Zaigezunt 14

216 visualizações

Publicada em

Edição 14 do Boletim Zaigezunt - Para quem gosta e Yidish

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
216
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Zaigezunt 14

  1. 1. INFORME MENSAL Zai Gezunt Ano 2 – Abril de 2.015 No 14 Editores- Rio de Janeiro: Genni Blank / São Paulo: Samuel Belk DAVID EDELSTADT (1866 - 1892) David Edelstadt nasceu na cidade de Kaluga, na Rússia. Ele foi um dos primeiros poetas socialistas judeus, tendo começado a escrever poemas revolucionários sobre a Rússia tzarista. Depois do pogrom de Kiev de 1881, ligou-se ao movimento Am Olam, que se preparava para estabelecer comunas agrícolas nos Estados Unidos. Para lá ele embarcou aos dezesseis anos de idade, durante o processo de emigração em massa que começou em 1880, em decorrência dos pogroms e de fatores econômicos e políticos na Europa Oriental. Nos Estados Unidos, porém, ele foi trabalhar em fábricas insalubres e se aliou ao movimento anarquista que, na época, exercia grande influência entre os trabalhadores judeus. Ele e seus colegas americanos Morris Winchevsky, Morris Rosenfeld, Iossef Barshover e Abraham Liesen exerceram, durante a década de 1880 a 1890, uma influência enorme na poesia ídish e nas canções populares da Europa Oriental. Dezenas de poemas, de todos eles, foram transformados em canções e musicados por compositores anônimos, nos dois lados do Atlântico. Essas canções foram cantadas por todas as comunidades judaicas. As canções de David Edelstadt foram muito populares entre os trabalhadores que lutavam por melhores condições de trabalho, redução das jornadas de trabalho e, nos países da Europa Oriental, pelo fim do absolutismo e da opressão. Rudolf Rocker descreve um fato memorável ocorrido em Londres, quando milhares de judeus marchavam em direção ao Hyde Park, em uma enorme demonstração de protesto contra os terríveis pogroms de judeus russos, em 1903, em Kishinev. Em maio de 1891, o jornal Di Fraie Shtime, (A Voz Livre), de New York, publicou o poema de Edelstadt, Arbeter froien, (Mulheres trabalhadoras) que aqui apresentamos. Com vinte e seis anos de idade falecia vítima de tuberculose, na cidade de Denver, Colorado, David Edelstadt, um dos maiores poetas do movimento anarquista judaico, cujas canções se espalharam ao mesmo tempo pelos Estados Unidos e pela Europa. Ele se tornou uma lenda romântica do jovem movimento trabalhista judeu.
  2. 2. Mulheres trabalhadoras Mulheres trabalhadoras e sofredoras Que adoecem em casa e nas fábricas, Estão afastadas e não ajudam a construir O templo da liberdade e da felicidade? Vamos carregar a bandeira vermelha Na tempestade e nas noites escuras. Ajude-nos espalhar a verdade e a luz, Entre os ignorantes e solitários escravos. Vamos livrar o mundo da imundice, Atingir com êxito o que nos é querido. Lutar juntos, como leões valentes, Por nossos ideais, por liberdade e igualdade. Mais de uma vez as valentes mulheres, Fizeram tremer tiranos e tronos, Elas mostraram que nas piores tormentas A bandeira sagrada lhes pode ser confiada. A CIDADE DA GENTE MIUDA (Dos contos de Scholem Aleichem) A cidade da gente miúda, amigo espectador, encontra-se bem no meio da “Zona de Residência” criada pelo governo Tzarista, onde os judeus foram amontoados uns sobre os outros, como arenques num barril, com ordem de crescerem e se multiplicarem. E o nome desta famosa cidade é Kasrilevke. Ganhar para o sábado, eis o ideal desta gente. A semana inteira eles trabalham, mourejam a duras penas, comem o pão que o diabo amassou, bebem a água dos infernos, contanto que garantam o sábado.! Dizem que em Kasrilevke nenhum judeu, passava fome no sábado. Se não houvesse peixe, conseguia carne. Se não conseguisse carne, arranjava um arenque e se não arranjasse arenque contenta-se com pão e cebola. E se não tivesse pão e cebola, conseguia-os emprestado do vizinho e no outro sábado o vizinho emprestaria dele. Não, Kasrilevke ainda não conhece esgotos, água encanada, eletricidade e outros luxos semelhantes. Mas qual a diferença? Morre-se em toda parte e se é enterrado da mema maneira. Arbeter froien Arbeter froien, laidnde froien Froien, vos shmachtn in hois un fabrik Vos shteit ir fun vaitn,vos helft ir nit boien Dem templ fun fraihait, fun mentshlechn glik Helft undz trogn dem baner dem roitn Forverts, duch shturem,duch fintstere necht Helft undz varhait un licht tzu farshpreitn, Tsvishn umvisnde, elnte knecht Heft undz di velt fun shmuts derheibn Ales opfern, vos undz is lib Kemfn tsusamen, vi mechtike laibn Far fraihait, far glaichhait, far undzer printsip Nit ain mol hobn shoin nobele froien, Gemacht tsitern henker un tron, Zei hobn getsaigt, az men ken zei fartroien, In biterstn shturem di heilike fon HUMOR JUDAICO OS SÁBIOS DE KASRILEVKE No folclore judaico a cidade de Kasrilevke , Polonia, é considerada a cidade da gente miúda, segundo Scholem Aleichem. Nove judeus colegas de profissão tiraram férias e foram acampar numa praia de veraneio. Depois de se bronzear ao sol decidiram entrar na agua e nadar. Na saída da agua, para confirmar que nenhum companheiro se afogou, o primeiro kasrilev começou contar os companheiros. Ele contou 1, 2, 3, 4............8 . Estava faltando um. O segundo também se dispôs a contar e chegou ao mesmo resultado. Continuando o último kasrilev igualmente começou a contar 1, 2, 3, 4,...........8 e resultado igual. Desesperados pela falta de um companheiro eles pararam a primeira pessoa que estava passando no local e lhe pediram que fizesse a contagem dos colegas.
  3. 3. O passante pediu para que eles enfiassem o nariz na areia e em seguida pediu a eles que fizessem a contagem dos buracos. Eles começaram a contar 1, 2, 3,.........9, realmente ninguém tinha-se afogado. Zai Gezunt-Edição do Grupo Amigos do Ídiche Site: www.facebook.com/groups/amigosdoidiche Email: amigos@amigosdoidiche.com.br - belk@uol.com.br

×