Aula 56 economia política da proteção internacional

2.301 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.301
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 56 economia política da proteção internacional

  1. 1. A Economia Política da Proteção Comercial e Política Comercial Estratégica
  2. 2. Debate Livre comércio - os defensores admitem que é um mecanismo gerador de ganhos de bem-estar e de difusão do desenvolvimento econômico; Alguns importantes autores discordam dessa posição (Hamilton, séc. XVIII; List, séc. XIX; Prebisch, séc. XX); Apesar da defesa explícita de que o livre comércio proporciona níveis elevados de bem- estar, há duzentos anos a economia mundial tem experimentado elevados níveis de protecionismo. PET-Economia FEAC-UFAL 2
  3. 3. Defesa do ProtecionismoArgumento da indústria nascente Em economias com ganhos crescentes de escala, as indústrias dos países retardatários não conseguiriam obter escala mínima de produção para concorrerem com aquelas dos países mais avançados catch-up FEAC-UFAL PET-Economia 3
  4. 4. Abertura Comercial, Perda do Consumidor e Bem-Estar Social Equilíbrio de uma indústria P D S de uma país pequeno P* + t S* + t a b c d P* P* qs qs’ qd’ qdqs = produção doméstica Demanda doméstica pelo produto importadoqd = demanda domésticaP* + t = preço com uma nova tarifa A oferta doméstica doQd - qs = importação produto nacional PET-Economia FEAC-UFAL 4
  5. 5. Resultados (cont.) Perda dos consumidores (a+b+c+d); perda com redução do consumo e pela alta dos preços os produtores domésticos desse bem ganharão pelo aumento da produção (área a) o governo ganhará com o aumento de sua receita tributária perda líquida social do país seria, portanto, o resultado da subtração entre o total das perdas e o total dos ganhos o que corresponde a b+d os ganhos sociais para o país poderia ocorrer se fosse absorvida mão-de-obra, antes empregada fora da economia de mercado em um setor de subsistência PET-Economia FEAC-UFAL 5
  6. 6. Outro exemplo de benefícios da proteção (cont.) R$P* + t S P* Pa Cme q qm qlc qaPressuposto - rendimentos crescentes de escala para a indústriadoméstica de um determinado produto (televisão)Explicação - em P* não há produção nacional de televisores lote mínimo qm qlc $ baixos PET-Economia FEAC-UFAL 6
  7. 7. País Grande Tarifa Ótima A participação de um país grande na oferta e demanda mundiais as vezes é significativa para a determinação dos $ internacionais; o conceito de país grande refere-se a sua importância econômica e não geográfica Exemplo  EUA - grande demanda mundial (importação) - influenciam os preços internacionais  País grande - tarifa - consumo mundial - $ dos produtos  O país grande se beneficiará da redução dos $ internacionais  O país grande se aproveita da demanda e oferta inelásticas dos produtos exportados e importados, respectivamente. PET-Economia FEAC-UFAL 7
  8. 8. Proteção Efetiva A proteção efetiva é entendida como uma estrutura de proteção que atua não apenas em defesa de um produto específico, masconsidera a estrutura total de proteção sobre uma determinada cadeia de produção PET-Economia FEAC-UFAL 8
  9. 9. Proteção Efetiva Medir o grau de proteção dos produtores domésticos – verificar a diferença sobre a tributação do produto final e a realizada sobre os insumos importados Tn = tarifa nominal p – p* p = $ doméstico do produto, pós- Tn = tarifação P* p* = $ do produto em livre comércio Proteção efetiva significa o aumento proporcional do valor adicionado por unidade do produto, relativa ao seu preço em livre comércio PET-Economia FEAC-UFAL 9
  10. 10. Proteção Efetiva P*jTj - Som. TiP*iaij TE = P*j - Som. P*iaij Onde: P*j = $ do produto j, em livre comércio P*i = $ do produto i, em livre comércio Ti = tarifa ad valorem do produto j Tj = tarifa ad valorem do insumo i Aij = valor percentual do insumo i necessário para produzir uma unidade adicional de jEx.: proteção da indústria automobilística de 35%. Tarifa nominal médiade 10% sobre os insumos. Valor final de vendas dos veículos 100 u.m.•Montadora x, produz carros populares importando 10% do total do valordo veículo em insumos•Montadora z, produz carros médios importando 25% do total do valor doveículo em insumos•Montadora y, produz caros de luxo importando 50% do total do valor doveículo em insumos PET-Economia FEAC-UFAL 10
  11. 11. Aplicação da Tarifa EfetivaTarifa efetiva ad valorem sobre o automóvel produzido pela montadora x TE = (100x0,35) – (10x0,10) = 34 = 0,38 100 – 10 90Com Tj = 35%; Ti = 10% e Som. P*i.aij =(100xo,10) = 10Tarifa efetiva ad valorem sobre o automóvel produzido pela montadora y TE = (100x0,35) – (25x0,10) = 32,5 = 0,43 100 – 25 75Tarifa efetiva ad valorem sobre o automóvel produzido pela montadora z TE = (100x0,35) – (50x0,10) = 34 = 0,50 100 – 50 50 PET-Economia FEAC-UFAL 11
  12. 12. Conclusão Quanto maior for a participação dos importados, e maior for a diferença entre atarifa sobre o produto final e a tarifa sobre os insumos, maior será a tarifa efetiva PET-Economia FEAC-UFAL 12
  13. 13. Política Comercial Estratégica“A política comercial estratégica pressupõe a existência de objetivos estratégicos, isto é, interesses a serem defendidos, tratando, portanto, dos instrumentos para alcançar tais objetivos. Neste sentido tal questão está intimamente ligada ao debate de dois importantes temas contemporâneos: economia internacional e desenvolvimento e economia internacional e poder, que é o campo da economia política internacional” PET-Economia FEAC-UFAL 13
  14. 14. Estratégias competitivas e cooperação Bombardier f n1 Caso: matriz de lucrosobtidos F -5 0Uma firma em cada país -5 50Mercado interno pequeno EmbraerProdução voltada para N 50 0exportação 0 0 Bombardier f n1 Caso: matriz de lucrosobtidos com subsídios -5 0 FO governo concede 10% de 5 60subsídios no valor do total Embraerdo capital investido pela N 50 0empresa. 0 0 PET-Economia FEAC-UFAL 14
  15. 15. Conflito e Cooperação na Política Comercial EUA c n C 100 500 100 10 Brasil N 10 50 500 50 PET-Economia FEAC-UFAL 15
  16. 16. Bibliografia BAUMANN, Renato; CANUTO, Otaviano; GONÇALVES, Reinaldo. Economia Internacional: teoria e experiência brasileira. Rio de Janeiro: CAMPUS, 2004. PET-Economia FEAC-UFAL 16

×