Biblioteca 2.0

2.145 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.145
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biblioteca 2.0

  1. 1. Biblioteca 2.0 Curso BAD 13/14 Outubro 2008 Paulo Leitão
  2. 2. I – Web 2.0 <ul><li>O conceito </li></ul>Fonte: O’Reilly
  3. 3. II – Biblioteca 2.0 2.1. Conceito [1] Uma teoria da Biblioteca 2.0 deve ser entendida através dos seguintes 4 elementos essenciais: É centrada no utilizador . Os utilizadores participam na criação de conteúdos e serviços a que têm acesso no universo web da biblioteca, OPAC, etc. O consumo e criação de conteúdos é dinâmico, e assim os papéis do utilizador e do bibliotecário tornam-se nem sempre claros. Proporciona uma experiência multimedia . Quer as colecções, quer os serviços da Biblioteca 2.0 contém componentes vídeo e aúdio. Apesar de isto não ser frequentemente citado como uma função da Biblioteca 2.0, sugerimos que o deveria ser.
  4. 4. II – Biblioteca 2.0 É socialmente rica . A presença da biblioteca na Web incliu a presença dos utilizadores. Elas podem ser formas síncronas (i.e. IM) e assíncronas (i.e. wikis) de os utilizadores comunicarem entre si e com os bibliotecários. É comunitariamente inovadora . Isto é, talvez, o aspecto mais inovador da Biblioteca 2.0. Ele baseia-se no princípio das bibliotecas como um serviço para a comunidade, mas compreende que as comunidades mudam e que a biblioteca não só deve acompanhar essa mudança, mas permitir que os utilizadores mudem a biblioteca. A biblioteca procura continuamente mudar os seus serviços, encontrar novas formas que permitam às comunidades, e não apenas aos indivíduos, procurar, encontrar e utilizar informação. Maness
  5. 5. II – Biblioteca 2.0 [2] “A ideia de Biblioteca 2.0 representa uma significativa mudança de paradigma na forma como vemos os serviços de biblioteca. É sobre uma experiência enriquecedora para os utilizadores, na qual usabilidade, interoperabilidade e flexibilidade dos sistemas de biblioteca são a chave. É sobre a biblioteca estar mais presente na comunidade através da programação de actividades, construção de comunidades de interesse, utilizando as facilidades da tecnologia (IM, blog, wikis, etc.).
  6. 6. II – Biblioteca 2.0 [2] É sobre permitir a participação dos utilizadores atrvés de comentários e “tagging” nos catálogos e tornar a sua voz presente através de blogues e wikis. É sobre tornar a biblioteca mais transparente através da sua presença na Web e do seu desenho físico. Precisamos de tornar a biblioteca humana, ubíqua e centrada no utilizador. Isto envolve uma mudança nos nossos sistemas, na nossa presença na Web e nas nossas atitudes.” Meredith Farkas
  7. 7. II – Biblioteca 2.0 2.2. Visão Global
  8. 8. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>2.3. Sindicação de Conteúdos – RSS </li></ul><ul><li>2.3.1. Definição </li></ul><ul><li>RSS = Really Simple Syndication </li></ul><ul><li>Formato (baseado em XML) para sindicação de conteúdos. </li></ul><ul><li>O conteúdo de um sítio web, um blogue, etc. pode ser “partido” em pequenas partes a partir das quais se gera um “FEED” disponibilizado a qualquer internauta. Subscrevendo este FEED num leitor /agregador o internauta é avisado automaticamente sempre que esse conteúdo se altera. </li></ul><ul><li>2.3.2. RSS e Bibliotecas (as bibliotecas como produtoras) </li></ul><ul><li>Catálogos – http://www.biblartepac.gulbenkian.pt </li></ul><ul><li>Blogues </li></ul><ul><li>DSI (Difusão selectiva da informação) </li></ul><ul><li>Outros </li></ul>
  9. 9. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>2.3.3. Leitores / Agregadores de RSS </li></ul><ul><li>Definição </li></ul><ul><li>Plataforma que possibilita a leitura e agregação de FEEDS de RSS </li></ul><ul><li>b) Exemplos de agregadores: IEE7, bloglines ( http://www.bloglines.com/ ), newsgator, feed reader, add to google, my msn, my yahoo, netvibes, pageflakes ( http://www.pageflakes.com/ ) , </li></ul>
  10. 10. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>2.3. Sindicação de Conteúdos – RSS </li></ul><ul><li>d) NETVIBES ( http://www.netvibes.com ) </li></ul><ul><li>- Exemplo: http://www.netvibes.com/pauloleitao#General </li></ul><ul><li>EXERCÍCIO PRÁTICO </li></ul><ul><li>Crie uma conta no NETVIBES (precisa de ter um endereço de mail – qualquer um serve) </li></ul><ul><li>Configure a sua página pessoal </li></ul><ul><li>Configure a página pública </li></ul>
  11. 11. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>2.4. BLOGUES </li></ul><ul><li>2.4.1. Definição </li></ul><ul><li>Um weblog ou blog é um sítio Web actualizado com frequência, composto de entradas (posts) datadas organizadas por ordem cronológica, de forma a que a mais recente aparece primeiro. </li></ul><ul><li>COMPONENTES ESTRUTURAIS </li></ul><ul><li>Arquivo </li></ul><ul><li>Entradas (posts) datados </li></ul><ul><li>“ Permalinks” </li></ul><ul><li>Organização cronologica dos posts </li></ul><ul><li>Formatados a 2 ou 3 colunas usualmente </li></ul><ul><li>Categorias </li></ul><ul><li>Comentários </li></ul><ul><li>Funcionalidades de pesquisa de posts anteriores </li></ul><ul><li>“ Track-backs” </li></ul>
  12. 12. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>2.4.2. Blogues e Bibliotecas: exemplos de Blogues de bibliotecas e bibliotecários.PT </li></ul><ul><li>A Informação - http://a-informacao.blogspot.com/ </li></ul><ul><li>Viva Biblioteca Viva - http://vivabibliotecaviva.blogspot.com/ </li></ul><ul><li>Ler em Espinho - http://www.leremespinho.com/blog/ </li></ul><ul><li>Oeiras a ler - http://oeiras-a-ler.blogspot.com/ </li></ul><ul><li>2.4.3. Boas práticas na criação e gestão de blogues </li></ul><ul><li>Questões prévias: </li></ul><ul><li>- Qual é o foco do blogue? O que pretendemos com o blogue? </li></ul><ul><li>“ BLOGS SHOULD ALWAYS FILL A NEED” </li></ul><ul><li>- Necessidades de Software </li></ul><ul><li>- Questões de segurança (spam, etc.) </li></ul><ul><li>- Percentagem de interactividade pretendida (comentários: quem faz, em que circunstâncias) </li></ul><ul><li>- Estratégia de Marketing </li></ul>
  13. 13. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>2.4. Redes Sociais </li></ul><ul><li>2.4.1. Definição </li></ul><ul><li>Comunidades de indivíduos, geralmente construídas da base para o topo, que se juntam para troca de interesses, informação, lazer, etc. </li></ul><ul><li>Têm base soluções aplicaionais na plataforma web, designadas por muitos como “SOFTWARE SOCIAL” </li></ul><ul><li>Caraterísticas: </li></ul><ul><li>Permite comunicação, colaboração e a construção de comunidades </li></ul><ul><li>Conteúdo pode ser “sindicado”, partilhado, remisturado </li></ul><ul><li>Permite aos utilizadores aprender com facilidade e capitalizar o conhecimento de outros </li></ul>
  14. 14. II – Biblioteca 2.0: ferramentas 2.4.2. Tipos de Redes Sociais (genéricas, temáticas, etc.) Genéricas Temáticas Comunidades de “lazer” Comunidades profissionais Empresas que utilizam estratégias de redes sociais – Exemplo: http://www.amazon.com
  15. 15. II – Biblioteca 2.0: ferramentas 2.4.3. Exemplos de redes sociais: MySpace - http://pt.myspace.com/ (espaço PT) Facebook - http://www.facebook.com/ Linkedin - http://www.linkedin.com/ LibraryThing - http://www.librarything.com/ Flickr- http://www.flickr.com HI5- http://www.hi5.com Youtube- http://www.youtube.com Slideshare – http://www.slideshare.net Exemplo a analisar: http://www.flickr.com/photos/biblarte
  16. 16. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>EXERCÍCIOS PRÁTICOS </li></ul><ul><li>Crie uma conta no FLICKR (necessita de criar uma conta de mail no Yahoo). Construa a sua galeria de fotos. </li></ul><ul><li>2. Crie uma conta no Facebook (necessita de um endereço de mail, qualquer um serve) </li></ul><ul><li>Crie uma conta no LibraryThing </li></ul><ul><li>Crie uma conta no HI5 </li></ul>
  17. 17. II – Biblioteca 2.0: ferramentas 2.5. tagging e folksonomias 2.5.1. O que são TAG’s Palavras ou expressões utilizadas para descrever/classificar conteúdos. Sem controlo vocabular. 2.5.2. O que são Folksonomias Uma “ecologia” de tag’s numa dada plataforma. An important aspect of a folksonomy is that is comprised of terms in a flat namespace: that is, there is no hierarchy, and no directly specified parent-‍child or sibling relationships between these terms. There are, however, automatically generated “related” tags, which cluster tags based on common URLs . These folksonomies are simply the set of terms that a group of users tagged content with, they are not a predetermined set of classification terms or labels. (Mathes, 2004)
  18. 18. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>2.5. tagging e folksonomias </li></ul><ul><li>2.5.3. Exemplos de utilização de TAG’s: </li></ul><ul><li>FLICKR – http://www.flickr.com/photos/biblarte </li></ul><ul><li>LibraryThing - http://www.librarything.com/catalog.php?view=pauloleitao&shelf=list </li></ul><ul><li>del.icio.us - http://delicious.com/ - http://delicious.com/pjleitao ) </li></ul><ul><li>2.5.4. TAG’s e Bibliotecas </li></ul><ul><li>Que papel para as Tag’s nos sistemas de informação das bibliotecas? </li></ul><ul><li>Problemas de harmonização </li></ul>
  19. 19. II – Biblioteca 2.0: ferramentas 2.5. tagging e folksonomias 2.5.4.1. A utilização de TAG’s no ambiente “tradicional” das Bibliotecas (tag’s e catálogos) [exemplos] Seattle Public Library - http://tinyurl.com/3klmhz Moonee Valey Library - http://tinyurl.com/48hqyd University of Huddersfield - http://tinyurl.com/4ucj5v Ann Arbor Public Library - http://tinyurl.com/3l8yv5 2.5.4.2. TAG CLOUDS (Nuvens de Palavras)
  20. 20. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>2.6. WIKIS </li></ul><ul><li>2.6.1. Definição </li></ul><ul><li>Sítio web com o objectivo de promover a produção colaborativa de conteúdos. Pode ser infinitamente expansível através de páginas que são criadas e ligadas a outras através de hiper-ligações. A sua estrutura pode não ser predefinida, mas constituir o resultado do comportamento dos seus produtores. </li></ul><ul><li>CARACTERÍSTICAS: </li></ul><ul><li>Um wiki convida todos os utilizadores a editar ou criar novas páginas; </li></ul><ul><li>Promove a relação entre assuntos através de uma implementação facilitada de hiper-ligações </li></ul><ul><li>Envolve constantemente o utilizador na criação de conteúdos </li></ul>
  21. 21. II – Biblioteca 2.0: ferramentas <ul><li>“ PROS” e CONS” na utilização de Wikis </li></ul><ul><li>- Facilidade de utilização </li></ul><ul><li>- Flexibilidade de edição </li></ul><ul><li>- Trabalham sobre a plataforma WWW </li></ul><ul><li>- Verdadeiramente “democráticos” </li></ul><ul><li>- Ausência de estrutura </li></ul><ul><li>- Abertura  SPAM </li></ul><ul><li>- Controlo de versões  restrições no ACESSO </li></ul><ul><li>2.6.2. Exemplos </li></ul><ul><li>LisWiki - http://liswiki.org/wiki/Main_Page </li></ul><ul><li>WIKIBIB - http://cursosmestrado.wetpaint.com </li></ul>
  22. 22. II – Biblioteca 2.0: ferramentas 2.6.3. Wikis e Biliotecas (boas práticas) The Biz Wiki - http://www.library.ohiou.edu/subjects/bizwiki/index.php/Main_Page 2.6.3. Criar um WIKI http://www.wetpaint.com/

×