O quê?
Quando?
Porquê?
Como?
Fases...
Para quê?
conceitos gerais
O quê?
• LE Q339 – Escravidão de que o Espírito se liberta por ocasião
da morte (biológica)
• LE, Q155 – Desprendimento da...
Morte ≠ Desencarnação
• morte é a destruição do corpo somente, quando cessa neste
a vida orgânica, e não da alma.
• No ins...
Quando?
Como?
Por quê? Para quê?
Ao contrário do que se pensa, a morte por
doença é uma BÊNÇÃO!
Permite o tempo para repensar a vida, ...
Por quê? Para quê?
Nas mortes violentas advém de “necessidade“
cármica, sendo sempre assistido
espiritualmente, ainda ant...
Por quê? Para quê?
No suicídio não se dá o rompimento do cordão de prata até que
se haja completado o tempo de vida progr...
Como?
Em geral, da porção caudal à região cefálica
O estado de perturbação
pode durar muitos anos, até
séculos e pode configurar
um quadro de sofrimento
severo com angústia ...
• No momento da morte corpórea, o Espírito entra em perturbação,
pelo que jamais é testemunha do seu último suspiro.
Gradu...
Como é vivido?
A DESENCARNAÇÃO DE GODOFREDO
mortes
violentas
por suicídio,
suplício,
acidente,
apoplexia,
ferimentos,
etc.
Surpreendido de improviso pela morte, o Espírito fica atordoado
com a brusca mudança que nele se operou; e como considera ...
Para o homem de bem, que se conserva calmo, é em tudo
semelhante às fases de um tranquilo despertar…
Nos casos de morte coletiva, nem todos os que perecem ao mesmo
tempo tornam a ver-se logo. Presas da perturbação que se se...
O instante do desligamento
Um torpor paralisante neutraliza as
sensações da alma que nunca testemunha
conscientemente o de...
O despertar para a condição de
espírito desencarnado
O despertar para a condição de
espírito desencarnado
O despertar para a condição de
espírito desencarnado
No enterro…
O irmão desencarnado pede a caridade da prece e do silêncio
em ato de respeito e dignidade humana.
A prece…
“No estado de perturbação a alma tem consciência dos
pensamentos que se lhe dirigem. Os pensamentos de
amor e car...
A prece…
“As preces pelos espíritos que acabam de deixar a Terra (…)
ajudam-nos a libertar-se das ligações terrenas, abrev...
Visita ao sepulcro…
“ é a prece que santifica o ato de lembrar… pouco importa o
lugar se a lembrança é ditada pelo coração...
João VIII:51
Em verdade, em verdade vos digo
que, se alguém guardar a minha
palavra, nunca verá a morte.
A saudade somente...
A desencarnação
A desencarnação
A desencarnação
A desencarnação
A desencarnação
A desencarnação
A desencarnação
A desencarnação
A desencarnação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A desencarnação

6 visualizações

Publicada em

Ponte de Luz ASEC

Poderá conferir também no nosso canal no YouTube:
https://www.youtube.com/watch?v=l9mzMEompLs

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A desencarnação

  1. 1. O quê? Quando? Porquê? Como? Fases... Para quê? conceitos gerais
  2. 2. O quê? • LE Q339 – Escravidão de que o Espírito se liberta por ocasião da morte (biológica) • LE, Q155 – Desprendimento da alma ao corpo, (quando) rotos os laços que o retinham a ela. O desprendimento é gradual - não se escapa como um pássaro cativo a que se restitua subitamente a liberdade. Aqueles dois estados se tocam e confundem, de sorte que o Espírito se solta pouco a pouco dos laços que o prendiam. Estes laços se desatam, não se quebram, como a lâmpada que se apaga por falta de óleo. • LE, Q154 - O corpo quase sempre sofre mais durante a vida do que no momento da morte, sendo que os sofrimentos que algumas vezes se experimentam no instante da morte são um gozo para o Espírito, que vê chegar o termo do seu exílio.
  3. 3. Morte ≠ Desencarnação • morte é a destruição do corpo somente, quando cessa neste a vida orgânica, e não da alma. • No instante da morte, o desprendimento do perispírito não se completa de súbito, mas gradualmente e com uma lentidão muito variável: – para uns a elevação dos pensamentos opera um começo de desprendimento, mesmo durante a vida do corpo, tornando-o quase instantâneo, sendo libertação! – para outros leva dias, semanas e até meses… tanto mais quanto mais o Espírito se haja identificado com a matéria, podendo ser muito penosa, porquanto o Espírito chega a experimentar o horror da decomposição (em situações excecionais) HarryOldfield
  4. 4. Quando?
  5. 5. Como?
  6. 6. Por quê? Para quê? Ao contrário do que se pensa, a morte por doença é uma BÊNÇÃO! Permite o tempo para repensar a vida, os valores, os ideais, perdoar e ser perdoado Expurga as energias deletérias do organismo espiritual (como sejam as toxinas dos vícios) Idade/ Enfermidade
  7. 7. Por quê? Para quê? Nas mortes violentas advém de “necessidade“ cármica, sendo sempre assistido espiritualmente, ainda antes que fisicamente O fluido vital sadio dificulta o desligamento mas na ausência de “culpa” sofre “queima rápida” Acidente Homicídio
  8. 8. Por quê? Para quê? No suicídio não se dá o rompimento do cordão de prata até que se haja completado o tempo de vida programado, pelo que a separação é dolorosa Prende-o qual algema e provoca a repercussão das sensações do corpo (decomposição mesmo) sobre o espiritual Após o desligamento segue para o Vale dos Suicídas ao qual se prende pela raiva, desejo de vingança e remorso É recolhido logo que se dispõe a ser ajudado Suicídio
  9. 9. Como? Em geral, da porção caudal à região cefálica
  10. 10. O estado de perturbação pode durar muitos anos, até séculos e pode configurar um quadro de sofrimento severo com angústia e temores acerbos.
  11. 11. • No momento da morte corpórea, o Espírito entra em perturbação, pelo que jamais é testemunha do seu último suspiro. Gradualmente a perturbação se dissipa, qual se saisse de um profundo sono; a sua primeira sensação é a de libertação de seu fardo carnal; depois vem a surpresa como se com membro membro doente acordasse de anestesia, noutro lugar e desembaraçado do membro que o fazia sofrer; mas mantendo sua intelectualidade e moralidade intacta (faculdades, ideias, gostos, tendências, caráter). • Na reencarnação, as coisas se passam de modo contrário. • No momento da concepção o Espírito é preso ao corpo por uma corrente fluídica e a perturbação (suas idéias se tornam confusas, suas faculdades se anulam) se apodera do Espírito e vai crescendo à medida que o laço se aperta, sendo completa nos últimos tempos de gestaçãode sorte que o Espírito jamais é testemunha do nascimento de seu corpo, qt não o é da sua morte. • A partir do momento em que a criança respira, a perturbação se dissipa pouco a pouco, as idéias retornam gradual, lenta, e sucessivamente desenvolvendo-se pelo exercício, o que, explica o esquecimento das existências precedentes, ao passo que, na morte do corpo, a lembrança da vida que vem de deixar é completa ao despertar.
  12. 12. Como é vivido? A DESENCARNAÇÃO DE GODOFREDO mortes violentas por suicídio, suplício, acidente, apoplexia, ferimentos, etc.
  13. 13. Surpreendido de improviso pela morte, o Espírito fica atordoado com a brusca mudança que nele se operou; e como considera a morte como aniquilamento mas pensa, vê e ouve, tem corpo semelhante… tem a sensação de não estar morto: vê o seu corpo, reconhece que é seu, mas não compreende que se ache separado dele. Acerca-se das pessoas a quem estima, fala- lhes e não percebe por que elas não o ouvem. Assiste ao seu enterro como se fora o de um estranho, até ao momento em que compreende a verdade. Semelhante ilusão prolonga-se até ao completo desprendimento do perispírito. Só então o Espírito se reconhece como tal e compreende que não pertence mais ao número dos vivos.
  14. 14. Para o homem de bem, que se conserva calmo, é em tudo semelhante às fases de um tranquilo despertar…
  15. 15. Nos casos de morte coletiva, nem todos os que perecem ao mesmo tempo tornam a ver-se logo. Presas da perturbação que se segue à morte, cada um vai para seu lado, ou só se preocupa com os que lhe interessam; sendo também acolhido pelos seus familiares.
  16. 16. O instante do desligamento Um torpor paralisante neutraliza as sensações da alma que nunca testemunha conscientemente o derradeiro momento.
  17. 17. O despertar para a condição de espírito desencarnado
  18. 18. O despertar para a condição de espírito desencarnado
  19. 19. O despertar para a condição de espírito desencarnado
  20. 20. No enterro… O irmão desencarnado pede a caridade da prece e do silêncio em ato de respeito e dignidade humana.
  21. 21. A prece… “No estado de perturbação a alma tem consciência dos pensamentos que se lhe dirigem. Os pensamentos de amor e caridade, as vibrações dos corações afetuosos brilham para ela como raios na névoa que a envolve: ajudam-na a soltar-se dos últimos laços que a acorrentam à Terra, a sair da sombra em que está imersa.” Léon Dennis
  22. 22. A prece… “As preces pelos espíritos que acabam de deixar a Terra (…) ajudam-nos a libertar-se das ligações terrenas, abreviando a perturbação que se segue SEMPRE á separação do corpo, tornando mais calmo o seu despertar.” ESE, XXVIII, 59
  23. 23. Visita ao sepulcro… “ é a prece que santifica o ato de lembrar… pouco importa o lugar se a lembrança é ditada pelo coração.” LE,Q323
  24. 24. João VIII:51 Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém guardar a minha palavra, nunca verá a morte. A saudade somente constrói quando associada ao labor do bem!

×