E estando nesse estado de presença, posso assistir meus pensamentos.• Parece que algumas vezes, também somos capazes de assistir nossos pensamentos e falar sobre eles. Mas quando as emoções entram em cena, perdemos essa habilidade; algo mais se apresenta. – Devemos ter essa coisa totalmente firme e poderosa que funcione mesmo quando as emoções entrem em cena. E a capacidade de assistir o que está acontecendo no pensamento pode estar se movendo em direção à percepção.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  31. 31. Sugestão de Bohm• Tentar usar as palavras que geram o processo – não apenas com raiva, ou medo, ou inveja, ou mesmo o prazer, mas com aquilo que estiver lá.• Você recomendaria discutir isso com alguém ou colocar no papel? – Faça aquilo que achar conveniente.Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  32. 32. Entrevista Krishnamurti• Neste diálogo entre Krishnamurti e Jean Louis Dewez, realizado em Brockwook Park, em 1979, é investigada profundamente a natureza do pensamento, onde são colocadas, dentre outras, as seguintes questões: 1. O que é o pensamento? 2. O que faz o pensamento funcionar? 3. O pensamento é dirigido ou é uma função mecânica? 4. A sensação de identidade, o eu, é uma criação do pensamento? 5. Como posso conhecer a mim mesmo? 6. Pode haver observação sem que o eu esteja observando? 7. Existe uma percepção que não se utiliza do pensamento? VÍDEO: O QUE É O PENSAMENTO? ENTREVISTA COM KRISHNAMURTIGrupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012
  33. 33. Links para os vídeosVÍDEOS UTILIZADOS NO SEMINÁRIO: – Reflexo biológico • http://www.youtube.com/watch?v=nF3s-UqruZE – A força do pensamento • http://www.youtube.com/watch?v=jX_hYmRv0OM – Ilusão do pensamento • http://www.youtube.com/watch?v=bjkWaplI2Ys – Percepção • http://www.youtube.com/watch?v=JZjRtePW7Ng – O que é o pensamento • http://www.youtube.com/watch?v=Sv5K-CDOQggVÍDEOS EXTRAS (não deu tempo para explorar no seminário):• Cultura Organizacional – http://www.youtube.com/watch?v=02W9ZzbN1Ic• A realidade está na sua consiência – http://www.youtube.com/watch?v=xoPNDBQLus8Grupo de Estudos “O pensamento como um Sistema” de Bohm – Turma Recife 2012

×