éTica deontológica

906 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
906
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

éTica deontológica

  1. 1. ÉTICA DEONTOLÓGICA ÉTICA DO DEVER
  2. 2. ÉTICA DO DEVER DEON --- DEVERVALOR DA AÇÃO NÃO DEPENDE DE SUAS CONSEQÜÊNCIAS
  3. 3. IMMANUEL KANT 1724 - 1804 AÇÃO MORAL REALIZADA POR DEVER
  4. 4. PRESSUPOSTOS: [1] RACIONALIDADEA razão é a faculdade de excelência dos seres humanos.Daí o forte “racionalismo” de Kant.
  5. 5. [2] DIGNIDADE HUMANAOs seres humanos devem ser tratados como um fim em si mesmo, nunca como um meio.
  6. 6. .[3] VALORES ABSOLUTOSHá valores absolutos, isto é, bons oumaus por si mesmos independentes das conseqüências que produzam
  7. 7. [4] SENTIMENTO DE DEVERUma ação é moral, somente, quandorealizada pelo sentimento de dever.
  8. 8. DAVID HUME 1711 – 1776PAIXÕES FIMRAZÃO MEIOS
  9. 9. DISTINÇÃOJUÍZOS / IMPERATIVOS: [1] HIPOTÉTICOS [2] CATEGÓRICOS
  10. 10. IMPERATIVOS HIPOTÉTICOS Os imperativos hipotéticos derivam denossas inclinações que determinam o fim.A razão neste âmbito determina os meios..
  11. 11. IMPERATIVOS HIPOTÉTICOSTrata-se de desejos contingentes, pois hámuitos imperativos hipotéticos porque há muitos fins diferentes que os seres humanos podem propor-se alcançar..
  12. 12. IMPERATIVOS HIPOTÉTICOS NÃO MORAISVONTADE / DESEJO FIMRAZÃO MEIOS
  13. 13. SE QUERES X, ENTÃO FAÇAS Y.Se queres ter boa saúde, faça exercícios.
  14. 14. IMPERATIVO CATEGÓRICO: Independentemente do fim quedesejamos atingir, devemos agir desta ou daquela maneira. FAÇA X!
  15. 15. IMPERATIVO CATEGÓRICO: Devemos agir apenas de acordo comuma máxima que possamos, ao mesmo tempo, querer que se torne uma lei universal.
  16. 16. MÁXIMA: PRINCÍPIO SUBJETIVO DA AÇÃO: MOTIVO DA AÇÃO.AGIR DE TAL MODO QUE A MÁXIMAQUE REGULA A AÇÃO POSSA SER UNIVERSALIZADA.
  17. 17. PRINCÍPIO DE UNIVERSALIZAÇÃO: MEU ATO DEVE VALER PARA TODO E QUALQUER SER RACIONAL. AÇÃO É MORAL:SE SATISFAZ A UNIVERSALIZAÇÃO EXIGIDA PELO IMPERATIVO CATEGÓRICO.
  18. 18. EXEMPLO 1: AÇÃO: DEVOLVER OU NÃO UM LIVRO. MÁXIMA: SE PEÇO UM LIVRO EMPRESTADO,TENHO A INTENÇÃO DE DEVOLVÊ-LO.
  19. 19. CRITÉRIO DE UNIVERSALIZAÇÃO APLICADO A MÁXIMA:DESEJO QUE TODO O SER RACIONAL SEMPRE QUE PEGUE UM LIVROEMPRESTADO DEVE DEVOLVÊ-LO?
  20. 20. EXEMPLO 2: AÇÃO: FURTAR UM LIVRO RARO DA BIBLIOTECA. MÁXIMA:É PERMITIDO ROUBAR LIVROS RAROS.
  21. 21. CRITÉRIO DE UNIVERSALIZAÇÃO APLICADO A MÁXIMA:POSSO QUERER QUE TODOS FURTEM LIVROS RAROS?
  22. 22. MÁXIMA:NÃO É UNIVERSALIZÁVEL. AÇÃO:MORALMENTE INCORRETA.
  23. 23. AÇÃO: NÃO ROUBAR MÁXIMA: NÃO DEVO ROUBAR TESTE:DESEJO QUE MINHA MÁXIMA SEJA UNIVERSAL? LEI MORAL: NUNCA DEVEMOS ROUBAR VALOR: A AÇÃO É MORAL.
  24. 24. LEI MORAL PRINCÍPIO OBJETIVO DA AÇÃO: • NUNCA DEVEMOS MENTIR • NUNCA DEVEMOS ROUBAR• NUNCA DEVEMOS DEIXAR DE CUMPRIR UMA PROMESSA• NUNCA DEVEMOS PREJUDICAR OS OUTROSÉ A UNIVERSALIZAÇÃO DA MÁXIMA À TODOS OS SERES RACIONAIS.
  25. 25. Dever e Sentimento de Dever Como devemos agir? Qual é nosso dever?[1] Sabemos que o imperativo categórico expressa a forma de nosso dever: “Faça x”.
  26. 26. Dever e Sentimento de Dever [2] Sabemos também que nossa máxima precisa ser universalizável.[3] A máxima universalizável torna-se uma Lei Moral e, portanto, nosso DEVER.
  27. 27. DISTINÇÃO:[a] AÇÃO CONFORME O DEVER; [b] AÇÃO PELO DEVER.
  28. 28. SENTIMENTO DE DEVER É A NECESSIDADE DE AGIR POR RESPEITO A LEI.QUANDO SEI QUE SOU MOTIVADO AAGIR PELO SENTIMENTO DE DEVER?
  29. 29. CASO: POR QUE VOCÊ DEVE DEVOLVER O DINHEIROQUE TOMOU EMPRETADO?
  30. 30. MOTIVO: INCLINAÇÕES AFETIVAS •TEMER SANÇÕES • COAÇÃO • PERDER O CRÉDITO • NÃO DESAPONTAR O CREDOREM NEHUMA DESSAS SITUAÇÕES A AÇÃO TEM VALOR MORAL.
  31. 31. AÇÃO É MORAL:QUANDO VOCÊ SE SENTE NA OBRIGAÇÃO MORAL DE DEVOLVER O DINHEIRO.
  32. 32. ESSÊNCIA DA AÇÃO MORALMOTIVO QUE PRODUZIU A AÇÃO SENTIMENTO DE DEVER
  33. 33. BASE: GENERALIZAR A MÁXIMA.SOU MOVIDO PELO SENTIMENTODE DEVER QUANDO A MÁXIMA DE MINHA AÇÃO É UNIVERSALIZÁVEL, ISTO É, TORNA-SE UMA LEI MORAL.
  34. 34. SÍNTESE: [1] REGRA:SURGE DA RACIONALIDADE DOS SERES HUMANOS. [2] AÇÃO MORAL: DEVER.
  35. 35. [3] DEVER: RESPEITO À LEI PELA LEI. [4] LEI MORAL:UNIVERSALIZAÇÃO DA MÁXIMA, ISTO É, O QUE MOTIVA A AÇÃO.
  36. 36. CONFLITO:• ABRIGAR UM JUDEU NA ALEMANHA NAZISTA. • RESPONDER A PERGUNTA DO SOLDADO DA SS. DILEMA: DIZER A VERDADE? MENTIR?
  37. 37. KANT: • DIZER A VERDADE. • NÃO IMPORTA AS CONSEQÜÊNCIAS.• MENTIR NÃO É UMA MÁXIMA UNIVERSALIZÁVEL.• NÃO HÁ EXCEÇÃO A REGRA.
  38. 38. AS PESSOAS SÃO FINS EM SI MESMO Kant pensava que uma importante conseqüência do teste deuniversalidade é que devemos trataras pessoas como fins em si mesmo e não como meios.
  39. 39. “Age de tal forma que trates a humanidade, na tua pessoa ou napessoa de outrem, sempre como umfim e nunca apenas como um meio”.
  40. 40. Kant queria dizer com isto que nãodevemos tratar as pessoas como meios para fins que elas racionalmente não poderiam consentir.

×