Adolphe Appia

5.183 visualizações

Publicada em

Slides com imagens de trabalhos desenvolvidos pelo cenógrafo Adolphe Appia.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.183
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
661
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
121
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Adolphe Appia

  1. 1. Adolphe Appia Universidade Federal de Pelotas Material para fins didáticos Professora Taís Ferreira
  2. 2. Adolph Appia (1862-1928) Suíça <ul><li>As maquetes e idéias de Appia sobre a encenação foram publicadas em A encenação do drama wagneriano (1895), A música e a encenação (1899) e A obra de arte viva (1921), indicando elementos plásticos específicos, cenários tridimensionais (degraus, colunas, rampas, plataformas) reveladas através de uma luz dirigida. </li></ul><ul><li>Ele creditava que essa iluminação móvel, modulante, poderia criar uma atmosfera própria para o drama,que estivesse também associada à textura da música. A intensidade, a cor e a direção da luz poderiam refletir nas mudanças de atmosferas e de humor do trabalho. </li></ul><ul><li>Appia foi o primeiro diretor a creditar à iluminação um papel de protagonista da encenação, em consonância com os outros elementos plásticos e sonoros do espetáculo. </li></ul>
  3. 4. Tristão e Isolda (1896), ópera de Richard Wagner, Ato II.
  4. 5. Desenho para Ato I de Parsifal , ópera de Richard Wagner. <ul><li>Muitas das cenas de Wagner tinham lugar em antigas florestas. Esta imagem demonstra a visão de Appia do sentido do sagrado na floresta. O mais significativo aqui é a tridimensionalidade das árvores que permite criar sombras e volumes reais por meio de recursos de iluminação. A luz bloqueada por um objeto produz uma qualidade escultural muito importante na obra de Appia. </li></ul>
  5. 6. Croqui de Adolphe Appia para O Ouro do Reno , ópera de Wagner. <ul><li>As obras de Wagner requeriam o alargamento da visão e do sentido de mistério que o palco bidimensional não poderia fornecer com seus telões pintados e tapadeiras. Era necessário criar a tridimensionalidade no palco. No lugar de pedras e rochedos pintados, ele introduziu volumes reais na cena. </li></ul>
  6. 7. Cenário para Rei Lear
  7. 8. Emile Jacques Dalcroze, fundador da Euritmia , trabalhou com Appia. <ul><li>Desde 1892, as maquetes de Appia são revolucionárias com a sua estilização: formas primárias, murais, escadarias, plataformas onde o ator-bailarino e a luz jogam. </li></ul><ul><li>Exemplo disso são os famosos espaços cênicos concebidos entre 1909-1910 a pedido de Jacques Dalcroze e destinados a valorizar os corpos humanos em sua relação com a música na prática da euritmia. </li></ul>
  8. 9. As traquíneas , de Sófocles (Siracusa, 1933), coreografia de Dalcroze para bailarinas alunas de sua escola de euritmia.
  9. 11. Estes dois desenhos são intitulados “Espaços Rítmicos&quot; por Adolphe Appia. Como mostram as ilustrações, o espaço rítmico é baseado em plataformas de variadas alturas, rampas, esteiras, paredes e pilares, possibilitando ao ator variabilidade de movimentos.
  10. 12. <ul><li>O espaço construído por Appia é funcional na relação do ator com o drama. Ele torna-se inovação técnica, mas também reflete as emoções e sentimentos: não somente porque Appia imagina uma hierarquia de planos em profundidade, mas porque ele busca animar o espaço através de graus de luz móvel e cambiante, o que possibilitaria uma maneira de tocar o mais profundo e íntimo das sensações e emoções dos espectadores. </li></ul>
  11. 13. Croqui da encenação de As Valquírias (1892), de Richard Wagner, no Festspielhaus Bayreuth.

×