Conversa de professor

963 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
963
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
535
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conversa de professor

  1. 1. Com atraso em relação aos outros países sul-americanos, oBrasil, através do Ministério da Educação (MEC), definiu em R$1.451 o valor do piso nacional do magistério para 2012, umaumento de 22,22% em relação a 2011. Conforme determina a leique criou o piso nacional para os professores da rede pública, oreajuste foi calculado com base no crescimento do valor mínimopor aluno do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento daEducação Básica (Fundeb) no mesmo período.Determina-se que nenhum professor pode receber menos do que ovalor estabelecido pela lei do piso. Apesar de um acordo firmadoem 11 de novembro de 2011, posteriormente transformado na lei12.364/2011, o governador da Bahia, Jaques Wagner insiste em ,desobedecer às determinações legais da presidente DilmaRousseff.
  2. 2. O acordo deveria entrar em vigor em janeiro de 2012. Os professores esperaram, mas o governador não cumpriu o que assinou em documento oficial, portanto eles decidiram paralisar em março de 2012, em sinal de alerta. Voltaram às aulas, sem nenhum pronunciamento do governador. Interesse algum de cumprimento do acordo foi demonstrado por parte do governo do estado. Descaso para com a Educação? Indiferença em relação à categoria e aos milhões de jovens estudantes? Abandono do povo? Falta de vontade política de ver o crescimento dos estudantes da rede pública?O Governo Faz. Sua vida melhora?
  3. 3. Quando os professores perceberam queestavam sendo desrespeitados quanto aosseus direitos garantidos por lei, decidiramem assembleia, realizada em 11 de abril de2012, deflagrar a greve.
  4. 4. O governador do estado da Bahia não só se recusa a cumprir a lei do piso, mas também a receber os professores, ignorando-os, mesmo após o descabido corte salarial, bloqueio de operações financeiras consignadas e do crédito alimentação (Cesta do Povo). Essa estratégia de amofinar o educador na Bahia constitui-se em um ardiloso mecanismo de poder na tentativa de obrigar a categoria a se render. A que ponto chega a arrogância e prepotência daquele que se disse representante do trabalhador? Cadê o velho PT das antigas lutas sindicais? Quantas greves Jaques Wagner liderou à frente do Partido dos Trabalhadores?
  5. 5. Como representante do PT, Jaques Wagnerconhece profundamente as dores enecessidades do trabalhador brasileiro e se valedisso para tratá-lo indignamente, tentandodenegrir a imagem do professor diante dasociedade baiana. Trata-o como alguém quemerece ser castigado e execrado, ter seusdireitos e sua liberdade cerceados. Tentamarginalizar uma categoria que, em qualquerpaís desenvolvido, é admirada e consagradacomo o pilar da sociedade.
  6. 6. Os estudantes estão sendo tratados via mídia como verdadeirasvítimas dos algozes professores, por estarem sem suas aulas eatividades escolares. São jovens a favor de quem, aparentemente, ogoverno luta com todo o interesse de garantir desenvolvimentointelectual e, consequentemente, sociocultural. Noentanto, sabemos que a História tem provado o contrário. Durante oano letivo, os estudantes se veem em escolas sem nenhum recursopara seu real desenvolvimento. Faltam-lhes ventilação e iluminaçãoadequadas em salas, material didático, professores concursados emalgumas áreas de conhecimento. Não há reformas (durante o recessoescolar), nem repasse de verbas, nem merenda...Como afirma a historiadora Elisângela Sales Encarnação: “Essa listapoderia se estender de forma quase que interminável, mas, nadadisso prejudica o aluno! O governo, com seu descaso; a mídia, comseus produtos “de alta qualidade”; a sociedade, com seuconsumismo; alguns pais, com sua falta de tempo; NADA DISSOPREJUDICA O ALUNO! A ÚNICA COISA QUE O FAZ, É GREVE DEPROFESSOR."
  7. 7. Diante dessa situação, professores se mobilizam e se comovem empasseata pelas ruas de Salvador, dormem na AssembleiaLegislativa, reúnem-se em zonais e vão amargando as péssimas condiçõesenfrentadas para combater as imposições de um mau governo, enquantoJaques Wagner abandona a cidade, deleitando-se com os prazerososcenários europeus.Em 09/05/2012, “O governador Jaques Wagner está em Roma, na Itália, aconvite do Congresso Judaico Latino-Americano, entidade que reúnecomunidades judaicas da América Latina, para se reunir com o papaBento XVI, a fim de estreitar os vínculos entre judeus e católicos daregião. O governador Wagner fará parte da reduzida delegação queparticipará da audiência privada que o Congresso Judaico Latino-Americano manterá com o Papa Bento XVI, na quinta-feira (10), noVaticano.O convite à entidade foi feito pelo papa Bento XVI, que reconheceu aimportância do diálogo inter-religioso e do trabalho que vem sendodesenvolvido pelo Congresso Mundial Judaico (CMJ), federaçãointernacional que reúne e representa as comunidades judaicas eorganizações em todo o mundo."http://www.blogdothame.blog.br/v1/2012/05/09/wagner-vai-a-roma-e-tem-encontro-com-o-papa/Estranho, hein!? Não poder dialogar com os professores baianos e sepostar como mediador de diálogos lá fora?
  8. 8. Conclamamos a sociedade a abraçar a causa daEducação na Bahia, como sendo uma luta detodos nós. Não se pode deixar levar pelaspropagandas enganosas. Convidamos todas asfamílias a refletirem sobre o verdadeiroresponsável pelo abandono da Escola Pública emnosso estado. Educação deve ser prioridade einstrumento de desenvolvimento, um trampolimque garanta qualidade de vida, independente deos estudantes serem oriundos da rede pública ouda rede privada. Ser governador significa pensarem promover o bem para todos e a sociedadenão pode perder isso de vista. Afinal, a Bahia éTerra de Todos Nós?

×