Realismo

693 visualizações

Publicada em

Aula de realismo

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
693
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Realismo

  1. 1. “A vida apenas, sem mistificação.” (Drummond) Realismo
  2. 2. Realismo
  3. 3. Realismo
  4. 4. Conceito Realismo Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade bem distante de uma visão fantasiosa da vida. A escola literária que ficou conhecida como Realismo de algum modo pode ser associada a essa atitude diante do mundo. A produção que a caracteriza adota uma concepção racional das coisas, que deve ser expressa numa linguagem simples, objetiva, despida dos volteios do Romantismo.
  5. 5. Realismo Se você vier me perguntar por onde andei No tempo em que você sonhava De olhos abertos lhe direi Amigo eu me desesperava Sei que assim falando pensas Que esse desespero é moda em 73 Mas ando mesmo descontente Desesperadamente eu grito em português Tenho 25 anos de sonho e de sangue E de América do Sul Por força desse destino O tango argentino me vai bem melhor que o blues Sei que assim falando pensas Que esse desespero é moda em 73 Eu quero que esse canto torto Feito faca corte a carne de vocês À Palo Seco (Belchior)
  6. 6. A produção em série, a máquina a vapor , o surgimento do telefone, a luz elétrica, a indústria têxtil provocaram a descoberta da realidade material. A Revolução Industrial A exploração do trabalho pelo capitalismo liberal sem obedecer a nenhum respeito humano. A questão Social Realidade Histórico-Cultural (Séc. XIX – 2ª metade) Realismo O desenvolvimento das ciências naturais (Medicina, Química e Física) determinou o cunho científico na análise da realidade. A Revolução Científica
  7. 7. 1857 - Instalação, nos EUA, do primeiro elevador, inventado por E. Otis. Curiosidades Realismo 1858 - Produção da máquina de costura, por I. Singer, nos EUA. 1865 - L. Pasteur publica sua teoria sobre doenças causadas por micróbios. 1870 - Na Suécia , Alfred Nobel descobre a dinamite. 1872 - Nos EUA , é produzida a primeira máquina de escrever. 1879 - T. Edison testa com sucesso sua lâmpada elétrica. 1882 - Koch descobre o bacilo da tuberculose. 1884 - Estabelecimento dos fusos horários. 1886 - A Coca-Cola foi lançada nos EUA. 1889 - É inaugurada em Paris a Torre Eiffel. 1896 - O italiano Marconi inventa a telegrafia sem fio.
  8. 8. Evolução Literária Realismo FRANÇA ZOLAFLAUBER Madame Bovary Thérèze Raquin O Crime Do Padre Amaro PortugalEÇA DE QUEIRÓS ABEL BOTELHO O Barão de Lavos BrasilMACHADO DE ASSIS ALUÍSIO AZEVEDO Memórias Póstumas de Brás Cubas O Mulato
  9. 9. A Baseado na análise, tenta mostrar que aquilo que não pode ser comprovado cientificamente, não deve ser aceito. O POSITIVISMO de A. Comte Lança novos pressupostos da filosofia política; a proprieda- de não é direito exclusivo de poucos, mas da comunidade. O SOCIALISMO de Marx e Hengel Prova que a personalidade do homem é condicionada por três aspectos ( a hereditariedade, o meio e o momento histórico). O DETERMINISMO de H. Taine Correntes que influenciaram o Realismo Realismo Em seu livro A origem das espécies prova que o homem é o resultado da união dos seres. O EVOLUCIONISMIO de C. Darwin
  10. 10. Características “A cara ficou séria, porque a morte é séria; dois minutos de agonia, um trejeito horrível, e estava assinada a abdicação. Queria dizer aqui o fim de Quincas Borba, que adoeceu também, ganiu infinitamente, fugiu desvairado em busca do dono, e amanheceu morto no rua, três dias depois.” Realismo Objetividade: A linguagem é centrada no fato. Não há transbordamento Lírico- sentimental.
  11. 11. Características “Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza, entre as mocinhas do tempo, porque isto não é romance, em que o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas; mas também não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda ou espinha, não. Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro indivíduo para os fins secretos da criação. Era isto Virgília, e era clara, cheia de uns Realismo Personagens Não Idealizadas
  12. 12. Características “Apresentam-se dois novelistas. Tu dás-lhes o teu assunto: uma menina que habita ali defronte. Um não a quer ver nem ouvir; não quer saber mais detalhes. Toma imediatamente a sua boa pena de Toledo, recorda durante um momento os seu autores e, num relance, cria-te a menina Virgínia deste modo: na figura a graça da Margarida; no coração, a paixão grandiosa de Julieta, nos movimentos, a languidade de qualquer odalisca (à escolha); na mente, a prudência de Salomão, e nos lábios, a Realismo Senso de Observação e Análise
  13. 13. Características “O outro começa por fazer uma coisa extraordinária: vai vê-la!. Não se riam: o simples fato de ir ver Virgínia, quando se pretende descrever Virgínia, é uma grande revolução na Arte!. Este homem vai ver Virgínia, estuda-lhe a figura, os modos, a voz; examina o seu passado, indaga da sua educação, estuda o meio em que vive, as influências que a envolvem, os livros que lê, os gestos que tem – e dá enfim um Virgínia que não é Cordélia, nem Ofélia, nem Santo Agostinho, Realismo Senso de Observação e Análise
  14. 14. Características “Suas maneiras eram frias, modestas e corteses; a fisionomia, um pouco triste. Um observador atento podia adivinhar por trás daquela impossibilidade, aparente ou contraída, as ruínas de um coração desenganado. Assim era, a experiência, que foi precoce, produzir em Luiz Garcia um estado de apatia e ceticismo, com seus laivos de desdém. O desdém não se revelava por nenhuma expressão exterior; era a ruga sardônica do coração. Por fora, havia só a máscara imóvel, o Realismo Psicologismo
  15. 15. Características [...] Em outras circunstâncias, colocado em meio diverso, talvez que padre Antônio de Morais viesse a ser um santo, no sentido puramente católico da palavra [...]. Mas nos sertões do Amazonas, numa sociedade quase rudimentar, sem moral, sem educação... Vivendo no meio da mais completa liberdade de costumes, sem a coação da opinião pública [...] devia cair na regra geral dos seus colegas de sacerdócio, sob a influência enervante e corruptora do isolamento, e entregara-se ao Realismo Determinismo
  16. 16. Características Fala-se da chamada dos conservadores ao poder, e da dissolução da Câmara. Rubião assistira à reunião em que o Ministério Itaboraí pediu os orçamentos. Tremia ainda ao contar suas impressões, descrevia a Câmara, tribunas, galerias cheias que não cabia um alfinete, o discurso de José Bonifácio, a moção, a votação... (Quincas Borba, obra de Machado de Assis, publicada em 1891.) Realismo Contemporaneidade
  17. 17. Realismo A novidade veio dar à praia Na qualidade rara de sereia Metade o busto de uma deusa maia Metade um grande rabo de baleia A novidade era o máximo Do paradoxo escondido na areia Alguns a desejar seus beijos de deusa Outros a desejar seu rabo pra ceia O mundo tão desigual Tudo é tão desigual O, o, o, o... De um lado esse carnaval De outro a fome total O, o, o, o... E a novidade que seria um sonho O milagre risonho da sereia Virava um pesadelo tão medonho Ali naquela praia, ali na areia A novidade era a guerra Entre o feliz poeta e o esfomeado Estraçalhando uma sereia bonita Despedaçando o sonho pra cada lado Ô Mundo tão desigual... A Novidade era o máximo... Ô Mundo tão desigual... A Novidade (Gilberto Gil/Hebert Vianna)

×