Lendas de portugal 2

582 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
582
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lendas de portugal 2

  1. 1. Peter l Lendas de Portugal (Contos tradicionais ,Mitos & Lendas)
  2. 2. O QUE É UMA LENDA?  Narrativa fantasiosa transmitida pela tradição oral através dos tempos.  De caráter fantástico e/ou fictício, combinam fatos reais e históricos com fatos irreais que são meramente produto da imaginação aventures cá humana.  Com exemplos bem definidos em todos os países do mundo, as lendas geralmente fornecem explicações plausíveis, e até certo ponto aceitáveis, para coisas que não têm explicações científicas comprovadas, como acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais. Podemos entender que lenda é uma degeneração do Mito. Como diz o dito popular "Quem conta um conto aumenta um ponto", as lendas, pelo fato de serem repassadas oralmente de geração a geração, sofrem alterações à medida que vão sendo recontadas.  Muitos pesquisadores, historiadores, ou folcloristas, afirmam que as lendas são apenas frutos da imaginação popular, porém como
  3. 3.  Um frade andava no peditório; chegou à porta de um lavrador, mas não lhe quiseram aí dar nada. O frade estava a cair com fome, e disse: - Vou ver se faço um caldinho de pedra. E pegou numa pedra do chão, sacudiu-lhe a terra e pôs-se a olhar para ela para ver se era boa para fazer um caldo. A gente da casa pôs-se a rir do frade e daquela lembrança. Diz o frade: - Então nunca comeram caldo de pedra? Só lhes digo que é uma coisa muito boa. Responderam-lhe: - Sempre queremos ver isso. Foi o que o frade quis ouvir. Depois de ter lavado a pedra, disse: -Se me emprestassem aí um pucarinho. Deram-lhe uma panela de barro. Ele encheu- a de água e deitou-lhe a pedra dentro.
  4. 4.  - Está um bocadinho insosso; bem precisa de uma pedrinha de sal. - Também lhe deram o sal. Temperou, provou, e disse: - Agora é que com uns olhinhos de couve ficava que os anjos o comeriam. A dona da casa foi à horta e trouxe-lhe duas couves tenras. O frade limpou-as e ripou-as com os dedos deitando as folhas na panela. Quando os olhos já estavam aferventados, disse o frade: - Ai, um naquinho de chouriço é que lhe dava uma graça… Trouxeram-lhe um pedaço de chouriço; ele botou-o na panela, e enquanto se cozia, tirou do alforge pão e arranjou-se para comer com vagar. O caldo cheirava que era um regalo. Comeu e lambeu o beiço; depois de despejada a panela ficou a pedra no fundo. A gente da casa, que estava com os olhos nele, perguntou-lhe: - Ó senhor frade, então a pedra? Respondeu o frade: - A pedra lavo-a e levo-a comigo para outra vez. E assim comeu onde não lhe queriam dar nada.
  5. 5. Um mito é uma narrativa tradicional com caráter explicativo e/ou simbólico, profundamente relacionado com uma dada cultura e/ou religião. O mito procura explicar os principais acontecimentos da vida, os fenômenos naturais, as origens do Mundo e do Homem por meio de deuses, semideuses eO que é um mito? heróis (todas elas são criaturas sobrenaturais). Pode-se dizer que o mito é uma primeira tentativa de explicar a realidade. A explicação mítica é contrária à explicação filosófica. A Filosofia procura, através de discussões, reflexões e argumentos, saber e explicar a realidade com razão e lógica enquanto que o mito não explica racionalmente a realidade, procura interpretá-la a partir de lendas e de histórias sagradas, não tendo quaisquer argumentos para suportar a sua interpretação. Ao mito está associado o rito. O rito é o modo de se pôr em ação o mito na vida do Homem (Ex: cerimónias, danças, orações, sacrifícios...).
  6. 6.  Antes de haver a informação impressa, a maior parte das informações e histórias eram passadas através da tradição oral. Alguns povos tinham "contadores de histórias" que iam de lugar em lugar contando fatos e fantasias. Também nas aldeias e vilas haviam pessoas que eram guardiãs as tradições e histórias, sendo procuradas pelos que queriam ouvir e saber. Na idade média, os trovadores iam de cidade em cidade "cantando" as histórias e lendas. A palavra lenda apareceu primeiramente na língua latina, daí passando para o francês e o inglês. Do latim veio também para o português, italiano e espanhol. Nos tempos antigos, uma "lenda" descrevia fatos, pessoas e histórias tidas como

×