Aula termos essenciais

3.485 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.485
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
213
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula termos essenciais

  1. 1. Colégio Militar de Campo Grande – CMCG Seção de Ensino E - 1º anoLíngua Portuguesa – Ten Graciela Granetto e Ten Sirley FUNÇÃO SINTÁTICA
  2. 2. Circuito FechadoChinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear,pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente.Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, telefone, agenda, copo com lápis, caneta, blocos denotas, espátula, pastas, caixa de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo.Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques,memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios,fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetos de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo,quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa,guardanapo, xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona,papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, gravata, paletó. Carteira,níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos. Jornal. Mesa,cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapos. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. Mesa epoltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta,cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro,fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista.Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras, cigarro e fósforo. Poltrona, livro.Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca,pijama, espuma, água. Chinelos.Coberta, cama, travesseiro.Referência:RICARDO, Ramos. Circuito fechado. Rio de Janeiro, Record, 1978.
  3. 3. TERMOS ESSENCIAIS: SUJEITO E PREDICADO O elemento a respeito do qual se informa algo denomina-se SUJEITO. A informação propriamente dita recebe o nome de PREDICADO. OS ALUNOS DO 1º ANO SAÍRAM DE CASA ANCIOSOS PELA AULA DE ANÁLISE SINTÁTICA. Sobre quem se fala? OS ALUNOS DO 1º ANO Qual o assunto?SAÍRAM DE CASA ANCIOSOS PELA AULA DE ANÁLISE SINTÁTICA. Em síntese: SUJEITO: é o elemento da oração sobre o qual se emite uma informação. PREDICADO: é o elemento da oração que informa algo a respeito do sujeito.
  4. 4. OS ALUNOS DO 1º ANO SAÍRAM DE CASA ANCIOSOS PELAAULA DE ANÁLISE SINTÁTICA. SUJEITO PREDICADO Núcleo do sujeito: alunos TIPOS DE SUJEITO 1. SUJEITO SIMPLES: quando possui um único núcleo. Muitos atletas brasileiros atuam na Europa. 2. SUJEITO COMPOSTO: quando possui mais de um único núcleo. Atletas , bailarinas, atores e cantores brasileiros atuam na Europa.
  5. 5. 3. SUJEITO IMPLÍCITO ( elíptico ou oculto): quando não éexpresso, mas podem ser identificados pela desinência verbalou pelo contexto. Descansarei amanhã, depois de ter feito a tarefa. Foi aprovado porque estudou! SUJEITO SIMPLES CLARO OU SUJEITO SIMPLES DESINENCIAL OU IMPLÍCITO: Exemplo 1: Eu quero um celular novo. Quero um celular novo. Exemplo 2: Nós visitamos o museu da cidade. Visitamos o museu da cidade.
  6. 6. OBSERVAÇÃO:A Nomenclatura GramaticalBrasileira (NGB) só admite aseguinte classificação dosujeito: simples, composto,indeterminado e inexistente.Assim, o sujeito oculto seriaapenas uma subdivisão dosujeito simples. (FARACO &MOURA)
  7. 7. 4. SUJEITO INDETERMINADO: quando não podemos ou nãoqueremos identificar com precisão.Ocorre em dois casos:- quando o verbo está na 3ª pessoa do plural, sem referenciar anenhum substantivo expresso anteriormente expresso. Bateram à porta. Anunciaram a morte do diplomata.- com VI, VTI ou VL, acompanhados da partícula SE, camada deíndice de indeterminação do sujeito. Vive-se bem. Falava-se baixo.
  8. 8. O SUJEITO INDETERMINADO OCORRE NOS SEGUINTES CASOS: Com verbos na terceira pessoa do plural,conjugados em qualquer tempo, em orações em quenão haja nenhum sujeito claro.Não leram o manual de instrução.Invadiram a sala de aula.Prenderam mais um suspeito do roubo.Tocaram a campainha.Fizeram a pesquisa.Comentaram muito esta notícia.
  9. 9. Com verbos intransitivos na terceira pessoa dosingular, com a partícula se:Lê-se muito nesta escola.Conversava-se pouco naquela casa.Dorme-se mal por lá porque faz muito calor.Com verbos transitivos indiretos na terceira pessoado singular, com a partícula se:Precisa-se de ajudantes.Necessita-se de profissionais experientes.Trata-se de uma doença rara.
  10. 10. Outros exemplos:Professora, pegaram o meu estojo!Esqueceram meu aniversário!Brincava-se pouco naquela época.Falava-se pouco naquela sala.
  11. 11. Pelo avesso (Composição: Sérgio Britto) Vamos deixar que entrem Que invadam o seu lar Pedir que quebrem Que acabem com seu bem-estar Vamos pedir que quebrem O que eu construí pra mim Que joguem lixo Que destruam o meu jardim Eu quero o mesmo inferno A mesma cela de prisão - a falta de futuroEu quero a mesma humilhação - a falta de futuro
  12. 12. Vamos deixar que entrem Que invadam o meu quintal Que sujem a casa E rasguem as roupas no varal Vamos pedir que quebrem Sua sala de jantar Que quebrem os móveis E queimem tudo o que restar Eu quero o mesmo inferno A mesma cela de prisão - a falta de futuroEu quero a mesma humilhação - a falta de futuro Eu quero o mesmo inferno A mesma cela de prisão - a falta de futuro O mesmo desespero
  13. 13. OBSERVANDO O CONTEXTO DA ORAÇÃO:Os assaltantes entraram pela portalateral do banco. Depois, renderam osfuncionários e tomaram o gerente comorefém.
  14. 14. SUJEITO INDETERMINADO x SUJEITO DESINENCIAL / IMPLÍCITO / OCULTO:Sujeito desinencial: não aparece claramentena oração, mas pode ser identificado pelaterminação do verbo e/ou pelo contexto.Sujeito indeterminado: não aparececlaramente na oração e não pode seridentificado.
  15. 15. MAIS UM EXEMPLO:“O povoamento destas terras sócomeçou há 100 anos. A partir daí, ascidades mudaram pouco. Parecem asmesmas do tempo dos pioneiros”.
  16. 16. 5. ORAÇÃO SEM SUJEITO: quando o verbo é impessoal. Ocorre nos seguintes casos:- fenômenos metereológicos (Chovia. / Ventava durante a noite).- HAVER no sentido de EXISTIR ou tempo decorrido ( Haviacrianças morrendo. / Há duas semanas não o vejo).- FAZER referindo-se a fenômenos metereológicos ou tempodecorrido ( Fazia 40° a sombra. /
  17. 17. ORAÇÕES COM VERBOS QUE INDICAM FENÔMENOS DA NATUREZAQuando uma nuvem fica muito pesada, chove.Tem chovido pouco nos últimos anos.Anoitece mais tarde no verão.Quando os verbos se relacionam afenômenos da natureza ou a tempo, épossível afirmar que não existe sujeito. Nestecaso, afirma-se que o sujeito é inexistente ouque a oração é sem sujeito. O verbo éconjugado sempre na 3ª pessoa do singular.
  18. 18. ORAÇÕES COM VERBOS FAZER E HAVER INDICANDO TEMPO DECORRIDO: Faz dois anos que moro nesta cidade. Faz três anos que iniciamos o plantio. Havia semanas que pesquisávamos a distribuição da água no planeta.Quando os verbos “fazer” e “haver” indicamtempo decorrido, eles são impessoais, e asorações em que aparecem também sãoorações sem sujeito.
  19. 19. ORAÇÕES COM VERBO HAVER NO SENTIDO DE EXISTIR:Antigamente, havia uma praça aqui.Houve um comício e toda a escola compareceu. O verbo “haver”, quando é sinônimo de existir ou acontecer, é impessoal. Neste caso, o sujeito será inexistente.
  20. 20. ORAÇÕES COM VERBO SER INDICANDO DISTÂNCIA OU TEMPO:De Los Angeles até o ponto onde a água éencontrada são centenas de quilômetros.Eram dez horas quando terminamos apesquisa.Quando o verbo “SER” indica distância outempo, também é impessoal e as orações emque ele se encontra são orações sem sujeito.
  21. 21. OS PREDICADOS PODEM SER DE TRÊS TIPOS:PREDICADO VERBAL;PREDICADO NOMINAL ePREDICADO VERBO-NOMINAL.
  22. 22. PREDICADO VERBAL:Quando o predicado traz um verbo como núcleo.De grão em grão, a galinha enche opapo.Deus ajuda quem cedo madruga.O menino plantou uma árvore.O bebê chorou a noite inteira.
  23. 23. VERBOS SINIFICATIVOS (DE AÇÃO OU NOCIONAIS)Indicam ação, acontecimento, fenômeno natural,desejo, atividade mental.Apresentam transitividade ou não. A transitividade verbal é a necessidade que algunsverbos apresentam de ter outras palavras comocomplemento. A esses verbos que exigem complementochamamos de transitivos e aos que não exigemcomplemento chamamos de intransitivos.
  24. 24. VERBOS INTRANSITIVOSSão verbos intransitivos os que não necessitam decomplementação, pois já possuem sentido completo. Observeestas frases, retiradas de manchetes de jornais: Rei Hussein, da Jordânia, morre aos 63.24 mil pessoas casam-se ao mesmo tempo.Nascem trigêmeos na virada do ano.Perceba que esses verbos não necessitam de qualquer elementopara complementar seu sentido, pois quem morre, morre, quemse casa, casa-se, quem nasce, nasce.
  25. 25. VERBOS TRANSITIVOSSão verbos que necessitam de complementação, poistêm sentido incompleto. Observe as orações: O Fluminense venceu o Flamengo.Cliente reclama de promoção da BCP.Medida em estudo promete alívio para os Estados.Perceba que os três verbos utilizados nos exemplosnecessitam de complementação, pois quem vence,vence alguém, quem reclama, reclama de algo equem promete, promete algo a alguém.
  26. 26. TRANSITIVO DIRETOExige complemento sem preposição obrigatória. O complementoé denominado objeto direto. • Presidente receberá governadores. • Prefeitura compra novos computadores.TRANSITIVO INDIRETOExige complemento com preposição obrigatória. O complementoé denominado objeto indireto. • Eleitor não obedece à convocação do TRE. • População ainda acredita nos políticos.TRANSITIVO DIRETO E INDIRETOPossuem dois complementos; o objeto direto e o objeto indireto.
  27. 27. PREDICADO NOMINAL: Quando o núcleo do predicado não é um verbo, ou seja, a declaração que se fazsobre o sujeito não está contida no verbo, mas sim num nome (substantivo ouadjetivo) que vem na sequência do verbo.Mariana está doente.João anda animado com a compra da casa nova.A menina parecia emocionada ao ver o filme.Papai andava preocupado nos últimos tempos.
  28. 28. PREDICADO VERBO-NOMINAL: É quando o predicado tem dois núcleos: um núcleo verbal e outro núcleo nominal. Mariana chegou atrasada na escola. O bebê acordou chorando. O menino entrou gritando na sala.O juiz julgou o réu culpado.Núcleos:julgou- verbo significativoculpado- predicativo do objeto (o réu)
  29. 29. ESTRUTURA DA ORAÇÃO COMPREDICADO VERBO-NOMINAL:JOÃO CHEGOU SATISFEITO. Sujeito VI Predicativo do sujeito A MOÇA LEU A CARTA SORRIDENTE. Sujeito VTD OD Predicativo do sujeitoNÓS CONSIDERAMOS A PROVA FÁCIL.Sujeito VTD OD Predicativo do objeto.
  30. 30. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:FARACO & MOURA, Linguagem Nova – LínguaPortuguesa. São Paulo: Ática, 17ª ed, 2003(Coleção 5ª a 8ª série)FIGUEIREDO, Regina e VIEIRA, Maria dasGraças. Ler, entender e criar – LínguaPortuguesa, São Paulo: Ática, 1ª ed, 2003(Coleção 5ª a 8ª série)

×