Normas técnicas

1.673 visualizações

Publicada em

normas técnicas sobre jato de areia

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.673
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Normas técnicas

  1. 1. NORMAS TÉCNICAS As normas de qualidade utilizadas pelos fabricantes fundamentam-se em normas internacionais e estão em consonância com as normas brasileiras. A entidade brasileira que regulamenta as normas no País é a ABNT- Associação Brasileira de Normas Técnicas. As normas da ABNT são elaboradas e atualizadas constantemente, de acordo com a evolução do mercado. As normas ABNT abaixo citadas foram utilizadas para a elaboração das normas internas das próprias CEBRACE e GUARDIAN e poderão ser adquiridas na ABNT. NBR 11706 NB 3404 NBR 10536 NB 220 NBR 9504 NBR 9503 NBR 9502 NBR 8541 NBR 5426 NB 226 P-NB 226 P-TB 88 EB 92 R NBR 14696 Vidros na construção Vidro Plano Determinação da Resistência à Tração na Flexão Estatística Projeto, Execução e Aplicação de Vidro na Construção civil Vidros de Segurança Determinação da Distorção Óptica Vidros de Segurança Determinação da Transmissão Luminosa Vidros de Segurança Determinação da Resistência à Umidade Qualidade Terminologia Planos de Amostragem e Procedimentos na Inspeção por Atributos Projeto e Execução de Envidraçamento na Construção Civil Vidros Vidros Vidro Plano Transparente Comum Especificação Recomendadas Espelhos HISTORIA DO VIDRO Origem O vidro é uma das descobertas mais surpreendentes do homem e sua história é cheia de mistérios. Embora os historiadores não disponham de dados precisos sobre a sua origem, foram descobertos objetos de vidro nas necrópoles egípcias, por isso imagina-se que o vidro já era conhecido há pelo menos 4.000 anos antes da Era Cristã. Alguns autores apontam os navegadores como os precursores da indústria do vidro. A origem teria sido casual: ao preparar uma fogueira numa praia nas costas da Síria para aquecer suas refeições, improvisaram fogões usando blocos de salitre e soda. Passado algum tempo, notaram que do fogo escoria uma substância brilhante que se solidificava imediatamente. Estaria então descoberto o vidro que, com sua beleza, funcionalidade e múltiplas aplicações, passaria definitivamente a fazer parte do cotidiano de todos nós. Desenvolvimento TOPO Durante o Império Romano, houve um grande desenvolvimento dessa atividade, com apogeu no século XIII, em Veneza . Após incêndios provocados pelos fornos de vidro da época, a indústria de vidros foi transferida para Murano, ilha próxima de Veneza. As vidrarias de
  2. 2. Muranoproduziam vidros em diversas cores, um marco na história do vidro, e a fama de seus cristais e espelhos perduram até hoje. A França já fabricava o vidro desde a época dos romanos, porém só no final do século XVIII foi que a indústria prosperou e alcançou um grau de perfeição notável. Em meados desse século, o rei francês Luís XIV reuniu alguns mestres vidreiros e montou a Companhia de Saint-Gobain, uma das mais antigas empresas do mundo, hoje uma companhia privada. A grande indústria moderna do vidro surgiu com a revolução industrial e a mecanização dos processos. Nos anos 50, na Inglaterra, a Pilkington inventou o processo para produção do vidro float, conhecido também como cristal, que revolucionou a tecnologia dessa próspera indústria. Brasil TOPO A primeira indústria vidreira no Brasil foi a Vidraria São Paulo, na cidade do Rio de Janeiro, no século XIX. A indústria francesa “Saint-Gobain” e a inglesa “Pilkington” uniram suas forças no ano de 1982 para construir a CEBRACE (Companhia Brasileira de Cristais), primeira fábrica de vidro float do Brasil, montada na região do Vale do Paraíba no Estado de São Paulo, sendo nesta época, a primeira linha construída em Jacareí, a segunda em Caçapava, em 1989 e a terceira novamente em Jacareí, já em 1996. Em 1998 instalou-se em Porto Real Estado do Rio de Janeiro a primeira unidade no Brasil da americana GUARDIAN. Atualmente as quatro unidades instaladas no Brasil podem produzir até 2.400 toneladas de vidro float por dia. Já os vidros impressos, com textura decorativa em relevo em uma das faces, são produzidos pela UBV - União Brasileira de Vidros, desde 1957. O VIDRO FLOAT O vidro é uma substância inorgânica, homogênea amorfa, obtida através do resfriamento de uma massa em fusão. Suas principais qualidades são a transparência e a dureza. Distingue-se dos outros materiais por várias características: não é poroso nem absorvente, é ótimo isolador dielétrico e possui baixo índice de dilatação e condutividade térmica. A diferença fundamental entre o vidro float (cristal) e o vidro está na qualidade óptica proporcionada pelo processo “float”. Embora as matérias-primas sejam as mesmas, o float apresenta um índice de deformação e ondulação de suas superfícies muitíssimo inferior ao do vidro fabricado pelo processo convencional. Componentes do Vidro Sílica (SiO ) Matéria prima básica (areia) com função vitrificante. Potássio (K O) Alumina (Al O ) Aumenta a resistência mecânica. Sódio (NaSO ) Magnésio (MgO) Garante resistência ao vidro para suportar mudanças
  3. 3. bruscas de temperatura e aumenta a resistência mecânica. Cálcio (CaO) Proporciona estabilidade ao vidro contra ataques de agentes atmosféricos. Diagrama de produção do vidro float TOPO PROCESSO DA PRODUÇÃO ESTÁGIO 1: Forno de Fusão A mistura de areia com os demais componentes do vidro é dirigido até o forno de fusão através de correias transportadoras. Com temperaturas de até 1.600ºC, a composição é fundida , afinada e condicionada termicamente, transformando-se numa massa homogênea. ESTÁGIO 2: Banho Float A massa é derramada em uma piscina de estanho líquido, em um processo contínuo chamado “FloatBath” (banho Float) . Devido à diferença de densidade entre os materiais, o vidro flutua sobre o estanho, ocorrendo um paralelismo entre as duas superfícies. Essa é a condição para que a qualidade óptica superior do vidro float seja atingida. A partir desse ponto é determinada a espessura do vidro, através da velocidade da linha. Quanto maior a velocidade, menor a espessura resultante. ESTÁGIO 3: Galeria de recozimento Em seguida, a folha de vidro entra na galeria de recozimento, onde será resfriada controladamente até aproximadamente 120ºC e, então, preparada para o recorte. ESTÁGIO 4: Inspeção Automática Antes de ser recortada, a folha de vidro é inspecionada por um equipamento chamado “scanner” , que utiliza um feixe de raio laser para identificar eventuais falhas no produto. Caso haja algum defeito decorrente da produção do vidro, ele será refugado e posteriormente reciclado. ESTÁGIO 5, 6 E 7: Recorte, Empilhamento e Armazenagem O recorte é realizado em processo automático e em dimensões pré-programadas. As chapas de vidro são empilhadas automaticamente em pacotes prontos para serem expedidos ou armazenados
  4. 4. ARMAZENAGEM Procedimentos para a Garantia da Qualidade A correta armazenagem, a movimentação, o transporte e o manuseio do vidro são fundamentais para garantir a qualidade do produto. Siga os procedimentos usuais recomendados pelos fabricantes, que auxiliam na redução de perdas e defeitos. O cuidado na armazenagem do vidro é importante para garantir a integridade física contra quebras e ações do tempo. Embora a idéia de que o vidro dure eternamente seja comum, aspectos como umidade, intercale e tempo de armazenagem podem interferir na sua durabildade. Por outro lado, o uso de equipamentos de armazenagem adequados evitam a perda decorrente de quebras, trincas, lascas e riscos. CONDIÇÕES AMBIENTAIS Uma vez instalado o vidro, sua superfície pode permanecer inalterada por muito tempo ou até indefinidamente. Já o vidro estocado pode deteriorar-se rapidamente, dependendo das condições ambientais. Sob efeito de variações de temperatura e umidade do ar, pode ocorrer condensação entre lâminas. A presença da película de água confinada entre as lâminas do pacote inicia uma reação química na superfície do vidro que, após algum tempo, altera definitivamente a qualidade do produto. Esse fenômeno é chamado de irisação. Além do efeito visual, que nos estágios iniciais assemelha-se ao arco-íris, pode-se perceber também a rugosidade da superfície. Em estado avançado, a irisação provoca o aparecimento de manchas opacas na superfície do vidro. O tempo de início desse efeito é muito variado, assim como sua intensidade. Quanto maior o tempo de armazenagem em condições inadequadas, maior será a intensidade da irisação, até a completa degradação do vidro, tornando-o inutilizável. A estocagem em condições de temperatura e umidade controladas diminui a ocorrência desse fenômeno, mas alguns cuidados podem ser tomados para evitá-lo: 1- A área de estocagem deve estar sempre seca e arejada. 2- Durante os dias frios, deve-se manter o armazém fechado, evitando o resfriamento das lâminas de vidro abaixo do ponto de orvalho do ambiente, e posterior condensação de água entre as lâminas. 3- O vidro deve ter o seu tempo de permanência no estoque minimizado, através de utilização de estoques pequenos e bem balanceados. Cavaletes Apesar de pouco utilizados pelas fábricas na distribuição de float, existem diferentes tipos e modelos de cavaletes para transporte de vidro, porém os cuidados com a operação devem ser os mesmos. Todas as partes do cavalete que estão em contato com o vidro devem estar protegidas com borracha. Feltro ou carpete podem ser colocados sobre a borracha para aumentar sua eficiência. As borrachas da base devem ser tipo duas lonas, enquanto que as dos encostos devem ser macias. Deve-se verificar com freqüência as condições das borrachas e eliminar a exposição de pregos ou metais nas bases e encostos , já que estes quebram o vidro. Lembramos que o ângulo de inclinação deve variar entre 4 e 6 graus.
  5. 5. VIDRO DE SEGURANÇA Vidro de segurança é “aquele que, quando fraturado, produz fragmentos menos suscetíveis de causar ferimentos graves que os vidros comuns em iguais condições” (NBR 7210). São três os tipos de vidros de segurança: vidros laminados, temperados e aramados. A escolha entre eles vai variar em função de três aspectos: a aplicação, o nível de proteção exigido e o efeito estético desejado. VIDROS LAMINADOS Vidro Laminado com PVB O vidro laminado é composto por duas ou mais chapas de vidro intercaladas com uma ou mais películas de material plástico denominado PolivinilButiral (PVB), unidas através de um processo de pressão e calor. É um vidro de segurança que, quando quebrado, não estilhaça, pois os fragmentos ficam presos ao PVB. PVB TOPO O PolivinlButiral é uma película plástica de alta resistência elástica, responsável por oferecer elasticidade e resistência ao atravessamento, além de permitir a aplicação com borda exposta ao tempo. A maioria dos vidros laminados é fabricada com o PVB incolor na espessurade 0,38mm, no entanto, para aplicações mais específicas utiliza-se o PVB em outras espessuras e em e em várias cores. Vidros Os vidros laminados podem ser fabricados com os seguintes tipos de vidros - Vidro float recozido temperado ou curvo - Vidro refletivo off-line ou metalizado a vácuo (CEB) - Vidro refletivo on-line ou pirolítico (Antélio) TOPO
  6. 6. - Espelhos. Tipos de Vidros Laminados no Mercado TOPO O mercado apresenta os seguintes tipos de vidro laminado: Vidro Laminado Simples: duas chapas de vidro intercaladas por uma ou mais películas de PVB, podendo ser plano ou curvo, com curvaturas em raios pré-definidos. Vidro Laminado Múltiplo: três ou mais chapas de vidro intercaladas por duas ou mais películas de PVB. Cores Disponíveis no Mercado TOPO Os vidros laminados podem ser fabricados em uma infinidade de cores variando conforme o tipo de combinaçãoentre a cor dos componentes (vidros), o número de películas de PVB e a cor destas películas. - Vidros coloridos na massa nos tons bronze, cinza, verde e incolor com PVB incolor resultam nas tonalidades semelhantes às cores do próprio vidro. - Vidros incolores com uma película de PVB colorido, resultam na tonalidade semelhante à do PVB. - Vidros incolores ou coloridos com até quatro películas de PVB resultam em uma infinidade de tonalidades provenientes destas combinações. - Vidros metalizados com PVB incolor, resultam em tonalidades semelhantes às cores provenientes da metalização. - Vidros metalizados com até quatro películas de PVB oferecem uma infinidade de tonalidades provenientes destas combinações. Fatores de Desempenho do Vidro Laminado TOPO O vidro laminado com PVB é extremamente versátil e muntifuncional, pois apresenta os seguintes fatores de desempenho: SEGURANÇA__________________________ Os vidros laminados simples oferecem total segurança às pessoas e ao patrimônio em casos de acidentes, como por exemplo choques, quedas ou impactos contra o vidro.
  7. 7. PROTEÇÃO___________________________ Para as situações de prevenção contra ataques intencionais, os vidros laminados múltiplos garantem às pessoas e aos bens patrimoniais os seguintes tipos de proteção: - À prova de balas de diversos tipos de calibres. - Antivandalismo e antiarrombamento contra ataques mesmo que com marretas, machados, tijolos, pedras, etc.. CONTROLE SONORO___________________ Os vidros laminados são eficazes na redução do nível de ruídos indesejáveis, pois as vibrações sonoras são amortecidas no PVB e no próprio vidro. Tipo de Ruído Quarto à noite Biblioteca Sala de Escritório Conversação Tráfego Dentro de um ônibus Dentro do metrô A 1m da Buzina de um carro Perfuradora pneumática No limiar da dor Barreira Contra Raios UV e Controle Solar Ruído (dB) 20 a 30 30 a 40 40 a 50 60 a 70 70 a 80 80 a 90 90 a 100 110 a 120 120 a 130 130 a 140 TOPO Geralmente os vidros laminados com PVB filtram acima de 99,5% dos raios UV e, por isso, minimizam o desbotamento e o envelhecimento de móveis e objetos de interiores, sem interferir no crescimento das plantas. Os vidros laminados com vidros float coloridos na massa (verde, bronze e cinza) permitem também o moderado controle de luz e calor para o interior das edificações. Já os vidros laminados com vidros refletivos oferecem um controle solar mais eficaz de luz e calor para o interior das edificações. Proporcionam econonia de energia com dimensionamento e utilização do ar condicionado no ambiente, permitindo os benefícios da iluminação natural
  8. 8. APLICAÇÕES Construção Civil/Arquitetura - Coberturas, fachadas, sacadas, portas, janelas, divisórias, vitrines, etc.. - Locais onde são necessárias proteção à prova de bala, antivandalismo ou antiarrombamento, como por exemplo bancos guaritas, caixas automáticos, embaixadas, edifícios governamentais, etc.. TOPO Indústria de Móveis e Decoração - Prateleiras, portas de armários, tampos de mesa, divisórias, painéis decorativos, etc.. - Pisos e degraus de vidro, aquários e visores de piscinas, etc. TOPO Indústria Automobilística - Pára-brisas - Vidros laterais - Veículos blindados ESPELHOS Os espelhos OPTIMIRROR, da Cebrace, e GUARDIAN, produzido pela empresa de mesmo nome, são espelhos à base de prata, produzidos especialmente para ter vida longa quando instalado em ambientes adversos como banheiros, saunas e instalações à beira-mar, que possuem elevados níveis de umidade. Produzidos através de revolucionário método de fabricação química, onde são utilizados: camada
  9. 9. metálica de prata, agentes passivadores de ligamento e tinta protetiva, os ESPELHOS SEM COBRE (”Cooper free”) possuem resistência à corrosão muito superior quando comparado com espelhos comuns nas normas vigentes. Além disto o nível de poluentes gerados durante a fabricação é severamente reduzido, dando uma característica ecológica ao produto final. Devido à excelente durabilidade, destina-se a aplicações de alto valor agregado, como espelhos espessos, bisotados, gravados, etc.. O processo de produção de espelhos inicia-se na pré-lavagem com água e polimento com óxido de cério. Dada a lavagem, a chapa é quimicamente sensibilizada seguindo para a cabine de espelhação, onde, através de uma reação de óxido-redução a prata é depositada sobre a chapa de vidro. Após a espelhação, é aplicada uma cobertura química sobre a camada de prata, com o objetivo de proteger contra a corrosão FPSC (Filme Protetor Sem Cobre). O espelho é aquecido para eliminar quaisquer vestígios de umidade e então direcionado para a aplicação e cura das tintas de cobertura que promovem a resistência química e mecânica. Para proporcionar uma maior impermeabilização, o espelho ainda recebe uma camada de resina cuja cura é dada por raios ultra-violeta. Feita a limpeza com Sulfato Férrico, seguido de uma posterior lavagem com água, para resíduos de prata na face vidro, o espelho é direcionado para a inspeção e expedição. TOPO CUIDADOS IMPORTANTES NA ARMAZENAGEM E INSTALAÇÃO Para preservar toda a qualidade de um espelho é importante tomar alguns cuidados. Armazene a chapa de espelho em local seco e ventilado. Nas máquinas de lapidar e biselar, mantenha o pH da água entre 7,0 e 10,0 e garanta boa refrigenação dos rebolos. Lave as peças acabadas com água corrente. Depois, seque-as com um pano limpo e seco. Mantenha a mesa de corte limpa, livre de qualquer impureza
  10. 10. Ao trabalhar, transportar ou estocar os espelhos, cuidado com superfícies ou objetos que possam riscar ou agredir qualquer das suas faces. TOPO Instalação Perfeita SILICONE No caso do silicone, use os que têm cura neutra. Deixe uma margem de 2cm das bordas e aplique vários filetes verticais paralelos, seguindo a recomendação do fabricante para a relação peso / volume de silicone.. PARAFUSO OU BOTÃO FRANCÊS Caso opte pela fixação com botão francês ou parafuso metálico, verifique a resistência da parede à fixação. É importante também isolar os metais e parafusos das bordas do espelho, pois este contato pode ocasionar oxidação. COLA No caso do uso da cola de contato, também é importante aplicar a cola deixando uma margem de 2cm das bordas. Aguarde o “ponto de pega” recomendado pelo fabricante para que o solvente da cola evapore e só então termine a fixação. É recomendável usar uma manta sintética entre a parede e o verso do espelho. MANUTENÇÃO Nunca borrife produtos de limpeza diretamente no espelho. Aplique o produto em um pano macio, devidamente limpo e então aplique no espelho. Ao final seque as bordas com outro pano limpo, macio e seco.
  11. 11. VIDROS IMPRESSOS Os vidros planos impressos são fabricados no Brasil desde 1957 pela UBV - União Brasileira de Vidros, oferecendo ao mercado produtos fabricados sob rigorosos padrões de qualidade, produzidos dentro da mais alta tecnologia. Tratam-se de vidros com textura decorativa impressa em uma de suas faces e são apresentados em ampla gama de padrões e cores. Restaureante da Campinas Decor 2003 TOPO O vidro impresso é a solução ideal para ambientes que exigem luminosidade e privacidade, eliminando a transparência. Caso haja necessidade de maior resistência ao impacto, os vidros impressos podem ser temperados ou laminados. Na construção civil, o vidro impresso laminado pode ser usado com a função de envidraçamento ou de revestimento de paredes, pois atende a todos os requisitos de segurança - o mesmo vale para aplicação em coberturas. Internamente, os ambientes ganham o requinte do vidro impresso revestindo pisos, em divisórias e na composição de objetos decorativos, luminárias e tampos de mesa.
  12. 12. VIDROS IMPRESSOS COLORIDOS Os vidros planos impressos coloridos podem ser utilizados onde se pretenda obter efeitos decorativos com a iluminação. Excelentes para aplicações em vitrais, mosaicos, luminárias, construção civil, etc.. Os padrões comerciais são: o Ártico nas cores amarela, azul, verde e vermelha e Canelado e Pontilhado nas cores fumê e bronze.
  13. 13. VIDROS IMPRESSOS ESPESSOS Design elegante, alta qualidade e excepcional claridade fazem do vidro Espesso UBV uma excelente escolha para uso em arquitetura e mobiliário. Podem ser utilizados em boxes de banho, janelas, divisórias e outras aplicações. São apresentados nos padrões Antílope, Riviera e Luxor e disponíveis na cor fumê ou incolor, com espessuras de 7 / 8 mm. Box de banho com vidro impresso espesso VIDRO IMPRESSOS ESPECIAIS Anti-Reflexo O vidro Anti-Reflexo é de alta pureza e ótima planimetria. Possui excelente capacidade de difusão da
  14. 14. luz. Ideal para aplicação em quadros e painéis e onde se pretenda eliminar reflexos luminosos. Aramado TOPO Durante o Império Romano, houve um grande desenvolvimento dessa atividade, com apogeu no século XIII, em Veneza . Após incêndios provocados pelos fornos de vidro da época, a indústria de vidros foi transferida para Murano, ilha próxima de Veneza. As vidrarias de Murano produziam vidros em diversas cores, um marco na história do vidro, e a fama de seus cristais e espelhos perduram até hoje. A França já fabricava o vidro desde a época dos romanos, porém só no final do século XVIII foi que a indústria prosperou e alcançou um grau de perfeição notável. Em meados desse século, o rei francês Luís XIV reuniu alguns mestres vidreiros e montou a Companhia de Saint-Gobain, uma das mais antigas empresas do mundo, hoje uma companhia privada. A grande indústria moderna do vidro surgiu com a revolução industrial e a mecanização dos processos. Nos anos 50, na Inglaterra, a Pilkington inventou o processo para produção do vidro float, conhecido também como cristal, que revolucionou a tecnologia dessa próspera indústria. Sugestões de aplicação: portas, divisórias, balcões, marquises, corrimãos, boxes de banheiro, guichês, sacadas, cabines e coberturas com vidro aramado curvo Movell TOPO
  15. 15. A primeira indústria vidreira no Brasil foi a Vidraria São Paulo, na cidade do Rio de Janeiro, no século XIX. A indústria francesa “Saint-Gobain” e a inglesa “Pilkington” uniram suas forças no ano de 1982 para construir a CEBRACE (Companhia Brasileira de Cristais), primeira fábrica de vidro float do Brasil, montada na região do Vale do Paraíba no Estado de São Paulo, sendo nesta época, a primeira linha construída em Jacareí, a segunda em Caçapava, em 1989 e a terceira novamente em Jacareí, já em 1996. Em 1998 instalou-se em Porto Real Estado do Rio de Janeiro a primeira unidade no Brasil da americana GUARDIAN. Atualmente as quatro unidades instaladas no Brasil podem produzir até 2.400 toneladas de vidro float por dia. Já os vidros impressos, com textura decorativa em relevo em uma das faces, são produzidos pela UBV - União Brasileira de Vidros, desde 1957.

×