24/03/2014
1
Prof. Me. Hugo David Santana
ESTRUTURA E ANÁLISE DAS
DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS
TEMA – REVISÃO DE CONTEÚDO
OBJ...
24/03/2014
2
EVOLUÇÃO DA CONTABILIDADE
A contabilidade evoluiu de acordo com as
necessidades da sociedade, tornando-se uma...
24/03/2014
3
A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS
DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
Demonstrações, objeto de análise: BP + DRE
Periodicidade...
24/03/2014
4
Passivo Valor R$
Passivo Circulante 10
Passivo N Circulante 30
Patrimônio Líquido
Capital Social 60
Reservas
...
24/03/2014
5
ESTRUTURA DA DRE
RECEITA BRUTA DAS VENDAS
Receita de Serviços
Receita de Vendas
DEDUÇÕES DA RECEITA
Abatiment...
24/03/2014
6
TÉCNICAS DE ANÁLISES POR ÍNDICES.
• Não existe legislação específica para a apuração
e utilização dos indicad...
24/03/2014
7
ÍNDICES DE LIQUIDEZ GERAL
Este índice leva em consideração a situação a
longo prazo da empresa, incluindo no ...
24/03/2014
8
Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante
No Balanço estas informações são evidenciadas
respe...
24/03/2014
9
ÍNDICES DE LIQUIDEZ IMEDIATA
Índice conservador, considera apenas caixa, saldos
bancários e aplicações financ...
24/03/2014
10
DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO
PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL)
A elaboração da Demonstração das Mutações do
Patrimôn...
24/03/2014
11
DEMONSTRAÇÃO DO VALOR
ADICIONADO – DVA
A Demonstração do Valor Adicionado (DVA) é o
informe contábil que evi...
24/03/2014
12
RELATÓRIOS DE ANÁLISE DAS
DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
É um documento, elaborado pelo analista de
Balanços, que c...
24/03/2014
13
a) Extrair dados da contabilidade para elaboração
das demonstrações contábeis;
b) Transformar os dados finan...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisao

1.819 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.819
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A2 cco5 estrutura_e_analise_das_demonstracoes_financeiras_tema_revisao

  1. 1. 24/03/2014 1 Prof. Me. Hugo David Santana ESTRUTURA E ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS TEMA – REVISÃO DE CONTEÚDO OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Proceder a uma revisão dos conteúdos ministrados.
  2. 2. 24/03/2014 2 EVOLUÇÃO DA CONTABILIDADE A contabilidade evoluiu de acordo com as necessidades da sociedade, tornando-se uma aliada dos gestores, através dos registros dos bens e dos gastos. 1. Balanço Patrimonial, 2. Demonstração do Resultado do Exercício; 3. Demonstrações de Mutações do Patrimônio Líquido; 4. Demonstrações do Fluxo de Caixa 5. Demonstração do Valor Adicionado (quando a empresa comercializar títulos na BOVESPA). Peças Obrigatórias: “É uma maneira de transformar os dados das peças contábeis em valores relativos, tornando-os mais fáceis de serem comparados com outras empresas ou com o mercado”(Azevedo, et.al. 2009 p.17) A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS
  3. 3. 24/03/2014 3 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Demonstrações, objeto de análise: BP + DRE Periodicidade: Legal  Anual ou Trimestral Gerencial  A qualquer momento CONCEITO BALANÇO PATRIMONIAL É um demonstrativo Contábil que, em dado momento, apresenta de forma sintética e ordenada as contas patrimoniais agrupadas de acordo com a natureza dos bens, direitos, ou obrigações que representam. Ativo Valor R$ Ativo Circulante 15 Ativo N Circulante 85 Ativo Realizável a Longo Prazo 10 Investimentos 20 Imobilizado 50 Intangível 5 Ativo Total 100 BALANÇO PATRIMONIAL
  4. 4. 24/03/2014 4 Passivo Valor R$ Passivo Circulante 10 Passivo N Circulante 30 Patrimônio Líquido Capital Social 60 Reservas Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Ações em Tesouraria Prejuízos Acumulados Passivo Total 100 BALANÇO PATRIMONIAL O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE É a exposição ordenada de forma dedutiva, do resultado das operações da empresa durante um determinado período. Engloba todas as receitas, despesas, ganhos e perdas do exercício. DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO
  5. 5. 24/03/2014 5 ESTRUTURA DA DRE RECEITA BRUTA DAS VENDAS Receita de Serviços Receita de Vendas DEDUÇÕES DA RECEITA Abatimentos Devoluções Impostos = Receita operacional liquida CUSTOS Custo da Mercadoria vendida (CMV) Custo do produto vendido (CPV) Custo do serviço prestado (CSP) =Resultado operacional bruto DESPESAS OPERACIONAIS Despesas de vendas Despesas admin. e gerais Despesa Tributária ESTRUTURA DA DRE (+/-)RESULTADO FINANCEIRO (+/-) OUTRAS RECEITAS/ DESPESAS OPERACIONAIS = Resultado operacional/ Resultado antes da CSLL e IR (-)DESPESA COM CSLL = Resultado antes do IR (LAIR) (-)DESPESA COM IR = Resultado antes das participações (-) PARTICIPAÇÕES DE ADMINISTRADORES, EMPREGADOS = Resultado liquido do exercício ESTRUTURA DA DRE
  6. 6. 24/03/2014 6 TÉCNICAS DE ANÁLISES POR ÍNDICES. • Não existe legislação específica para a apuração e utilização dos indicadores. • No entanto, a Lei das Sociedades Anônimas trata da liquidez das contas, como forma de comparar os números e comparar as análises. ANÁLISE POR QUOCIENTE É determinada em função da relação existente, entre dois elementos, indicando quantas vezes um, contém o outro ou a proporção de um em relação ao outro. Dividendo 21 l 17 (quociente) Resto 0 3 (dividendo) Exemplo: Este é o processo de análise mais utilizado pelos analistas de Balanços, porque oferece visão global da situação econômica e financeira da Entidade.
  7. 7. 24/03/2014 7 ÍNDICES DE LIQUIDEZ GERAL Este índice leva em consideração a situação a longo prazo da empresa, incluindo no cálculo os direitos e obrigações a longo prazo. Estes valores também são obtidos no balanço patrimonial. Liquidez Geral = (Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo) / (Passivo Circulante + Passivo Não Circulante) ÍNDICES DE LIQUIDEZ CORRENTE Calculada a partir da Razão entre os direitos a curto prazo da empresa (Caixas, bancos, estoques, clientes) e a as dívidas a curto prazo (Empréstimos, financiamentos, impostos, fornecedores). No Balanço estas informações são evidenciadas respectivamente como Ativo Circulante e Passivo Circulante.
  8. 8. 24/03/2014 8 Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante No Balanço estas informações são evidenciadas respectivamente como Ativo Circulante e Passivo Circulante. Similar a liquidez corrente a liquidez Seca exclui do cálculo acima os estoques, por não apresentarem liquidez compatível com o grupo patrimonial onde estão inseridos. O resultado deste índice será invariavelmente menor ao de liquidez corrente, sendo cauteloso com relação ao estoque para a liquidação de obrigações. ÍNDICES DE LIQUIDEZ SECA O resultado deste índice será invariavelmente menor ao de liquidez corrente, sendo cauteloso com relação ao estoque para a liquidação de obrigações. Liquidez Seca = (Ativo Circulante - Estoques) / Passivo Circulante
  9. 9. 24/03/2014 9 ÍNDICES DE LIQUIDEZ IMEDIATA Índice conservador, considera apenas caixa, saldos bancários e aplicações financeiras de liquidez imediata para quitar as obrigações. Um índice de grande importância para análise da situação a curto- prazo da empresa. Liquidez Imediata = Disponível / Passivo Circulante MÉTODO DuPonT Esta ferramenta financeira permite a análise da rentabilidade de uma empresa através dos diversos componentes do sistema DuPont. Assim, analisando cada uma de suas partes é possível compreender as razões pelas quais foi encontrada uma determinada taxa de retorno de um período. O cálculo deverá ser realizado antes da subtração de impostos sobre as vendas. Lucro = Lucro Líquido + Despesas Financeiras Vendas Líquidas = Vendas Brutas – Devoluções e Cancelamentos
  10. 10. 24/03/2014 10 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (DMPL) A elaboração da Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) é facultativa e, de acordo com o artigo 186, parágrafo 2º, da Lei das S/A, a Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) poderá ser incluída nesta demonstração. DFC - DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto ou com patrimônio líquido superior a R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais). Esta demonstração indica a origem de todo o dinheiro que entrou no caixa em determinado período e, ainda, o Resultado do Fluxo Financeiro. Assim como a Demonstração de Resultados de Exercícios, a DFC é uma demonstração dinâmica e também está contida no balanço patrimonial.
  11. 11. 24/03/2014 11 DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO – DVA A Demonstração do Valor Adicionado (DVA) é o informe contábil que evidencia, de forma sintética, os valores correspondentes à formação da riqueza gerada pela empresa em determinado período e sua respectiva distribuição. Obviamente, por se tratar de um demonstrativo contábil, suas informações devem ser extraídas da escrituração, com base nas Normas Contábeis vigentes e tendo como base o Princípio Contábil da Competência. A riqueza gerada pela empresa, medida no conceito de valor adicionado, é calculada a partir da diferença entre o valor de sua produção e o dos bens e serviços produzidos por terceiros utilizados no processo de produção da empresa.
  12. 12. 24/03/2014 12 RELATÓRIOS DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É um documento, elaborado pelo analista de Balanços, que contém as conclusões resultantes do desenvolvimento do processo de Análise. Em geral, o Relatório de Análise deve apresentar informações sobe a situação econômico-financeira da empresa e sobre seu desempenho ao longo dos períodos analisados, bem como as tendências para o futuro. ATIVIDADE 1. A Análise das Demonstrações Financeiras tem como finalidade:
  13. 13. 24/03/2014 13 a) Extrair dados da contabilidade para elaboração das demonstrações contábeis; b) Transformar os dados financeiros em dados econômicos para a tomada de decisão; c) Extrair informações econômico-financeiras dos dados constantes das demonstrações contábeis; d) Transformar os dados econômicos em dados financeiros para a tomada de decisão; e) Revisão das demonstrações financeiras, para prevenir quanto a possíveis erros ou omissões. Reposta = Letra “C”

×