1 do texto não literário ao texto literário

925 visualizações

Publicada em

do texto não literário ao texto literário

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
925
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
196
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1 do texto não literário ao texto literário

  1. 1. CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DO TEXTO NÃO LITERÁRIO AO TEXTO LITERÁRIO
  2. 2. A SABER Podemos distinguir os textos não literários (TNL) dos textos literários (TL) tendo em conta que: nos textos não literários predominam: — a objetividade — a denotação — a função informativa — o respeito pela «norma» — o carácter utilitário
  3. 3. nos textos literários predominam: — a subjetividade — a conotação — as funções expressiva e poética — o desvio da «norma» — o carácter estético Os textos paraliterários apresentam simultaneamente características dos TL e dos TNL.
  4. 4. Receita para fazer um herói Tome-se um homem Feito de nada, como nós E em tamanho natural. Embeba-se-lhe a carne, Lentamente, Duma certeza aguda, irracional, Intensa como o ódio ou como a fome. Depois, perto do fim, Agite-se um pendão E toque-se um clarim. Serve-se morto. Reinaldo Ferreira, Poemas Receita Esta receita, de origem irlandesa, é feita com restos de couve e puré de batata. Tempo de preparação: 10 minutos. Tempo de cozedura: 20 minutos. Ingredientes (para 4 pessoas): 1 cebola, finamente picada 4 couratos de bacon, em quadrados 45 g de banha 500 g de puré de batata 225 g de couve cozida e picada Sal e pimenta Frite a cebola e o courato na banha até aquela estar macia. Retire-os e misture-os com a couve e o puré de batata. Tempere. Molde o preparado em 4 bolas achatadas. Frite na banha até alourar um pouco. Sirva com ovos estrelados ou com uma salada de vegetais com carnes frias. In Doze Meses de Cozinha
  5. 5. 1. Qual dos textos tem, como principal objetivo, informar? 2. Qual deles parece mais original, mais sugestivo, mais poético? 3. Qual deles está mais próximo da maneira corrente como usamos a língua, no dia a dia?
  6. 6. 4. Compara os dois textos tendo em conta as características de cada um. Baseia-te nas oposições: conotação / denotação; polissemia / monossemia; subjetividade / objetividade; função estética / função informativa; desvio / norma
  7. 7. A SABER MAIS Quando deparamos com diversos tipos de textos, notamos entre eles diferenças (marcas, traços distintivos), umas mais nítidas, outras mais diluídas, sobretudo a três grandes níveis: 1° DA SINTAXE: Combinação de sinais linguísticos (signos linguísticos). 2° DA SEMÂNTICA: Significação da mensagem. 3° DA PRAGMÁTICA: Utilização da mensagem; efeitos práticos pretendidos sobre o recetor.
  8. 8. TEXTO Literário - Sem deixar de ser informativo, abre espaço à ficção, à emoção, à expressão de sentimentos; - É subjetivo (aberto a várias interpretações); - Serve-se de vários recursos expressivos; - Tem uma função estética; - Usa uma linguagem mais pessoal (subjetividade do emissor); - Sugere, insinua, evoca, remete, reenvia para – conotativo. Paraliterário - Apresenta algumas características dos textos literários (subjetividade, utilização de figuras de estilo, etc) e dos não literários (reflexo do mundo exterior, etc) Não Literário - É objetivo (cada palavra possuiu um só significado); - Tem uma função utilitária (intenção mais imediata); - Usa uma linguagem mais impessoal (o emissor apaga-se para fazer ressaltar o conteúdo); - Linguagem mais fria e direta; - Diz, afirma, declara – denotativo.
  9. 9. 1. Quando respondes às perguntas de um teste de História, procuras construir um texto literário ou um texto não literário? 2. Quando te pedem um poema, num teste de Português, procuras construir um texto literário ou um texto não literário? 3. Qual deles está mais próximo da maneira corrente como usamos a língua, no dia a dia?
  10. 10. Pastoral Não há, não, duas folhas iguais em toda a criação. Ou nervura a menos, ou célula a mais, não há de certeza, duas folhas iguais. Limbo todas têm, que é próprio das folhas; pecíolo algumas; bainha nem todas. Umas são fendidas, crenadas, lobadas, inteiras, partidas, singelas, dobradas. Outras acerosas, redondas, agudas, macias, viscosas, fibrosas, carnudas. Nas formas presentes, nos atos distantes, mesmo semelhantes são sempre diferentes. Umas vão e caem no charco cinzento, E lançam apelos nas ondas que fazem; outras vão e jazem sem mais movimento. Mas outras não jazem, nem caem, nem gritam, apenas volitam nas dobras do vento. É dessas que eu sou. António Gedeão, Poesias Completas
  11. 11. 1. Como é que classificas o texto de António Gedeão? 2. Se quisesses escrever um texto não literário a partir do texto de António Gedeão como farias?

×