1 arcadismo power meire

4.240 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
288
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1 arcadismo power meire

  1. 1. ARCADISMO/SETECENTISMO/NEOCLASSICISMO(1768 – 1808) 
  2. 2. O SÉCULO DAS LUZES (Pág.184) Descobertas do físico Isaac Newton sobre a gravitação universal e o movimento dos corpos – pesquisa científica como forma de compreender e explicar o funcionamento da natureza. (Séc. XVIII) Explicações racionais para os fenômenos que se observa. As ameaças de condenação eterna e a subordinação absoluta ao poder divino perdem força. A pesquisa científica ganha impulso. O reinado da fé foi substituído pela crença na racionalidade. Grandes filósofos como Descartes, Diderot, Voltaire, Rousseau e Montesquieu adotam a razão como parâmetro para analisar as crenças tradicionais, as organizações sociais (Contrato Social), etc. Razão e ciência = “faróis” que guiam o ser humano para longe do obscurantismo e da ignorância. Razão = “luz interior” (ILUMINISMO= recuperação do espírito experimental, racional, que buscava o saber enciclopédico, científico.) Enciclopédia = D`Alembert e Diderot (enciclopedistas franceses/1751 e 1780). Base filosófica da Revolução Francesa.
  3. 3. Natureza: medida de equilíbrio e harmonia  Três elementos definem a postura ILUMINISTA: razão, natureza e verdade.  A natureza é o único desses conceitos que se manifesta de modo concreto para a observação humana, exemplo de concretização do BELO, alcançado pela harmonia e equilíbrio de seus elementos. Modelo a ser imitado.  Deus é encarado como uma razão superior, causa primeira, e o ser humano torna-se, cada vez mais, senhor do seu próprio destino. Cabe a ele estudar e compreender os fenômenos naturais à luz da razão, da ciência.  MOZART = gênio incomparável, cuidado com a harmonia e o equilíbrio presentes em todas as formas de arte do século XVIII.  Há crítica da burguesia culta aos demandos do clero e da nobreza. A burguesia tem projeção importante nesse século.
  4. 4. O Arcadismo: ordem e convencionalismoO Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ouNeoclacissismo, é o movimento que compreende a produçãoliterária brasileira na segunda metade do século XVIII. O nomefaz referência à Arcádia, região do sul da Grécia que, por suavez, foi nomeada em referência ao semideus Arcas (filho de Zeus eCalisto).Região habitada por pastores, um lugar especial, mítico, onde seassociava o trabalho à poesia.No Séc. XVIII, arcádia passou a identificar asacademias/agremiações de poetas com o objetivo de restaurar oestilo clássico-renascentista e também combater orebuscamento barroco.Há influência da mitologia greco-romana, deuses e entidadespagãs, como no Classicismo, que convivem com outros seres domundo cristão.Arcadismo: idealização da vida no campo, calma, simples,tranquila.
  5. 5. RECRIAÇÃO DO ESPAÇO BUCÓLICO GREGO OS CENÁRIOS DOS POEMAS: campos verdes, árvores frondosas, ovelhas e gado pastando tranquilos, dias ensolarados, regatos de água cristalina, aves que cantam (Arcádia). Doutrinadores= estudiosos da poética clássica que definiam os princípios da produção literária artística nas arcádias. Asseguravam à literatura neoclássica um caráter convencional. Crença na máxima de Boileau: “Só o verdadeiro é belo.”
  6. 6. O projeto literário do Arcadismo Elementos essenciais do projeto literário do Arcadismo: fazer da literatura um instrumento de mudança social. Um cenário acolhedor e natural foi a forma encontrada pelos autores para divulgar os ideais de uma sociedade mais igualitária e justa. Na simplicidade dos pastores, está a proposta de uma vida que valoriza menos a pompa e a sofisticação, próprias das cortes europeias. Dessa forma, o poeta árcade pretende modificar a mentalidade das elites, combatendo a futilidade. Os poemas do “Romanceiro da Inconfidência”, de Cecília Meireles= intertextualidade com os eventos da Inconfidência Mineira.
  7. 7. OS AGENTES DO DISCURSOCondições de produção semelhantes às do Barroco; isto é, os poetas se reúnem em Academias, agora denominadas Arcádias, e definem as regras da criação literária, julgando a produção uns dos outros.DIFERENÇA ENTRE ACADEMIAS E ARCÁDIAS: Nas academias barrocas, a criação literária era feita para surpreender, espantar por meio do rebuscamento. Já nas Arcádias literárias, há o combate a esse objetivo. Estas acolhem membros da nobreza e da burguesia, criando um ambiente de igualdade. Essa é a primeira instituição “oficial” de produção cultural que abre as portas para os artistas burgueses, sem que eles estejam a serviço de algum senhor ou mecenas.
  8. 8. ARCADISMO BRASILEIRO As condições de produção literária no Brasil foram bastante afetadas por questões de ordem política. A crise da sociedade colonial leva poetas como Cláudio Manoel da Costa, Alvarenga Peixoto e Tomás Antônio Gonzaga a se envolverem com os acontecimentos políticos, que culminaram com a Inconfidência Mineira. Muitos dos princípios que defendem aparecem em seus versos. Durante o Barroco, os poetas escreviam praticamente para si mesmos, no entanto, no Arcadismo, a intenção era divulgar as ideias em textos acessíveis ao maior número de leitores. A poesia deixa de ser um divertimento dos salões aristocráticos e começa a circular em espaços mais públicos.
  9. 9. O ARCADISMO E O PÚBLICO A obra “Marília de Dirceu” (poema lírico), de Tomás Antônio Gonzaga, transformou-se no primeiro best-seller da literatura brasileira (grande número de leitores). Tomás, prisioneiro, compunha versos em louvor à amada Maria Doroteia Joaquina de Seixas Brandão, sua musa Marília. Inicia-se um processo de formação de um público leitor brasileiro. Os poetas árcades, principalmente Gonzaga, abrem caminho para que, no século XIX, os escritores românticos já encontrem um público que lê sistematicamente e se interessa por autores brasileiros.
  10. 10. O BUCOLISMORepresentação idealizada da Natureza como um espaço acolhedor, primaveril, alegre. Os poemas apresentam cenários em que a vida rural é sinônimo de tranquilidade e harmonia. (ver pág. 187/ poema Lira XXIII (Marília de Dirceu), de Tomás Antônio Gonzaga.BUCOLISMO: faz referência a tudo aquilo que é relativo a pastores e seus rebanhos, à vida e aos costumes do campo (cenários de vida campestre).
  11. 11. O RESGATE DE TEMAS CLÁSSICOS Fugere urbem: fuga da cidade, da urbanização; afirmação das qualidades da vida no campo; Aurea mediocritas: literalmente significa mediocridade áurea (dourada); simboliza a valorização das coisas naturais, cotidianas, simples, focalizadas pela razão e pelo bom senso; Locus amoenus: caracterização de um lugar ameno, tranquilo, agradável, onde os amantes se encontram para desfrutar dos prazeres da natureza; Inutilia truncat: significa cortar o inútil; eliminação dos excessos, evitando-se qualquer uso mais elaborado da linguagem. Carpe diem: cantar o dia (Horácio). A passagem do tempo é que traz a velhice, a fragilidade e a morte, tornando-se imperativo aproveitar intensamente o presente.
  12. 12. O PASTORALISMOOs poetas e suas musas são identificados como pastores e pastoras.A troca dos nomes (pseudônimos) dos membros das arcádias era uma forma de eliminar as marcas de sua origem nobre ou plebeia. Estabelecia-se uma espécie de nobre simplicidade, que eliminava qualquer coisa que poderia ser associado à artificialidade e à hipocrisia da vida na corte.Valorizar o saber e a cultura significava encontrar meios de “neutralizar” diferenças sociais evidentes.
  13. 13. Linguagem: simplicidade acima de tudo O Arcadismo adota como missão combater a artificilaidade verbal do Barroco. Por isso elege a simplicidade como norma para a criação literária. Escrever de modo direto, simples e claro, sem rebuscamento linguístico; as inversões sintáticas são mínimas. O poeta deseja dar destaque às ideias. Lira XIX (pág. 188) Enquanto pasta alegre o manso gado, Minha bela Marília, nos sentemos À sombra deste cedro levantado. Um pouco meditemos Na regular beleza, Que em tudo quanto vive nos descobre A sábia Natureza. […] (Tomás Antônio Gonzaga)
  14. 14.  Exemplo de bucolismo/arcádia.
  15. 15. PORTUGAL: MARQUÊS DE POMBAL REEDUCA O PAÍS. Liderava a política e a economia do país como primeiro- ministro do rei D. José I, e em 1750, procurou elevar Portugal à condição das outras nações europeias. Reconstituiu a cidade de Lisboa, depois do terremoto de 1755, com o ouro de Minas Gerais, plano caracterizado pela geometrização dos formatos regulares que revela a influência do Iluminismo (racionalização máxima da vida) Grande obra de Pombal: laicização do ensino que até então era controlado pelos jesuítas. Volta para Portugal dos “estrangeirados” (intelectuais que fugiram da Inquisição). Jacó de Castro= reforma do ensino da Medicina. Luís Antônio de Verney= autor do “Verdadeiro método de estudar” (1746), que reestruturou a educação portuguesa.
  16. 16. AS MUITAS ARCÁDIAS Fundação da Arcádia Lusitana, em 1756, em Portugal Estatuto em 20 capítulos. Sala de conferência: Monte Ménalo. Seus membros deveriam, em dias de reunião, trazer um lírio branco em suas lapelas, para evocar a Virgem Maria, considerada a protetora da Arcádia. Encerramento em 1774, seguida pela fundação de outras Arcádias, destacando-se a Nova Arcádia (1790), da qual participou Bocage, com o pseudônimo de Elmano Sadino. Convencionalismo extremo e tentativa de submeter a expressão individual aos preceitos da razão. O poeta de maior destaque, mesmo indo além dos limites estabelecidos pelo modelo árcade, foi Manuel Maria Barbosa du Bocage.
  17. 17. BOCAGE: POETA DAS MANHÃS CLARAS E DAS NOITES TEMPESTUOSAS

×