Doutrina

115 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
115
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doutrina

  1. 1. Aslulíb O. de Oliveira Filho - Dc lnndrinu (PR) a$ãn l Mgmx- cspínms. dll Hcrcuhm Firm . pntlmdcm surrirrur . s doumnaçàu. .rlvgandn que cam¡ c NHÍI/ ¡ILÍEI cum mm rücxíwtcnu mim buna Íiaplnms nu plant¡ csplnllLll Em¡ é' uma prum dc ignuuhcin ; vcncnxhmntr da DDUIYHL¡ no [YÓFÍÍO uniu espanta. paus nclxr tudu s: : defum- mr Icrum d: : rclaçfh) c cmlnçlnr O». Lspintm »maduro pcmunccrm arm-ganha Ç¡ : mit-m c (r wrdu Icrrvm. ruim pel. : qm! us [Wan-tours Lispmuhus ! i-m drñculdmlc d: : covnurncar-w cum 61h O m¡ cnmlsinru-artrv cum m Iluulm u: .n cnruruçfnx «crop -nniuu pmprms da saxgiu mcdnúmcu ! hm é. purunlo. mamária. n que cudcnci; qu: .1 rcunún nrcdrunrca c . r duulnnaçñr¡ humana dus dñcnrumnútk min mm nmLssrmdc 3 A Inum' Iún (cm n punk: : «k lnmsllwnur runguúnr. (lui: Fsplnln_ : m nlnognrurnzrr_ ! cw amam¡ mas vinuks c dclbnos. cmximmmio nn sida csprnlual n . scr u quc cr. : quando hgadu no corpo, com seus viam c ¡xvrnlnrinwmvrrcnlnrs mulcnan. dm qua» w: Irbcnn pouca . I ; xuxa Ala-m dm». cunfunnhúu pclus [mí-cs rcocbuln das mhprêws rmdncanwaxrix. n Expifiln) nim cncnulm no Além aquilo qu: cqwnnn: nem céu. nem infcnm, murro manu u rcpuum ul(- u Juizo 11ml. Au sumrírrro, cl: : . ni cncumm n dum Nulidade csplnluul. fundamentada n. ; cxméntl. : d: : 'Cl dv: um c' cfcnm. onde «zada qua¡ u' Inu~| m comu ol'. win dmlllrnts. !'. :|›: r› : rpnzi-ncnas uu u wrnv . social. 1 Su. : cundiçàn rmnriluzrl dmmnum um num ¡wíquicza c xcu pm» cçcciñcn_ fmlox . unha-s d. : : :Sun-. nçñu nminr ou nrcmr d; seus pensamentos. . cnurmntns n: .nos. Quanto mw¡ clcvndm mtas lkxrcm nun rara-feno en¡ wu ¡x-rrxgnnhv. d: : mudo qm' cn' n hubrtnnlc do mundu cupmluul . sc colour um wu Im1^u'idx› c du idu lugar. w-m prix rlúprm dc qualquer tspci-rc 4. Us qu: : . sc gmvnrram cm punção dc perturbação pm ! Alm dc amcLuccmL-nlu . x-; Jcqmóx uu por tuna-rm. : nu um! , nrwwx-. rln scr 4VI'ÍL'| 'LILLV~_ pur. ) qm', cru m: vmdrñcandtr nu-vtlulnumlc. urlhm-n¡ su. : cundrçinr» c~pinlual. Cum : numas mu» calão amd. : dxmx dc cundnciuuuuwrlm trulcnah, Lan' làpinlnrs Ivpclcnxr . a ação nmis durma dos oncmadorn dcwwrmmndah. ruim pçln qual rcqucrxm um contato tum Os clwarrudh, ymurznlttwvulc mm ; uk-um : Ina lluulm (baum d. : nani-n. : F n qu: : num; - um »Nwfhux rncdumicns 5 U. ~ xmcntzrdxtnk «ku-rmcmadux lho línlnnr. nua ! fun Lumcgucrrl aungi-Irh. l' m cunLnu. prvém. com um unuhum, pchl fnln ak 1mm) nhnçnkgs nswnwHLrrLu_ I-. i : r pruubilinlznk d: cnmxlnmrunu Suryc. mu. .. . - dwmnaçüo. que uu . r moqhtimr sua form¡ dc ¡rmmr c dc nulr. buxcandr) sua mclhura Lnun. mdo-1hcs n mnmnho du bcm c du pcnlfnn, dcspcnandu-«u pur. : . n nçcgxwrlorlc dc mnmnçían» cspvnlthd, ;quúurno-lns z¡ ús-scuhnr o Evmrzclhn) d: : Jeux» para u . sun lubcrmçüo rnlcgml. E ; mr ¡Sxü que a damnmçfx) do¡ Espimos dcscmmmudua É du grande inxpqnríntwu par: : . qwcmu u ¡wrguluxw dm cnmpqxdwmn quu u. ›.x. ›¡¡, -¡. uu m ¡uundn cwmnuarl. Ira/ und. : hméñcoe¡ multar-Jos para o mundo corpórea mrluimmxmñnmdnnmna lv Diz-run [d 'xml Ami-nd ' qm- . Ls , scsxócs dc «loulrinuçfsu dc Lwpinkn uhjvlimum cwlnrckvr crmdadcs dnwcllczmmdu» : A ¡cxpcuo de sua própria aimuçlau çxpnnluul, nvncrzmrdrr4s nn scnlidn do mu dcspcnxuxwxruu nn plana ¡miaiwl c o seu urhwqnnwrls: murilñvnan e pmgnxm cspirinu . . 7 I'ma¡ llrczlrmr 0 seu dons-Itauna» ou u . scu LNÍÍAWUIHWUÍU. 7 p¡| '1|U3_| UV| gNJ0~ . In hubsLII lcnvslrr pur lluvcu d. : lc¡ dc ¡lñnidmk »Sm «msm» àn smsõcw dc nlmumaçàu c . al lipudm nmrunrurxrcgxrxnlc . r ¡nàdruvas d: : Incurpuraçãmu. com u que. no muinto com os "UÍÚLB benéficos ¡L! cunrnlc . ri iomxrda. JElVSÇÍdtH dm Ulhíllrlmvnslnn tvochndnvs du úvulmuakrr clxsznrrmdu, logmm qmsc scmruu : Imp-nn: n: rclmnur u annual: : du . apcnürçnmmntxa exp¡ nmal, N. Dmmum Fxpinzrh nÍm c. puma, mmfu Em! , pau exige LY! )|L't^l! lh.1)ln dnutvimirms harsmmc dnwnmlwidns c »senso ¡nncnlógnco mr. ; qua: o dnmnnudor ¡aosm (amar com nmdcz u vcnlvudcira lciçãa nxoml du mw qu' ócliunlzr c. um¡ cmwqtlímtnu_ L1|L1|I|1|| |Í| zIY , r hullnnaçàu m Junk» num¡ [- msm-winner . lindu ; m doulmmlur posam: mciénci. : c bondade. humildade c rolcnizrtin. porqu: : sonutnh: cum . auxilia dessa inudcx ¡kklcrír cnfrunlm us cama mui» dllíw u : :m qu: u' Irurnifumxu Fsptlllnn Imhimm_ / mulnclcnrm uu : :mpcdcvrlsrhrx
  2. 2. *l Segundo nvhscnn . Rodri- Lul¡ . n pcsxxl unulx »da 1mm Luci. : Mu podc cxyuxwcv qm' . I tzspxmunlldudo: Supcnor cunha ncln c dela . guandu u culnw dc ddcnnunmps ulnbulos como m que seguem: . nl lucçlei n' dhrvrvunwnlu. b) bondmlc c mcrgu; u . luÍUnJ-lnk lundmwnluda m exemplo d) lxllwnn dc caindo cum; ão', cl dxgnndmk v: rcqvcnm [um cum todas: Ú . Ilcwñu wm pm Ilúglm. g) brandur; c ñrmz/ .z. h h¡ snltcndadc ccmrnnllnwnlo: i i) cmncvmg-. hv cnmlnnivzo H1 . - ¡kmtnns-. .ncn Inlurn-u Ilmul mo Fm» í : mic cm ! mim us plnnns, mu: o trabalho num rudv c pesado à u que «ç pruccna cm uma¡ mundo, (kgulhusu u: nmml. c . né : msmo prrjunhcml. .san n duumnuónr qua* v. - ¡ulgnt upa¡ ó; tluuznmv m¡ xi nrsvm Sm clícuúvm. : (lqlnnln: u-nupn: dc m. : lnmuilnln-du. qm' lhe ¡summ- mnmrccndcr 4 IILIYSÀIJuJC dc scr . Iumlmnlo [selos bon. tminlos () duumnmlnr que nãu colqntcndc mac ¡rvnupw pmclxn d: : doutnnncñn- c CNÇLIIIAWIIvJIIÍU. pum : :luar du wu L-_spinlu z¡ uudmk r . l múcuuio Só pode rL-. Alnnuw dotllrllmr Fspirxlm qucul th cr um! n: hunulduak ll Dim No, Hcrvulnnn Fim nhscnu qm: c: Impunannlc nào cunlllndur luumnldzndv: cum . unlndcs pi; . : :um nmlnhidadc. Munas s um . a dmnnnmçàai exige anludts cnórptcds, não ofcruhas nun agrcmx an. llLn Grimm c vmpcmwn. L n naun-nto cm que u duulrinndur mu. : o «ines-sur cum . nulondadc mural. .l numca . lulumluóg- que ¡knlanus ¡c! sulm: us Fspimm nnlbnuvcx. quu »cxntun : n mm: : . nuturixlmk u w «Alm-clan . o ela. cm x : mui: d. : Enya ¡nora! dc qu: chspusqmmx. lzss. : . lulomLadc. no cnunm q) conwcgunnua Jdqunnr pm mem dc num »wi-ruin Angu no nnludn. u-ndn »cvnpm cura-Im cm lluas4~ Inluwñcx x' vn¡ lluxsth . um. em ! adm u. «mlldnx purqunv-Inn . n rw». Lullms morna não nmllunnlus. não umlruludua. dmunumn nussa¡ . nulondddc subn: us tbscruxlma. Rnsnltndnulnmmhmcâmdrbmrjtm ll' O. ~ b-: nrñcuvx d. : dñohvçuáu Cm ¡nulçul. 'n-: ¡» Anula'- Lm/ Llxxthflíl 'líuanunns frumtalnumxc m; ¡ulgixwmh qu: : . l dcmbstssão . xpcnm . luxnlna m dcsmcamulns qu: amd. : pcrmgum nm xombtas d¡ mcnlc Smntlllnnlca . nlixulanks hmcñclun¡ : I ulcs. .n mu. bem . l›lnl ns qu: : nus [mnlllunn : I cxpcrténctx uxlulmrmn_ . um m1 (43.0 m¡ lum do rvdutu úvnúmcu c. Junin. os pruprim lugum c-»pncmls an que u' dcsmwlxc . n ! msm mllucvncnu' IJ. t) rclL-ndu autor ñplñlmll multa-nox. cmiu. quc . u dusotx-. ucssfav amp us cummlms Itu-mms c nos "num/ A runlm m ¡vcrxgox da : IÍWILIÇÃxX x ¡Itvlwcmkv Jrlldgcns urulms m¡ nm, para nus c rm mrm dc viu Rcfctr dc na : nx-sum nbr: : "Almnís . lala. designa-xl¡ ckmwuslmxlnanux. cnmcçus nvbescums. uuauccxmx. _llém d: mubtmmn cum o x-u »polo csmntunl nmlx . unplcm han/ unica di) mlcndmwmu «Lu um c mcurws mami: iuupnscujxcn pm. : . cgur. drunk' du ¡rímnn cum dcmpcgn e L'mv¡pro: v:v1s'¡o" l-l Os nNulluúm ALI duulnzmçfnxv nlqmklcln do . JmNL-nlu ! armado pn-lm mnn-. nwnlos du dmgvrllc v: dos ¡unlcipmlcx dd çmnliçlu nxvml quc n dim-cual. : . nprhuuc par. : oorlmmr m Fspufilnh c LLl ptñpru cunnliçàl; mpnnlual d. : unidade. qm' pudc dtüldl' ou 113o m consclhm c : Schumann-ruim quc recebe. O nsulunlu ¡kpclnduú também¡ dm nwuhdcvs ¡lulu/ .ulnx qm' : ln rm sw¡ . npllcndns dc . Icurdu (um . o cirrunslflltcxu u ; x rurcsxuladc «ln nnuncnm IS, .~»cv<ru llcttulnno I'm-s ' "A doumnmcão cspmm cqunlnlwaxin. amanha_ nxodnllc. : a ral» c . Alh uulms_ . lhtr : :x naum-s rum . c psvcqwzin d: : rvzultdndg-. rczul qu( um cwapu. qlmnúu nm . npcgzuxvun f¡ ¡luxfnun d» nossas prulcnuíuzs IIMÍIVIJUAIS. gun-alarme Imsqulnlluls" lh O ¡Ilncnvn rlz¡ ¡lnulrunuçànn dm Fspinlus Ç' n cscmuçnxuvrllo d¡ calidad: : cunmnlcnvnlu qnuuh» : lu «cu estado lmnsxlódu dc pcrlurtuçio_ as camas dc seus aolnmmlos c . x form¡ pel. : quul puder: : encontrar a solução par. : seus prnblnwuxos O csçl uvccdur c ! adm m Immlvxls : lu grupn nvcdlülnuu (m clwnmlus I ibmr ammvunxcnlc cm lhvnr du cmldJdc, dcnlxmrzuuln solulmicduúl: com o : um suírimcluh¡ c: cmiundo pzxlsmhcnlnxs da . nuxlhu c upon» nmml 17 Íkpmx dc : wlnmcxxiv c nl: : lmcr : mam u uma cnmnnhnu qm s: : lllc : hm o Fspuum : ¡['ll'L'. L'1|LI nmd; mç.1~ nu »cu nulo dc . u_: n, S: anpcdmnrdu. muqrar-«c-; l Iucudu c »cnxlxcl nm cnwtlux-uwlsh crixlñlu, huxcunnln um. : 11mm J: ;manu a nda, »c tcmlnully_ ¡vuslmr-w-; X xuhanmsu Ç¡ Lu supmana. qu: : : não é lnuuxi. ) com m ngurm_ u: odnom. cbx-turu . u cunacqtuérlcxu» cm s¡ nnmo dt um »madura : Imfclu t ¡vmcunnm dnuuuur unas Illlllx w'lllll| |3|'ns4 w duuspcrzuln. hour. ) . ng-sm umas pnuhnlulualcx dr ; ul war : u [u/ .mma lln llalmllllt¡ c d. ; lê . sum. A doutmmçàu ubn: para o» dcscncdnudcw um nom pmoranu dc nda. onde nous . mudado . sc
  3. 3. dcwoninnnx. com pnssibahdu-is d: Imbnlhnv. lblscndadc c pmgrcnso, IX Nu tnrcfn d: duulnmçãa) dm. Bpirilm qu: s. : cnmunicuxm um smsó-: x : xrdiúnucax não uislc rcyra 11m. pms uni. : caso n' único. Cum» a duulnnngfnn ním ¡vhndnu JHEIIÍC kxplnlm . solícdoma. nm» ¡guullmntc líuprrilnns igwmuxlcx qm' . unnLn ¡vnmnccmn um : siena dc vnnbmlctirvnnlxv. v: Equinos. Iunkicmrs que vc Alcuxznxn . m mu] conscxcnlclmntc. bcm vnnadu da: : scr o modo dc dommur um r uuuus, N, Ilin. amu-muto. dmcrmmuxhb rcgmx que não ¡xvdcnnkixqr d: ~cr . zphcudas nas. : Lucila. .ul rvxdwr mm . HUNÃH s' mlrrcwn' : ls CuvIhunUA-; flcm b) Luma-las com pxnémxu c ¡mhúdo da nrllmr ¡nlcnção d. : . uudarz c) muolxcr n comumunnlc um um (Inn. : d: x rbmcñus Itau-naun, dandu upummldzr d¡ cshdvclccc¡ : :m lcmpuupnnuna» um xlixihuynv amipu c csclaztmudnt. c) cvnnr . Kuxuacócs c ksdíim dmmtcssunah: Ú Lxmfurlur c . elrçurnr . uruwx do csr! .¡r'cvn›: ulav. p) 112m di. um mm cxultncàu (cuando ¡mpor -cu puma dc uniu. h) níu rvrvcbcr a lados como , wc Ivwun cmhusicuros c . Lgcnk-s du mui; t) scr ¡vrccxw c chamava: m hum nsvnxsirnu. »am w¡ cms! c ngrcxm n, j) : nur n (um d: : ¡hscurso c umbcm n» lmpua prclwixs: I) vn dam. obyclnu. hmcsln_ znmgu, fruta-mo. prucumudn» dm¡ . nu LOIHIIIT| ÇJ| IIÍC . nqunlu quc guxl. 'lr1.l dc rca-her . sc no lugar dclc emu-sw. ; um qu: 211 Andre LUIZ nmbu¡ u serviço da: &ummçãxw u cqunp: dc ntdxuns mclurccakuvs. .n qutm clc sugcm n : hsm ; Kuna . Lv u- 'uu-nc Num m¡ o hum run nmcntu do: ~uu Lux-Il¡ À- . H _Lumrdxu . Admin no campo unnulno. u Gm d: rcgnsmr cum . segurança . Is wugcslukx c u» pCHh-ltlklllnx dos bcnicnurrs ñpullllulx que: :anunciam 4.» rL-umúcs. h¡ ! mm m rurnv du nkdnnv¡ rm Iran-q: anucnn: quznmiu vnxxxçnriu; : I culmnr o um aiculrwico. cvnmndu : mudas ou ; dantas w nalcnus. nus' fuuuxlu du d *um snsxcnlálnc. : a . qua' . Inst-lena . l turma' . scm lL1|0. |-I.1. nn ÇunULçÍuI dc qua* s' ¡VRUM! .dm f-ICILKIYHU c , wmnInL-nlo. &xvmpulxñsn v: ÍÍIpICJ. n fun dc quc . n . nplicavçàun do encom- xudulmn . drum-c o rxúxivm lczldinwnm; d» tsmdur na : :um th: uhscwsào suxynin m cumps nuvdnúnxca. qu: : «kum »cr tmlmius m (viam da x umha. .m ucauwulàrnci. ; main: : NCJIUIIHLLI m nuvdndu . nculuwlrhlvcf. P' 44 F Fl _I c) Inqwdxr u prcscnça dv: cn. nnç. L~ ms umha da gkubxmaloç¡ ZL André Lui¡ ' mconxndu amd. : . n dmgcnlcs c csclarxtommn. bcm com¡ a todos os' que pamcipuzn das rcunnóu nlnxhunlxüxx, qm. - lcnlunuv- »cnmn- cm nunk' l - dtuibscasíu¡ nim vc IItJhlJ «m . x lu¡ du mcmcínnu. nus : não nunyx m lina . A qu: : m: propõe. »em . as funlcs pmlundn d» nmllnkmh): ll o cwhtvxsuxenzu . nus dtvawunuuks «nícdanvh _sc : Iwmk-IIL- . c psiçcvlcupcu u que : s rcmuàn é (nunk-nn) cm gmpo, nn qual. ~cmprc que ¡vnusncL dcvcrñnx scr . Lphcudus os nicotina cx . mgcllcml III - u ; um cswcrrnnl . m crdcrxánnxmlu é xnmglr u cL-nlnu dc Hícrmsc do Lkpmlu prum . n idcuu fnm. pur. : qu: sc lhm dcxcuupcxlunr u cmnpu nncnul. «cmi» dc (mb nmpnúpnn. pm CAUMÀ dum. quulquu slwruxu uu dnug . .Ju- (kínvftñsdrhl. IV ~ u'- mlnxlll-sunlnx dculwurrxmh», x1.) qnul fm su: : rmxluls¡ li¡ Ivunnñn, Cm, n. : rcahdzwk. FxpãhhV- x-. nrnculun-s dx- cunmrcx-xxúo c truhuncnlo . nlcqumius. .z cugn ¡ucléncl. n. c-nlcawdvnwnuv. «uma c cksoxzxnx-xnu lhucrnuh_ " ~ cudu bpinzu sítíftdúl' (ku: scr nwcbuixv como y: ímsc um tumllmr rxv-. .so curcnunxmlc quando; .ngindn zmim. .Irmzncnun 1mm: : pm: : : nlmm : nn-nós LL¡ ¡pm! Hx' llulurvmv» . m cwmçfxuu, Vl - ; win qu: : uma¡ do nnmnlxunlc. n cxhntcdawr dmtuzlra qm! n »em . a que o E~p: mo cnnunlcunlc ! tnhu ; rena-Indo u. : [WLYCÓJNG cxhlinacu. Nr. : qnt . x mm crmçãx) cluudalusa . sc clmuc nu lsnb. : pwukvgnnzu lxk-ul: VII › o» pmhlctmu ó; .líllllllxllll m¡ dc nnsluíiLuçzhn illlithhclrzllu' que pnwnlurq suvpun no glupu. ckw-m scr . mahsqdus scm espirito dc cmaura ou dc cmcinmhlns. cabendo . no dmgmxc ! Zum lodo u puxxix cl ; um CQLJINC! mm panéncu. : c cundnak- m nnüdnuu c us ¡ksL-Ikuumadan cmuhudm l! v.'wc pnvccsmv. Vlll - é prccm¡ nnuhr qualquur ¡ntcnm dc discusQn ou dcunüo com os' Fspimm cnmuuicmlca. dqndn mama mzjn. ulgumm sea-s. . an». ¡mmlnlumcs : mL-Inca c cbx-muro. 1X - ngm vamu' 1 ¡lcsuhxxmku rca] Cutlxxsll: cm doía/ c¡ o pmwwx nmwwm. de mxxlmrn, puyquzllnnn cmdn : :nm mms . n tvnrílçfnn de «Jbsinluulu c ubscxwor um »cr pnniszuh lcmmtrcmtc. X › quundu mrccasiriu_ u csclnrccnxhn ¡todcni pnmcur . u luipnmc cunsxrulnn no [unmn dm. Expmu» . unfmlurcs. quer usando . n unuldilplu mr. : cntrcgJn-Iua 1'¡ din-gi") u _--. › (ratunrntx- dw- ¡mtmlums : :spnnluuu ¡rcwnlcx mm : n prq ; '10 ds' LpLnhns ¡Iwnlnis pnnunlnsus . zu LWCÍLULYIIIDLIIIH_ quo¡ sugrvundn : n pmduyàn . .- ¡mnmmçàu dc nrcdncanmntos ou rvcurscn dc contcnçñu cm (Luar dos ¡xumfcxuntcs que . sc moatrcm manos
  4. 4. tv messi crs i¡ ertterrnagcntdo grmo: Xl - irão sc rktc corLst ranger us nnédirms psicolõnicos rt recebe-rent os descncarrtodm prcscrttrts, atentos ao preceito da cspcntaneidzrrlc. fator essencial ao êxito do intercâmbio: Xll - o (SCÍJNCIIIIEIIIO traiu deve ser longo en¡ dcltláteàlil, perdtrando tt ; mestra educativa en¡ torno de dez ntinutm. resultados : u: tuaqoeacsccpciarats: Xlll - sa. - o nunitcstzurte perturbado se lixar no brarxeirr) da revolta ou m¡ sombra do queixa. indiferente ou nacalciu-ante. o incluir-ceder solicitará a coupe-ração rbs benf-itortzs' espirituais* pru-rules para que o rreccarsruib rcbcldc seja conliorb ir assistêmia cspirrtual cspeciulimrlat. 'me mw. a lripmse bertelico ptxlcrá ser milizada ¡rara que o rmgncttsrtu balsarrrizartte asamenc o canpamlreiro perturbado eo alírstzunertto Lille seja clctixuib. 22. Rerxrrtanrliysc aos casm em que os Espíritos cmrnnicantes se rrmtram rknnsutdo renitentes. a parto de perturbar os trabalhos. sugere Herculano Fire. " que ai o melhor a fazer é chamar o médiun¡ a¡ si rtrstno. tirzcndou desligar-sc do Espirito raerturbtnlor. O episódio servirá ainda para relitrcar a arnfunrca do meditar¡ em s¡ nrcsmo. denmrrsrrandyllre que pude interromper- por sua vontade th' comunicações pcrturbodorus. O Espírito geralmente voltará em outras mas então já tocam pelo efeito do doulrintrcfu) c desiludido de sua prctcrtsão de doruirtzrr o ambiente. 23. llermurir) C. Mirarnla l” ; rlirrna que. no mício. os Espíritos em estado de perturbação nãocsuio em condição: psicológicas adequam : i pregação doutrinária. M-ccssitzntr entito. dc pruncirm morros. de quero os ottca com paciência c tolerainei 'A rhutrinaczlo virá no tormento itporturro, e. antes que o iloutrinadtrr possa dedicar-sc ; r este aspecto espccrtmr. ele dcxc c-sutr preparar! ) ruim discutir o problema pessoal do espirito. ;r fun de obtcrdclc u urfomraçàode que mentira". ewlamce Hermínio. 24. Divaldo P. Franco “ concorda: "Não ¡rorhnms ter a presmção de fazer o que a Divindade tem pwiémciar no realizar. Essa qtas-tão de esclarecer o Expirito no porreiro mreuntro é um . no de invigilairritr c. vezes_ de levianrlrnie. porque e muito Facil dizer a alguém que está em perturbação: Você já morreu! É muito drtícil escuro-sc c-sta frase e recebê-la sacnznarrtente". E acrescenta: “A um: : rare-ti¡ nàué u de dizer verdades. nm a de consdar. porque dizer sinrplesrrentc que o annunicsmtc já rlescnarrnou os Guia» também ¡xrderiarn faze-lo. Devem: entrar em rxurtato em¡ a¡ Errndarlc. participar de sua dor. miuda-la. c, na oportunirtrrl: que faca logica e propria. csclarrxcr-lltc que jr¡ ocorreu o fenórtrno dr¡ rmne. ..” 25. A tarefa assemelha-x. desse modo ao chamado atendimento fraterno que 21s' Camus rmriritztx dispensam mb encarnados que ; Ls buscüllt. em que e : nais importante ouvir tb qrc lidar. idéia essa¡ defendida por Suely Caldas Schubert em recente palestra realizada ertr Londrina. 26. A propríraito do assunto. Raul Teixeira¡ '3 sugere: "O doutrinador dispensam. sempre. os discursos durante . r doutrinuçfto. crttcnihndo-si: aqui discurso não como r¡ linha ideológico utilizada. um sun a lalaçam intermurxiveL que não da ensejo ir outra parte de se exprimir. dc se explicar Muitas meu na ânsia de ver ; Ls Entidades cwlarecidzrs e renovorlas. o doutrinada- se perde uma¡ cxcc. .r c camarim ceurtrlena. de todo inrpruilutiva e cxaspcrortte". “O dialogo corn oa demrarrnados deu-rá ser : róbrio c OOÍISHIÚIIÍC. portrkmrh c clnntíurdor. perrritinih boa atssirrilação por pane do Bpiriloe excelente treino lógico pura o doutrinaihr. " 27. Para Roque Jacintlro 'É a paciência¡ inserem-sc com) uma das vmurlcs nuiorea de todos 03 que . sc dedicam ir tarefa da rbutrinacão das entidades dc-scncarnmla . A paciencia. diz clc. é filha do autor-sábio. Por isso é que. emolvmdo os msws seroellmntcs com as' t-ilracões de "(1550 autror'. prmcrenm ouvi-lot dixsertar kmgzrmarte solte acus problemas. sem nun' utiramm f¡ enrprertarda de rkrmlrlos ou cemurá-los. poi» sabe-ums que cics 9: lcvantarão um dia. A ironia¡ _jamais ! IOS ara' à ação de rev-ide ncm . r impctos de agressão. porque ; molhe-rentes a miss¡ hurnillrarcãi) corro degraus da escada¡ evolutiva. Saber ouvir sera tão importante quanto fa¡ lar. Saber calar será tão urgente quanto rularguir. Saber paciticzu' será tão 'unporumte quanto rcargr' r. Saber oomrteerrder . verá tão imponante quanto ser cornrrrxndido. 28. O ibutrinadryr c o csclzrreccdor devem ter, por fm u mrwiéwrcia d: que o bem prodrgali/ ¡trh in. entidades em sofrimento tem do rivais alto. como ensina Enmanucl “ ncsta advertência psicugrallnkr por Francisco Cândido Xavier: “Que os rloutrinadores sincero. se reruhileur. nào por subrtrlcrert¡ CTIJIIURLi drmncamadas. em desespero. convictos dc que cm uns circunstancias o bem é rninistrmlo. não prqmatnertte por eles. em sua feição lrununua ma» par tfllllniilfltli ck: Jesus; caridmos e solícitos. que os utilizam . i rrrancira de canais para¡ a niserrcrãrdra divirta; que cssc regozijo naaca da opmunidtrdc dc 501111' oo benL de cortscicncia sirrtmizzttt¡ mino Mestre Divino. entre ; rs Cortona doces da re. solidatmtrte guztrdzxla no coração" . Hábitos¡ ll 'enlentes ue de ' crabol os 29. Divers-ros autoras* tem chamado ; r ¡tlertçño para habitat. vícios c práticas que precisam ser abol irbs das
  5. 5. msõts med¡ uma. . 30. Edgard Armond “ considera absolutamente inconxenientea 21s' atitude: seguintes: al exigir o none do Espirito mmunicante; bt cier cegamente no ipe diz o Espirito: c) o misticismoewgszmdi; d) a erborragui e o talatfiric) inútil. que . são proprios de Espíritos mistilicamrea e irrisporisaimis: c) ; i agilização por parte dos tnàdiuns que lxitem : itaim e pés. bulatii. neuem. gritam. COIIIOTCCBIIHC durante il sessão'. t) . Ls preces luiza'. li g) estabelecerordein para Os' nediuiLs' darem penas-Minnie: h) conter¡ r legemonia a detenninznb meiliinii: Habentira v: lixluttmito da . sazsào pelos guias'. ¡)o uso de roupas e i-eatinrntzis especiais. rs. .. . .. 31. Emilio kkuiso Vieira "' ClDllB-IDS u atencao pura uma outra prática) igualmenite cmidemiiel. que e o : itíuuinentu dm [Lspíritos obsessorcm por meioda violencia. Os ilinyntes que ; mini prix-edenicontimdeittenergiai serena. truta du autoridade imral. com procesws violentos de torcas ÍbrülÔruli Andre Luiz nos mostra em "Libertação". cap. XIV. qual a rinite ira correta de agir titmcs cacos. reabilitamdi) o obeidiziilo e cuiquisuuido o obsrnsor por meto de elucidacóçs : imita eia e êllillldch dignilicantes. 32. Roque Jaeimhi) l' repmu- a iktemimihs mlonmgxães ou perguntas que algum: mutrinadores apresentam equiiocailaimente aos coitiuiicantes. tai» mim: "Vocejzi morreu e mk pode sentir direi" "hgresae IlJLN escohn dai' para aprender" "você está doente. Procure um limpital" "Por que x ocê não perdoaí” "Por que useetuii) abandona aquela casa? " 33. Há tbutriuadores. adiene Roque Jucintho “ . que crntertdem que acordar de súbito o Espírito mniimicume para a realidade seia um hemlicio e. por isn't). wstuiiuun intiniiadin'. abtuptaunente. que já estao 11h11m. 0 resultado dixsa atitude e. ziniiúde. :i loucura que se instala nos mleluea que desconlieeuun u próyriai mine, Evitemin rununto. ferir dit-eminente . i questão da morte com m Espíritos que não sabem que já desencariuireuii. Oterecammwlhes orientação, conduzindo os entendimento¡ dentro doàinbito de sims nvxess id:11105 ; was-ums e, pouco a pouco. eles tmsmoa compreenderam o termine-tro pelo qual passaram. 34. llereulam Pires l". em apoio a essa ideia observa que. o doutrinadir diaser cruzimente d esses líspíritos que ele: _ÍÂ morierimi orais : testamos e cuifusos ele: tiearãio. Dex-emox. pois. tratar il entidade ixiniimieante como ela estivesse doente e não desenczirmxlzi. Nludundo a sua sitmicâi) mental e emocional. em poiros insunites ela ttwsma perceberá que já passou pelo transe da inerte e que se enootttrn amparada por tkiinilimes e . imigoa que procuram ajuda-la. I. ¡E. . . 35 O duutrinador deve ler e reler. mm atenção e persistência. .i arca/ u cApÍrÍIu cmstante de “O Ll'l'0 dos Espíritos" (item IOO e seguintes), para hein infornnr-su: dos tipos de Espíritos com que wii se defrontar na» . u-. saôes. Eñsu iemiiL-nduesiu feita por Herculano Pires 3" tem pir tiindzunemo o t-iuinamenti) transmitido pelo Expíriti) de SÓCTZIICS. COIISIRIIIC do item |97 de "O Livro dos Nléiliints". Seuundi Síxralcs. a escala eapirita e o quadro sinótico das dilirientea especies de tnédi mu. a que se refere o capítulo XVI de "O Li ro dos hilédiuns" dexein estar cotistamenrnte sob os olho¡ de todo aquele que ocupa LÍILN iiianitestzicêws. porque um e outra resumem todos os princi s di Doutrina Espirita e contribuirão. mais do que suponu. , para trazer o Eiplrlliillx) m) verdadeiro curtinho. (11711 um Itíflllllt! :lu ixiulx: gzrptríli¡ nu mm ') da . Jpúk/ ii c¡ 36. Suely Caldas Schuben "l organizou. com baixe m sua larga experi' ia na [tática da mvdiunidade. uma lim¡ de l7 diferentes tipos de ilspíritivs. uil como aprvmtttatii na: reuniões' nwdiútiicas. ii qua! aumentou uma : série di: sugestões concementes ao trntatncmto atingindo d cada caso. 37. EL» a lista e ; u remmrenduçõt-_s propibslazs pela eonfreira mineira. salientando-se que nas einm primeiras situações m coniitnicantes dei en¡ receber lambcimu socirro do pax» : l ~ Bpiritos que não CmbCgIJñll tlilar. Quatro ¡xideni ser as causas da nudez: problenizis mentais que interferem no centro da mu. ódio. reflexo de dciencas ltanidas antes da desencunuictlo e desejo de não deixar trampareixr o que pnnuatti. O e a prece ajudam muito os que, tendo tido problcnm de nitidez quando
  6. 6. Vl enem-nation pensam que cmtinuatn (tudos. Não se reootnenda, em nenhmm das circunstâncias' citadas Tauá-lah a falar: ll - Espiritas de suicidas'. Como eles sofrem nuito. inibe ao doutiinarbr aliviarub-lles as soti-intentos através tb passe. Precisammais de consolo que de doutri mçâo; lll - Eepintos de alcoólatras e toxicõnumos. Nenhum resumido produz falar-mes mim: a inoonwniéitcia dos vícios. Dewarms falar-Hiei sobre Jesus e o Evangelho e, em uiso de tlelinm, o passe é o meiodc anna-los: IV - Emídio. : dentenutrlcs. ("cnh irão tem mmiciçãicizi de guisa algum, mvem ser sooonirhs com passes'. V ~ Espíritos solredom. Deve-se alma-los através da prece e 1h passe. A mairria adormece e é levada pelos trabalhadores espirituais: _ Vl › Eipiritos que daoonhwem a propria situa@. E muito ooinun o Bpírito igncrar que já descntzimou, mas há individuos que não têm oomlições de serem ¡nbrmados sobre a propria norte. A explicação deu: ser feita cmi tato. dosando-ae a verdade conionne o cam, DCVEIIIS antes ittñntdn-lltce a oonftarça em Deus. a idéia de quc a vida sr: pocessa em rarios estiigios. que ninguém tmrre (a prova mais evidente é ele estar ali falandoie que a vida irerdadeira é a vida espirinial; VII - Espíritos que desejam tomir o tempo da remiño. valem-se de vários para alongar a conversa e tem resposta para tudo. Não se dzve delntc-r com ela. , nm sim leva-los a pensar em si manos. De um : nado @mL oosturmm oltar outras' vezes: VIII - líspiritos irónicos. A ironia de qm sie utilizam torna dificil odiábgo. Procurem ferir otbutrimtbr e os nxmilros do grupo cmi minoritários e críticas mordazis. Não se dm: fran ntlirtdrado cmi uso. porque é exatamente o qm desejatn. Aoeítarüo com humildade suas reprimendas, sem ¡roeurar dcfenmr-se, o fará com que líquen¡ demmndos. ("omciexttizá-ios do verdadeiro estacb em que se enoattrant da sulidzh e da tristeza emque vivem atimmlos dos seus afetos mais emos. eis o mininhoa seguir no diálogo: IX - líspíritos desaftantes. O cbutrittador deve enauninltar o dialogo atento a alguma observação qm o comunicam: : faça e que possa servir dc base a at¡ ngir-lhe o ponto semslxíel; X › Espíritos mamilos. Dizem-sc frios. céticos. ateus. O dmtrinador tem porém. um argunmtto favorável ao mostrar-lira¡ qm. apesar do que pensam, cmtinuam vitos e se comunicam através da mediunidade. Pode-se dizer-lhes ainda que essa indiferença resulta dos. sofnimntos por que passam mas que 'um m ri: levará a nada dc bom. e sim a maiores dimabon-s e u uma solidão insuportável. Nao se deve tentar provar que Deus existe. mis, em printeiro lugar, tentar dapcrtâ-los para a reatliáid: da vida. Depois. o dominado: dirá. com bastante tato, que somente o Pa¡ pode olham-ilhas oremàdio e a crua para seus males; Xl - Espíritos amedromados. É mxesstirio inlimdir-lhes confiança, mostrando que ttaqucle recinto eles : sub a salvo dequalqier ataque, daule que tambémse mloqmm sob a ; unlock deJestu; XII - Espíritos viugatiios. A vingança e o ódioperttrbatn os Espíritos vingauvos. por isso é preciso leva- los a refletir sobre si mesrms, para que vcriftqmm o estado em que se encontram e o mal que o ódio e a vingmai produzem nos individuos que odeiam e desejam¡ 'ingllt; al. O dmtrixizida', tendo semme em : rinite a oriemiçaitt dada por Allan Kardec no cap 28. item lll, de "O Evangelho segundo o Eepiritimlt". dele enfatizar que a força qm eles tentam demonstrar se dilui ante o poder cb amor que titmm de Jesus; XIII ~ líspíritos que auxil iam os ohtessores. Dem-se dizer-lhes que ninguém é chefe de ninguém e que o nau-so úrico chefe é Jesus. O catch-trocador triostrara também o rml que estão praticando t: do qual advirào sérias oorseqúémias para eles iremos: XIV - Eapiritos obsexñoree ininigos do Espiritismo. BENS-If: evitar comunitária sobte religião, porquanto geralmente nossos adversários são ligados a otnros credo. : religiosos. 0 dialogo dev ' ser em torno dos ensinamentos de Jesus. oorrparandose o qm o Nissa-e ensinou e a: atitudes dos qm se dizem seus legítimos seguidorei'. XV - Espíritos galhofeiios e zombeteiros. É mei-o ter muita paciêrcia can tais entidades, imntendose elevado o teor dos pensamentos. O dialogo buscará tomzi-ltm cmecientm da inutilidade de sua atituúa, mistrandc» lhes que o rim encobre, comumente. o medo, a solicño e o desassossegi; XVI - Bpiritos ligados a terreiro e ntagja. Muitas vem estão vinculados a algum nome ou caso qie mteja sentb tratado pelo gripo. O esclareoedor irá (Ibservar a característica apresentada. Entendi a aborchym correspondente: XV1I - Espíritos nxistiftcamres. na ntistilkeidorcs que se ooimmicam aparentando ser um mit-odor, um necessitado. com a finalidade de desviar o ritm) das tarefas e de ocupar o tempo. O médium experiente c o grupo bem alinizzxío os identiftcarão. mas' é preciso para 'uso vigilância e iliscernimcnto. As ilraooes do ¡Lepírito permitem ao médium captar sua real interação. No momento da avaliação. após a reunião, o médium dem declarar o : p: sentiu e qual era o irerdadciro objevtitto do ootnuniczmte. 38. Às sugtslões de Suely Caldas Schtbert acresoerttnmos algunas* recomendação'. feitas por Edgard Annond 3 em sua obra: I - Espíritos poluidores de moléstias: Bam dizer-lhes qm tais enfermidades simples reflexos perixpirimais' de ¡terturbações do corpo fisico e (pe, pura elimina-his, latina qm o sofredor as varra de sua imnte pela vontade. use da prece para rcachuirir nm (orais c se dispmlta a qualquer trabalho construtivo a bemdo proximo:
  7. 7. Vl enem-nation pensam que cmtinuatn (tudos. Não se reootnenda, em nenhmm das circunstâncias' citadas Tauá-lah a falar: ll - Espiritas de suicidas'. Como eles sofrem nuito. inibe ao doutiinarbr aliviarub-lles as soti-intentos através tb passe. Precisammais de consolo que de doutri mçâo; lll - Eepintos de alcoólatras e toxicõnumos. Nenhum resumido produz falar-mes mim: a inoonwniéitcia dos vícios. Dewarms falar-Hiei sobre Jesus e o Evangelho e, em uiso de tlelinm, o passe é o meiodc anna-los: IV - Emídio. : dentenutrlcs. ("cnh irão tem mmiciçãicizi de guisa algum, mvem ser sooonirhs com passes'. V ~ Espíritos solredom. Deve-se alma-los através da prece e 1h passe. A mairria adormece e é levada pelos trabalhadores espirituais: _ Vl › Eipiritos que daoonhwem a propria situa@. E muito ooinun o Bpírito igncrar que já descntzimou, mas há individuos que não têm oomlições de serem ¡nbrmados sobre a propria norte. A explicação deu: ser feita cmi tato. dosando-ae a verdade conionne o cam, DCVEIIIS antes ittñntdn-lltce a oonftarça em Deus. a idéia de quc a vida sr: pocessa em rarios estiigios. que ninguém tmrre (a prova mais evidente é ele estar ali falandoie que a vida irerdadeira é a vida espirinial; VII - Espíritos que desejam tomir o tempo da remiño. valem-se de vários para alongar a conversa e tem resposta para tudo. Não se dzve delntc-r com ela. , nm sim leva-los a pensar em si manos. De um : nado @mL oosturmm oltar outras' vezes: VIII - líspiritos irónicos. A ironia de qm sie utilizam torna dificil odiábgo. Procurem ferir otbutrimtbr e os nxmilros do grupo cmi minoritários e críticas mordazis. Não se dm: fran ntlirtdrado cmi uso. porque é exatamente o qm desejatn. Aoeítarüo com humildade suas reprimendas, sem ¡roeurar dcfenmr-se, o fará com que líquen¡ demmndos. ("omciexttizá-ios do verdadeiro estacb em que se enoattrant da sulidzh e da tristeza emque vivem atimmlos dos seus afetos mais emos. eis o mininhoa seguir no diálogo: IX - líspíritos desaftantes. O cbutrittador deve enauninltar o dialogo atento a alguma observação qm o comunicam: : faça e que possa servir dc base a at¡ ngir-lhe o ponto semslxíel; X › Espíritos mamilos. Dizem-sc frios. céticos. ateus. O dmtrinador tem porém. um argunmtto favorável ao mostrar-lira¡ qm. apesar do que pensam, cmtinuam vitos e se comunicam através da mediunidade. Pode-se dizer-lhes ainda que essa indiferença resulta dos. sofnimntos por que passam mas que 'um m ri: levará a nada dc bom. e sim a maiores dimabon-s e u uma solidão insuportável. Nao se deve tentar provar que Deus existe. mis, em printeiro lugar, tentar dapcrtâ-los para a reatliáid: da vida. Depois. o dominado: dirá. com bastante tato, que somente o Pa¡ pode olham-ilhas oremàdio e a crua para seus males; Xl - Espíritos amedromados. É mxesstirio inlimdir-lhes confiança, mostrando que ttaqucle recinto eles : sub a salvo dequalqier ataque, daule que tambémse mloqmm sob a ; unlock deJestu; XII - Espíritos viugatiios. A vingança e o ódioperttrbatn os Espíritos vingauvos. por isso é preciso leva- los a refletir sobre si mesrms, para que vcriftqmm o estado em que se encontram e o mal que o ódio e a vingmai produzem nos individuos que odeiam e desejam¡ 'ingllt; al. O dmtrixizida', tendo semme em : rinite a oriemiçaitt dada por Allan Kardec no cap 28. item lll, de "O Evangelho segundo o Eepiritimlt". dele enfatizar que a força qm eles tentam demonstrar se dilui ante o poder cb amor que titmm de Jesus; XIII ~ líspíritos que auxil iam os ohtessores. Dem-se dizer-lhes que ninguém é chefe de ninguém e que o nau-so úrico chefe é Jesus. O catch-trocador triostrara também o rml que estão praticando t: do qual advirào sérias oorseqúémias para eles iremos: XIV - Eapiritos obsexñoree ininigos do Espiritismo. BENS-If: evitar comunitária sobte religião, porquanto geralmente nossos adversários são ligados a otnros credo. : religiosos. 0 dialogo dev ' ser em torno dos ensinamentos de Jesus. oorrparandose o qm o Nissa-e ensinou e a: atitudes dos qm se dizem seus legítimos seguidorei'. XV - Espíritos galhofeiios e zombeteiros. É mei-o ter muita paciêrcia can tais entidades, imntendose elevado o teor dos pensamentos. O dialogo buscará tomzi-ltm cmecientm da inutilidade de sua atituúa, mistrandc» lhes que o rim encobre, comumente. o medo, a solicño e o desassossegi; XVI - Bpiritos ligados a terreiro e ntagja. Muitas vem estão vinculados a algum nome ou caso qie mteja sentb tratado pelo gripo. O esclareoedor irá (Ibservar a característica apresentada. Entendi a aborchym correspondente: XV1I - Espíritos nxistiftcamres. na ntistilkeidorcs que se ooimmicam aparentando ser um mit-odor, um necessitado. com a finalidade de desviar o ritm) das tarefas e de ocupar o tempo. O médium experiente c o grupo bem alinizzxío os identiftcarão. mas' é preciso para 'uso vigilância e iliscernimcnto. As ilraooes do ¡Lepírito permitem ao médium captar sua real interação. No momento da avaliação. após a reunião, o médium dem declarar o : p: sentiu e qual era o irerdadciro objevtitto do ootnuniczmte. 38. Às sugtslões de Suely Caldas Schtbert acresoerttnmos algunas* recomendação'. feitas por Edgard Annond 3 em sua obra: I - Espíritos poluidores de moléstias: Bam dizer-lhes qm tais enfermidades simples reflexos perixpirimais' de ¡terturbações do corpo fisico e (pe, pura elimina-his, latina qm o sofredor as varra de sua imnte pela vontade. use da prece para rcachuirir nm (orais c se dispmlta a qualquer trabalho construtivo a bemdo proximo:
  8. 8. " ll ll - Espíritos mantimentos em periodo de reaidaptução oo t1()0 tneio. O recurso em lah¡ uma são as preces e ih vrhr-. içôc tluldicd» realizadas no ato pelos auxiliares do traballio. vienticanlci-_xe que minas' ues o contato do som-dir com a corrente basta para o seu despertamemo: lll - Espíritos d: suicidas. A doutrinuçãudeie isar ao eaclarecinnmto sobre o erro cunetido, enlatizautdm v: que o corpo é o santuário do líspirito encarnado c elemento de inn-tuo valor para a realização das prmas noxtxsarizis à redenção ; Spiritual neste plam. principaltnznte o resinte de tlividiLs' pretéritus: IV - Espíritos ptrtzidcres de perturbações psíquicas como trote/ a. desânimo. tmnias. tbhias* etc. Devem ser instruídos sobre o valor «las atividades' cunstrutii as e da necessidanle do seu despcnamento para as lutas do porvir. l. l - Mmteiro partira de "NtNíO Lar". em ttttasáit) de tillltrflátlltttllo espiritual e tivera a própna mãe com) orientadora. Sob . ven cotttrole. estariam alguns médiuns de eleitos tintos. de psicogratia e de imirporação. Man era tal o tascínio que o intercâmbio tmdi unico exercia sobre ele. que acabou se distraindo por amiplcto qiuuito ii mentiu moral da doutrina. Era utn doutrinador implacáiel. C negam ; i estudar lollgth trechos dus Escrituras. para utiliza-los na conversa can cx sacerdotes catolicos que conpatL-cuuii às 1553x336 ttntliútticas em estado de ignorância e perturbação. »Kremlin luzes para uu outros. preferindo. porém os carrinhos escuros para¡ si. esquecendo a si mestm. Preguia a paiciéttciai dentro do grupo. mas em inpuciettte la fora, C ottcituva os C$]'7Íl'll0$ a KTCHIÚLKÍÉ. mas' nmtectllia sem indulgémcia as senhoras' ltutnildm que : tão continham o pranto de ¡tlguma LTlilllÇíl enfenna piemznte : i reunião. E no comercio era iiulexivel com ! CUS devedores. Pais-sam as dias no ÉSCIÍIÓTÍO estudinilo a nelhor forma de ¡ierseguir os Clwlllfb em atraso. c al noite iu ensinar o amor nos senielliauites. a ¡Niciéncui c u doçura. eaaltando o sofrimento e a luta como estradas' benditas de ¡repiraçfui pita Deus. Na sentida estan¡ cego. csquizcitlo de que a existência tetrestre é. por si ó. uma so. . to flTlllllllttllltt. Quando ; t ungitui o leiou it norte. encontrava-sc absolutamente Llistraido da realidade tfíiüllClili. Voltou à vida espintual qual derrame netos "lodo de limpicio. O raciocinio ¡tedia socorro chrino. rms o sentimento agarra¡ ; i-sc a objetii os interiores. Viu-se ; LiSillL rodeado de Espíritos tmlévobs que llte repetiatn longas lrases de suas : xrssões meditmicas. Eles. u-onictys. lhe reçomendznmu . sereuidauh, pociétrizi e perdão c ¡xnguntznam por que ele não _se desgatrai u do mundo. estaindoj : i desenairnodo, L2 « A revolta tomou culta dc sua alma c, turu tarde. quando _iai estava recolhidi em “Nosw Lair". exigiu ; indicações para o seu estado. visto que nào vc considera¡ u tracassado. Vcncrandai. um dia foi lsllii-[O em triutnento que reservam a drmamo. Monteiro criiou seus ouvidos de lamentaoêxs e ela o ouviu. pactentetnzttte. por duas horas. Quando o ex-doutrinzidor se calm. Veiterzinda sorriu e disse: "Monteiro. nru atuigo. a causa da sua derrota mio é complexa_ nem dificil de explicar. Entregou-se océ cxcessivattxrntc oo Espiritismo prático. junto dos hmiens. nossos irmios. um nunca se interessou pela verdadeira prática do Esplrltlsmojmto de Jesus. nim-ato hlestre". Aquelas* palavras. como m¡ vulcão. muiLiram por conrpleto a atitude ttrntal do ei-«hutrittzulor traicanodo. tCap. t2, pp. 67 a 71.) 2, Do ligo “VoltgP, dg Irmão Jacob: 2.1 - Em llltfíldúi do século pa sado. Frederico Fiimer. tünllttidt) espírita. eiociirigiente da Federaição Bpirita Brasileira e tiel estudioso do E auge-lho de Jesus. com muita humtldzidi: descreieu sxzu encontro com ; n ineiitáieie leis' do Criador. no litro "Volt '". que ele assinou com o ¡tstcudóntttb lrnuio Jacob. psicugratLi de Fra ncuco ("aindiilu Xux ter. Depois di transição delicada do iminento da morte do corpo c de seu dcsprendinmito com) Extinto atento. descrexe ele o smtrro recebido de ttño¡ attnraiieis. entre as' quais a ck sua joven¡ lilltn lvlarta. que partir. : tnuitos autos miles. os pritneiros passos de ; ulaptoçfui no alétti-tútnulo. incspcrmh sit ^ . lo sc apresentou para a s ^ rellexfio pessxml. Caminhzmcb com antigos naquele ambiente rico em hartmnia. de sul-rito percebeu que. embmi a atenção prestunosa do. ipe o mvtrrpaidun um, algo em si estava diferente. Eis suas próprias palavras: Reparei o halo de luz que a envolvia (u Murta_ . uu filha) e os traços brilhantes que cercar-an¡ Andrude. fixando-me. em seguida, num dmnorodu auto-exame. Meu corpo espiritual juin tão obscuro. quanto u ieiculo demo de came. Por ponto. irão me despenliei no deaimium lamentaiel. Não trazia ainda cunigo sutkieiite baga ; em de luz para busscar. oonñtmte. a aproximação dos ! Lspiritos Superiores". 2.2 ~ Convidado por antigos. eiou crosta iSllálf a llhllllllçákl espírita onde por tnuitos anos sc dotlícou ai onentzição dos Espíritos menos felizes ou mesnu agressitos. Ao mlentrut' o recimo. novo uupocto o alcançana. Diz ele: "Reparei, então, com nnigoa a diierença que existiu entre mim e os : ibeneumloa &Ulllpalnlltittli que me haviam trazidb. Ao mino que nenhum deles em ii 'i el . tos imiãos igtoruntes e pe-rturbadoa. não obstante . n irrodiacões brilharam que lhes marcavmn u in ividualidide. nolavannne a presented Cnllk' c» . iimlantç-s intermcnlitirim. pertmicenus . tos cursos prepanitorms de espiritualidotl' supenor'. Profunda tristeza tomou-lite o
  9. 9. Vlll Conduzira muitos desmciiriimim ii fonte subliiir das clarichds ev angelica». mas csqmcera m¡ própria nüttütdiüca, Como ele mcsiito diz. doutiinara muita curte ou pretendia Itaver doutrinado. contudo agora reconhecia a opacidade de sua alma. Ninguem. neiinim amigo o acusava: ningiént the proclzunziva as deficiências; o conflito era pcs-isoaL de consciencia. Ninguem o huiiilluiva. Fui nesse imiiiento que uni amigo u ¡irmnselluu a reiniciar : em aprendizados de ilumin: o. Wopos-lhe o int-resso ein uma escola existente naquele plano onde se achava romlhicb, e o atlvertiu: “Jacob, procure ser menino outra vez. Nao giant: : ideias premiiixbidas. lísquoça o hoiivemdc negocia; que toi. iivide a posição de oonxindante cmi subordinados'. De nvente tarada e tresra. você aprenderá iivelhor o sentido real da vida. Saber reooiiveear aqui e uma ciência agradavel e ao mesmo tempo coiimleaa". E to¡ ihstlll que o anip que na Terra se desincunbira com louv l' de suas tarefas de propagação da Doutrina conwladora dos Espirito». voltava ao mundo espiritiud para agora iniciar o aprendizado de sua vivencia. u v- . 3.¡ - Quando do ivdventi) do Espiritismo. graca: a Coditic ; to Kai-tloquiana. a imdiuninlaide recebeu orientação cotidiana tornandose irutrumento de sigiiiticativa e nobre utilidade para o interdiiivbio entre os haiiens e m lis-pintos. comproxando : i imortalidade da alma e abrindo espaços para o entendimento de inunerziveis aconieciiiventtn que permaneçam envoltos pelo sobrenatural e pelo ni -uloaio Todos os terminem¡ de qualquer natureza estão no contexto das leis natura Ls. iivesim quando igna-adas as suas genesea. O Epiritisiiii: eni demonstrar pela nwdiunittiric a existàicia do mundo ¡xirati'. ~ic(›, tão real ou iimis di que o trail io mundo imaterial. .sendo vste. en¡ tiltiiiu âmiílbkl. eleito daquele. que . '- o cattsaL o verdadeiro. ponanto. Veritieaido que a siriettvde alem do túmulo é eomtituíih por seres inteligmtes que vivem as experiencias t: 0|l1IÍ'; Ls'. retmcarrumdo e deseneamaiato. até a perfeição relativa que a todos nos está o líspiritisiix) propicia. pelo intercambio nverliúnico. a psicoterapia tlesalienauite em favor dos enfenms espirituais que m: tleiinrain nos círculos nois grosseiro¡ da Erraticidaite. recebendo os Espíritos ajuda c orientação dos lionrm. Evidentemente. antes dessa enfennageni espiritual direta. terapêuticas varias 1.¡ eram utilizadas nas áreas de socorro da fmpiritualidaiite. conforme ainda liojeaoomece. 11:' nJi-rmugt-n¡ t-. i-¡inmul ÍlÍNTfudIIm. pp. l t6 e H7. i 3.2 › Vários bvmetícit¡ definem desse intertzimltio. no consolo e auxilio iivodiuniai aos ihsnmcamailos: a) proporciona aos inemlros do grupo sixurrtstat ! refira prov eilosas para eles inc-sims; b) pitsstbilita titellior comp-ensaio da “lei de causa e eleito". no tluxorettuvo dos ; iconteciimrnto c) [oculta o exercicio da tratemimide. :ipremkndo os encarnados a conviver com as' dores de quem nem sempre . '- v isto. a tim de mais tiicilirente auxiliar-se na diminuicrli) dos sotrinentm de todos aqueles que os cercam e são vista. ; d¡ porque o perisplrito possui os inesims ousar». que o corpo fisico. quando ocorre o tenàmeno da rsimfonia. duas ttcitriéncias* se dão: 1*. ~ durante o acoplamento ¡ienspiritual os dcseitcarnados ¡tjustant a sua organização ii do tried¡ um e volveiii ao contacto com aqueles que lhes não regisuavam . i itesençzt. nào os ouv iaiii, não os visam ¡xiitertdtvdar expansão ; tos senttiivirntm que os atormmlai ant aliviandode. c. curto ; ttendimmtcv esclarecedor qu: recebem, imdifica-: c-llies o estado último' - no intereaniaio natural, ocorre um choque nuídico. pelo qual as tlrça» aninieais do ¡xwcipiente rompem-tha . i crosta ideoplastica que Os envolve e lhes absorvem th ibriôes nventais. qual espaiia que se encliarca. vtiiiiiriuinwllies. expressivameiite. d ¡micosfera negativa que respiram. pertiiitiiidolltes o dialogo no qual se dao conta da inme. rcnxirrzmb. para despenaitlriito msterior em condiçôes lúeidas que propiciam aos hrlentores Ctíldulhkh a [ÚSIOx hospitais' de soctrros ou Cantus de aprendia-tirem. nos quais se capacitam pura futuros Colncltlltctíüà: et tornam-se tactiv eis cirurgia¡ perispirituais* enquanto ocorre a psicotímut. ou os processos MJOOITEIJS mais espcwiñcus que visam beneficiar os agrilhoaultts ; ls reminixeiicias camais, por el: : vitalizarías com a mente viciada e com as quais constroem os infortúnms que os tcretii; t) homens e Espíritos ; e exercitain na caridade anónima ja que não dao conta daquele a quem ajudam ou de quem lhes chega o auxilio: gt porque ~ situados em lamas nuno hmm do piquisnio - muitos Espirito» iño mnseguem sintmizar com os Benfeitores da Espiritualidade. só o dialogo com os encantados os dammrai para uma visao diterentc da v (En/ cmiugcn¡ CSpIflIlllÍ liberam/ um. pp. l I7 e l t8.) 3.3 - ! lá quem (ihjete contra essa psicoterapia ou enfenmgrm espiritual aos chseiicarnados. Pessoas respeita eis sugerem outros inetodm de doutrinaeiki em nussa ou LL: temiam' riiais mlisticadas. infortnand) que os medium de psicotoiiia. pelos quais se apresentam os eidernms. sofrem muito. Pretendem poupa-los ao constrangimento c a acao tluidica iksses coiiiunicantes em desevquilibrio. A mediunidade é. no amianto. iimruiix-nto de servico que. a luz da Doutrina líspirita. se transtorno em itxxsaitisim de pioimçàc) c digniticziczk) miral-espirinuil do proprio nvedianeuo. Quanto ma' serve o iivedium educado nas lides espiritas. lllltS aprimora e se telicita com antplav* ¡teitepçors O intercaiitbio com os Espíritos uifelizm c mniersos. nos servicos especializados. de toriiia alguma gera pieuizo para o individuo portador de rmdiunitlmíi: ou para as suas Faculdades. Ao LYDHHIÂHU. a-lo graiiiear me tos c amigos que o aguardarãu reconhecidos. posteriormmte. quando lhe cicorrer também a dvsencarnacão. [En/ urnuigcn¡ uvpiri/ uul Iihcrtudum. pp. l 18 c I t9.) 4. Do livro “boucurue obsusio” de Manoel P. de Miranda: 4.¡ - O tratamento data alivmiwões iinzntais. IIEÍUÍIIÍOáL' a obscàsào. e muito tbsgztstzuite e exige
  10. 10. llll canteiro. Conduzir: : muitos desencamailixs a tome sublime das clariitims evangelicas. mas esqmeera as própria neeeisidzules. Como ele mesitu dm. daitriiiara muita gole ou pretendia luiver doutrinado. aiiitudo agora reconhecia a ipsicidasie às . sua alma. Ninguem. nenhum amigo o acusava; ninguém llie proelzunava as deñeiéniciixs; o conflito eia pessoal. de consciencia, Ninguem o hiutilltava. Foi iursse momento que um amigo o anxmselluu il reiniciar seus aprendia-idos de iluniuiaçào. Propós-llie o ingesso em uma escola existente naquele plano onde se achava riaeolliiçb, e o advertiu: Jacob. procure ser ioeniiio outra vez. Nao guanle ideias preeonoebidas'. Esqueça o liomeiride negócios- qu: lot. ohide a sua posição de eoimndzuite can suboidinxidos. De mente lavada e tre-sea. você aprenderá melhor o sentido real da vida. Saber retome-een aqui e uma ciencia agradavel e ao irwsmo tempo complex-i". E foi assim que o anip que na Terra se disiiicunhira com louvn' de suas tarefas de propagação da Doutrina eonsoladora dos Espíritos; voltava ao mumb espiritual para agora iniciar o aprendizado de sua ivencia. u w . 3.1 - Quanib do advento do Fspiritisnm. griKãln ii Cudíiia um Kardoquiaim. a imdiuiiidade recebeu oiientaçb ixiniíigita_ tornandose imtrunnriito de significativa e nobre utilidade para o intercambio entre os homens e os Espíritos. eomprmaiido a inmrtalidaule da alma e abrindo espaços para o entendimento de inunerai veis acontecimentos que pemuuieeiaim envoltos pelo sobrenatural e pelo mu" ~uloso. Todos os tenàneni¡ de qualqier natureza estilo no contexto das leis natiuais. mesmo qmiiilo ignoradas' as suas gene-ses. O lísspiritjsiim em demonstrar pela mediunidaile a existencia do murilo paratisieo, tao real ou iiuiis' do que o tran toriu mundo material. .sendo iate. ein (iltima analise. efeito daquele. que e o causal. o verdxideiio_ portanto. leritieakb que a ? sileieilaide alem do túmulo é constituída por seres inteligentes que vivem as experiencias ei olutivas. rixnemumdi) e dasieiritamamlo. até a perfeição relativa que a todos nos está ikstinaila. o Espiritismo privpieia. pelo intercambio im-iliiimieo. a psiouterapia ilesalieiunle em favor ihs entemms espirituais que se ikimram nos círculos : mis giosseiro. da Erratieidaxle. recebendo os [Espíritos ajuda e orientagxh dos lionens. Evidentemente. antes dessa enk-nmgem espiritual direta. terapéuucas àlflãbà j. i eram utilizadas nas areas de somriu da Espiritualidade. conforme lioje acontece. ¡Enremiugcm i-. qinmul Iihcrrudum. pp. l ló e ll7.l 3 " - Varios bene-ticas detlueni des-se intercambio. no consolo e atmilio nx-diunieo aos ilesenearnados: a) prqmmioiia . tos membros do grupo . soeorristzi lições proi eitosis para eles IIKEMIDSL bl pizssibilita melhor compeeiLsfio da "lei de causa e eleito". no fluxo-refluxo dus acontecimentos; e) laculta o exercicio da lratemidaule. :ipremkndo os encarnados a conviver com as' ibres de quem nem sempre e visto. a lim de mais tmilirente auxiliar-se na diminuição dos . sofriimitos de toibs ; iqueles que os cera-im e são visto. : dl porque o ¡mispirito possui os mesmos orgias que o corpo fisico. quando ocorre o fenomeno da psicufuitiil. duas oeoriémizis se dão: l”. - durante o acuplaimento penspiritual os' deseniziriiadm - 'usuun a sua organizaçm à do médiinn e olvetn ao ; syntax-to com miueles' que lhes nao regisuavam a rreseiiea. irão os (| U iam, não os' viam ¡modendodxir expiizsài) : os sentmientih que os atoriremavani aliviandoase. e. com o : iu-ridiiiL-nti) eselarecedor que recebem. imxlitiea-. sc-llics o 2313410 intimo 7". › no intercambio itatural_ ocirre um choque lluldico. pelo qual as lirças AIIÍIIÍCJLL do pereipiente mitipem-lhes a eros1a itlwplzistiea que u. envolve e lhes absorvem os vibrioes mentais. qual espaiia que se eiieliareai_ (lllllinlllllúí-UICS. expressivamiziite. .i ¡asieostkwa negativa que respiram. pimnitiiidollies o dialogo no qual se dão conta da imrte. reunir/ tmb. pura despertameiito msterior em etmdieôes lueidas que propiciam aos lVlentores emduzi-los a postos hospitais de soco-ros ou escolas de aprendizagem. nos quais se capaeitam pura tiitin-os oometimentos: el tornam-sr. - taetíi eis cirurgias perispirituais enquanto morre a psieoloitui. ou os' prixessos somrristas itiais irspeeitieos que v Lsam beneficiar os agrillioailm as reminisxreneisis canais, por elis vitali/ aims eum a immte ieiada e eoni as quais' mnstroent os infortúnios que os ferem; t) liunerLs e líspiritos : e exereitam na caridade aitóniiitzi. já que nlo se dao conta daquele a quem ¡lj ulam ou d: quem lhes chega u auxílio: gl porque « situados ein tiii. - ' mino lnixas do ¡uiquisim - muitos' E 'pírilos' não conseguem siiitmiair com os Benleitores da Bapiritualidartle. só o dialogo com os meamailos os despenara para uma visao diferente da v (En/ cmzugcm Cxplflflu¡ liIu-nuloru. pp. H7 e l 18.) 3.3 « lla qui-m obje contra essa psicoterapia ou enfenmixm e. ii-itual aos deseiieanuidos. Pessoas respeita eis suiseiem outros metodos de dinnnnaçfizo em nussa ou d: técnicas mais . sollstieadas. intormanú) que os imidiuns de mieofoitia. pelos quais se apresentam os enfermos. sofrem muito. Pretendem @upa-los ao eonsu-aiiginnrnto e ii ¡xçlo tluidiea ibses eomunicaintes em desequilñtorio. A mediunidade e. no entanto. instrumento de servico que. a luz da Doutrina líspiritai se transfer-tua em meaniisitu de proimçih) e digiiitieaieai) miralespiritual do proprio medianeiro. (muuito ii serve o medium eilieado nas lides espiritas. miis se aprimora e se telieita com ; uiipkLs peitemoes. O intercambio com os Espíritos infelizes e perversos. nos ervieos espeeialiaiibs. de torina alguma gera pieiuízo para o individuo portador de nediunidad: ou para as . suas faculdades M) contrario. fzi-lo granjear méritos e amigos que o aguardarao reconhecidos. posteriormmte. quando lhe ocorrer também ti deseneaunaçào. (En/ urmagcwi : :spin/ uni ÍlÍkTfudtl/ U. pp. l IX e l i9.) Do lh/ ro “Loucurue obsessão” de Manoel P de Miranda: 4.l ~ O tratamento das ¡ilienaeões mentais. incluindose a dncssào. e muito iksgastzuite e exige
  11. 11. IX tntralidzule. paciétria fé e titulos de enohrecumnto por pane daquela que se lhe iledicattt ao tmster. O terapeuta oontutrL quando portador msm- reqmitos. exterioriza a / arya curadora que passa a envolver o paciente, dando- lhe ou aumentando-lhe 4h' rea *tenciaa . -o mesmo tempo. uma conduta exeinplau' confere toc-rim; aquele que a pogiul. atraindo a mtuideração e mmplmzéitcia dos Bons Bpírtlm que passaro a auxilia-lo. dele util imundo m ; peão do Bem. No que tang- ao ¡aba- terapeutim para as' tbsmsõirs, tais requisitos são Iundaioentais, pot-quanto não os hhmilícattdi) naqueles que th acomelluntt. e lhes apontatn o hum caminho. os Eepiritos domtesi rechaçam- lhes as mlavras. ame a evidência de que elas são expressas sem cotnetulo de ieniade. ;um que irão são v ividas. O doutrinaabr espírita deve. yxiis. v erlxilizar e iver o ensino. eonstituindoo exeuplo que demonstra a qmlidxxle do que apresenta pelas realizacfxrs íntimas e externas' que produz. Como eleito. o peiciente sintonizar com os bots omuelltos do seu mutrmador. nele encontrando apoio eimcionaL como determinados cnfemios o eitomlrattt no seu tnediw, para vencer ou «xxntortuxr as dificuldades th tratamiento. (Loucura c Ohxcnuãu. cup. I 7, pp, JIJ c JH. ) 4.2 - Dlsücflillllk) ainda sobre (N trahallns d: desobiexsão. hzíiratxla lembrou que o grupo tnediúnico dedicado a CS3:: llllíltn' possui grai es respmsabilidzxles. que não devem ser desoonsitleratlzis. lvletnbro atuamle da equipe. cada oonpattlteiro exerce um tipo de tarefa que se rellele no êxito do cmjunlo. catlonm a eatdula que nnunettha. 4.3 - Não termirumdo o tratamento dm obsessa-es e dos obseuws quando são encerrados os proce um da toediunieai_ na ("asa Espirita. ei-lo que ¡rosscgue além das' vibrações materiais com maior uuetuidmle. lla quem estranho tal providétteia esquecendo que. antca da divulgação do Espiritisnu. os socorros dmotnessivos eram proeexsados dentro desaes milhoes. o que. alii». autda e feito nos lugares arde a Doutrina Espírita não chegou ou a tmdimidaxle exlarecida nã) é utilizada como ihveria, 4.4 - Conjugandose os esforços. emambos os laibs da vida. tnaLs eficientes' e rápidos são us resultados. enseiartdo ; Ls criaturas citmrmnku o conhecimento da ieahdmle. de ul tratnmba e a arquisicahi de valores pela ; não da caridade desemolvida. (Loucura e (Xtauizvãu, mp, l7. pp. .'15 u 2/ 7.) 5.! - De volta ao quarto de Margarida. ond: os 40h hipmlmuhrea u; aguardavam em fruição ativa. Gúbio pousou sigiilicatixo olhar em Saldanha e ; mediu-lhe em tom discreto: "Meu amigo. chegam a minha vez de rogar. RelenHne a identificação. talvez tardia aos teus olhos, com relacao aos objetiios que nos prende-tn aqui". F_ com imensa comoção na voz. . essclaieceu: "Saldzmha esta senhora doente é ti lha de tucu coracao desde imtras eram. Sinto pa* ela o entemecimemo con¡ que cuidaste. ale agora. do teu Jmee. dcfettdizndoo contas lucas* de que distinta. En sei que a luta te ílllpàs' aicerbm espinhos ao cotação. mas tambem ein-mio sentimentos de pai. Não te tnereccrei. porventura. simpatlia e ajud Veriñcouse eittào uma cena que. ntinutos antes. paieeeria utaerg-dttaiel. Saldanha contemplou Gubio can u olhar de um filho arrependido. ("nossas laginns brotarattr-lhe dos olho; antes trios e unpassiieis. O diretor da lalanp: parecia itribilitauio a respmder, diante da eimtividmle que o doninava. Gubio. enulo. eitlacandoo fratemalttenle. falou-lite: “Passanm ltoras SLIbÍÍIDth de trabalho. entendinicmto e perdão. Não d-aejarús desculpar m que te terinutL libertando. eitlinx. quem me e tao querida ao eaptntoi' Chega sempre um instante no mund) em que nos entedianns dos priiprm erros. Nissa alma se battha na fmte lunral do pranto renovada e «maca-mm todo o iml a fim de aloriair todo o bem. Noutro tmupo. perscgui e hmtillni. por minha vez. Não ¡rcreditava em boas Obhb que não nas; sen¡ de ninhas imlos. Supunha-me dunitmdor c tnurnciveL qmnilo não paxsava de iideliz, e ¡mmsato Coruukrava intttngus quanto. me não annp-eendessettt a¡ caprichos perigosch e me não louvawem a inclina. Experimemaia diabólica prazer. qurmdo o adversário esmolasw piedade ao meu orgulho, e emu-iva de praticar a genermidznle humilhante daquele que determina sem conteonenteü. O ltulrutor infonnuu, enlittL_ que a vida havia retalhadi) seu coracao com o estilete dos ntututoa. transformguidoo devagar. até que o despota imiresee dentro dele. "O titulo de irtnâo é, ltoie. o único de que efetivamente m: orgulho". concluiu. ¡uttes de apelar outra vez para o ancurso de Saldzutha. (Cap. XIV. pp, I7S e U9) 5.2 - Andre Luiz e Elói tinham Izigritnzu ardentes diante daquela danrinaçh etnoektianle e inmperada. Saldanha. por sua vez. . enxugou os olha; e. timido-os no interlocutor hondmo. diese-Htc. hunilile: "Ninguem me lalou ainda como tu. .. Tuas palavras* . são coluagrmlas por uma lorça divina que eu não conheco. porque chegam aos meus ou idos. quamdo já me eitcontro «xmliindiih pelos teus atos mirvinmttes. Fale de nim o que ilesciares. Adotaste. nesta mile. por ! ilhas d: teu «roraçào todos os parentes em cuja trunnórut ainda vi o. Atnpar' e›me o lilho demente. ajudasleatx: a esposa alucinada. proteimslc-ttie a nora infeliz. socirrcsteane a neta indefesa e reproemküte os' que me pertLrbavattt : em motivo justo. .. Como não ç-nlaeai'. agora. as minha: Inzlos cmi as luas na salvação da pobre tnulher que amas por filha? Ainda que ela propria me houvexse apiuthalado mil xezea. teu pediam. apoa o bem que me fizeste. redimi-ht-izi ao meu olhar. .." E. detendo a cnslo o pranto que lhe numava esponuitteo. Saldanha oolocouse inteirattwme a dismsicãi) de Gúbio. para servido. Paissoueae eita-lo : l articulam do plano de as, i. Dai a ¡ioueo Saldanha retomou ao aposento e dirigiu a ¡nlavra a um dos hipnotizadores em serv iço: "Leinrio ¡tozao projelu mudou e muto coma tua oolalxiraçfm". "Que houxeí”, indagou com curiosidade o interpelzido. “Uni grautde aconlecittnznto. .. Terms aqi¡ um nmgo da luz divim", disse-lhe Saldanha, que, em
  12. 12. X traço. rápido. . narrou-lhe os ; ICOMOCÍJIMMIOS daquela noite. Leoirioaquiexeu, de pronto. ao pedido do diretor da talangc. 84h ertindo. porém, quanto a (iaspar to outro hipmtiumort. que irao se achava. segundo sua avaliação. ein caidiciies de aderir ao nom projeto. Saldanha piediu-llii: ticzisse tranqüilo. porque tudo seria acertado, (Cap. XlV, pp. l79a Hill c¡ w . 6.1 - líx-szicerdote católico. Marinho continuava piisimeiro ; hs trevas, apesar dm esforços de sua mile desencarnzida que apelou a Alexandre no sentido de levar o tillio a uma nova experiencia de dimtrimçato. llavisi dez anos que a mãe procurava dissumtrlo do ntau caniuilti. mtluericiandm de tnaneira imliretzL sempre sem resultado. Agora porém. !Marinho parecia algo moditiaulo. eoin novas disposições. imtediaiilo iliante dos amtrxitiliciros de crimes. Seria mais tiicil. assita. ainda-lo a tnlhar o caminho da verdadeira eleuiçfiiw. "Por que a dimtnnaçào ein ; nutriente dos encarruxlos? Tal nicdiih e um¡ immsiçih di trabalho desse ieorTl perguntou Andre Luit. . Alexandre explicou que esse recurso não c inprescinditel. porquanto exLstetn na esfera espiritual iníumros agrupamentos dedicados eaclustvannrnte a esse género de aiuilio. Em iletmiimúh casos. piaretrt. a cotperacào do iriaçnetisnti) liunnm pode intluir nxais inte-iminente, em benefício do: ilesencarrtadm que . se cncmtretn cativos das zonas de sensação. na ("rosta Assim. quando e passível e útil, os Espíritos se valem do concur-o de medium¡ i: ditutrinzidotes encaniados. não só pura facilitar a solução dtfjiktl, mas também para prqxirciutar ensinanrntos tHh aos eoinpaitheirm envolvidos na carne, deiperutniliyllies o coração para a espiritualidade. Ajudando as emidades em desequililrio. ajudam a si mesmos: doutrinando. acabam igualmente duutrinados. tCap. l? , pp. 278 a 280) 6.2 - Em breves irinutos estavam todos no recinto da reunião. Muitos sen idcres ilisencarnadm trtantinliainse ch mãos dzulas, formando extensa corrente protetora da mesa amsagrzula aos servico. da noite. Sem isso. não seria pmsíxel cmter as entitlaihs perxei' e recaleitrantes. !Marinho foi localizado dentro do circulo ntagnetico: ele quis remar. tuas não píxle. A tronteira ithatoria impedia-lhe a fuga. Ele ; bClBu-sk? logrado. Neccsio o acalmou. dizendo que ele teria grande alivio e explicam-Die que fora sua mãe quem o env iara a sua pros: ura. lwirittlti) escondeu o rosto nas mãos e chorou angusliosziirumte. Enquzutlo isso. a tttúliutrt Otavia recebia os mais vastos recursos magnéticos para a execução de tarefa. ProvVL-; oriartnntc desligada do ieiculo lísico. a ntiêditnn parecia algo confusa em vista de ÉHCOHÍHIFM: envolvida em fluidos desequilthadh. não trtostrando a ntesnm lucidez qui: Ande llii: obs ; ira noutra ocasião; no entanto. a as sténcia que recebia dos ¡íspirilos era tnuito maior, Alexandre passou a inspirar diretamente o dirigente da reiniiào. Enquanto isso, varias entidades nxolliigun as tiirças neurais › vigomsos recursos plasucis - emitidas pelo: 'inrulos presentes. inclusive as que tluízun abundamtementc da ntediinit. material esse que os benteitircs espirituais usavam para tornar-si: visi icis aos irtrulos perturbados c atlitos. ou para tmterialilxir prox Lsoriaiitente certas' imagens ou quadros. indispensáveis ao reavivzuitenti) da eimtividmle e da Lmliança nas almas infelizes. A palestra entre o dirigente e o es-sznxwdote prosseguiu. Marinho estava inicialmente muito dismperzulo e ¡zroiuuiciaixa palm ras lines que deniuiciataun sua rebeldia. O dirigente talavadlie com serenidade crista, A certa altura ixlexmidre pediu a um cooper-Mor que aiuiliaxse . i mãe de Marinho a tomar-sc visivel. .Alexandre aplicou passes llutmélitfth na região visual do en- padrc. eitqiumti) a genitora iesigtuiva- - ; io envolviimnto em vibrações mais gmswiras. por alguns minutos. para que pudesse ser vista pelo filho. O irigente. intuido por Alexandre pediu eittao ao oomitnicante que iiliassc em volta de si, c ele viu sua mic. lançando um grilo terrível. , A mãe lhe talou com em retro carinho. abraçzuido-o. enmciuiatila. e beijando». em lágiinzis de riaoonltiaciitxmti) e amor. Uni mpiosa) pranto os identificam agora. (Cap. l7. pags. 2X9 a 2931 6.3 - As palai ras da mãe de lvlariidio toram tiramos' "Por que não rendersc ao amor de nosso Pai. neo tillio? Chega di: vàs dixusfms e de contendas intelectuai A porta de nossas ilusões terrenas certouse com nmstos olhos tísicus . . Não transtira para ea nossos velhos eitganos! Atenda-ine, mio se resulte mais! llutrtillie-: c diante da veritule'. Não me taça sofrer por tnais tempo. . Depois. num ato de ltutrnldmliz. pediu-lhe perdão por hai é-lo induzido a seguir a carreira saccnioml. No tinal do breve dialogo. ele perguntou. conlízuitc. se pxxlerta¡ Luuixtpanhá-lat, e ela rtspomkit-llte que, pa enquanto. ttâo. Era preciso equililrar-sc pritmiro. mudar a condição iibratoria. através da remv intima ; Xira o bem. e ; remeteu «hr-lhe todos os recursis rxxessarios a uma tida nova. lniiicou-llie então o amigo Nettéslo. que o trouxirra ii reunião. E Muinho era outra pessoa quando. apos despedir-y: da lnÍbc. voltou a conversar com o iliriis-nte da _sessão A presenca materna produzira suluutrcs efeitos naquele coraçao esasperad) e desiludido. 0 cx-pad-e nao poderia ser arrebatam alas sombras para a liu. somente etn virtude do amor da tnãe. mas recebeu o auxílio fraterno das Fspuitm e pule-ria agora utilizar elenrntos novos para colocaram no cuniiiio da tida ittuLs alta. Era~lln preciso agora semear. para «Emis colher os resultados do proprio csfirço. (Cap. l7. m. 293 a 294) 6.4 - Foram quatro as entidades que rixelrratn benefícios diretos de igual natureza. at mas de Otavia e outro ttxêdium. naqusla reuniao. Em talos os casos, o inagmttsirto foi largamente empregado pelos imtrutorn espirituais. salientandose o de um pobre negociante que ignoram¡ a própria morte: corro ele insistia ein negar a mine do corpo. uni dos orientadores (Luli) ter. a dLslãrtcia. un despojos em decoiiposicfio. O intelit. uininartilo o quadro, gritam lantentosanrntc, rendendose. por tim, a eiidéncia dos fatos. Em todos os serviços. o material plzistici) recolhido (hs CIIIIINÇÍKÉS dos encarnados satisfaz). plenamente. Servia para qu: os Espiri os se tizeswm
  13. 13. Xl visíveis aos commicantis c. aitrla. na predição nronutrànea de quadros transitüios e ideais-hmm. Um dos necessitados, que tomara o médium sob forte excitação. quis agredir os compmentes cb grupo. Então os técnicos espirituais' compuseram uma fuma sem vida propria. que trouxeram imediatamente. cncostarrdo-a no provável agregor. Era um esqueleto de terrivel aspecto. que ele pôde ver d: alto a baixo, passando a tremer. humilhado. e «esquecendo a idéia de agressão. Andre. fimh a reunião. ivaconhccia que os Espíritos podem u-azcr o belo c eficiente socorro aos elenrentus envolvida¡ nas sombras. mas qm, da mnfomridzrrle com a Eterna Lei. os necessitados só poderiam receber os Llivims benefícios se estive-saum dispostos a aderir, por trabalhos. dobem. (Cap. l7. paga'. 295 e 296) 6.5 - Alexandre esclareceu que otrabalho de iluminação espiritual. depois da morte. exige do¡ benfeitores espirituais muita atenção e carinho. E preciso saber semear na "ter-ra abandonada" dos corações desiludidos. que se afzmtam da Crosta sob tempestardzs de ódio e angustia desconhecida. Não podemos criar sem amor, e scmcnte quando nos preparamos devidamente edificar-emos com êxito para a vida eterna. Uma das obsidiadzs presentes tinha ao seu lado diversos perseguidorc-_s invisíveis, a impor-lhe terríveis penmbações, scbressrindo, dentre estes. run obsessor inleliz_ de maneiras cruéis. que sc colara ao corpo da enferma encamaila. em toda a sua exrertsão. dmrinando-llre todos os centros de energia orgânica. Era um caso de possessão completa. Tocaih pela deslra do interprete espiritual, o iniirmmado gritou que ninguém poderia deter o seu braco vingador. O benfeitor respondeu que não den-java forca-lo, rms apenas dizer-lhe que. enquanto aumentasse propósitos de vingança. seria arstigzrdo por si rrresnn. Ninguem n nnlestarva. senao a ¡ropria consciénrtia: as' algemas que o prendiam a inquietude e á dor foram fabrkadns por suas prop-iax nrãm. O algoz revelou. então, que sua VÍIÍIWI atual fora uma proprietária de escravos, perversa para com todos, de nrodo que. alaénrde seu islot-co vingador, outros iilravam de ódio e não a deixariam deecansair. Lembrou. ainda. que por simples capricho ela iendera sua esposa e sem films. Não era justo agora que sofri-ssa? Sera crlvel que . li-sm. o Salvador. aplaudise o catiieim? O henfeitor rcdargüiu dizendoque Jesus não aprovaria a escravidão. rum; ele recomcrdoumos operdño recíproco. :rem o qual nunca nos desvencillrarerum do cipoal de nossas faltas. E lhe perguntou: - "Qual de ms. , antigos hóspedes da mme. conseguirá exibir um passado sem crinmíf' Admins. com a : minoria ainda dezsequilñrrada e sem condicõizs de conhecer : E peripécias do passado deveria isperar pela Justiça de Deus. porqie ninguém pode julgar e execmar al grém, com as mãos, se ainda rm pode avaliar a extensão dos próprios débitos. (Cap. IS. pp. 304 a 307) 6.6 - O diálogo cattiruou por mais algum tempo até que o olxessor calou-se. O misionario pensou em dilatar zm lenbranças da entidade perturbadora. mas Alexrmdre, comultzxio a respeito. carsidcrou inoponma a medida. ptrquanto aquele Fspirito não estava em condições de compreender e era, aitrda, necessário que solresse. A pobre mulher. alem de cercada de entidades ag-eszivavr_ tinha o corpo trarusfomndo em habitaçao do pirrseguidor mais cruel. que [lie ocupava o organismo desde o crânio até os pcs, impondo-lhe trerrendas reações em todos os centros de energia celular. Fim tenuissimos. mas vigrrosm. uniam-rtos ambos. Curiosanrente, enqrumto o obsessor parecia bem lúcido, ela revelava angústia e inconsciértcia, griumdo sem "Salvem-me do ikrrrônio! salvam-mc do derrñnicr! oh! rrrcu Deus, quantb temrinará meu suplieiirír' O instrutor espiritual explicou então que a jovem senha-a apreserimva doloroso caso cb Disde a irtlãnciai. era perseguida pelos tenazes . adversários de outro tempo. vida de solteira, porem, no ambiente de prcleçào dos pais, ela conseguira. de algum modo, subtrair~sc a integral influenciado de inimigos persistentes. embora lhes sentisse a auraczh) de nraneira nrems perceptível. Com o casamento. ao receber maior quiulrño de sacrifícios. não pode mais resistir. Logo apos o nascimentodo prinrciro filho. iraiu em prosmição mais intensa. oferecendo opcnrnidznle aos desalrmdirs perseguidrres. e desde então experimentam ; remsas poi-as. (Cap. IS. pp. 307 a 309) 6.7 - Os trabalhos da reunião seguiam seu curso. enrissõers magnéticas dos cpa ali : e reuniam eram aproveitadas pelos Espíritos para insistir não só os obsidizrilos. nus também os infelizes algozd. Smiente uma premia, mrem. rlentre os dasidiados. conseguia aproveitar cem por cento o auxílio espiritual recebido. Era uma joven¡ que, envolvida na cru-rente das vibrações ri-atemas. recuperam a normalidade orgânica, embora em caráter temporário. A moça percebem a terrrpo que a qualquer que seia, não é tudo no problema da necessária restauração do cqtilibrio lisieo c, por isso. desenvolvia roda a sua capacidade de resistémia colaboranlo com a equipe espiritual no interesse próprio Ela enritia vigoroso fluxo de energias rrienuiis, evpelinio raias as que os desvermrados obsessores lhe haviam depositado m meme. alnmvendoem seguida os pemanrentos receitar-odores e comtnrtims que a influemixà) espiritual lhe oferecia Alexandre aproveitou o example) ¡nra elucidar que scheme o doente cmvertido oluntariarnente em itálico de si rmsrrio atinge a cura positiva. Se a vítima capitula sem cmdictres ante o adversário. entrega- . se-lhe totalmente e tornasse possuia após transformar- se em : rutómaro à nrercé do pcrscguidor. Se possui vmtack: !ragil e inlccisa_ habltua-se com a persistente atuação dos vetúrgos e vicio-se no circulo de irregularidades de dilicil corripenda. Nistes casos, as atividada de assistência se circrnscrevenr a meros trabalhos de socorro. objetivando ri-. sultzrdos longínquo-i. Quando o erriizrrrro cs1á interessado na propria cura, entñopoderms prever triunfos (Cap. lll, pp. 309 e 3 ID) 6.8 « O doutrinador encamailo era o «muro dim quadro singular. Seu tórax mnverlera-se nunr foco inadiante. e cada palavra que lhe sala do¡ labios assemclhava-s: a um jato de luz ala-arcando árctanrente o alvo. fosse ele os ouvidos perturbados dos enter-rms ou o cor-ação dos obsessores cruéis. Suas palavras eram, com efeito. ck uma simplicidade enaurladora, mas a substância sicminerrtarl decada uma : Lssanbrava pela sublirrridzrrje, elevação e beleza. Alexarute explicou que ali era uma escola espiritual, onde, para ensinar com êxito, não basta
  14. 14. Xll ainhecer as imtérias e irtiiriqrá-las. É preciso. antes de tudo. senti-las e xiter-lhes a subslzntcialidaml: nii citação. O homem que apiegoa o bem deve praticado. se não deseja que as suas palauas seiam carregadas pelo tento. oonto siitiples eco duintaanboi' tiizio. O ooiripanheiroque ensina a virtude. vitendollieas izrandezas em si mesmo. tem o verbo carregado de magnetisirio positivo. estabelece-mio editing-bes espirituais nas almas que o uu em. Seiri essa caracteristica a iloutrinacao. quase sempre. e m, Compreendiàse entao que o coittaiao pelo exemplo nào constitui tenôimno puramente Meolóinco. mas é. sim. uiri fato cientifico nas suas manifestações iriagiietici» irientais. Com o decorrer do trabalho. os obsiiliziilos - excxxao em a irmã que se imiumtrata ¡XVSSLNNI ~ ficavam livres da inlluencia direta dos obscssores. porem todos. irmos a _jovem que reagia valorosamiente ao tratamento. apresentavam singular inquietude. ;uisiosios de . se reunirem de noto ao eainpo de ati-acao dos algozes. Benfeitores espirituais haviam . irrebatailo os teidugos. expuL-aandios teniporaruiimnte daqueles corpus enfermis e atonnentailos. mas os enti-riiios emarnadm prinuvam pela ausencia intima. permanecendo a longa disúmia espiritual dos ensiiranentos que o doutrinadir terrestre miiiLstrava. ao influxo dos mentori: : da reuniao. iC ap. IS. pp. 310 il 3 Izi 6.9 › 'i trato da iibscssfio. os encarnados obsert aiii somente uma Ike da questão. o afastamento do obs. :son l-l. 'i. s. comi rebentar. de uiti iiLstante para outro algemas seculares. liirjailas nos eurrprontissos reeíproeos da vida erncoiriuiití' eonio separar seres que . se agarram um ao outro. ansiosamente? Etetivanente. nào laltzuii. embora raros. os cas-os de libenag-ao quase instantânea. E que. nesses casos. pode ter chegado ao tim o laborioso procura) redentor. De qualquer nioiki. o trabalho de ' Lstencia sera sxnipre trutitero. e não pode : fugir ao nosso dev er de assistencia tratei-ira ao ipiorante e soliulor. çonipreeniL-ndo. porém. que a contrução do amor é tambem obra do termo: nenhuma palat ra. nenhum gesto ou peitsamento. nos . serviços do bem. permanece ¡x-rdido. A tarefa c- di: seiiienteira. de cuidado. ¡iersistàicia e vigilanc . Não se quebram grillioirs de muitos séculos iitun instante. item se edifica uma cidade num dia. É indisirnsavel desgastar ; Ls algemas ih mal. com perseverança. e praticar o bem. com ânimo evangelico. Ousiiüo isto. Andre indagou se o deseqiilibrio da lltflllc ¡ioderia ; icarretar a enterinidaile do tisico. Alexandre disse que sim. As imoxicacoes da aliria determinam as moléstias do aii-po; o desequilibrio da mente pude determinar a ¡ierturbaçao geral das celulas orgânicas. (C ap, IS. pp. 312 a 315) 6.10 - Tao logo se quelrou a corrente de vibrações benéficas. com o terninii da reuniao. tres dos cinco (ibsiilimíos voltaram a atrair inteiLsaiiiiritte os verdugos invisíveis. a cuja inilueitiaçâo : se Iiatiam liabittxtiki. dimniiistmnijii escasso aproveitamento. Alexandre asset emu. contudo. que em toilas as atividaúrs de socorro espiritual há sempre iimnso proveito. ainda nvesmo quando a sua extensao irao seja pueepirel ao olhar contruir. Qiando o doente se dispõe a cooperar com os bcllfetlüm espirituais. em beneficio próprio. colaborando dwididaiiente na iestaurzicào de suas ati vidadm mentais regeneranitoase a luz da vidi renov ada no Cristo pode esperar o restabelecimentoda saude relativa do corpo terrestre. Quando o individuo. porem. roga a assistencia d: Jesus cun os Izihioza. sem abrir o coraicào a inlluéneia divina. não deve aguardar milagre* da colaboram-ão espiritual. Os bimleitoie. espirituais podem ajudar. .socorrer, contribuir. esxlarvxer. mas não e possix el improi 'Lsar runirsos, ciiia organização e' traballio excliLsiio di¡ intetessailm. O problema di responsabilidade irão se cireuiLs-creie a palavras: e «mesmo vital no caminho da v Raros huiieiLs. entretanto. se dispõem a respeitar os ÚLSÍQIIMS da Religiao. olvidando voluntariamente que as menores quedas e miniims iciaciks tieam iirpiesszis na alma. exigindo retificação. No traballio em ! ator deles. nao podemos exonerii-los das (brigaeou contraídas. O bom trabalhador e o que ajuda. .sem tiigir ao muilibrio necessario. construindo todo o traballio benéiieuque esteja ao seu alcauice. consciente d: que o seu esforço traduz a lonuide Divina. (Cap. i8, pp. 3 l 5 e 3 lói a v '- . 7.l - Sob a inlluéneia de imiao Gene-nuno. Raul Silva levaram-se e dirigiuase ao líspiritci. com bonçhde: "Meu antigo. tenhamos calma e roguemos o amparo divuio! " lniciowxe entao um dialogar ein que o diuuiniuior o chamou de imiao, acentuandoque todo iims tillios de Ni so Pai Celestial que é sempre prodi 1.o de amor'. A en- tidade conturbada ironizou as piilat- ras iniciais do din gente: "Deve sm' algum . sacerdote (atualizado ; iara conversar nestes terimsf. .." lvlas Raul sensibili/ ava . i todos com sua paciência. pois recebia Lilxiio (u IIUIIK' du cumiinicamc) com . sincera compaixão e inequiioco interesse patemaL ¡icolhendi-o sem estranheza ou irritação. comi se o lizesse a um Ianiiliar que regre-ssasse denimtte ao santuário Lloiiiestiai. “Niki sou um iitinistro religoso - disse RauL imperturbavel -. iixis des-cio ne : iceite cmio . u amigo. " A imtidade. em resposta disse não ter amigos'. apenas S a' depuis. perguntou que laziainali os cavalheiros silenciosos e as mulheres mudas (ru/ crimin- . w à equipe- IHEtllil/ HCIIÍ. Raul Silva intirmou-llii: que todos orax am por ele. ;iercscentanilo que se encontravam numa instituição di: serv leo tratemo. onde o det er e. antes de tudu, pristar socorro as lendas que sing-rain. (Cap. 7. pags. (il afill 7.2 - Ante o argumento do diutriiiaiilor. o renitiritte sofreibr pareceu apaziguar-. sr ainda rriaLs. !actos de energia mimtal. partido. ik- RauL aleanç' -airi-no entao em cheio no tórax. cano a ll: : basear o coraieao. Libõrio tentou talar. tuas. :l nuneii-a de uiri vi; rante que já nao pode resistir à aridez do deserto, eoiiiov eu-se diante da ternura daquele inesperado ; ieolhinieiito a surgir-lhe pa' abençoada tonte de agua tresca. Notou. então. surpreendido. que a paLivra lhe talecia embargada na garganta. Sob o 'abio comando de (ienentino. Raul falou com afetividade ardente: "Liborio, meu irmão! " Essas tiés palat ras foram ditas com taiitaidta inllexãsi de
  15. 15. XIII generosiihde lraterml que u líspirito não pode : apitar o pranto. Raul aproximou-se dele. iimomkHhe as m. . das quais' jorrava luminow (luxo tmgtlélico. e convidou: "Vamos orar! " Findo um minuto de silencio. necçsisaim a uma perfeita concentração imntaL a vo¡ do diretor da cansa. sob a inspiração de Clementino. suplicou o socorro do Divino lvlestre. Na «irmao continente. Raul. entre outras mlavra». dis-ese: "lvíestre «um» a alegria de recebi» lo de braços abertos. Sela-nos os labios para qm lhe 11230 pcrguntemos de onde vem e ibama-nox a alma para a ventura de té-lo conosco em paz. ÍILípÍYII-IDS a palax ra a tim de que a impnttlénciai irão se iniciem em mssa língua. aprofundando as chagas interiores do irmão. e ajuda-nos a sirstentar o respeito qu: lhe chave-nm. .. Senha. estamos certos de que o aceno não te preside às ileteriniiuçêie Ltbório chorava. Via-se, porem com clareza. que irão eram as pakivrm a força que o oonveneia. nus 'un o seminmno irradiante can que eram estrunira das. Raul Silva sob a meu: : radiosa de Gemrntim. .itiguraviese-nos iiureolzxli) di: IHÍCÍBH luz. "O" Della'. que se passa mniicuílt". Comeguiu gritar Lihiõrio. em lagrimas. (Cap. 7. pita'. 63 e 64) 7.3 ~ O irmão ("lenrntino fez breve sinal a um de seus auxiliares. que ocorreu. rapidamente. trazendo intervssmte peca que parecia uma tela de gaze tenuíxsiiiu. com ilispositivin; especiais. nx-ciindo por inteiro um metro quadrado. apiuximadanente. O mentor da iemião manolrou pequena chave num dos ¡ineulos do aparelho e o tecido suave se cobriu de leve : russa tluidica h-anqneenta e tibrátil. En¡ . seguida postouse nov aumente ao laudo dc Raul Silva, que. controlado por ele. disse ao comuna-ante: “Letrbre-se. meu antigo, lembre-se! Faça um apelo à menniria! Veja à lieme os qJáldlDS que s: disenrolarik) aos mssm olliosf. .." De imediato, Uborio tinou a tela. que passou a exibir ariznlas cem» de que ele mesmo era o prmcipal protagonista. Recebendoas mentalim-nte. Raul Silva passou a dCSCNWÊ-lns. A cena nmtrava a mae de Libório lo coimnicanlel. ja velhinha c enferma. Lt pedir ao lillio que Geass: : cmi ela. porque tinha medo e sentia-se nvrrer. Era sábado de carnaval. Libório diz-lhe que sairá por alguns minutos apenas. o tempo bastante para trazer-lhe a inedi Em seguida apropriar-se do único dinheiro de que a enferma dispõe e parte para o clube. :Mingau espirituais da ana piedem-lhe que fique. mas em linantandose aos indeseiav eis' cunpanlieiros desencamaulm com os quais se atinaxa, por tres dia¡ e quatro noites. Libiirio entrega-ae ii loucura, esquecendo tintas us ohrigatqões. Quando volta ao lar, na quarta-leila. a velhinha. sixnrrida por bracos anónima». trio o remnlieee nuib. .. E aguarda resignadaimnite a mine. enquanto o rapaz dirig se ao banheiro, para relazer-se. Abre o gas e mula-se- por algums minutos. experimentando . t cabeca EIIÍCIIÍCCÍCÊL_ O corpo exige dtàCnlhlL depuis da louca lolia; a ladiga 30x51'. inwpitatel. .. Liborio dorme seniembriagadi) e perú: a existimcia. porque as mnanaçênes tóxicas lhe cadaienamt o mm). .. Naquela nmiliñ clara de sol. um rabecao [emo ; io neerotério. como simples suicida. .. (Cap. 7', pzigs. (t4 a ôól 7.4 ~ Ante uma innã entenna. neoessitada do nmior carinho para se recuperar. .Áulus explicou: "Para samnlhe a llqulfliltfàt) (m) não nos bastam tliagtüsticm aimplicmos ou im~ras deliniciks técnicas' no campo uerbaliitzi. não houver o calor da ass' téncia amiga", Tratam-se de um caso de aninisnm. A pobre irmã deveria. mrént. ser atendida com a ¡Ílfânlãl atentar) que ministramos aos sailredores que se eonnnmmt_ pois era Iaunbem um lísrírito iimrtal. sciliciumm-nm cmcurso e entendimento pura que se lhe restabelece-se a liarmonti. "Um doutrinador : tem tato fraterno - asseverou AulLLs « apenas' [lie ais-avaria o problema. porque. a pretexto de servir it verdade. talvez lhe mpusesse cirretivo inoportunc) ao inves de socorro providencial. Primeiro. e preciso remmcr o ntal. para depois tbrtitiear ; i vitima nu sua ¡roprizt deh . " Aquela irmã podia ser coisiderada médimn? "Como mio? Um vaso defeituoso - elucidar o instrutor - pode ser mma-nado e restimido ao serviço. Naturalmrnte. agora a paciência e a caridade mxessitam ¡tgir para salva-Ia. Nmsa irmã deve ser out ida na ¡aosiçáo em que se ret ela. cano sendo em tudo a destentnrada mulher de outro tempo. e m. 'bida pa nos nessa base. para que use o remedio moral me lhe estendenvs. desligando-se enfim d) pzusaxlo. “A personalidade ; nitiga irão foi tão eclipsada pela materia densa 0mm seua de desejar. " Em . vce-nula. dbsc que aquele caso era mais comum do que se perua: "Qu-mtos mendigos arrastam na Terra o esburamado mimo da ti dalguia element que emergaram outrora! qmntos escravos da na 'sidadc e da dor nuvem comigo a vaidade e o orgulho «bs ¡undwoa-. ns senhores que já foram em outras épocas. quantas almas conduzidas a ligacaio cansangíiinea caminham do berço ao túmulo. trarLsponando quistos invisíveis de aversão e ódio aos próprios ¡xirentes que lhes foram dn- ros adversários em existencia¡ pregressaisís" E advertiu: "Tintos podemos cair em senelliantes estados se nao aprendem» a cultivar oesqueciim-mo do tml. em marcha incessante como bem (Cap. 22. pag IJ e ZH) 7.5 - Naquela altura Raul Silul. que omlinuara a tarefa de doutriiuicãojumo à manileslante. convidou a doente ao beneficio da prece. Compeua a ela supliear ao ("eu a graica do eum-cimento; eabieruie expungir o pihnálth da iimiúnzrçiki. de nuneim a ¡xiciticar-x. .. E. singularmente Laminado Raul ieconendou-llie repetir em oompunltia dele as tiases snblitms da oração ditninical. A senhora ¡numpanliouo docilmente e. lindu a súplica. tnuslrou-se mais tranquila. Traduzimh : l colabiracãi) do mentor espiritual qu: o inspiram. Raul rogou-lhe. por linL outside-mr_ acima de tudo. o illlptfollih) do perdão aos ininigos para a reconquista da paz_ após o que. em lágrimas. a enter-ma desligiuase das imprmões que u retinham no pretérito. tornamlo à pimiçai) normal. O . insistente comentou. então. enquanto Raul aplicaru na irmã passes de reconfono; "Outra não pode ser. pa' eitquauito. a intenençfxo assiste-mia! em seu benelicio. Pela entenmgem espiritual bem ixnduaida. reaiustair-se-«á pouco a pouco. retomando o império sobre si mesma e capacitando-se para o ilesempenlio de valiosas' taretits mediúnicas mais tarde". (Cap. 22. pais. 21-8 e 2l5l 8. Do livro “No Mundo Maior' de An lailz:
  16. 16. XIV B. l - Os «lots enfermos tinham: : mente fixada na regiãodos instintos O enarmadu, depois' de reiteradas vibrações no campo de pertsamenttr. em fuga da recortlacão e do remorso. arruinara os centros motores desorganizartdo também o sistema endóetim e penurbamb os orgãos vitais. 0 desencamado carverteu todas as energias em zrlimerno da idéia de vingança, molhado-se ao ódio em que se numtinlia foragido da ramo c do altrtrfsnro. "Otttra seria a situação de ambos - assevera¡ o Instrutor - se houvessem esquecido tt queda. roergmndose pelo trabalho construtivo e pelo mtendirnmo fraternal, no santuário do perdão legitimr". .leste tinha, pois'. mão ao recomendar-nos o amor aos inimigos e a oração pelos que nos persegmm e caluniarrt Isto não é rrera virtude, mas principio cientifico ck libertação do ser, (k progresso da alrm. de amplitude apirittral: no pemamenm residem as causas. Enquanto Crldersuo falava, pmsseguia a ação ttiagrtética em favor do enfermo, qtte acabou se entregando a sono tranqüilo. cono se sonora suavisuirm anestésim. Ent breve, sua alma se desprendeu, afastandose do corpo físico. mm era visível seu pavu' diante (b verdrgo inplmxitteL que se mantinha sentado inpasslveL rum dos ângulos do leito. (Cap. -l, pp. 63 e 64) 8.2 - As entidades enfemm não notavam a presença de André e Calderaro e qm o perseguida se erguia rmis agressixo. para agredir o doemc aflito. Por qm Calchraro não aproveitam a situação para ibutrirtar a ambos? Sua resposta foi imediata: "Falarítutm em vão, André, porqtte nirrla não sabemos ami-los como se fcrsserrt nossos irmãos ou nossos tilhos. Para nos ambos. espiritos de raciocínio algo avançado, mas de stentinrentos menos sublirrus'. são eles dois intbrtunados_ e nada rmis". 0 Instrutor explicou-lhe então que não t'- possivel dominação sem autor. porqtumto, :v: o conhecimento auxilia por fita, só o amor socorre por deram "Com a nossa culta-a mtiticirrtos os efeitos. qurmto possítel, e só os que armm catseguetn atingir as musas profundas", isclztreceu. De lato, os cortadores' reclarmvmrr intervenção no lntitm, para ntodiliatr atitudes nen- tais em mlinititu. .. Mas eles. Artrite' e o Instrutor, apenas conheciam, sem saber atuar. .. Foi então que ¡rssanou : i porta de entda uma sublime ntullter, em cujos olhos tcsplendia brilho nteigo e entetwcerbr. Era Cipriana, a entidade qu: vinha otenacer aos ilois ertfennos da alma o amor lratemal qm Calderaro e André Luiz airda m podiam oferecer. (Cap. 4. pp. 64 e 65) 8.3 - Cipriana agradecem a Calderaro o socorro prestado aos dote infelizes. 0 Assistente disse que su¡ esforço foi quase nenhum rmuntindose em : netos preparativos. C ipriami, sorrinm. observou: "Como atingiríarros o lim sem passar pelo princípio? " Calderaro acentuou. ptréttr. que o coulretrirmntt) pode potquissirrm, comparado como muito que o amor pode senpre. A amiga, sem perda do terrrpo, ocercou-se dos infelizes e pôs-sc em atitude de tração. A ; tece saturavu-se de sublime pothr, porquanto em breve suave luz desreia do alto sobre sua li-orle xenertivel. Cipriana tornava-se gradativamrm: nais. bela. Os raios divinos a fluirem dos nramnciatis invisíieis, envolverrtto-a, transfrgtrrutanvna toda. Evcoados alguns rnormntos. circtmdavrra refulgeme halo. Dos olhos. do tórax e das mãos etlulatm itradiaçôes de frouxa esuave luz. .. Estava fatima, radiante, qual se fora a rrraterializiçh da Madom de Murilo, em nilagrosa C ipriam estendeu as nxlus pura os dois desverlurarbs, atingincb-m com o seu amoroso ntugnetisrm. que lhes ntodifrcava o ampo vibratório. Airbus sentiramase desfaleoer, oprimido; por tuna força qm o; compelia ã quietaçãir. Etrtreolharantse com estnnto. Seus olhos ispelltavam silenciosa perquirição. quaruh a rnerutugeira, avizittlnrúose, tocou-os de leve na região visuaL produzintb neles abalo íme e irxftsfzrrçdvel. Os ertlermos passaram então a er os benfeitaes apiritttats presentes, com 'míescritível ussomlro. e, gritantb v ioltzntamertte. empolgados peLt att-presa, cuidar-am mtivessem sendo visitados pela excelsa Mãe d: Jesus. (Cap. 5, pp. 66 a 68) 8.4 - O doente encarnado_ parráalmmte lilzeno do corpo, aijoelhm-se ck súbito, daninailo por incocrcivel cormção. e desfezeae em copioso prrmto. O verdup ilesenmrnado, porém, embora perplexo e aba lado. monte ve- se ereto. O printeiro, chorando convulsitvamente, pergmtava a Cipriam: "Mãe dos C eus! como tos digitais m. visitar o uiutinoizo, que sou eu? Sinto ergonha m nim rmsmo. sou inperdoat-'el pecador, abatido pela minha prqiria niséria. .. Vossa luz revela-me toda a extensão das trevas em que me debatd cmdoei-os de mim, Senhora. .." Havia uma sinceridade imensa naquelas psrlavrats de angustia e arrependimento Lipriana zwercou-se dele, de olhos faiscirrttts e Terttou wergué-lo sem, no entanto, lograr que ele deixasse a postura geuuflexa Conmdr, enlaçatuloo rttatemrtlrretíe. cbamou~o pelo nmre e lhe disse qm nào era quem ele julgava. Era tãosonmrte Lima irmã na eterrirhie que, tendo sido nrle na Term, sabia o quanto ele sofria. Pedro (o doente encarnado) mautevissi: em posição reset-ente e hurrilde e confessar seu crime. Cipriana afagou-llte o rosto c acrescentou saber de tudo. Passados algum: instantes. contemplando a ambos os infelizes, dirigiu-se a Pedro, de trtaneira imencimttl, de modo a se fazer ouvida pelo canpartlteiro Vlnyilfbri “Por que destruiste. Pedro. a idi de teu irmão? como te jul triste can forças e direito para quebrar a harmonia divina? " E prosseguiu: "Suptmhm fazer justiça pelas proprias mãos. quanrtr só fazias expandir a cólera artiquiladora Por que mão. meu filho, pretertdrste equilibrar lt vida, p-ovocando a time? çmto cmciliar a justiça cout o crime. quando sabentos que o verrhmimjusto é aquele qte trabalha e espera no Pai, o Supremo Doador da Witt? " (Cap. 5. pp. 68 e 69) 8.5 - Cipriana lembrou ao enferrm os morremos de msdita qm ele vivem desde o crime. aprendendoque o trial jarmis se emdunart¡ com obem e que a Lei cobra dobrados tributos : lqmle que se antepõc $115 ditamrs sábios e soberanos. Ele destnriru a paz de run corrrpanhrito e perdera a propria tranqüilidade. Tentando a si mismo, por se scrtir um delinqüente em toda a parte, buscar: : reliigío no trabalho atabalhoado e rmvanizztrte; conseguira dinheiro qm uma¡ lhe parciticsrra o ser: alcançira poJrção social culminante. mas nada &sso resolveu os efeitos do ato Corto irão lhe ooorrera a oração santiframte? como não buscam pettitemiar-se
  17. 17. xv diante da vida. lrutnillizmtliysc aos pés du sua vítima. no smcero proposito de regeneruçzioí' Man raio: ele prefcrira ; i comda louca atras das scnsxaçoci cuentas. a fuga para : i reinou do ganho material. a transitória . LscerLm para posições di: daniitio engsiroso. pensanib ass' irn escapar ao tribunal intimo. Niutca é tarde. pirém. para levantar o coraiçaio c curar ri COIIJAÉÍÕBILI lerida, EMIUSIU de sofrer. ccdera ii enfermidade c üpfOMllllfil-: c da loircunr. Dc alma contundida c corpo em desordctn. apelam para u ! Misericórdia Divina_ c ela ali estam. não para fusitigar-llic o rspirito, mas para csiimuLi-lo ii regeneração. Quem poderá mndenar alguém iL-pois da comunhão th' i icissituilcs' na came? quem estará sutkientmnente santitimdo para atirar a primeira pedra? C ipriana lembrou-lhe entao que o limlatnento da obra divina é de amor inexmcnsurzivel e que so o amor salva c mostro¡ para semp-e, "Lembra-tc das tuas proprias* necessidades. interronpe a marcha da aflição. remnsidera a atitude c faze novo ainutotrtuw perante a Divina Jirstiça". proposdhe ii niixsiotuirizi. Assim dizendo. Lxmclicgooo ao coração. c liai ia tanta irrzigtricc naquele antplexo. que outros pensa riam estar preskmciando o reencontro de carrinhos. : mãe como filho aupentc. apos longa akcynraiçào. (Cap. 5. pp. 70 e 71) 3.6 - O cnfernn hospitalizado estava aliviado. Nunca ninguém lhe lalara zusim. dissa- clc . r Cipriano. André e Calderaro também se comovcratn até lag-inn: : OUIIl : r cena. "Prazo . i Deus. Andre'. powsamos tzunbém aprender a atuar. adquirindo o puder de translonnar os corações". falou-lhe o Assistente. Gpriana agora. sustentando Pedro nos braços. dirigirrsc ; to ierdugi descricarnodo. que ¡wrmanoccra . iwirentetmtrtc imenso cl as palavras que tanta contudo produziram nos ciivitnstantes. A missionária. sem iritiniidar-çc. aproxiimu-eac. tocandoo quase. c falou-lhe hiuiiildc: “Que tiizcs lu, Ci mio. Lverrado ; i coiniwerzição? " O algoz. com frieza. retorquiu: "Que pode fazer uma ititiia como cu. senão odiar sem picdailc? " Cipriana. sem se alterar. rcplicou: 'Udiarí' Sabes ; i sigmticaçâm de tal atitude? As vítimas ittáloessi s ; io perdão e : io entendimento soem ultrapassar' a dureza e u maldade dis pmcitos. proi mando liorrcr c canpaiizio. Quanta se valem desse titulo. para por de manifesto as momtruosidadcs que [lies piioain o ser! qurmtos se aproi citam da hora de inullexào de um antigo igmrantc ou infeliz. prra encctar séculos de perminriçâo no inferno da ira' A condição de vitima não te confere santidade: tales-te dela para . wine-ar, na ¡toprur senda. ruína e miséria. irem e destroços", A missionária do bem prisscgiuu fa [ando ; i Camilo. lenbraitdo-llie que clc. embora aparcntaw: ser Lim Iiotmni prudente. não encontra ra no espirito irínima réstia d: piedade lratcmal para ibseulpar o hmnicida. lia¡ time anos imtilavar em torno ck si mesmo a PCÇOHhZÁ da ibora como lírmulcnto chacal. Podendo ixittquistair ; i iliilftlü di). iencedorcs com o Cristo. preta-ira o punhal da iinganqa. Olllblvandkst! com os imlleiiorcs iardrrccirlos. .. "Onde cSbülTüráS. turu filho. com teus sentimentos dam-Li reis? em que muralha de : angústias seria alixriuido pela J ust ira de Demi". indagou- Ilri: (ipi-iam. (Cap. '. pp. 72 e 73¡ 8.7 ~ Ante as palairas de Cipriana. Camilo vocilava entre a inflcaibilidadc c a capitulziçalo, Extrema palidez cobria-lhe o rosto c. quando paircciu qua: ta proferir uma requisla ; r mino. C ipriana ; itaim a Calderaro ajuda-la : r conduzidos até no lar de Pedro. onde C ¡rmiloatctidgrtia aos seus rogos. A missionária transportou: Pedro com os proirios recursos. um Carrillo, tcnivelrrnrnte estima-ido aos pensamentos interiores c às intenções irimiriom. estara muito pesado. L' foi ; mim conduzido por André c Calderaro. O pacieme não reagiu; todos puseraun-sc em viagem c cm [teve-s minutos pcnetraiain ccntortziiel residémia. onde uma samira-a. na sala de estar, tricotai a, jumo de dois filhos pequenina. A conversacao doméstica era doce. cristalina. O filho tnenor disse que queria orar por seu pai. "A senhora reparou. mtcm . i noite. comi estam ¡illito e abatidoí”. indagou-lhe. - o menino, A cena em cotmvcntc. A male logo abandonar o tricô. para ir chorar itutti quarto. a distancia. Cipriana aproveitou o erbqo c sc dirigiu a Camilo. desarporttzirlo. dizendo-lhe: “Efettvartientvm nosso atnigo suhtraiwtc a vida fisica. noinro tempo. Ctmlfdilldü assim dolorosa divida; entretanto. u oz deste. - imnino deiotmio ai prece não lc sensibrli/ .a o espirito emurecid E explicam-lhe que aquele era o lar que o Pedro criminoso irLsiituiu para criar o ? radio iemvado. .. Sc cometeu Lilia grave. estava fazendo agora o possivel para erguer-sc. numa vida nobre c útil. Ampiuou derrotada mulher. deu refúgio u cinco lilltiiilios. cresceu no conceito dos antigos. galgou posição de nbzutnma material. lilih sabia também agora. por cqxriénciai propria, que o dirilirim nào soluciona primlcnnu fundamentais d) (licstim c que o cleiodo conceito que ¡unsamm çainsegirir dos outros nem sempre cirrcspondc il realidade. Não obstante todas as vantagens cmiquistailac no âmbito nurleiial, clc viiia enlenno, inforturuxb, aflito”. (Crp. 5. pp. 73 a 75) 9.! ~ Os Espíritos. em genti. admitem três categorias principais, ou três grandes dhlsütsi. Nu úllittu_ . i que lica na rumo inleriorda escala. estão os Espíritos inimrfcitm. caramcrizridos pela prcdmrinzirrcizr da irialcria wbre o Bpirilo e pela prorxmsño para o trial. Os da . segunda categoria sc carzictcrizartr pela prcdominrittcizi do Espirito sobre ii ntatérizr c pelo dirscjo do bem: são os bom Bptrttos. A primeira categoria iompreeitlc os líspiritos puros. os que atingiramo grau suprcmoda perfeição. (LE. .. item IOO. ) 9.2 « A terceira ordem líspiritos imperfeitm conrpõeec de curou clara-ses principais: IO'. clave - Espirito» unpuros 9'. CIJISSC - Espíritos lei iaiios li”. (Hunt: ~ Espíritos psciulo-saihics "' * E iritos neutros s'. i ' 6*. cl- › Espíritos batcdires epemrrbmiorcs. tLE. . itens' l0l a IDbJ

×