Libertando-nos dos
grilhões mentais
* A alucinação….
*
*A gama de interações genéticas/ambientais que afetam o
funcionamento cognitivo, emocional e comportamental ao longo
...
*
Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-5)
*Um transtorno mental é uma síndrome cara...
*De que falamos?
*LE, 371-378 – Os cretinos e os idiotas são não raro mais inteligentes
do que supondes, mas sofrem da insuficiência dos me...
*
*Alienados mentais não são apenas os dementes, os
esquizofrénicos, ou os alienados por senilidade, mas também
as criatur...
*A verdadeira localização dos distúrbios nervosos é quase que
invariavelmente no corpo perispiritual preexistente, portado...
*ALIENADOS MENTAIS
*Excetuados os casos puramente orgânicos, que se originam da incursão
microbiana sobre a matéria cinzen...
*A princípio, são meros descontentes e desesperados(…)
[Transfugas da evolução] Pouco a pouco transformam-se em
doentes me...
*os fenômenos senis do corpo são mais tristes para a alma, (… com)
fixação da mente nos impulsos inferiores; permanecem, s...
*Foi assim que atingimos a época moderna, em que a loucura se generaliza
e a harmonia mental do homem está a pique de soço...
*Vemos a paisagem das obsessões transferida ao
campo carnal, onde, em obediência às lembranças
vagas e inatas, os homens e...
*Identificando em si questões e situações íntimas, inapreensíveis aos
demais, o Espírito reencarnado que adquire recordaçõ...
*Afligente [é o] quadro de padecimentos espirituais, de desequilíbrios, que
afetam a mente desviada das Leis Universais. E...
*Opções do livre-arbítrio equivocado
É-nos imprescindível compreender a perversidade como loucura, a
revolta como ignorânc...
*1º Estudo de Caso
alucinação alcoólica/“paranoia”
As mesmas Forças Divinas que concedem ao homem a brisa cariciosa, infli...
A fim de que se lhe não apodreça o corpo num hospício, o que se iniciaria
dentro de alguns dias, lançando nobre mulher e d...
*Um esquizofrénico absoluto era rodeado por algumas entidades de
sombrio aspeto, assemelhando-se a perfeito autômato, era ...
Onde viverão meus parentes, cujo futuro me preocupava? onde rolará o
dinheiro que amontoei penosamente, olvidando minha pr...
Tornando mentalmente a cenários da infância longínqua, senti-me
novamente menino; venci de um salto o espaço que nos separ...
*
O Perdão!!!
— Ah! em que poderia servir-vos, eu, mísera serva que sou?
— Agora, sim! Lembro-me... — gemeu, aterrada.
Algun...
Oficina de
restauração
— Se o Céu me conceder a felicidade de com algo contribuir em benefício de
Cláudio, esse benefício ...
*
*Opinião Espírita, AL
*Desde a primeira hora da Doutrina Espírita recomendam os
emissários da Esfera Superior uma reforma ...
*AméliaRodrigues
PsicografiarecebidanoENL,porJC,emÓbidos,Portugal,em18deFevereirode2013
Querido irmão, quando a noite desc...
Libertando-nos dos grilhões
mentais
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alucinação - libertando-nos dos grilhões mentais

10 visualizações

Publicada em

Ponte de Luz ASEC

Poderá conferir também no nosso canal no YouTube:
https://www.youtube.com/watch?v=XjN7IHpoiO8

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Alucinação, delírios, paranoia, esquizofrenia
  • Alucinação, delírios, paranoia, esquizofrenia
  • Indagas se a mente desencarnada pode adoecer... Que pergunta! cuidas que a maldade deliberada não seja moléstia da alma? que o ódio não constitua morbo terrível? supões, porventura, não haja «vermes mentais» da tristeza e da inconformação?
  • No rapaz, os núcleos glandulares emitiam pálidas irradiações: a epífise - reduzida semente algo luminosa; glândulas genitais fraquíssima luminosidade, abafada por aluviões de corpúsculos negros, com espantosa mobilidade (desde sob a bexiga urinária, vibrando ao longo do cordão espermático, formando colônias compactas, nas vesículas seminais, na próstata, nas massas mucosas uretrais, invadindo os canais seminíferos) e lutando com as células sexuais, aniquilando-as. Essas feras microscópicas - bacilos psíquicos das torturas sexuais, produzidos pela sede febril de prazeres inferiores - no epidídimo, absorviam famélicas, os embriões delicados da vida orgânica. Cultivadospela incontinência das emoções e pelo contacto com entidades grosseiras vampirizadoras.

    Cavalheiro maduro assemelhava-se a tonel donde escapavam incessantes certos vapores. Dificuldade para sustentar o pensamento. O aparelho gastrintestinal parecia totalmente ensopado em aguardente (todos os escaninhos do estômago, paredes do esôfago, até ao bolo fecal). Pequeninas figuras larvares horripilantes postavam-se, vorazes, ao longo da veia porta, lutando desesperadamente com as células hepáticas e os elementos sanguíneos mais novos. Fígado enorme e todo alterado, com terrível ingurgitamento, células doentes e empobrecidas. Baço anormal. Todo o sistema endocrínico atingido: medula incapaz de fazer face à destruição, genitais com modificações deprimentes sobre a própria cromatina, rins com nefrónios corroídos diariamente, pâncreas incapaz de desintegrar os alimentos, profundas alterações no sistema nervoso vegetativo e, não fossem as glândulas sudoríparas, já teria cessado a vida física.

    Dama simpática e idosa, emanava fraquíssima luz de sua organização mental e deformações físicas: o aparelho digestivo assemelhava-se a vasto alambique, cheio de pastas de carne e caldos gordurosos, cheirando a vinagre de condimentação ativa - caiu na glutonaria crassa, tornando-se presa de seres de baixa condição; o estômago dilatara-se-lhe horrivelmente, o fígado encontrava-se aumentado e agitado e os intestinos sofriam estranhas alterações. Em grande zona do ventre superlotado viam-se lesmas voracíssimas, agrupadas em grandes colônias, desde as fibras do estômago até a válvula ileocecal, atacando os sucos nutritivos.

    A mente encarnada engalanou-se com os valores intelectuais e fez o culto da razão pura, esquecendo-se de que a razão humana precisa de luz divina. O homem comum percebe muito pouco e sente muito menos.

    Toda a organização universal se baseia em vibrações puras. Não desejamos transformar o mundo em cemitério de tristeza e desolação. Atender a santificada missão do sexo, no seu plano respeitável, usar um aperitivo comum, fazer a boa refeição, de modo algum significa desvios espirituais; no entanto, os excessos representam desperdícios lamentáveis de força, retendo a alma nos círculos inferiores, trancafiando-se nos cárceres de sombra. ilusões infantis…

    Os tenros embriões vegetais de hoje serão as árvores robustas de amanhã; as tribos ignorantes de ontem constituem a Humanidade de agora.
  • Estaríamos diante de um homem embriagado ou de uma taça viva, cujo conteúdo sorviam gênios satânicos do vicio?
    infortunado Antídio trazia o estômago atestado de liquido e a cabeça turva de vapores. Semidesligado do organismo denso pela atuação anestesiante do tóxico, passou a identificar-se mais intimamente com as entidades dipsomaníacas que o perseguiam. (… que) tinham a mente invadida por visões terrificantes do sepulcro [entrando em sintonia magnética com o psiquismo desequilibrado dos vampiros] (… via agora aterrado) imagens espectrais de víboras e morcegos dos lugares sombrios onde haviam estacionado.

    enchia de assombro o quadro que eles não viam: A multidão de entidades conturbadas e viciosas que aí se movia era enorme. Os dançarinos não bailavam sós, mas, inconscientemente, correspondiam, no ritmo açodado da música inferior, a ridículos gestos dos companheiros irresponsáveis que lhes eram invisíveis. Atitudes simiescas surdiam aqui e ali, e, de quando em quando, gritos histéricos feriam o ar.
    São trânsfugas sociais, e, na maioria, rebeldes à disciplina afogam no vinho as responsabilidades que quereriam esquecer numa fuga de si mesmos -Fracos perante a luta, mas dignos de piedade pelos remorsos e atribulações que os devoram, merecem amparados fraternalmente.
  • Agiotasenil (usura e pavor em alucinações perseguidoras tomadas por pesadelo, entendendo a região à entrada das cavernas como repleta de ouro (vs. lodancentos detritos, mas povoada de perigos e monstros)

    Calderaro e André receberam permissão limitada de acompanhamento à comissão de trabalho socorrista às cavernas de sofrimento, aos abismos purgatoriais, e chefiada pela Irmã Cipriana; por ainda “não ser detentor do curso de assistência aos sofredores nas sombras espessas”.
    senil (usura e pavor em alucinações perseguidoras tomadas por pesadelo, entendendo a região à entrada das cavernas como repleta de ouro (vs. lodancentos detritos), mas povoada de perigos e monstros.
  • Meu avô, mau grado ao júbilo de me haver reconhecido, não guardava razoável equilíbrio: pronunciava frases desconexas, e repetia o nome de Ismênia…
    — Não podemos esquecer — acentuou a venerável instrutora — que o irmão Cláudio precisa de tratamento e de cuidado. É impossível prever quando se achará em condições de respirar atmosfera mais elevada; não será possível ao doente acompanhar-nos; cumpre interná-lo já aqui mesmo.
  • Cada coração do caminho é comparável a trato de terra espiritual. Muitos estarão soterrados no pedregulho dos preconceitos, ao pé de outros que se enrodilham no espinheiral da ilusão, requisitando tempo enorme para se verem livres. Entretanto, reflete na terra boa, lançada ao desvalimento. É aí que todos os parasitos geradores da inércia se instalam, absorventes!... Terras abandonadas, terras órfãs!... Criaturas que anseiam pelo adubo da fé, almas que suplicam modesta plantação de esperança e conforto!... Esses solos desprezados, muita vez, te buscam, fronteiriços... Descerram-se-te à visão, na fadiga dos pais que a dor imanifesta suplicia e consome; no desencanto dos companheiros tristes que carregam no peito o próprio sonho em cinza; no problema do filho que a revolta desgasta; na prova dos irmãos que sorriem chorando para que lhes não vejas os detritos de angústia… Se já podes ouvir o Excelso Semeador, semeia, semeia!...
  • Alucinação - libertando-nos dos grilhões mentais

    1. 1. Libertando-nos dos grilhões mentais * A alucinação….
    2. 2. * *A gama de interações genéticas/ambientais que afetam o funcionamento cognitivo, emocional e comportamental ao longo do curso do desenvolvimento humano é praticamente ilimitada, pelo que a formulação de caso para qualquer paciente implica a formulação de uma anamnese detalhada com resumo dos fatores sociais, psicológicos e biológicos contributores não mera lista de sintomas. *Transtornos mentais são definidos por comparação a normas e valores culturais, sociais e familiares… [situações] que moldam a experiência e a expressão de sintomas, sinais e comportamentos que são os critérios para o diagnóstico. Os limites entre normalidade e patologia com relação a tipos específicos de comportamentos, variam com o enquadramento cultural e social. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-5)
    3. 3. * Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-5) *Um transtorno mental é uma síndrome caracterizada por perturbação clinicamente significativa na cognição, na regulação emocional ou no comportamento de um indivíduo que reflete uma disfunção nos processos psicológicos, biológicos ou de desenvolvimento subjacentes ao funcionamento mental. *Transtornos mentais estão frequentemente associados a sofrimento ou incapacidade significativos que afetam atividades sociais, profissionais ou outras atividades importantes, isto é, são perturbacões que causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo Uma resposta culturalmente habitual a um stressor ou perda ou desvios sociais de comportamento (isto é, diferenças de natureza política, religiosa ou sexual) eventualmente geradores de conflitos, não são transtornos mentais.
    4. 4. *De que falamos?
    5. 5. *LE, 371-378 – Os cretinos e os idiotas são não raro mais inteligentes do que supondes, mas sofrem da insuficiência dos meios para se comunicar, da mesma forma que o mudo para falar. *Os que habitam corpos de idiotas são Espíritos sujeitos a uma punição, numa expiação decorrente do abuso que fizeram de certas faculdades - estacionamento temporário. Sofrem da impossibilidade de se manifestarem mediante órgãos não desenvolvidos ou desmantelados. Nesses casos patológicos , a matéria oferece tal resistência que se assemelha a algemas que tolhem, que lhe obstam ao voo constituindo-se em prova e expiação. São estropiados do cérebro, o órgão, que preside às manifestações da inteligência, resultando numa perturbação da qual têm perfeita consciência, mas cujo curso não lhe está nas mãos deter (como o coxo o é das pernas e o cego é dos olhos). O desorganizado é sempre o corpo e não o Espírito, mas com a continuação e a repetição dos mesmos atos pode exercer sobre o Espírito uma influência, de que ele não se libertará senão depois de se haver libertado de toda impressão material. E pode ressentir-se, até que se desligue completamente da matéria.
    6. 6. * *Alienados mentais não são apenas os dementes, os esquizofrénicos, ou os alienados por senilidade, mas também as criaturas que já renascem imperfeitas e perturbadas (…) até as fobias sem número … *Constitui verdadeira a tragédia dos homens desencarnados, em pleno desequilíbrio das sensações.
    7. 7. *A verdadeira localização dos distúrbios nervosos é quase que invariavelmente no corpo perispiritual preexistente, portador de sérias perturbações congênitas, em virtude das deficiências de natureza moral… *As psicoses e desequilíbrios diversos descritos por Freud, os “complexos de inferioridade”, o “recalque”, a “libido”, as “emersões do subconsciente” descobriram a ferida sem trazer um bálsamo curativo, indicaram o quisto doloroso, sem fornecer o bisturi da intervenção benéfica. *A subconsciência é, de fato, o porão dilatado de nossas lembranças, o repositório das emoções e desejos, impulsos e tendências que não se projetaram na tela das realizações imediatas; no entanto, estende-se muito além da zona limitada de tempo em que se move um aparelho físico; não constituem fatores adquiridos no curto espaço de uma existência terrestre e, sim, característicos da personalidade egressa das experiências passadas. ObVidaEterna, AL, FCX, capII
    8. 8. *ALIENADOS MENTAIS *Excetuados os casos puramente orgânicos, que se originam da incursão microbiana sobre a matéria cinzenta, o louco é criatura que abdicou da realidade, é alguém que desaproveitou as bênçãos da experiência humana, preferindo segregar-se nos caprichos mentais; que procurou forçar a libertação do aprendizado terrestre, por indisciplina ou ignorância, num gênero de suicídio habilmente dissimulado: na auto-eliminação da harmonia mental, pela inconformação nos quadros de luta humana diante da dor, do obstáculo ou da morte, entregando-se, sem resistência, à perturbação destruidora, descerrando as portas do túmulo; que fugindo deliberadamente às realidades da Vida e do Universo, criou regiões purgatórias para si mesmo.
    9. 9. *A princípio, são meros descontentes e desesperados(…) [Transfugas da evolução] Pouco a pouco transformam-se em doentes mentais de variadas gradações, de cura quase impossível(…) Impercetíveis frutos da desobediência/rebeldia começam por arruinar o patrimônio fisiológico terrestre, e (…) desde os círculos terrenos padecem, encovados em precipícios infernais(…) inicia-se a desintegração da harmonia mental que por vezes perdura várias existências, até que o interessado se disponha, a valer-se das bênçãos divinas, em abençoado serviço evolutivo de renovação. *Cerca de 90% dos casos de loucura, são consequência da impaciência, revolta ou tristeza, atitudes mentais que imprimem deploráveis reflexos aos que as alimentam.
    10. 10. *os fenômenos senis do corpo são mais tristes para a alma, (… com) fixação da mente nos impulsos inferiores; permanecem, séculos afora, na fase infantil do entendimento(…) Enquanto recebem a transitória cooperação de saúde física relativa,(…) das possibilidades financeiras e das variadas impressões passageiras que a existência na Crosta Planetária oferece, esteiam-se nos títulos de cidadãos que a sociedade lhes confere; logo, porém, que visitados pela (…) decrepitude, revelam a infância espiritual em que jazem(…) não obstante a idade provecta.
    11. 11. *Foi assim que atingimos a época moderna, em que a loucura se generaliza e a harmonia mental do homem está a pique de soçobro. De cérebro evoluído e coração imaturo, requintamo-nos, na arte de esfacelar o progresso espiritual. *Nova ameaça surge ao domicílio terrestre: o profundo desequilíbrio, a desarmonia generalizada, as moléstias da alma que se ingerem, sutis, solapando-vos a estabilidade - alienação mental, que não nos desintegra só os patrimônios celulares da vida física, senão também nos atinge o tecido sutil da alma, invadindo o corpo perispiritual. Eusébio, AL, No Mundo Maior, I *Ao invés de servos leais do Senhor da Vida, temos sido soldados dos exércitos da ilusão, deixando à retaguarda milhões de túmulos, abertos sob aluviões de cinza e fumo. *Cevamos e expandimos unicamente o egoísmo e a ambição, a vaidade e a fantasia na Crosta Planetária. Contraímos pesados débitos e escravizamo- nos aos tristes resultados de nossas obras, deixando-nos ficar, indefinidamente, na messe dos espinhos. PORQUÊ???
    12. 12. *Vemos a paisagem das obsessões transferida ao campo carnal, onde, em obediência às lembranças vagas e inatas, os homens e as mulheres, jungidos uns aos outros pelos laços de consanguinidade ou dos compromissos morais, se transformam em perseguidores e verdugos inconscientes entre si: os antagonismos domésticos, os temperamentos aparentemente irreconciliáveis entre pais e filhos, esposos e esposas, parentes e irmãos, resultam dos choques sucessivos da subconsciência, conduzida a recapitulações retificadoras do pretérito distante. Congregados, de novo, na luta expiatória ou reparadora, as personagens dos dramas, que se foram, passam a sentir e ver, na tela mental, dentro de si mesmas, situações complicadas e escabrosas de outra época, malgrado os contornos obscuros da reminiscência, carregando consigo fardos pesados de incompreensão, atualmente definidos por “complexos de inferioridade”.
    13. 13. *Identificando em si questões e situações íntimas, inapreensíveis aos demais, o Espírito reencarnado que adquire recordações, não obstante menos precisas, do próprio passado, candidata-se, inelutavelmente, à loucura. Encontrando-se nessa categoria, cada vez maior número de possíveis alienados, requerendo o concurso de psiquiatras e neurologistas, que, a seu turno, se conservam em posição oposta à verdade, presos à conceituação acadêmica e às rígidas convenções dos preceitos oficiais. *São as vitimas anónimas da ignorância do mundo, os infortunados absolutamente desentendidos que, de loucos incipientes, prosseguem, pouco a pouco, a caminho do hospício ou do leito de enfermidades ignoradas, tão só porque lhes faltam a água viva da compreensão e a luz mental que lhes revelem a estrada da paciência e da tolerância, em favor da redenção própria. É muito difícil, conduzir a restauração perfeita aos alienados com ficha reconhecida… Depois de verificada a loucura propriamente dita, na maioria dos casos terminou o processo da desarmonia psíquica, [pelo que nos] devemos direcionar para os candidatos involuntários à perturbação a fim de que sejam auxiliados a tempo.
    14. 14. *Afligente [é o] quadro de padecimentos espirituais, de desequilíbrios, que afetam a mente desviada das Leis Universais. Em verdade, na alienação mental começa a descida da alma às zonas inferiores da morte (…) permutam na Terra os eternos valores divinos por satisfações ilusórias imediatas, sendo relegados, além do sepulcro, a inominável desespero… *Quanto às perturbações que acompanham a alma no renascimento ou na infância do corpo, na juventude ou na senilidade, é mister reconhecer que o desequilíbrio começa na inobservância da Lei, como a expiação se inicia no crime. Adotada a conduta em desacordo com a realidade, encontra o espírito, invariavelmente, os efeitos da própria ação.
    15. 15. *Opções do livre-arbítrio equivocado É-nos imprescindível compreender a perversidade como loucura, a revolta como ignorância e o desespero como enfermidade… (III)
    16. 16. *1º Estudo de Caso alucinação alcoólica/“paranoia” As mesmas Forças Divinas que concedem ao homem a brisa cariciosa, infligem-lhe a tempestade devastadora… Uma e outra, são elementos indispensáveis à glória da vida. Convém ministrar-lhe provisória e mais acentuada desarmonia ao corpo.(…) a enfermidade [nevrose cardíaca por 2/3 meses] retifica sempre. Medida salvadora!
    17. 17. A fim de que se lhe não apodreça o corpo num hospício, o que se iniciaria dentro de alguns dias, lançando nobre mulher e duas crianças em pungente incerteza do porvir  eflúvios luminosos sobre o coração (…parada súbita). Por algum tempo, será amparado pela enfermidade. Conhecerá a prisão no leito, durante 2 a 3 meses (sem anestésicos e intoxicantes; conhecerá intraduzível mal-estar, de modo a restabelecera harmonia do cosmo psíquico; a medicação lhe diminuirá a tendência de esquecer as obrigações sagradas e lhe acordarão os sentimentos, devagarinho, para a nobreza da vida)! PROJETO IMAGEM –Desencarnação *1º Estudo de Caso alucinação alcoólica/“paranoia”
    18. 18. *Um esquizofrénico absoluto era rodeado por algumas entidades de sombrio aspeto, assemelhando-se a perfeito autômato, era fantoche nas mãos dos algozes tipicamente perversos. Abusou do magnetismo manipulando várias criaturas; deprimiu suas energias e agora elas o manipulam. *A morte física não modifica de súbito as inteligências votadas ao mal, nem o duelo da luz com a sombra se adstringe aos estreitos círculos carnais. Até quando se demorará este processo, não é possível prever. Negando-se a alma a receber o auxilio divino, através dos processos de transformação incessante que lhe são oferecidos, em seu benefício próprio pelas diferentes situações do aprendizado carnal, recolhe-se à margem da estrada, criando paisagens perturbadoras com desejos injustificáveis. *2º Estudo de Caso – esquizofrenia e possessão
    19. 19. Onde viverão meus parentes, cujo futuro me preocupava? onde rolará o dinheiro que amontoei penosamente, olvidando minha própria alma? onde respirará minha irmã, a quem despojei de todos os recursos? porque não me ensinaram, na Terra, que a vida prosseguiria para além do sepulcro? estarei efetivamente (morto) para o mundo, ou louco e cego? Ah! mísero que sou! quem me socorrerá? Meus familiares olvidaram-me o devotamento. Só uma pessoa no mundo se recordará de mim e me estenderia mãos protetoras se soubesse do meu paradeiro... Meu neto André Luiz… Em muitas ocasiões manifestei, destinei-lhe o legado da consagração à Medicina… consolava-me com a ideia de que gastaria o dinheiro que eu indebitamente aferrolhara, educando-se, para beneficio de todos... Seria o benfeitor dos pobres e dos doentes, espargiria sementes dadivosas onde minha existência inútil espalhara pedras e espinhos de insensatez. Meu neto seria belo, querido, respeitado... *Velha afeição… 3º Estudo de Caso – senilidade e loucura
    20. 20. Tornando mentalmente a cenários da infância longínqua, senti-me novamente menino; venci de um salto o espaço que nos separava e ajoelhei-me aos pés do meu desventurado benfeitor. Cobri-lhe as mãos de beijos e, erguendo para ele os olhos lacrimosos, perguntei: — Vovô Cláudio, pois o senhor não me conhece mais? Impossível seria descrever o que se passou. Esqueci, por momentos, os estudos que me impusera a fazer; olvidei os quadros daquele ambiente, que provocavam curiosidade e pavor. Meu espírito respirava o reconhecimento sincero e o amor puro; amparado por Calderaro, que também enxugava lágrimas discretas, diante da comoção que me assaltara, sustentei meu avô nos braços, como se transportara, louco de alegria, precioso fardo que me era doce e leve ao coração.
    21. 21. *
    22. 22. O Perdão!!! — Ah! em que poderia servir-vos, eu, mísera serva que sou? — Agora, sim! Lembro-me... — gemeu, aterrada. Alguns segundos de expectativa rolaram pesadamente; contudo, o amor, sempre divino na mulher de aspirações elevadas, triunfou no olhar enternecido de Ismênia, que, plenamente modificada, se abraçou ao doente *
    23. 23. Oficina de restauração — Se o Céu me conceder a felicidade de com algo contribuir em benefício de Cláudio, esse benefício será feito a mim mesma; e, se um dia eu receber a ventura conjugal, será nosso primeiro e bem-amado filhinho. De antemão, sei que Nicanor se regozijará com o meu compromisso. — Partilhar-nos-á a vida pobre e honrada, conhecerá as alegrias do pão, filho do suor com a Proteção Divina, e olvidará, em nossa companhia, as ilusões que por tanto tempo nos separaram... Com singeleza de coração, projetava em êxtase: — Será um pedreiro feliz, como Nicanor! abençoará a luta digna que atualmente bendizemos!... Como chorasse, comovida, Cipriana abraçou-a, também tocada no coração e de olhos húmidos, assegurando: — Bem-aventurada sejas tu, querida filha, que compreendes connosco o celestial ministério da mulher nobre, disposta à maternidade sublime. Acordou no veículo pesado, experimentando ignoto júbilo. Quem poderia definir-nos o reconhecimento e a admiração daquela hora? Meus companheiros abençoaram-na, e eu, por minha vez, despedindo-me dela comovidamente, osculei-lhe a destra minúscula, num beijo silencioso de profunda amizade e de indizível gratidão.
    24. 24. *
    25. 25. *Opinião Espírita, AL *Desde a primeira hora da Doutrina Espírita recomendam os emissários da Esfera Superior uma reforma urgente, inadiável, intransferível: a reforma de cada um de nós, nas bases traçadas pelo Evangelho de Jesus. (pp. 54) *Não adianta paralisares o teu relógio, porque as horas seguirão sempre, independentemente dele e de ti...(pp. 57) *A caridade, é o sol que varre as sombras; o privilégio de repartir (…) e socorrer… (pp. 68)
    26. 26. *AméliaRodrigues PsicografiarecebidanoENL,porJC,emÓbidos,Portugal,em18deFevereirode2013 Querido irmão, quando a noite descer e te envolver na escuridão em vez de temer, olha para a beleza do céu, na sua imensidão. Astros sem fim brilham em luzes diferenciadas, mandando-te mensagens por Deus abençoadas. Meditas na Vida, na dificuldade tormentosa, enquanto ao teu lado um “anjo” te oferece uma rosa. Mais tarde, olhando para oriente, vês o sol surgir, para logo desaparecer a poente o seu fulgir. É o ciclo da Vida, que te convida ao Amor, nos seus caminhos, onde houver sofrimento e dor. Nunca te queixes, aconteça o que acontecer, pois em qualquer parte, alguém está doente e a morrer. Aproveita então o teu coração e, ora ao senhor Jesus, para que os receba no Seu coração, suavizando sua cruz. Depois, querido filho, segue adiante, na certeza porém que, Jesus não está distante. Permanece contigo, no imo do teu ser, impelindo-te para a frente, para que possas crescer. Incentivando-te ao Amor, por tudo e por todos, despertarás para a dor como bênçãos a rodos!
    27. 27. Libertando-nos dos grilhões mentais

    ×