Fisica 10°ano - Medicoes em quimica

647 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
647
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fisica 10°ano - Medicoes em quimica

  1. 1. Didáxis Cooperativa de Ensino - Riba d’Ave
  2. 2. APL 1.1 Medições em química Química A 10º ano
  3. 3. Índice : • Noções básicas • Medições com diferentes equipamentos •Calcular a densidade de um material
  4. 4. Noções básicas:  Exatidão – relaciona o valor encontrado com o valor teórico e é afetado por erros sistemáticos.  Precisão – relaciona os valores encontrados entre si nas várias medições da mesma grandeza e é afetado por erros acidentais.
  5. 5. Noções básicas:  Medições em massa : -Alcance – valor máximo que é possível medir com um aparelho -Sensibilidade – valor de menor divisão da escala do aparelho  Medições em volume -Rigoroso – pipeta, bureta , balão volumétrico -Não rigoroso – proveta
  6. 6. Noções básicas: Medições : -diretas – valor exato (balança, régua,…) -indiretas – regista-se valores para chegar ao valor pretendido (fórmulas, …)
  7. 7. Noções básicas:  Erros : -sistemáticos – atuam sempre no mesmo sentido e podem ser eliminados, são previsíveis associado a deficiências do método, deficiência das condições do ambiente e/ou impurezas. -acidentais – não são previsíveis e não podem ser eliminados associado a má colaboração do observador, alteração momentânea das condições de trabalho e/ou estimativa errada das frações da escala. -paralaxe – associado com a posição incorreta.
  8. 8. Noções básicas:  Incerteza:  Absoluta (relacionado com a exatidão):  Relativa (relacionado com a precisão): Sa – incerteza absoluta Xi – valor obtido Xa – valor exato/tabelado Sr – incerteza relativa Sa – incerteza absoluta Xa- valor exacto/tabelado
  9. 9. Noções básicas:  Desvio (relacionado com a precisão):  Absoluto  Médio di - desvio absoluto da medição Xi – valor obtido na medição Xmédio – valor mais provável/médio dm – desvio médio Xmédio – valor mais provável/medio n – n° de redações
  10. 10. Índice •Material •Objetivos •Procedimento •Conclusões •Críticas Medições com diferentes equipamentos
  11. 11. Material: •Berlinde •Proveta graduada •Bureta •Duas balanças diferentes •Régua •Craveira
  12. 12. Objetivos: • Utilização correta dos materiais; • Obter e comparar valores obtidos sobre o mesmo objeto; • Admitir que poderão ocorrer erros; • Cumprir as regras de segurança; • Cumprir as regras de sala de aula; •Trabalhar rigorosa e corretamente para obter valores mais exatos possíveis.
  13. 13. Procedimento: Volumes -proveta com 20ml de água – colocou-se o berlinde e observou-se uma subida de 20ml para 21ml, concluiu- se então que volume é de 1ml=1cmᵌ. -bureta com 10ml de água – colocou-se o berlinde na bureta e verificou-se uma subida de 10ml para 15ml, ou seja, de 5ml=5cmᵌ.
  14. 14. Procedimento: Massa -balança analítica – colocou-se um berlinde numa balança e obteve se o seu peso, 4,4738g. -balança de precisão – colocou-se o mesmo berlinde numa 2ª balança e obteve-se um peso de 4.5g.
  15. 15. Procedimento: Comprimento -régua – mediu-se com uma régua de 15cm o berlinde e observou-se que este mede 0.8mm. - craveira – medindo o berlinde com uma craveira de 20cm obteve-se um comprimento de 1cm.
  16. 16. Conclusões: Com este trabalho concluiu-se que a exatidão dos valores da massa , do volume e do comprimento do berlinde variam consoante os diferentes instrumentos utilizados nesta experiencia para determinar o volume , massa e o comprimento. Na primeira parte desta experiência entre os seis materiais utilizados para descobrir o volume, massa e comprimento do mesmo berlinde de metal, os que deram valor mais exatos foram, nomeadamente, a proveta, a balança analítica e a régua graduada.
  17. 17. Críticas: Durante a experiência o grupo trabalhou rigorosamente e executou-se assim com poucas dificuldades a experiencia, obtendo os resultados e objetivos pretendidos para esta experiencia. A experiencia decorreu sem dificuldades ou problemas.
  18. 18. Índice •Material •Objetivos •Procedimento •Cálculos •Conclusões •Críticas Calcular a densidade de um material
  19. 19. Material: •Proveta •Balança analítica •Berlinde
  20. 20. Objetivos: • Respeitar as regras de segurança e sala de aula; • Descobrir a densidade a partir do volume da massa; • Determinar o material do berlinde a partir da densidade obtida; • Utilizar corretamente as formulas e o material; • Compreender o procedimento; • Tentar ser rigoroso para obter valores exatos.
  21. 21. Procedimento: 1ª Parte Para descobrir a densidade do berlinde precisa-se de calcular a sua densidade a partir da fórmula d=m/v. -Necessita-se de saber a massa do berlinde , por isso , colocou-se o berlinde numa balança analítica e observou se um peso de 16,3265g. -Agora precisa-se de conhecer o volume. Para isso colocou-se o berlinde numa proveta com 10ml de agua e observou se um deslocamento de 0.3ml (equivale a 0.3cmᵌ)
  22. 22. Procedimento: 2ª Parte Sabendo então os dois dados necessários, a massa e o volume, podemos utilizar a fórmula da densidade para determinar a densidade do nosso berlinde: ρ= ρ= (=) ρ = 5442.1(6) kg/dm
  23. 23. Procedimento: 3ª Parte Sabendo a densidade, que é 5,4 g/cmᵌ, e verificando numa tabela a densidade, podemos definir o material do berlinde , mas como a densidade não foi encontrada em nenhuma dessas tabelas , conclui-se que é uma liga, ou seja, uma mistura de materiais. Assim , a determinação do material não é possível pois não é puro.
  24. 24. Cálculos: • Precisa-se de calcular a densidade, a partir do o volume e da massa ρ= (=) ρ= (=) ρ= 5442,1(6) kg/dm³=5,4421(6)g/cm³ Volume em dmᵌ - Massa em g • Precisa-se de converter o volume que obtemos: 0,3ml = 0,3cmᵌ = 0,003dmᵌ
  25. 25. Conclusões: Nesta segunda parte da experiência, conseguiu-se determinar a densidade do berlinde com pouca dificuldade, uma vez que já era conhecida a fórmula necessária e as medidas. Como não se encontrou o valor da densidade obtida do berlinde em tabelas de densidade, concluiu-se que o material do berlinde é uma liga , ou seja, uma mistura de material. Sendo assim não se pode provar que foi trabalhado corretamente mas pelo procedimento e cálculos certos pode-se concluir que a experiencia foi realizada com sucesso.
  26. 26. Críticas: Não se pode determinar ao certo qual o material do berlinde pois é uma liga , assim o objetivo não esta totalmente cumprido. O grupo trabalhou corretamente e tentou ser sempre rigoroso com o procedimento da experiencia. Cumpriu-se os objetivos quase todos completamente e a experiencia realizada com sucesso.
  27. 27. Turma 10.2 - Ano Letivo 2013/2014 -Jéssica Monteiro,n°16 -Joana Lemos , n°17 -Joana Sousa,n°18 -Rafael Ferreira,n°26 -Tânia Salgado,n°27 FIM

×