Riscos biológicos

52.330 visualizações

Publicada em

Riscos Biológicos

Publicada em: Educação
5 comentários
63 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
52.330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
125
Comentários
5
Gostaram
63
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Riscos biológicos

  1. 1. Higiene e Segurança no Trabalho Riscos Biológicos Formadora: Eng.ª Filipa Andrade Outubro 2014
  2. 2. Quem somos? •Um parceiro •Um facilitador
  3. 3. Contactos •Site: www.bestcenter.pt •Facebook: Bestcenter
  4. 4. Índice •O que são riscos biológicos? •Principais agentes patogénicos •Vias de transmissão dos agentes biológicos •Bactérias, vírus, fungos, parasitas, priões •Doenças transmitidas por agentes patogénicos •Classificação dos agentes patogénicos •Avaliação de riscos biológicos •Prevenção dos riscos biológicos •Legislação •Conclusão
  5. 5. O que são riscos biológicos •São aqueles que incluem infeções agudas ou crónicas, parasitoses, reações tóxicas ou reações alérgicas a plantas e animais.
  6. 6. Principais Agentes Patogénicos •Bactérias •Vírus •Fungos •Parasitas -Protozoários -Helmintas -Artrópodes •Priões
  7. 7. Vias de Transmissão dos Agentes Biológicos •Direta: transmissão do agente biológico sem a intermediação de veículos ou vetores. Exemplo: transmissão por contacto do indivíduo infetado com o indivíduo são. •Indireta: transmissão do agente biológico por meio de veículos ou vetores. Exemplo: transmissão através de instrumentos, agulhas, vestuário, lençóis, água, alimentos e superfícies contaminadas.
  8. 8. Vias de Transmissão dos Agentes Biológicos •Aérea: As bactérias no ar não se apresentam como partículas livres mas estão contidas nas escamas de pele ou em gotículas libertadas (aerossóis). Exemplo: Na operação de equipamentos, estas partículas vão geralmente assentar nas superfícies horizontais, ou então, as gotículas podem secar e constituir núcleos que, devido ao seu baixo peso, ficam suspensas no ar, podendo ser inaladas (caso da Legionella pneumophila).
  9. 9. Vias de Transmissão dos Agentes Biológicos •Ingestão: Não sendo uma via frequente, pode ocorrer por acidente, ingestão de material contaminado. •Via percutânea: Esta via inclui os acidentes com instrumentos cortantes ou perfurantes, picadas de insetos, etc. e envolve alterações da sua integridade, com exceção de alguns dermatófitos, em que basta o contacto.
  10. 10. Bactérias •São organismos microscópios unicelulares, procariotas (não possuem membrana nuclear). Podem ser encontradas na forma isolada ou em colónias.
  11. 11. Classificação das Bactérias •Respiração •Forma e grau de agregação •Movimento •Metabolismo (fontes de carbono e de energia) •Membrana celular (Classificação de Gram)
  12. 12. Classificação das Bactérias De acordo com a respiração: –Aeróbias –Anaeróbias –Anaeróbias Facultativas
  13. 13. Classificação das Bactérias De acordo com a forma: –Esféricas – cocos –Bastonetes – bacilos –Saca-rolhas – espirilos –Vírgula – vibriões
  14. 14. Classificação das Bactérias •As bactérias móveis deslocam-se através de flagelos ou pilus. De acordo com o movimento:
  15. 15. Classificação das Bactérias De acordo com o metabolismo: Fonte de Carbono (C) •Autotróficas •Heterotróficas Fonte de Energia •Fototróficas (Luz) •Quimiotróficas (Compostos Químicos)
  16. 16. Classificação das Bactérias •Gram (+) : bactérias que possuem parede celular com uma única e espessa camada de peptidoglicanos. Pelo emprego da coloração de Gram, tingem-se na cor púrpura ou azul quando fixadas com cristal violeta De acordo com a parede celular
  17. 17. Classificação das Bactérias •Gram (-) : bactérias que possuem uma parede celular mais delgada e uma segunda membrana lipídica - distinta quimicamente da membrana plasmática - no exterior desta parede celular. Não fixam o cristal violeta . De acordo com a parede celular
  18. 18. Classificação das Bactérias Crescimento e Reprodução: As bactérias reproduzem muito rapidamente dando origem a um grande número de descendentes. A maior parte delas reproduzem-se assexuadamente.
  19. 19. Vírus •São pequenos agentes infeciosos que apresentam um genoma constituído por DNA ou RNA. Os ácidos nucléicos dos vírus geralmente apresentam- se revestidos por um invólucro protéico formado por uma ou várias proteínas o qual pode ser envolvido por um envelope formado por uma camada lipídica.
  20. 20. Vírus •O ciclo de vida é constituído por 5 fases (Fixação, Internalização, Remoção do invólucro, Replicação e Liberação).
  21. 21. Fungos •São seres vivos, unicelulares ou pluricelulares, eucariotas que podem provocar doenças no homem, como por exemplo micoses. Dividem-se em três grupos: ● Leveduras ● Bolores ● Cogumelos Hifa Esporângio Esporos
  22. 22. Parasitas •São organismos que vivem em associação com outros dos quais retiram os meios para a sua sobrevivência, normalmente prejudicando o organismo hospedeiro, um processo conhecido por parasitismo. Podem ser unicelulares (Protozoários) ou pluricelulares (Helmintas e Artrópodes).
  23. 23. Protozoários •São organismos unicelulares, eucariotas, heterotróficos, protistas semelhantes a animais. A designação protozoário significa (proto = primeiro + zoa = animal). Vivem na água e no solo.
  24. 24. Priões •São proteínas patogénicas (letais), que se encontram normalmente no sistema nervoso central, capazes de se replicarem no hospedeiro forçando as proteínas normais, do mesmo tipo, adotarem a forma aberrante (infeciosa).
  25. 25. Doenças provocadas por Microrganismos patogénicos Tipo Agentes Doenças Bactérias Salmonella tiphy, Salmonella spp Legionella pneumophila Bacilo de Koch Febre Tifóide/Gastroenterites Pneumonia/Doença do Legionário Tuberculose Vírus VIH, Influenza, Hepatitis B virus, Rubella virus, Morbillivirus, V. Zoster virus Sida, Gripe, Hepatite B Rubéola, Sarampo, Varicela Fungos Candida albicans, Trichophyton rubrum Candidíase Pé de atleta Parasitas Ascaris lumbricoides Anoplura echinophthiriidae Ascaridíase (Lombriga) Piolho humano Protozoários Plasmodium, Toxoplasma gondii Malária Toxoplasmose Priões Proteínas patogénicas Creutzfeldt- Jakob, BSE
  26. 26. Classificação dos Agentes Patogénicos (DL n.º 84/97, 16 de Abril) –Grupo 1- Agente biológico cuja probabilidade de causar doença no ser humano é baixa. –Grupo 2- Agente biológico que pode causar doenças no ser humano e constituir um perigo para os trabalhadores, sendo escassa a probabilidade de se propagar na coletividade e para os quais existem meios eficazes de profilaxia (prevenção) ou tratamento.
  27. 27. Classificação dos Agentes Patogénicos (DL n.º 84/97, 16 de Abril) •Grupo 3- Agente biológico que pode causar doenças graves no ser humano e constituir um risco grave para os trabalhadores, sendo suscetível de se propagar na coletividade, mesmo que existam meios eficazes de profilaxia ou de tratamento. •Grupo 4- Agente biológico que causa doenças graves no ser humano e constitui um risco grave para os trabalhadores, sendo suscetível de apresentar elevado nível de propagação na coletividade e para o qual não existem, em regra, meios de tratamento.
  28. 28. Classificação dos Agentes Patogénicos (DL n.º 84/97, 16 de abril e Portaria n.º1036/98 de 15 de dezembro) GRUPO AGENTE PATOGÉNICO (Exemplos) 1 Piolho humano 2 Staphylococcus aureus, Escherichia coli , Legionella pneumophila, Salmonella spp, Clostridium tetani, Pseudomonas aeruginosa, Enterobacter spp, Ascaris lumbricoides, Toxoplasma gondii, Vibrio cholerae 3 Vírus da Hepatite, Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV), Vírus Dengue , Creutzfeldt- Jakob, BSE 4 Vírus do Ébola (febres hemorrágicas)
  29. 29. Avaliação de Riscos Biológicos Quando se procede a uma avaliação de riscos, deve ter-se informação disponível e credível sobre: •Classificação dos agentes biológicos perigosos; •Sensibilidade de alguns trabalhadores; •Recomendações da Direção-Geral de Saúde; •Informações técnicas existentes sobre doenças; relacionadas com a natureza do trabalho; •Conhecimento da doença verificada, num trabalhador, que esteja diretamente relacionada com o seu trabalho.
  30. 30. Identificação e Avaliação dos Riscos Exemplo; A identificação dos riscos faz-se levando em consideração vários parâmetros, dos quais há a referir os seguintes, sem carácter cumulativo:
  31. 31. Avaliação do risco Exposição a agentes Biológicos: Grupos 2,3,4 Exposição a agentes Biológicos: Grupo 1 Atividades sem utilização e manipulação deliberadas de agentes biológicos Risco controlado Risco potencial Medidas Medidas -Prevenção técnica ( incluindo substituição de agentes biológicos e medidas de confinamento) -Prevenção médica -Formação e informação -Prevenção técnica -Prevenção médica -Formação e informação Práticas elementares de higiene e de segurança Avaliação periódica Atividades com utilização e manipulação deliberadas de agentes biológicos identificados de acordo com a lista constante da portaria nº1036/98 de 15 de Dezembro
  32. 32. •MATRIZ DE RISCO-ATIVIDADES ETAR Risco R (Risco)=P (Probabilidade)*G (Gravidade)
  33. 33. Medidas de Prevenção dos Agentes Biológicos (contaminação/infeção) •Vigilância da saúde dos trabalhadores, limpeza e desinfeção dos locais de trabalho, boas práticas de higiene pessoal e disponibilização de instalações sanitárias e de vestiário apropriadas; •Redução do risco de exposição do trabalhador a um nível tão baixo quanto o possível; •Limitação ao mínimo do número de trabalhadores expostos ou com possibilidade de o serem (confinamento);
  34. 34. Medidas de Prevenção dos Agentes Biológicos (contaminação/infeção) •Evitar a formação de aerossóis e poeiras, inclusive durante as atividades de limpeza ou manutenção. Muitos agentes biológicos são transmitidos pelo ar; •Aplicação de medidas de proteção coletiva (EPC´s) e individual (EPI´s), se a exposição não puder ser evitada por outros meios. Dar informação escrita e formação adequada aos trabalhadores;
  35. 35. Medidas de Prevenção dos Agentes Biológicos (contaminação/infeção) •Utilização de meios de recolha, armazenagem e evacuação de resíduos contaminados, após tratamento adequado (ex. uso de germicidas), incluindo o usos de recipientes seguros e identificáveis sempre que necessário. •Os trabalhadores devem respeitar as regras de higiene pessoal, não devendo fumar, comer ou beber nas zonas com risco de contaminação biológica.
  36. 36. •Deve existir sinalização de uso obrigatório de luvas, botas, máscara e fato de proteção nas zonas de risco de contaminação biológica; •Assegurar que todos os EPIS são guardados em local apropriado, verificados e limpos, se possível antes, e obrigatoriamente após a utilização, bem como reparados ou substituídos se tiverem danos ou inutilizados. Medidas de Prevenção dos Agentes Biológicos (contaminação/infeção)
  37. 37. Medidas de Prevenção dos Agentes Biológicos Eq. Proteção Coletiva (EPC´s) Eq. Proteção Individual (EPI´s)
  38. 38. Vigilância da Saúde •A exposição dos trabalhadores a agentes biológicos, poderá resultar no desenvolvimento de doenças profissionais, pelo que a vigilância da saúde assume um carácter fundamental. Em alguns casos a vacinação deve ser colocada à disposição dos trabalhadores de forma gratuita. Devem-se proteger trabalhadoras grávidas e outros trabalhadores portadores de problemas físicos que afetem o seu sistema imunitário.
  39. 39. Vigilância da Saúde A vigilância da saúde deve incluir os seguintes procedimentos: •Registo da história clínica e profissional do trabalhador (ficha de aptidão médica); •Avaliação individual do estado de saúde do trabalhador; •Vigilância biológica, sempre que necessário; •Rastreio de efeitos precoces e reversíveis.
  40. 40. Agentes Biológicos vs Doenças Profissionais LEGISLAÇÃO: •Portaria n.º 405/98, de 11 de Julho aprova a classificação dos agentes biológicos conforme estipulado no Decreto-Lei n.º 84/97, de 16 de Abril. •Portaria n.º 1036/98, de 15 de Dezembro veio alterar a lista dos agentes biológicos classificados para efeitos da prevenção de riscos profissionais, aprovada pela Portaria n.º405/98, de 11 de Julho. •Decreto Regulamentar n.º 6/2001, de 5 de Maio, apresenta uma listagem de doenças profissionais (alterado pelo DR n.º 76/2007 de 17 de Julho). •Decreto-Lei n.º 84/97de 16 de Abril estabelece as regras de proteção dos trabalhadores contra os riscos de exposição a agentes biológicos durante o trabalho. •Lei n.º 102/2009 de 10 de setembro, estabelece o regime jurídico do enquadramento da SST (revogada pela Lei n.º3/2014) de 28 de janeiro).
  41. 41. Conclusão •A saúde biológica e mental do trabalhador deve SEMPRE ser preservada através de ações preventivas. É mais lucrativo ter custos com os EPI’s e EPC’s e com a vigilância da saúde do que gastos com funcionários doentes e afastados dos seus postos de trabalho. Sejamos prevenidos e perseverantes, mais vale prevenir do que remediar!
  42. 42. Questões ?
  43. 43. Obrigada pela vossa atenção! Formadora: Eng.ª Filipa Andrade Email: pipaandrade@gmail.com

×