• Curtir

Presidente José Sergio Gabrielli de Azevedo - Cadeia Nacional de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras - 1ª Reunião Estratégica no Estado do Rio de Janeiro

  • 648 visualizações
Carregado em

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Seja o primeiro a comentar
    Be the first to like this
Sem downloads

Visualizações

Visualizações totais
648
No Slideshare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2

Ações

Compartilhamentos
Downloads
24
Comentários
0
Curtidas
0

Incorporar 0

No embeds

Conteúdo do relatório

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Cadeia Nacional de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras 1a Reunião Estratégica no Estado do Rio de JaneiroRio de Janeiro, 08.06.2011José Sergio Gabrielli de AzevedoPresidente 1
  • 2. CONTEXTO ATUAL Principais Fatos da Petrobras Impactos na Indústria Nacional de P&G Principais Desafios Volumes Crescentes de Investimentos da Capacidade Produtiva Petrobras Inovação Tecnológica Cessão onerosa - Maior demanda por Petrobras operadora produtos e serviços única do Pré-Sal de P&G Capacitação de pessoas Gestão Empresarial Aumento das obrigações de conteúdo local Financiamento e incentivos fiscais2 Petrobras, ANP e Análise AccentureFonte: 2 2
  • 3. ESTRATÉGIAS DE ATENDIMENTO ÀS DEMANDAS DE BENS ESERVIÇOS Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores de Bens e Serviços 4 5 1 2 3 Fomentar Desenvolver Fomentar Desenvolver Base Autonomia Conteúdo Desenvolver Conteúdo Adequada de Tecnológica Regional e Efeito Solução de Local Fornecedores (Atendimento (Atendimento às Renda Fornecimento às Obrigações expectativas dos (Empresas nacionais (Regular Competitividade de CL) Stakeholders) com autonomia (Desenvolvimento (Itens Críticos) do Setor) tecnológica) Regional e Responsabilidade Social) Mercado Global Mercado Nacional (incluindo o Mercado Nacional)3 33
  • 4. MODELO DE RELACIONAMENTO ATUAL Governo Órgãos Reguladores BNDES Articulação Institucional Exigências Relatórios Gov. Federal Gov. Estaduais Estrutura Integradora Gov. Municipais Diretrizes Demandas Padrões Informações Procedimentos Instrumentos Presidência Materiais Engenharia Áreas de Negócio Cenpes Finanças Internacional Transpetro PBio Distribuidora Prominp Gestão/ Rede de Gestão Acompanhamento da Implementação Articulação Institucional Ações Regionais Centro de Ex. EPC Entidades Externas Redes Temáticas Organizações da Associações do Mercado Entidades de Apoio Indústria de P&G Fornecedor Nacional e Fomento (Operadoras)4 4 4
  • 5. EVOLUÇÃO DOS INVESTIMENTOS DA PETROBRAS NOBRASIL5 5
  • 6. Desenvolvimento Tecnológico da Cadeia de FornecedoresSetor de Petróleo e Gás Ações de Desenvolvimento de Tecnologia Industrial 18 Setores Diagnóstico de Gargalos Rota de Analisados Competitividade Tecnológicos Equacionamento Identificados R$ 100 milhões Setores de Alta Válvulas 7 Projetos Tecnológicos Competividade Conexões e 5 Flanges Setores de Média Caldeiraria 5 Competividade Umbilicais 6 Setores sem Construção 7 Produção Nacional Naval Significativa Infra-Estrutura Instrument. e Automação 8 Laboratorial R$ 30 milhões Projetos Tecnológicos6 Nota: Estudo detalhado sobre os gargalos tecnológicos da indústria nacional disponível no site do Prominp 6
  • 7. Análise de Competitividade IndustrialPontos de Vulnerabilidades Setoriais Natureza do Problema Estratégia Pessoas Pontos de Melhoria Fornecedores (*) Tecnologia Pessoas Pontos de Melhoria Infra-estrutura Tecnologia Instalações Instrumentos Máquinas Sub-fornecedores (**) Pontos de Melhoria (*) Informações obtidas de relatórios do PGQMSA e através de entrevistas com especialistas da Petrobras. (**) Informações obtidas majoritariamente através de entrevistas com especialistas da Petrobras. Percentual de incidência nos fornecedores 0% a 25% 26% a 50% 51% a 75% 76% a 100%7 7
  • 8. VISÃO GERAL DO PROGRAMA PROGREDIR COMPRADORES / CADEIA DE FORNECEDORES Comitê de Gestão Fornecedor Fornecedor Fornecedor Fornecedor Petrobras (F1) (F2) (F3) (F4) Petrobras FUCNIONALIDADES DO PORTAL DE FINANCIAMENTO Gestão de Gerenciamento Cadastro de Contratos de Operações de Avaliações de Notificações Prominp de Usuários Fornecedores Fornecimento Financiamento Performance de Default Pendências e Relatórios BANCOS BancosCanal de relacionamento entre bancos e fornecedores, com a troca segura de informações, cria aoportunidade para a melhoria das atuais condições de crédito8 8
  • 9. ESTRUTURAS DE FINACIAMENTOS ROTAS INSTRUMENTOS RESULTADOS Prominp Recebíveis 6 Fundos (Fornecedores com contrato Financiamento de R$ 950 Milhões direto com a Petrobras) Capital de Giro Programa Progredir Lançamento na Rio Oil&Gas 2010 (Extensão para toda a cadeia) FIP Capitalização de (Fundos de Investimento em 3 Fundos Fornecedores Participações) R$ 1,9 Bilhões Financiamento de Infra- estrutura Linhas de Financiamento do BNDES (Investimento Fabril)9 9
  • 10. P-56 • Cópia da Plataforma P-51 • Maior índice de nacionalização entre as estruturas do tipo já construídas no país: 73% • Comprimento: 125m • Largura: 110m • Altura: 137m • Distância da costa: 120 km • Produção de petróleo: 100 mil barris/dia • Compressão de gás: 6 milhões de m³/dia • Geração elétrica: 100 MW • Profundidade de Ancoragem: Data da Foto - 01/05/2009 1670m • Peso total: 54 658 toneladas10 10
  • 11. Bens e Serviços para Unidades de Produção Lacunas de Fornecimento Mercado Nacional11 Grau de participação no custo do FPSO 11
  • 12. PORTAL DE OPORTUNIDADES DA CADEIA DE FORNECEDORES DOSETOR DE PETRÓLEO & GÁS – WWW.PROMINP.COM.BR Cerca de 4.000 empresas cadastradas12 12
  • 13. DEMANDAS DE EQUIPAMENTOS - PN 2010 - 2014 Demanda trimestral por família e por sub-família Qtd Qtd Unidades 2.500 Qtd Bombas 19.200 Unidades Qtd 300 Compressores 3.400 Bombas Compressores 2.000 250 200 1.500 150 1.000 100 500 50 0 0 2014_T4 2014_T4 2013_T3 2013_T4 2014_T1 2014_T2 2014_T3 2013_T3 2013_T4 2014_T1 2014_T2 2014_T3 2010_T1 2010_T2 2010_T3 2010_T4 2011_T1 2011_T2 2011_T3 2011_T4 2012_T1 2012_T2 2012_T3 2012_T4 2013_T1 2013_T2 2010_T1 2010_T2 2010_T3 2010_T4 2011_T1 2011_T2 2011_T3 2011_T4 2012_T1 2012_T2 2012_T3 2012_T4 2013_T1 2013_T2 Bomba Alternativa Bomba Centrífuga Bomba Dosadora Bomba - Outras Compressor Alternativo Compressor Centrífugo Compressor Rotativo Parafuso Turbo-compressor Qtd Qtd Unidades Válvulas Unidades Trocadores de Calor Qtd 120.000 950.000 600 Qtd 4.100 100.000 500 Trocadores Válvulas 80.000 400 de Calor 60.000 300 40.000 200 20.000 100 0 0 2014_T4 2013_T3 2013_T4 2014_T1 2014_T2 2014_T3 2010_T1 2010_T2 2010_T3 2010_T4 2011_T1 2011_T2 2011_T3 2011_T4 2012_T1 2012_T2 2012_T3 2012_T4 2013_T1 2013_T2 2014_T4 2013_T3 2013_T4 2014_T1 2014_T2 2014_T3 2010_T1 2010_T2 2010_T3 2010_T4 2011_T1 2011_T2 2011_T3 2011_T4 2012_T1 2012_T2 2012_T3 2012_T4 2013_T1 2013_T2 Válvula Borboleta Válvula de Retenção Válvula Diafragma Trocador de Calor - Casco e Tubo Trocador de Calor - Condensador de Válvula Esfera Válvula Gaveta Válvula Globo Trocador de Calor - Placa Superfície Válvula - Outras13 13
  • 14. PRINCIPAIS PROJETOS PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO US$ milhões Petrobras Petrobras + Terceiros Período 2010-14 E&P 66.766 83.955 US$ 212,3 bilhões no Brasil Exploração; Pré-Sal; Papa-Terra; Roncador; Novas Descobertas; Pesquisa e Desenvolvimento; Badejo UEP; Marlim Sul (Parcela Petrobras) RTC 14.144 14.144 Norte: US$ 5,0 bilhões COMPERJ; REDUC; Plangás GLP Nordeste: US$ 46,7 bilhões Gás & Energia 2.329 3.309 GNL Embarcado; GASDUC III; P&D de Gás Natural Petroquímica 2.137 4.486 COMPERJ Biocombustíveis 334 334 Centro-Oeste : REDUC-HBIO US$ 2,7 bilhões Distribuição 417 417 Sudeste: Sul: US$ 134,5 Projeto Logística e Infraestrutura; Proj. Automotivo e de Aviação; Proj. US$ 8,6 bilhões Distribuição de GLP bilhões Corporativo 2.512 2.512 TI, Telecomunicações, P&D CENPES Investimento Total 88.554 109.07214 14
  • 15. PRESENÇA DA PETROBRAS NOESTADO Ouro Teleporto RB1 Negro Edihb Sulacap Ediven A e B City Tower Edicin Metropolitan Edita Castelo Edise Sedan Campos Elíseos REDUC Ilhas (D’água, Redonda e Comprida) Cargo Park CIPD Guaxindiba 21 Áreas na região Norte Fluminense • 12 uniempresariais CENPES • 3 multiempresariais • 3 aeroportos Estaleiro Inhaúma • 1 porto marítimo • 1 usina termoelétrica com capacidade de 1000Mw Conjunto Caju Docas - Rio • 1 terminal petrolífero para 23 M m3 de gás e 80 mil bbl de óleo 15
  • 16. Principais projetos de produção no RJ Oferta de gás natural no período: 15 - 31 milhões de m³/d FPSO Cidade FPSO de Paraty 150.000 bpd 120.000 bpd Cernambi Lula NE FPSO P-62 180.000 bpd SS P-55 Roncador FPSO Cidade FPSO Cidade 180.000 bpd de Santos de Santos Marlim Sul 35.000 bpd GNA TLWP P-61 e Uruguá Tambaú FPSO P-63 150.000 bpd FPSO Cidade Papa-Terra SS P-56 Angra dos Reis 100.000 bpd 100.000 bpd FPSO Marlim Sul Lula Piloto 100.000 bpd Aruanã Inclui Testes de Longa Duração e Projetos do PLANOLEO 2010 2011 2012 2013 2014 Projetos de Gás Projetos de Óleo 16
  • 17. Principais Empreendimentos - REDUC • Carteira de Diesel (2015) • Nova U-DEA (2015) • Abatimento Emissões (2015) Fase I • Adequação das Drenagens (2016) • Nova ETDI (2016) Fase II • Modernização do Sistema de Flare (2013) Fase III • Melhorias do Ponto A (2011) • Expedição de Diesel (2011) • Carteira de Gasolina (2011) Fase IV • Revamp U-1910 (2010) • Plangás (2010)17 17
  • 18. IMPLANTAÇÃO DO COMPERJ: 3 ETAPAS Comperj Exploração e Exploração e Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Refinaria Trem 1 Petroquímicos Refinaria Trem 2 Transformadores Mercado Produção Produção Final de 2013 2017 2018• Etapa 1 - Refinaria Trem 1 • Etapa 2 - Petroquímicos • Etapa 3 - Refinaria Trem 2 - Processamento de 165 bpd - Em fase de definição do escopo e - Em fase final de Avaliação do - Em fase de Construção e Montagem negociação com Parceiros Negócio - Avanço Físico: 22% 18
  • 19. NOVOS PROJETOS DE INVESTIMENTO DA ÁREA DE GÁS EENERGIA DA PETROBRAS NO RJ: Pré-Sal Rota Cabiúnas – Ago/14 UTE Baixada Fluminense Termelétrica a GN em ciclo combinado de 512 MW de potência instalada, com duas turbinas gás, duas caldeiras de recuperação e uma turbina a vapor. INÍCIO DE OPERAÇÃO: O projeto esta sendo desenvolvido para participar do Leilão de Energia Nova A-3 2011 (LEN A-3), com entrada em operação comercial em ciclo aberto prevista para 01/03/2014 e em ciclo combinado em 01/01/2015, com contratos por 20 anos. INVESTIMENTO (2010-14): US$ 347 milhões. BENEFÍCIOS: Aumento da oferta de energia elétrica proveniente do RJ ao Sistema Interligado Nacional e Processamento de GN do Sistema TECAB- garantia de maior confiabilidade elétrica ao Estado. REDUC: de 23 para 28 milhões m³/dia Processamento de condensado de gás Expansão da Malha Sudeste Fase 2 (Rio de Janeiro) natural do TECAB de 4.500 para 6.000 m³/d. PE Guapimirim II (RJ) PE Cidade do Aço (RJ): será interligado ao Interligado ao GASDUC III e terá GASPAL e terá uma capacidade de 0,4 MM INVESTIMENTO (2010-14): US$ 1.060 milhões. uma capacidade de 2 MM m³/dia m³/dia para atendimento à CEG-Rio. Entrada para atendimento à CEG. em operação: mai/12. Substituirá o PE Guapimirim PRINCIPAIS PRODUTOS: existente. Entrada em operação: abr/13. até 11 milhões de m³/dia de gás natural processado; até 3 mil m³/dia de etano; até 1,1 PE Duque de Caxias (RJ): será interligado no mil m³/dia de propano; até 5 mil m³/dia de gasoduto Japeri-REDUC e fornecerá até 1,5 MM m³/dia para a CEG. Entrada em operação: GLP; e até 1,7 mil m³/dia de C5+. mai/12. PE Japeri II (RJ): será interligado ao gasoduto PE Resende II (RJ): será interligado ao gasoduto Japeri-REDUC e terá uma capacidade de 5,2 MM Campinas-Rio e terá uma capacidade de 1 MM m³/dia para atendimento à CEG. Entrada em operação: jan/12. Fonte:GE-PGI/GPI/SG m³/dia para atendimento à CEG-Rio. Substituirá o PE Resende existente. Entrada em operação: mai/12.19 Data: Jun/11 19
  • 20. BR DISTRIBUIDORA1. DADOS INTERNOS Força de Trabalho Instalações Rio de Janeiro Empregados Próprios 1684 AICAMP, BAVOL, TEDUC Contratados 757 Terminais 1 Requisitados 83 Bases 1 Cedidos 118 Bases em Pool 1 Total 2642 Fábricas de Asfalto 1 Total de Postos Revendedores 386 Postos Certificados (Olho no Combustível) 333 Postos com GNV 82 Lojas BR Mania 78 FASFDUC Fábrica Emulsões Asfálticas de Aeroportos com Instalações BR 1 8 Duque de Caxias2. DADOS DE MERCADO (M3) E PRINCIPAIS PRODUTOS (2010) MERCADO GLOBAL MERCADO REVENDEDOR MERCADO CONSUMIDOR Mercado BR Share Mercado BR Share Mercado BR Share2010 8.091.421 3.089.037 38% 4.543.407 1.218.208 27% 3.548.014 1.870.828 53%Gasolina 1.796.296 591.315 33% 1.753.725 555.128 32% 42.571 36.187 85%Etanol 655.043 184.082 28% 642.100 176.630 28% 12.943 7.451 58%Diesel 2.668.150 772.164 29% 1.144.688 359.484 31% 1.523.463 412.679 27%Óleo Combustível 45.613 33.352 73% 45.613 33.352 73% Setores importantes da cadeia de fornecedores da BR no RJ • Faturamento Bruto: R$ 3.705,1 milhões • Obra Civil e Pavimentação • Manutenção e Reparo de Equipamentos • Recolhimento de ICMS (Direto pela BR): • Publicidade e Propaganda • Serviços e Equipamentos de Tecnologia da Informação R$ 69,9 milhões • Equipamentos para Postos de Serviços • -Equipamentos Industriais para Fábricas,Terminais e Bases 1 Galeão (base aérea inclusive), Santos Dumont, Campos, Farol de São Tomé Campo • -Embalagens20 dos Afonsos, Jacarepaguá, Macaé, Santa Cruz • -Produtos Químicos 20
  • 21. Investimentos de P&D da Petrobras média 2008-10 US$ 872 milhões 1254* 5x média 2001- 03 US$ 160 milhões 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Milhões de US$ * Estimado Investimentos em Meio Ambiente Downstream P&D por área 2008 – 2010 22% 11% Exploração 11% Biocombustíveis 4% 5% Gás & Energia 46% 1% Outras atividades de P&D Produção Total US$ 2,6 bilhões21 © by Petróleo Brasileiro S/ACopyright 21 21
  • 22. Expandindo a Capacidade Brasileira de P&D Sistema Regulatório Brasileiro Obrigações de % Faturamento investimento em P&D Investimentos totais 2006-2010 US$ 1,2 bilhão Investimentos em P&D da Petrobras em universidades e instituições de P&D InvestimentosEstratégia Petrobras Modelo conceitual US$ milhões Infraestrutura e 300 10x recursos humanos 240 180 Projetos de P&D e serviços tecnológicos 120 60 Tempo 0 2004 2005 2006 2007 2008 2009 201022 22 22
  • 23. Desafios para Tecnologia Três Eixos Chave Expandindo os limites Novas Recuperação Reservatórios Sistemas Produção e Logística Otimização e Flexibilidade logística do do gás confiabilidade fronteiras avançada complexos submarinos de de refino exploratórias produção pré-sal Pré-sal Mudando o mix SustentabilidadeCombustíveis,lubrificantes eprodutos Petroquímica Outras Biocombustíveis Água e CO2 e outras Eficiênciaespeciais Gas-química renováveis efluentes emissões energética23 © by Petróleo Brasileiro S/ACopyright 23
  • 24. REDES TEMÁTICAS E NÚCLEOS REGIONAIS Unidades Operacionais da PETROBRAS Instituições de ensino e pesquisa nacionais Construção de novos laboratórios Aquisição de equipamentos Ampliação de infra-estrutura Núcleos Regionais 2006 2010 38 Redes Temáticas 50 Redes Temáticas 1.978 convênios assinados com 105 instituições de ensino e pesquisa nacionais Contratados R$ 2,7 bilhões (Infraestrutura e P&D) 7 NÚCLEOS REGIONAIS RJ - Rio de Janeiro(2) e Macaé(1) BA – Salvador SE – Aracaju 1078 convênios no RJ: infraestrutura e P&D ES – Vitória 2006-2011 - R$ 1,497 Bilhão RN – Natal 39 ICTs24 24
  • 25. Infraestrutura de P&D Construção de Capacidade Local Petrobras Universidades e Instituições de P&D Fornecedores25 © by Petróleo Brasileiro S/ACopyright 25
  • 26. CADASTRO DE FORNECEDORES - RJ CADASTRO CORPORATIVO Status de Fornecimento: Aprovados Qualificados Reprovados 477 465 911 Situação no Portal de Cadastro Ativa Quest. em Aberto 4.711 2.77526 26
  • 27. Total da força de trabalho no RJ: 134.514 Sul Fluminense Baixada Fluminense Efetivo: 87 Efetivo: 2.077 Prestadores de serviços: 743 Prestadores de serviços: 8.870 Força de Trabalho: 830 Força de Trabalho: 10.947 Norte Fluminense Efetivo: 11.706 Prestadores de serviços: 63.912 Força de Trabalho: 75.618 Leste Fluminense Efetivo: 139 Rio de Janeiro Prestadores de serviços: 4.517 Efetivo: 15.905 Força de Trabalho: 4.656Mapa do Estado do Rio de Janeiro Prestadores de serviços: 26.558Mês de referência: maio/2011Fonte: Firjan; BI Consolidado e BW Sispat Força de Trabalho: 42.463 27 27
  • 28. Demanda de Recursos HumanosPlano de Negócios 2010-2014 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 78.402 Profissionais Qualificados 212.638 Demandas PN 2010-1428 28
  • 29. REDE DE MELHORIA DA GESTÃO : 12 Programas Núcleo das Ações da Secretaria Executiva da Rede Referência de metas para obtenção dos indicadores para avaliação FOCO GESTÃO FOCO DESENVOLVIMENTO 3- Modelo de 8- Mecanismos 1- Desenv. de Melhoria Contínua da Financeiros e Tributários Pólos Empresariais Gestão Empresarial e Apoio ao e APLs Conteúdo Nacional 6- Inovação em Gestão, Processos, 4- Modernização da 2- Desenv. Sustentável Bens e Serviços Gestão Pública de Territórios Impactados por Investimentos 11- Capacitação e Desenvolvimento de 9- Mecanismos de Competências Integração da Gestão em Gestão da Cadeia 12- Secretaria Executiva da Rede Estímulo para viabilização da ação 10- Desenvolvimento 5- Inteligência em 7- Fortalecimento da da Cadeia de FOCO COMPLEMENTAÇÃO Logística e Engenharia Brasileira Fornecedores Transporte na América Latina29 29
  • 30. POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO • Potencial industrial e de serviços do Rio de Janeiro para a carteira nacional • Desenvolvimento de pólos empresariais locais com ênfase em escala, competitividade e sustentabilidade • Possibilidade de se integrar com outros pólos, desenvolvendo atividades complementares de fornecimento de bens e serviços para viabilizar a economia de escala • Aproveitamento da oportunidade da demanda Petrobras para tornar-se um exportador nível mundial • Potencial de centros tecnológicos considerando as universidades no Estado30 30
  • 31. GOVERNANÇA REGIONALA definição da Agenda Regional é fundamental para orientar as iniciativas a serem desenvolvidas Workshop para definição do Operacionalização e plano de trabalho e acompanhamento das detalhamento das ações ações planejadas por regionais conjunto de programas Estruturação da Reunião de Definição da Agenda Governança Mobilização Regional Reunião de Regional Trabalho e operacionalização de contratos com Reunião inicial Criação do Comitê Estadiual de operadores Alinhamento interno, Governança e da Secretaria sensibilização do poder Executiva Estadual, público local e da envolvendo fornecedores, Balanço dos indústria fornecedora entidades do governo estadual, Resultados Governo Federal e Petrobras e entidades que possam contribuir Reunião Comitê Anual Estadual Acompanhamento Trimestral da Agenda Regional e ajustes no plano de trabalho Participação do Governador e do Presidente da Petrobras31 31
  • 32. Cadeia Nacional de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras 32