01 Dizer Sim A Deus

2.057 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.057
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
28
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

01 Dizer Sim A Deus

  1. 2. 26Ao sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, 27a uma virgem desposada com um homem chamado José, da casa de David; e o nome da virgem era Maria. 28Ao entrar em casa dela, o anjo disse-lhe: «Salve, ó cheia de graça, o Senhor está contigo.» (Lc 1,26-28)
  2. 3. Maria é uma mulher livre e confiante. Pronta a escutar palavras que ultrapassam de muito a sua compreensão. As palavras do Anjo, são palavras de Deus. Pede alguma explicação, mas não duvida.
  3. 4. As palavras do Anjo irão modificar radicalmente a sua vida. Sente a dificuldade, mas não recua. Diante das palavras do Anjo: «darás à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus» e «será chamado filho do Altíssimo», Ele respondeu «como é possível, não conheço homem»
  4. 5. Foi então que o Anjo revelou-lhe algo que ninguém entre as criatura humanas podia ouvir: «O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo estenderá sobre ti a sua sombra». Ela responde com um abandono total: «faça-se em mim segundo a tua palavra.»
  5. 6. A presença do Espírito Santo o é o segredo íntimo da vida de Maria. Por isso, o Anjo chamou-a «cheia de graça»
  6. 7. O seu «sim» não foi simplesmente um acordo inicial, mas um consentimento a obedecer a Deus sempre. Por isso, Ela é, e será sempre, modelo de vida cristã.
  7. 8. Obedecendo ao Espírito Santo que n’Ela habitava, como num templo, tornou-se a primeira discípula de Jesus. Com o seu «sim» abandonou-se ao poder do Espírito Santo; a sua vida foi um continuo esvaziar-se para cumprir a vontade divina. Foi caminhar na claridade da fé até entrar nas densas trevas da paixão dolorosa, aos pés da cruz.
  8. 9. Não há outro ser humano em que podemos ver o que significa receber o amor de Deus em plenitude como em Maria. Este Deus que tanto amou o mundo até dar-lhe o Seu Filho.
  9. 10. Maria conheceu a bênção de Deus: «todas as gerações a chamarão ditosa»; mas também conheceu a solidão e o abandono, seguindo as pegadas de Jesus.
  10. 11. Maria está sempre em relação com Deus. Olhando para ela, o cristianismo de todos os tempos, será sempre protegido. Com Ela a frente, o cristianismo, nunca poderá tornar-se uma filosofia, uma doutrina, um conjunto de ideias. Maria viveu a sua fé em relacionamento com o Pai, como filha predilecta; com o Filho, como Mãe amorosa; com o Espírito Santo, como esposa santa.
  11. 12. O seu relacionamento pessoal, íntimo com Deus, a sua completa obediência, a sua humildade e a sua fé firme, inabalável, dá-nos a conhecer o que é, de verdade, seguir a Jesus. Não é, de forma nenhuma agarrar-se a uma ideia, a um principio, mas sim caminhar com Deus.
  12. 13. É pôr-se ao serviço d’Aquele que tratou os homens como amigos e deu a vida por eles e convidou os seus discípulos a fazer o mesmo. Maria é Mãe. A sua vida foi, na forma mais singular, servir a Jesus.
  13. 14. A vocação de Maria é ser Mãe. Por Ele Jesus nasceu neste mundo, realizando o grande mistério da encarnação. Ela o fez nascer não só outrora, na pobre gruta de Belém, mas também hoje em todos aqueles que se deixam atingir pelo Amor de Deus.
  14. 15. Maria é de Jesus, totalmente de Jesus. Por isso é que a Igreja gosta chamá-La MÃE DE DEUS. Conhecer Maria é conhecer Aquela mulher que gerou a Deus no seu ceio virginal; é conhecer Aquela que gera Jesus em cada ser humano, como no dia de Pentecostes.

×