Ensinar e aprender na Internet<br />Diferentes espaços de interação e colaboração<br />Prof.ª Dr.ª Patrícia B. SchererBass...
Proposta do minicurso<br />Dia 1:<br />Cibercultura e ciberespaço;<br />Educação e Cibercultura;<br />A rede;<br />Interaç...
Ciberespaço<br /><ul><li>O ciberespaço (ou “rede”) é o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos comp...
Contempla:
infra-estrutura;
Informações;
Interações.</li></li></ul><li>Cibercultura<br /><ul><li>Lévy (2001): conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de p...
Lemos (2007): a cultura contemporânea associada às tecnologias digitais vai criar uma nova relação entre a técnica e a vid...
Sobre “o virtual”...<br /><ul><li>Informaçãoencontra-se:
Fisicamentesituadaemalgumlugar, emdeterminadosuporte;
Virtualmentepresenteemcadapontodarede, ondesejasolicitada.</li></li></ul><li>Educação e Cibercultura<br />
Educação e Cibercultura<br /> As novas tecnologiasintelectuaisfavorecem:<br />
Educação e Cibercultura<br />Tecnologias intelectuais<br />podem ser<br />compartilhadas<br />Potencial de inteligênciacol...
Educação e Cibercultura<br /><ul><li>O ciberespaço não pode ser reduzido a um espaço tecnológico que permite assegurar mel...
A emergência de novos dispositivos de formação abertos tende a colocar em pauta as idéias de trabalho colaborativo, autono...
Saber: não é produto pré-construído e midiaticamente distribuído, é resultado de um trabalho de construção individual ou c...
A rede...<br />WWW in plain english (com legenda)<br />
A rede...<br />
A rede...<br />
Dinâmica 1<br />Texto coletivo online: <br />http://typewith.me/BZBm54pdiC<br />
Interação<br />Abordagemepistemológica<br />Piaget, Perret Clermont, Dolle e outros.<br />Abordagemtecnológica<br />Primo,...
Interação<br />Temporalidade <br />Número de interlocutores <br />Interação síncrona<br />um-para-um<br />Interação assínc...
Interatividade<br />Domínio da informática<br />Representa o diálogo homem-máquina<br />Especifica um tipo<br />singular d...
Interatividade<br />potencial<br />interação<br />
Sobre interatividade...<br />F. Kretz (apud Silva, 2002) <br />Grau zero de interatividade<br />Leitura linear: livros, fi...
Sobre interatividade...<br />F. Holtz-Bonneau (apud Silva, 2002)‏<br />Facilidades de acesso, de consulta, como num CD-Rom...
Sobre interatividade...<br />Sims apud Primo, 1999<br />Em relação aos aspectos de interface/navegação, <br />pode-se dist...
Sobre interatividade...<br />Primo, 2003<br />Este enfoque reflete o modelo da teoria da informação, caracterizada por emi...
Sobre interatividade...<br />Primo, 2003<br />Envolve a questão da interatividade como argumento de venda.<br />Enfoque me...
Interação mútua e reativa<br />Primo, 2003<br />
Dinâmica 2...<br />Pesquisa na Internet:<br />Livre;<br />Direcionada pelo conteúdo;<br />Direcionada pelo conteúdo e site...
Aprendizagem colaborativa<br />Computer-SupportedCooperative Work ou CSCW<br />trabalho cooperativo apoiado por computador...
Dinâmica 3...<br />Wiki<br />Wikipedia (http://pt.wikipedia.org)<br />Wikispaces.com<br />Escrita coletiva<br />ETC (http:...
Dia 2<br />Ambientes virtuais de aprendizagem;<br />Redes sociais;<br />Comunidades virtuais.<br />
Ambiente virtual de aprendizagem- AVA -<br />Sistema computacional<br />Plataforma<br />Interação e Comunicação<br />Fórum...
AVA<br />“Um ambiente virtual de aprendizagemconstitui-se em um espaço, formadopelossujeitos e seusobjetos de estudo, suas...
AVA<br />“Um AVA é um espaço social; constituindo-se de interaçõescognitivo-sociaissobreouemtorno de um objeto de conhecim...
AVA<br />Tecnicamente, um AVA é um sistemacomputacionalimplementadopormeio de umalinguagem de programação, quereúne, num ú...
Diferentes nomenclaturas<br />VLE – Virtual Learning Environment;<br />LMS – Learning Management System;<br />Ambiente dig...
Exemplos<br />Virtuale (Feevale);<br />Rooda (UFRGS);<br />TelEduc (Unicamp);<br />Moodle (comunidadeswlivre);<br />E-proi...
Dinâmica 4<br />Moodle<br />
Aprendizagem em AVA<br />Utilização de AVAsquestionamconcepçõestradicionais de ensino-aprendizagem:<br />Mudançanasinteraç...
Aprendizagem em AVA<br />Novas aprendizagens se consituemnessescontextosdigitais de interação;<br />AVA entendidocomo um e...
Redes de aprendizagem<br />São grupos de pessoasqueutilizam as redes de CMC paraaprender juntas, no horário, no local e no...
Aprendizagem em rede<br />As redes de computadorestantoexigemquantopermitem novas formas de ensino e aprendizagem, e issoc...
Dinâmica 5...<br />Twitter<br />Blog<br />http://www.turismonomeubairro.blogspot.com<br />http://autoriacoletiva.wordpress...
Redes sociais<br />Redes sociais (vídeo CommonCraft)<br />
Comunidades virtuais<br />Castells, 2003<br />A formação de comunidades virtuais, baseadas na comunicação online, foi inte...
Comunidades virtuais<br />Castells, 2003<br />Fonte da sociabilidade<br />Limitação espacial  comunidade espacial;<br />“...
Comunidades virtuais<br />Castells, 2003<br />Valor da comunicação livre, horizontal, caracterizada pela<br />comunicação ...
Comunidades virtuais<br />Castells, 2003<br />Isolamento social;<br />Identidades falsas;<br />Representação de papéis.<br...
Dinâmica 6...<br />http://www.socialgo.com<br />http://wackwall.com<br />http://www.grouply.com<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Minicurso SIE

1.742 visualizações

Publicada em

Minicurso "Ensinar e aprender na Internet: diferentes espaços de interação e colaboração", realizado durante o XII Seminário Internacional de Educação - Feevale.

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.742
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
58
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Minicurso SIE

  1. 1. Ensinar e aprender na Internet<br />Diferentes espaços de interação e colaboração<br />Prof.ª Dr.ª Patrícia B. SchererBassani<br />Grupo de Pesquisa em Informática na Educação<br />Mestrado Profissional em Inclusão Social e Acessibilidade<br />Licenciatura em Computação – Ciência da Computação - Pedagogia<br />
  2. 2. Proposta do minicurso<br />Dia 1:<br />Cibercultura e ciberespaço;<br />Educação e Cibercultura;<br />A rede;<br />Interação e interatividade;<br />Aprendizagem colaborativa;<br />Dia 2:<br />Ambientes virtuais de aprendizagem;<br />Redes sociais;<br />Comunidades virtuais;<br />Mundos virtuais.<br />
  3. 3. Ciberespaço<br /><ul><li>O ciberespaço (ou “rede”) é o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos computadores.
  4. 4. Contempla:
  5. 5. infra-estrutura;
  6. 6. Informações;
  7. 7. Interações.</li></li></ul><li>Cibercultura<br /><ul><li>Lévy (2001): conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem junto com o crescimento do ciberespaço;
  8. 8. Lemos (2007): a cultura contemporânea associada às tecnologias digitais vai criar uma nova relação entre a técnica e a vida social.</li></li></ul><li>Sobre “o virtual”...<br />Relacionado à Informática<br />Técnico<br />Algo que não é real<br />Corrente<br />Aquiloqueexisteapenasempotência e nãoemato; <br />o virtual não se opõeao real, masaoatual (desterritorialidade)‏<br />Filosófico<br />
  9. 9. Sobre “o virtual”...<br /><ul><li>Informaçãoencontra-se:
  10. 10. Fisicamentesituadaemalgumlugar, emdeterminadosuporte;
  11. 11. Virtualmentepresenteemcadapontodarede, ondesejasolicitada.</li></li></ul><li>Educação e Cibercultura<br />
  12. 12. Educação e Cibercultura<br /> As novas tecnologiasintelectuaisfavorecem:<br />
  13. 13. Educação e Cibercultura<br />Tecnologias intelectuais<br />podem ser<br />compartilhadas<br />Potencial de inteligênciacoletiva<br />
  14. 14. Educação e Cibercultura<br /><ul><li>O ciberespaço não pode ser reduzido a um espaço tecnológico que permite assegurar melhor a transmissão passiva do saber;
  15. 15. A emergência de novos dispositivos de formação abertos tende a colocar em pauta as idéias de trabalho colaborativo, autonomia dos estudantes e métodos ativos (Alava, 2002).</li></li></ul><li>Alguns conceitos (Alava, 2002)<br /><ul><li>Ciberespaço: espaço social de comunicação e de trabalho em grupo;
  16. 16. Saber: não é produto pré-construído e midiaticamente distribuído, é resultado de um trabalho de construção individual ou coletivo, a partir de informações ou situações midiaticamente concebidas, para oferecer oportunidades de mediação.</li></li></ul><li>Proposta atual...<br />Utilizar o ciberespaço como alavanca da evolução das práticas em um enfoque construtivista.<br />Novas ferramentas, velhas idéias: o aparecimento das TICs pode ser a alavanca de inovações pedagógicas a serviço da construção de saberes.<br />
  17. 17. A rede...<br />WWW in plain english (com legenda)<br />
  18. 18. A rede...<br />
  19. 19. A rede...<br />
  20. 20. Dinâmica 1<br />Texto coletivo online: <br />http://typewith.me/BZBm54pdiC<br />
  21. 21.
  22. 22. Interação<br />Abordagemepistemológica<br />Piaget, Perret Clermont, Dolle e outros.<br />Abordagemtecnológica<br />Primo, Silva, Lévy....<br />
  23. 23. Interação<br />Temporalidade <br />Número de interlocutores <br />Interação síncrona<br />um-para-um<br />Interação assíncrona<br />um-para-muitos<br />muitos-para-muitos<br />
  24. 24. Interatividade<br />Domínio da informática<br />Representa o diálogo homem-máquina<br />Especifica um tipo<br />singular de interação<br />Interação mediada por computador<br />
  25. 25. Interatividade<br />potencial<br />interação<br />
  26. 26. Sobre interatividade...<br />F. Kretz (apud Silva, 2002) <br />Grau zero de interatividade<br />Leitura linear: livros, fitas, discos…<br />Interatividade linear<br />Acontece quando um livro é folheado, de modo que se altera a seqüência de leitura<br />Interatividade arborescente<br />A seleção se faz por meio de um menu.<br />Interatividade lingüística<br />Utiliza acessos por meio de palavras-chave .<br />Quando é permitida a escrita de mensagem textual, gráfica e/ou sonora (ex.: livro de visitas).<br />Interatividade de criação<br />Permite modificação/deslocamento dos objetos pelo usuário, assim como num vídeo-game.<br />Interatividade de <br />comando contínuo<br />
  27. 27. Sobre interatividade...<br />F. Holtz-Bonneau (apud Silva, 2002)‏<br />Facilidades de acesso, de consulta, como num CD-Rom, onde é possível selecionar o que se deseja ver.<br />Seleção de conteúdos<br />Possibilidade de modificar/criar o conteúdo/imagens.<br />Intervençãosobreconteúdos<br />Considerado o grau mais elevado de interatividade, quando há junção de interatividade de seleção e de conteúdo. <br />Interações mistas<br />
  28. 28. Sobre interatividade...<br />Sims apud Primo, 1999<br />Em relação aos aspectos de interface/navegação, <br />pode-se distinguir 3 (três) níveis de interatividade <br />Navegação direcionada pelo programa, possibilitando pouco controle do aluno sobre o programa.<br />Reativo<br />Coativo<br />Aluno tem a possibilidade de controlar a sequência, ritmo e estilo.<br />Proativo<br />Aluno controla estrutura e conteúdo.<br />
  29. 29. Sobre interatividade...<br />Primo, 2003<br />Este enfoque reflete o modelo da teoria da informação, caracterizada por emissor-mensagem-canal-receptor.<br />Enfoque transmissionista<br />Envolve a possibilidade de escolha entre alternativas disponíveis (todas as alternativas disponíveis encontram-se já programadas e todos os caminhos foram pré-definidos).<br />Enfoque informacional<br />As possibilidades de interação são definidas pelas características do equipamento e/ou software utilizado .<br />Enfoque tecnicista<br />
  30. 30. Sobre interatividade...<br />Primo, 2003<br />Envolve a questão da interatividade como argumento de venda.<br />Enfoque mercadológico<br />Sustenta que há interação quando o usuário dialoga com o sistema informático. <br />Enfoque antropomórfico<br />O enfoque não recai no interagente individual, nem no conteúdo das mensagens, mas valorização dos relacionamentos emergentes na interação <br />Abordagem <br />sistêmico-relacional<br />interação<br />mútua<br />Interação<br />reativa<br />
  31. 31. Interação mútua e reativa<br />Primo, 2003<br />
  32. 32. Dinâmica 2...<br />Pesquisa na Internet:<br />Livre;<br />Direcionada pelo conteúdo;<br />Direcionada pelo conteúdo e site.<br />Bookmarks<br />http://delicious.com<br />Discussão no fórum:<br />http://groups.google.com.br/group/aula-na-web<br />
  33. 33. Aprendizagem colaborativa<br />Computer-SupportedCooperative Work ou CSCW<br />trabalho cooperativo apoiado por computador;<br />discute tecnologias e mecanismos de apoio à interação e colaboração, ou seja, "tecnologia computacional para apoio ao trabalho de grupos de indivíduos por meio de aplicações chamadas groupware" (Campos etal, 2003, p. 52). <br />Computer-SupportedCooperativeLearning ou CSCL<br />aprendizagem cooperativa apoiada por computador;<br />"relaciona as questões educacionais e pedagógicas na construção e implementação de ambientes computacionais para suporte aos processos de aprendizagem em grupo" (Campos etal, 2003, p. 52). <br />
  34. 34. Dinâmica 3...<br />Wiki<br />Wikipedia (http://pt.wikipedia.org)<br />Wikispaces.com<br />Escrita coletiva<br />ETC (http://homer.nuted.edu.ufrgs.br/etc2/)<br />GoogleDocs (vídeo CommonCraft)<br />
  35. 35. Dia 2<br />Ambientes virtuais de aprendizagem;<br />Redes sociais;<br />Comunidades virtuais.<br />
  36. 36. Ambiente virtual de aprendizagem- AVA -<br />Sistema computacional<br />Plataforma<br />Interação e Comunicação<br />Fórum de discussão<br />Mensagem instantânea<br />Publicação aulas<br />Portfólio<br />Mural<br />Chat<br />Biblioteca<br />Educação a distância (EAD)‏<br />Ampliar espaços presenciais<br />
  37. 37. AVA<br />“Um ambiente virtual de aprendizagemconstitui-se em um espaço, formadopelossujeitos e seusobjetos de estudo, suasinterações/relações e formas de comunicaçãopormeio de umaplataforma” (Behat et al, 2004);<br />
  38. 38. AVA<br />“Um AVA é um espaço social; constituindo-se de interaçõescognitivo-sociaissobreouemtorno de um objeto de conhecimento: um lugarna Web, cenáriosonde as pessoasinteragem, mediadapelalinguagemhipermídia, cujosfluxos de comunicação entre osinteragentessãopossibilitadospela interface gráfica” (Valentini, Soares, 2005, p. 19)‏.<br />
  39. 39. AVA<br />Tecnicamente, um AVA é um sistemacomputacionalimplementadopormeio de umalinguagem de programação, quereúne, num único software (nestecasochamado de plataforma), possibilidades de acesso online aoconteúdo de cursos;<br />Oferece, também, diversosrecursos de comunicação, interação, construção entre ossujeitosparticipantes do ambiente.<br />
  40. 40. Diferentes nomenclaturas<br />VLE – Virtual Learning Environment;<br />LMS – Learning Management System;<br />Ambiente digital de aprendizagem;<br />Ambiente de EAD;<br />Sala de aula virtual;<br />etc...<br />
  41. 41. Exemplos<br />Virtuale (Feevale);<br />Rooda (UFRGS);<br />TelEduc (Unicamp);<br />Moodle (comunidadeswlivre);<br />E-proinfo (MEC);<br />etc...<br />
  42. 42. Dinâmica 4<br />Moodle<br />
  43. 43. Aprendizagem em AVA<br />Utilização de AVAsquestionamconcepçõestradicionais de ensino-aprendizagem:<br />Mudançanasinterações;<br />Constituiçãodasubjetividade;<br />Forma de apropriação do conhecimento.<br />(Bisol, 2005)‏<br />
  44. 44. Aprendizagem em AVA<br />Novas aprendizagens se consituemnessescontextosdigitais de interação;<br />AVA entendidocomo um espaçorelacional, espaço de trocasenergéticas, materiais e informacionais.<br />Valentini, Fagundes (2005)‏<br />
  45. 45. Redes de aprendizagem<br />São grupos de pessoasqueutilizam as redes de CMC paraaprender juntas, no horário, no local e no ritmomaisadequadosparaelasmesmas e para a tarefaemquestão.<br />O usa das redesnosdiferentesníveis de ensino (fundamental, médio e superior) cria novas opções, quetransformam as relações e osresultados do ensino e daaprendizagem. (Harasim et al, 2005).<br />
  46. 46. Aprendizagem em rede<br />As redes de computadorestantoexigemquantopermitem novas formas de ensino e aprendizagem, e issocria a base paramudançasnamaneirapelaqual a educaçãoseráconceituada e praticada.<br />Paradigmapara o século XXI?<br />
  47. 47. Dinâmica 5...<br />Twitter<br />Blog<br />http://www.turismonomeubairro.blogspot.com<br />http://autoriacoletiva.wordpress.com<br />
  48. 48. Redes sociais<br />Redes sociais (vídeo CommonCraft)<br />
  49. 49. Comunidades virtuais<br />Castells, 2003<br />A formação de comunidades virtuais, baseadas na comunicação online, foi interpretada como a culminação de um processo histórico de desvinculação entre localidade e sociabilidade;<br />Novos padrões de relações sociais substituem as formas de interação humana territorialmente limitada.<br />
  50. 50. Comunidades virtuais<br />Castells, 2003<br />Fonte da sociabilidade<br />Limitação espacial  comunidade espacial;<br />“Dessa forma, a grande transformação da sociabilidade em sociedades complexas ocorreu com a substituição de comunidades espaciais por redes como formas fundamentais de sociabilidade” (p. 107).<br />
  51. 51. Comunidades virtuais<br />Castells, 2003<br />Valor da comunicação livre, horizontal, caracterizada pela<br />comunicação online de muitos para muitos; <br />Formação autônoma de redes <br />Assim, as comunidades virtuais constituem novos suportes tecnológicos para a sociabilidade, diferentes de outras formas de interação, mas não inferiores. <br />
  52. 52. Comunidades virtuais<br />Castells, 2003<br />Isolamento social;<br />Identidades falsas;<br />Representação de papéis.<br />“Assim, a Internet foi acusada de induzir gradualmente as pessoas a viver suas fantasias on-line, fugindo do mundo real, numa cultura cada vez mais dominada pela realidade virtual” (p. 98)<br />
  53. 53. Dinâmica 6...<br />http://www.socialgo.com<br />http://wackwall.com<br />http://www.grouply.com<br />
  54. 54. Mundos virtuais – dinâmica 7<br />SecondLife<br />Para crianças:<br />Habbo Hotel<br />ClubPenguin<br />
  55. 55. Referências<br /><ul><li>ALAVA, Séraphin (Org.).CIBERESPAÇO e formações abertas: rumo a novas práticas educacionais?. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 2002.
  56. 56. BEHAR, PatriciaAlejandraet al. Em busca das interações interindividuais no ROODA. Revista Educação PUCRS, Porto Alegre, n. 1, p 169-199, jan./abr. 2004
  57. 57. HASIM, Linda et al. Redes de Aprendizagem: um guiaparaensino e aprendizagem on-line. São Paulo: Senac, 2005.
  58. 58. LEMOS, André. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 3. ed. Porto Alegre, RS: Sulina Universitária, 2007.</li></li></ul><li>Referências<br /><ul><li>LÉVY, Pierre. Cibercultura. 2. ed. São Paulo, SP: Editora 34, 2001.
  59. 59. PRIMO, Alex. Interaçãomediadaporcomputador: comunicação, cibercultura, cognição. Porto Alegre: Sulina, 2007.
  60. 60. SILVA, Marco. Sala de aulainterativa. 3 ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.
  61. 61. VALENTINI, Carla Beatris, SOARES, Eliana Maria do S. (orgs.) Aprendizagememambientesvirtuais: compartilhandoidéias e construindocenários. Caxias do Sul: Educs, 2005.</li></li></ul><li>Ensinar e aprender na Internet<br />Diferentes espaços de interação e colaboração<br />Prof.ª Dr.ª Patrícia B. SchererBassani<br />patriciab@feevale.br<br />http://twitter.com/patriciab<br />http://autoriacoletiva.wordpress.com<br />

×