Definitivo

234 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
234
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Definitivo

  1. 1. Os alunos dos primeiros período e semestre de 2014, do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMG, para a disciplina Fundamentos para Projeto de Arquitetura e Urbanismo I, foram divididos em grupos, que deveriam realizar intervenções em pontos escolhidos da cidade de Catas Altas/MG. O grupo do qual fiz parte escolheu uma ponte para pedestres e ciclistas, construída sobre o rio Maquiné, e que liga o Centro ao bairro Vista Alegre. Desse modo, desenvolvemos a Casulo, realizada por mim, Plínio Ferraz, juntamente com meus colegas Ana Lacerda, Anna Amarante, Kamilla Silva, Larissa Menezes, Olga Fanêzu, Thaíssa Cysne e Vinicius Bicalho. O objetivo deste informativo é apresentar alguns elementos e processos utilizados pelo grupo na confecção da Casulo, para que possa ser reproduzida. Entretanto, não serão fornecidos todos os dados e especificações técnicas. Quem se interessar em levar o projeto à frente deve reestudar as possibilidades, analisar a ponte e tomar os materiais e métodos apresentados apenas como mais um exemplo de como realizar a intervenção. apresentação
  2. 2. Feita de ferro, com estrutura em treliça, a Ponte Vermelha é a melhor alternativa para quem quer entrar ou sair do Bairro Vista Alegre. Das demais opções, uma é mais longa e a outra consiste na travessia a pé do riacho. Ela é um elemento chave para os moradores, que devido à rotina deste trajeto, passam a ignorá-la, não se importando com a beleza que cria com a paisagem, especialmente pela presença da Serra do Caraça, e o quanto o local pode ser agradável, se apreciado. Além disso, a região é mal iluminada, o que a torna pouco convidativa à noite. A ideia da intervenção é confrontar com esse carácter efêmero que a travessia da ponte possui e proporcionar uma experiência bastante diferente, exclusivamente à noite. a ponte
  3. 3. A intervenção Casulo consiste na criação de uma espécie de câmara iluminada e interativa, com um leve som ambiente de água corrente e uma projeção sobre o rio. O objetivo é que as pessoas tenham um momento inusitado, de descontração e vislumbre durante a travessia. a intervenção
  4. 4. As luzes azuis, formadas por fitas de LEDs, foram colocadas entre lonas de plástico, criando um efeito muito atraente para os passantes. Foi planejada uma maneira de interação entre essas luzes e a presença das pessoas na câmara, porém acabou não dando certo por motivos citados mais a frente. Utilizamos uma máquina de fumaça, que expelindo automaticamente com determinada frequência, surpreendia os visitantes. O som de água contribuiu para a ambiência. Por fim, projetamos imagens abstratas sobre o rio, criando um aspecto interessante junto às águas. Assim, o evidenciamos, juntamente com seu entorno, tornando-o parte dessa nova experiência de travessia da ponte.
  5. 5. Para a confecção das laterais e teto da câmara, foram utilizadas folhas de plástico sarja. O espaço ocupado possui 4,5m longitudinais da parte central da ponte. As folhas de sarja são colocadas cobrindo a parte externa e interna da estrutura. O vão entre essas folhas deve ser preenchido com as luzes (LEDs) azuis. A textura desse plástico difunde a luz, que não fica pontual, deixando as folhas de plástico iluminadas de forma mais homogênea. A escolha do tamanho da câmara deve levar em conta o orçamento – afinal, quanto maior, mais materiais são necessários – e também o efeito esperado, sempre na busca de um equilíbrio. O tamanho que escolhemos atendeu bem as intenções e, ao todo, foram gastos cerca de R$ 450,00. Para a fumaça, utilizamos uma máquina posicionada no meio da câmara, amarrada na ponte, com seu corpo para fora da estrutura. A saída da fumaça deve ser posicionada rente ao piso e em uma abertura feita nas camadas de sarja. Coloca-se a máquina em modo automático, lançando fumaça entre pequenos intervalos de tempo. Para o som ambiente, posicionamos duas caixinhas de som nas extremidades da câmara, amarradas na parte superior da ponte, reproduzindo o barulho de água corrente. O projetor foi fixado embaixo da ponte, com o auxílio de cordas e sob uma pequena plataforma de madeira. Ele foi direcionado de modo que a imagem cobria um espaço do rio, como também das pedras e vegetação dos arredores. Foram projetados elementos abstratos, que causaram ótimo efeito. construção
  6. 6. Na ideia original, foi planejado um circuito eletrônico que comandaria o aspecto interativo da Casulo, que funciona da seguinte forma: Devem-se dispor quatro lasers (em forma de caneta) ao longo da câmara, presos nas laterais da ponte, acesos constantemente, de modo que os feixes de luz fiquem perpendiculares à direção do trajeto. Quando alguém atravessa um feixe, algumas luzes azuis acendem apenas na região ao redor deste, e permanecem assim enquanto o laser estiver obstruído. Deixaríamos apenas algumas luzes azuis constantemente acessas no centro, para que a câmara não fique totalmente escura quando ninguém estiver nela. A intenção é criar uma situação onde é necessária mais do que uma pessoa para que todas as luzes acendam. O que impediu esse sistema de funcionar foi o modo que escolhemos para prender os lasers, usando fita adesiva, pois os mesmos deveriam ficar estáticos, mirando no sensor LDR (acompanhar o circuito ao lado), e com a fita isso ficou difícil. Outro problema é que a bateria deles durou muito pouco, sendo assim, ideias para aperfeiçoar o processo seriam ligar os lasers através de uma fonte, e construir um pequeno suporte para fixá-los na ponte. O circuito eletrônico é mostrado ao lado. Está representada apenas uma unidade, ou seja, cada laser necessita de um circuito igual a esse. É importante o auxílio de pessoas capacitadas para que seja interpretado corretamente e, se necessário, melhorado. Não tivemos problema algum com o circuito em si, já que funcionou perfeitamente nos testes. interatividade SENSOR LDR deve ser posicionado na direção do feixe de luz RESISTOR 1KΩ POTENCIÔMETRO DE 100KΩ pode ser ajustado para controlar a sensibilidade do sensor de acordo com a luminosidade do RELÉ DE 4 PINOS/5V responsável por fechar os contatos do pisca-pisca e acendê- TRANSISTOR BC547 LASER FONTE DE 5V DIODO 1N4007 PISCA-PISCA

×