Aplicação de ferramentas de
análise espacial e de estatística espacial
Retrato do Sector Estratégico do
Comércio na cidade...
Nota Introdutória
– No âmbito do estágio curricular, do Mestrado Gestão do Território Detecção Remota e Sistemas de Inform...
Metodologia
– A informação para este trabalho tem por base o recenseamento comercial
dos estabelecimentos de comércio de r...
1º - Modelo físico para a “Variação do Retalho”
e “Variação da Restauração” (Model Builder)
Estabelecimentos de comércio d...
2º - Modelo físico da análise de Hot Spot para o
Retalho e Restauração do ano 2009 (Model Builder)

•

Funciona
Cira umanu...
2º - Modelo físico da análise de Hot Spot para o
Retalho e Restauração do ano 2009 (Model Builder)
2º - Modelo físico da análise de Hot Spot para o
Retalho e Restauração do ano 2009 (Model Builder)
3º - Procedimentos da utilização da
ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
3º - Procedimentos da utilização da
ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
3º - Procedimentos da utilização da
ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
3º - Procedimentos da utilização da
ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
3º - Procedimentos da utilização da
ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
3º - Procedimentos da utilização da
ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
3º - Procedimentos da utilização da
ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
Resultados

1995
2000
2009
Densidade
Retalho
Sup. de Exp.
de Venda

1995
2000
2009
Densidade
Restauração

1995
2000
2009
D...
Resultados

Fonte: Elaboração Própria, 2013.

HotSpot
HotSpot
Retalho 2009
Restauração 2009
Nº dede exposição
Nº de pessoa...
Resultados

Fonte: Elaboração Própria, 2013.

Kriging
Restauração 2009
Retalho 2009
Nº dede cliente
Sup. pessoal
exposição...
Considerações finais
Na análise da variação
considerações finais:

de

densidade

destacam-se

as

seguintes

– Retalho: p...
Considerações finais
Na análise dos resultados do Hot Spots e do Kriging destacam-se as
seguintes considerações finais:
– ...
Obrigado pela vossa atenção!
EUE 2013 - Pedro Dias
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

EUE 2013 - Pedro Dias

362 visualizações

Publicada em

Neste trabalho são apresentadas as metodologias e análises aplicadas ao sector estratégico do comércio na cidade de Lisboa de forma a visualizar qual o retrato deste sector na cidade. Para tal são utilizadas ferramentas específicas, a partir do software ArcGIS v.10, de forma a obter análises específicas. Estas ferramentas fazem parte de duas extensões do software, que são a “Spatial Analyst Tools” e a “Spatial Statistics Tools”. Da primeira extensão são utilizadas as ferramentas “Kernel Density”, “Minus” e “Plus” e da segunda extensão “Hot Spot Analysis” e o “Kriging”. A informação é composta pelo recenseamento comercial dos “estabelecimentos de comércio de retalho” e dos “estabelecimentos de restauração e bebidas”, dos anos 1995, 2000 e 2009. Nestes recenseamentos existe também informação complementar que permite fazer o outro tipo de análises com outra perspectiva, sendo esta o “nº de pessoal ao serviço” e a “área de superfície de cliente”. O uso do primeiro grupo de ferramentas têm como intuito verificar qual a variação de densidade, ao longo dos 3 recenseamentos, de forma a visualizar quais são as áreas da cidade onde existe “perda” ou “ganho” de estabelecimentos de comércio. O segundo grupo de ferramentas, é aplicado exclusivamente para o recenseamento de 2009, sobre os dois campos de informação complementar. De acordo com cada uma das perspectivas, com a primeira ferramenta (Hot Spot Analysis) será possível verificar quais é que são as áreas consideradas como “quentes” ou “frias”. A utilização da segunda ferramenta (kriging) terá como objectivo principal a representação cartográfica dos resultados anteriores numa superfície plana e contínua, uma vez que os resultados anteriores são expressos em pontos.

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
362
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

EUE 2013 - Pedro Dias

  1. 1. Aplicação de ferramentas de análise espacial e de estatística espacial Retrato do Sector Estratégico do Comércio na cidade de Lisboa Orientador: Prof. José Tenedório (FCSH) Co-orientador: Prof. Jorge Rocha (IGOT) Orientador de Estágio: Ana Teresa Tomé (CML) Elaborado por: Pedro Dias
  2. 2. Nota Introdutória – No âmbito do estágio curricular, do Mestrado Gestão do Território Detecção Remota e Sistemas de Informação Geográfica, realizado na Câmara Municipal de Lisboa (CML), Direcção Municipal de Economia e Inovação (DMEI), elaboraram-se várias análises espaciais representadas em mapas ilustrativos, com recurso ao software de Sistemas de Informação Geográfica (SIG) ArcGIS v.10, especificamente a partir das extensões Spatial Analyst Tools e Spatial Statistics Tools. – Nesta apresentação são apresentadas as metodologias e análises aplicadas ao sector estratégico do comércio na cidade de Lisboa de forma a visualizar qual o retrato deste sector na cidade. Para tal são utilizadas ferramentas específicas de forma a obter análises também específicas que são apresentadas seguidamente.
  3. 3. Metodologia – A informação para este trabalho tem por base o recenseamento comercial dos estabelecimentos de comércio de retalho e restauração e bebidas, dos anos 1995, 2000 e 2009. Nestes recenseamentos existe também informação complementar que permite fazer outro tipo de análises com outra perspectiva, sendo esta o “nº de pessoal ao serviço” e a “superfície de cliente” / “superfície de exposição de venda”. – Foi utilizado como suporte de trabalho a aplicação Model Builder, que permitiu uma melhor organização da informação. – A Metodologia resume-se em 3 grandes pontos: • 1º - Modelo físico para a “Variação do Retalho” e “Variação da Restauração” (Model Builder); • 2º - Modelo físico da análise de Hot Spot para o Retalho e Restauração do ano 2009 (Model Builder); • 3º - Procedimentos da utilização da ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst.
  4. 4. 1º - Modelo físico para a “Variação do Retalho” e “Variação da Restauração” (Model Builder) Estabelecimentos de comércio de retalho – Superfície de Exposição de Venda (SV) Estabelecimentos de comércio de restauração e bebidas – Superfície de Cliente (SC)
  5. 5. 2º - Modelo físico da análise de Hot Spot para o Retalho e Restauração do ano 2009 (Model Builder) • Funciona Cira umanum contexto ondevizinhança. nova .shp de identifica Um ponto com um estatisticamenagrupamentos espaciaisvalor alto não significa que é um te significativos de valoreshot spot elevados estatisticamente significativo. Para (hot spots) e valores baixos (cold ser um hot spot estatisticamente spots). significativo, um ponto tem que ter um valor alto e ser “rodeado” por outros pontos com valores também altos. A soma local para um ponto e os seus vizinhos é comparada proporcionalmente à soma de todos os pontos, quando a soma local é muito diferente da soma local esperada, e essa diferença é demasiado grande, resulta num valor z estatisticamente significativo.
  6. 6. 2º - Modelo físico da análise de Hot Spot para o Retalho e Restauração do ano 2009 (Model Builder)
  7. 7. 2º - Modelo físico da análise de Hot Spot para o Retalho e Restauração do ano 2009 (Model Builder)
  8. 8. 3º - Procedimentos da utilização da ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
  9. 9. 3º - Procedimentos da utilização da ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
  10. 10. 3º - Procedimentos da utilização da ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
  11. 11. 3º - Procedimentos da utilização da ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
  12. 12. 3º - Procedimentos da utilização da ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
  13. 13. 3º - Procedimentos da utilização da ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
  14. 14. 3º - Procedimentos da utilização da ferramenta Kriging – Extensão Geostatistical Analyst
  15. 15. Resultados 1995 2000 2009 Densidade Retalho Sup. de Exp. de Venda 1995 2000 2009 Densidade Restauração 1995 2000 2009 Densidade Restauração Sup. Cliente Fonte: Elaboração Própria, 2013. 1995 Variação de densidade 2000 2009 Restauração – de Exp. de Venda Retalho – Sup. Sup. de Cliente 1995Densidade – 2009 Retalho
  16. 16. Resultados Fonte: Elaboração Própria, 2013. HotSpot HotSpot Retalho 2009 Restauração 2009 Nº dede exposição Nº de pessoal Sup. pessoal Sup. de cliente ao serviço ao serviço de venda
  17. 17. Resultados Fonte: Elaboração Própria, 2013. Kriging Restauração 2009 Retalho 2009 Nº dede cliente Sup. pessoal exposição ao serviço de venda
  18. 18. Considerações finais Na análise da variação considerações finais: de densidade destacam-se as seguintes – Retalho: perda acentuada de densidade do número de estabelecimentos no global da cidade; os ganhos ocorreram em áreas específicas e, na maior parte dos casos, em centros comerciais (p.ex.: Centro Comercial Colombo e Vasco da Gama), sobretudo na “superfície de exposição de venda”; – Restauração: aumento generalizado das densidades do número de estabelecimentos, da “superfície de cliente” e do “nº de pessoal ao serviço”, com destaque para a área "empresarial" (Avenidas Novas, Campo Pequeno, Parque das Nações), tal como nos centros comerciais identificados anteriormente; Importa também salientar que o fecho da Feira Popular de Lisboa, representa a maior perda da cidade durante o período em análise.
  19. 19. Considerações finais Na análise dos resultados do Hot Spots e do Kriging destacam-se as seguintes considerações finais: – Retalho: verifica-se que o El Corte Inglês é um dos grandes influenciadores de ponto quente, tanto em “nº de pessoal ao serviço” como “superfície de exposição de venda”, uma vez que se trata de uma grande superfície com valores elevados que é “rodeada” por um conjunto de pontos vizinhos também eles elevados. Outra observação, no que diz respeito ao “nº de pessoal ao serviço” a zona envolvente da Baixa é considerada como “fria”; por outro lado, no que diz respeito à “superfície de cliente” a Baixa é considerada como “fria” e a envolvente já não é. – Restauração: verifica-se que o contraste entre “quente” e “frio” é bastante superior em relação ao Retalho, contudo é no “nº de pessoal ao serviço” em que este é elevado. No “nº de pessoal ao serviço” as áreas consideradas como “quentes” coincidem com as áreas onde existe um maior “ganho” de densidade da Restauração, por outro lado as áreas consideradas como “frias” coincidem com as áreas de “perda”.
  20. 20. Obrigado pela vossa atenção!

×