Análise de obras literárias
iracema
josé martiniano de
alencar júnior
Rua General Celso de Mello Rezende, 301 – Tel.: (16)...
SumÁrio
1.	Contexto social e HISTÓRICO..................................................... 7
2.	Estilo literário da época...
iracema
josé martiniano de
alencar júnior
7
IracemaAOL-11
1.	 Contexto social e HISTÓRICO
Avinda de D. João VI para o Brasil e as consequentes transformações ocor-
...
8
José Martiniano de Alencar Júnior
2.	Estilo literário da época
9
IracemaAOL-11
A palavra romântico deriva do latim romanice e significa “à maneira dos
romanos”. No século XII, o termo r...
10
José Martiniano de Alencar Júnior
reside sua desgraça. Sua metade matéria o prende ao mundo físico, o que faz
com que e...
11
IracemaAOL-11
prosa de ficção, sobretudo em romances como O Guarani e Iracema, a tendência
nacionalista que vinha sendo...
12
José Martiniano de Alencar Júnior
3.	O AUTOR
José Martiniano de Alencar Júnior nasceu em
Mecejana, Ceará, no dia primei...
13
IracemaAOL-11
Obras
Romances sociais
1856 –	 Cinco minutos
1857 –	 A viuvinha
1862 –	 Lucíola
1864 –	 Diva
1870 –	 A pa...
14
José Martiniano de Alencar Júnior
4.	A OBRA
15
IracemaAOL-11
CARACTERÍSTICAS GERAIS
José de Alencar soube como ninguém explorar o espaço que lhe era con-
cedido no jo...
16
José Martiniano de Alencar Júnior
CARACTERÍSTICAS DE IRACEMA
O poeta modernista Manuel Bandeira (1886-1968), em seu liv...
17
IracemaAOL-11
Tendo como subtítulo Lenda do Ceará, daí não possuir o mesmo valor
histórico contido em O Guarani (que tr...
18
José Martiniano de Alencar Júnior
Quanto ao tempo
O romance Iracema se passa por volta de 1600, já com a presença do co...
19
IracemaAOL-11
A virgem aponta para o estrangeiro e diz:
– Ele veio, pai.
– Veio bem. É Tupã que traz o hóspede à cabana...
20
José Martiniano de Alencar Júnior
Iracema protege Martim da ira de Irapuã. Mas o seu desejo é vê-lo longe
dos campos ta...
21
IracemaAOL-11
Outro, fogoso em amores, sonha que as mais belas virgens tabajaras deixam a
cabana de seus pais e o segue...
22
José Martiniano de Alencar Júnior
Iracema dá a Martim a notícia de sua gravidez:
Travou da mão do esposo, e impôs no re...
23
IracemaAOL-11
– Teu corpo está aqui; mas tua alma voa à terra de teus pais, e busca a virgem
branca, que te espera.
Mar...
24
José Martiniano de Alencar Júnior
Martim, seu filho, Moacir, e o cão partem para Portugal. Algum tempo
depois, voltam e...
25
IracemaAOL-11
Poti (camarão) – Guerreiro pitiguara, amigo de Martim. Convertido ao
cristianismo, recebeu o nome de Antô...
26
José Martiniano de Alencar Júnior
Irapuã (mel redondo) – Chefe dos tabajaras e apaixonado por Iracema. Daí
o seu ciúme ...
27
IracemaAOL-11
Ci – personagem de Macunaíma, do modernista Mário de Andrade (1893-
1945) –, chefe das amazonas, é seduzi...
28
José Martiniano de Alencar Júnior
(Disse, vendo-o fugir) ah, não te escondas
Dispara sobre mim teu cruel raio...”
E ind...
29
IracemaAOL-11
2. IME-RJ
Na visão romântica de José de Alencar, o índio é:
a)	 descrito como um ser preguiçoso, que pass...
30
José Martiniano de Alencar Júnior
II.	Um dos procedimentos estilísticos de Alencar em seu romance está nas su-
gestivas...
31
IracemaAOL-11
9. UFMG
Leia a afirmativa a seguir, em que José de Alencar critica a visão dos cronistas
europeus sobre o...
32
José Martiniano de Alencar Júnior
Gabarito
1.	B	
2.	C
3.	B
4.	O índio, para o Romantismo brasileiro, tem
a mesma simbol...
Iracema
Iracema
Iracema
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Iracema

690 visualizações

Publicada em

Análise de Obras - Iracema - José de Alencar

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
690
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Iracema

  1. 1. Análise de obras literárias iracema josé martiniano de alencar júnior Rua General Celso de Mello Rezende, 301 – Tel.: (16) 3603·9700 CEP 14095-270 – Lagoinha – Ribeirão Preto-SP www.sistemacoc.com.br
  2. 2. SumÁrio 1. Contexto social e HISTÓRICO..................................................... 7 2. Estilo literário da época............................................................ 8 3. O AUTOR.................................................................................................. 12 4. A OBRA..................................................................................................... 14 5. EXERCÍCIOS............................................................................................ 28 AOL-11
  3. 3. iracema josé martiniano de alencar júnior
  4. 4. 7 IracemaAOL-11 1. Contexto social e HISTÓRICO Avinda de D. João VI para o Brasil e as consequentes transformações ocor- ridas em nosso quadro cultural, como a inauguração da Biblioteca Pública (hoje Biblioteca Nacional), a criação de cursos médico-cirúrgicos na Bahia e no Rio de Janeiro, a Academia da Marinha e a Academia Militar, o Real Horto (Jardim Botânico) e o Museu Real, contribuíram para a inserção de um ensino técnico e científico em nosso meio, embora visasse sobretudo à reorganização do Exército e da Marinha. Acriação de escolas e de cursos profissionais visava a uma resposta imediata para os problemas do governo português recém-transladado ao Brasil. Anova configuração do meio brasileiro, que adquiria aspectos urbanos, necessi- tava de determinados profissionais. A independência política, realizada catorze anos após a chegada de D. João VI, e as lutas para sustentá-la contra Portugal, como os problemas militares externos (a Cisplatina) e internos (a Confederação do Equador), colocaram a questão política e militar em primeiro plano, apresen- tando como único empreendimento cultural do Primeiro Império a criação das Faculdades de Ciências Jurídicas e Sociais, em 1827, em Olinda e em São Paulo. No período da Regência (1831-1840), foi criado o Colégio Pedro II. No dia 13 de maio de 1808, começou a funcionar no Brasil a primeira tipo- grafia, que imprimia livros científicos e um jornal, A Gazeta do Rio de Janeiro. Aos poucos, numa terra de analfabetos, foram-se criando um público leitor e as condições necessárias para a consolidação de uma literatura. ApósaIndependênciadoBrasil,em1822,cresceuentreosintelectuaisbrasilei- ros o sentimento de nacionalismo e o desejo de criar uma literatura identificada com as raízes históricas do país e do seu povo, com o intuito de diferenciá-la da literatura portuguesa. Os escritores românticos brasileiros ansiavam por criar uma literatura quecontivesseoselementosessenciaisdaculturabrasileira;surgiu,então,aprimeira geração romântica, que trabalhava os temas do indianismo e do nacionalismo. O teatro romântico brasileiro surgiu dentro do programa de nacionalização da literatura.
  5. 5. 8 José Martiniano de Alencar Júnior 2. Estilo literário da época
  6. 6. 9 IracemaAOL-11 A palavra romântico deriva do latim romanice e significa “à maneira dos romanos”. No século XII, o termo rommant referia-se à língua vulgar, ou seja, toda língua que não fosse o latim. Das acepções da palavra romantismo, convém distinguir: 1) a palavra ro- mantismo deriva de romântico (romantic), que, por sua vez, deriva de romance (roman). O adjetivo romântico designava, na Inglaterra do século XVII, as narrati- vas fantasiosas das novelas de cavalaria; 2) no século XVIII, na França, designava paisagens selvagens e pitorescas; 3) no século XIX, naAlemanha, designava uma tendência artística contrária ao Classicismo. Como o adjetivo romântico é empregado sem muito rigor, normalmente ocorrem algumas confusões, porque ora designa um estado de espírito, uma atitude, estando, portanto, presente em todas as épocas, ora designa uma escola literária do início do século XIX. Como escola literária, o Romantismo surgiu naAlemanha, com a publicação da revista Athenäeum, editada pelos irmãos Schlegal, de 1798 a 1800, em Iena, espalhando-se daí para o restante do mundo. Na Inglaterra, o Romantismo teve início em 1798, com a edição de Lyrical Ballads, de autoria conjunta de Wordsworth e Coleridge. Na França, o Romantismo passou a ter plena aceitação em 1820, com Méditations, do poeta Lamartine. Em Portugal, o ano de 1825, com a publicação de Camões, de Almeida Garrett, marcou o início do Romantismo português. O Romantismo no Brasil teve início em 1836, com a publicação de Suspiros poéticos e saudades, de Gonçalves de Magalhães. O Romantismo valoriza, sobremaneira, o idealismo e o espiritualismo. Por idealismo, entenda-se o primado do sujeito sobre o objeto, ou seja, o universo interior é mais importante que a realidade exterior e, por isso, as emoções im- portam mais que a realidade, a subjetividade vale mais que a realidade externa, e as emoções falam mais alto que a razão. Por espiritualismo, entenda-se que a realidade é o espírito e a matéria (o real) é inferior ao espírito, devendo apenas servi-lo. O Romantismo valoriza a noite, o sonho, a dor, a arte e a natureza como formas de fugir da realidade, de negar a razão. Para os românticos, em oposição ao Iluminismo do século XVIII, não é a razão que leva o homem ao conhecimen- to do infinito, mas o sentimento e a fantasia. Por isso, cabe ao poeta, e não ao racionalista, a descoberta do sentido da vida. O homem romântico encontra-se no limiar de dois mundos: pela alma, está ligado ao divino, e aí reside sua grandeza; pelo corpo, está preso à matéria, e aí
  7. 7. 10 José Martiniano de Alencar Júnior reside sua desgraça. Sua metade matéria o prende ao mundo físico, o que faz com que ele sinta uma profunda nostalgia do infinito e do divino, e toda separa- ção, seja da infância, do lar, da amada ou da pátria, desperta nele a saudade do infinito. Por isso, para ele a vida é insuportável, e a morte é vista como solução para o sofrimento. Como os cristãos chamam o mundo terreno de século, vem daí o “mal do século”, isto é, a consciência de que este mundo é apenas sofri- mento e, portanto, o melhor a fazer é abandoná-lo, seja através do sonho, seja através da morte, vista como “a recompensa da vida”. O homem nasceu para a dor, não para a alegria. Para o romântico, o sentimento mais importante é o amor, porque liga o homem ao infinito. Todo o amor terreno é apenas a superfície do amor infinito, que só pode ser alcançado pela morte. Daí a morte completar o amor, pois só no infinito o homem pode viver a plenitude do sentimento amoroso. Por isso, o final feliz não é importante, porque a única felicidade possível reside na co- munhão com o infinito. O sentimento elevado ao infinito é o que o romântico chama de sublime. Como a alma do homem não é deste mundo, ele se rebela contra toda re- gra que deseje prendê-lo, pois acredita que a sua alma é livre. Nada, portanto, pode prendê-lo, nem as regras da sociedade nem as regras da criação literária. Daí a ideia de ruptura com todas as regras da arte e com tudo o que aprisiona o homem. A relação do homem com sua parte divina pode ocorrer por intermédio da nação, que o romântico entende como um povo que se organiza politicamente num território, em decorrência de uma vontade divina. Por isso, a inspiração vem do povo, e o artista é nacionalista, devendo saber traduzir, em seus textos, a “alma do povo”. Não é por acaso que, no Romantismo, surgiu uma ciência que procurava investigar a sabedoria popular, recebendo o nome de folclore. O individualismo romântico não é contrário ao sentimento nacionalista, porque, em sua solidão, o romântico sente simpatia por todos os seres do universo e em particular pelo ser humano. Em seu egocentrismo, ele se sente integrado ao cosmos. O movimento romântico brasileiro coincide com o momento decisivo de autonomia da pátria. Os escritores tomam para si a missão de reconhecer e va- lorizar o passado brasileiro, conferindo à literatura cores locais e esforçando-se para criar uma literatura legitimamente brasileira, capaz de revelar as qualidades grandiosas da pátria que se tornara independente. Neste sentido, José deAlencar aparece na literatura brasileira como o consolidador do romance, realizando, na
  8. 8. 11 IracemaAOL-11 prosa de ficção, sobretudo em romances como O Guarani e Iracema, a tendência nacionalista que vinha sendo reclamada pela crítica. O gosto pelo teatro foi uma das características marcantes do Romantismo em todos os países. No Brasil, coube a Gonçalves de Magalhães a encenação da primeira tragédia, intitulada Antônio José ou O poeta e a inquisição, no dia 13 de março de 1863, no palco do Constitucional Fluminense, no Rio de Janeiro, sob os cuidados do ator João Caetano. O grande nome do teatro romântico brasileiro é Martins Pena, considerado o inventor da comédia de costumes brasileira. O teatro de José de Alencar é marcado por uma preocupação moral. A comédia O demônio familiar apresenta a figura do menino escravo Pedro, o “de- mônio familiar”, como um malandro e aproveitador, capaz apenas de fazer o mal para a família brasileira. Resumo das principais características românticas • Liberdade de expressão • Escapismo, fuga da realidade por meio de um retorno à infância e ao pas- sado histórico e por meio do sonho e da morte. • Individualismo, egocentrismo • Subjetivismo, valorização das emoções • Nacionalismo • Idealização da realidade
  9. 9. 12 José Martiniano de Alencar Júnior 3. O AUTOR José Martiniano de Alencar Júnior nasceu em Mecejana, Ceará, no dia primeiro de maio de 1829. Era primogênito dos sete filhos de um padre que largou a batina, após conhecer uma prima, para se casar. Seu pai, José Martiniano de Alencar, foi um importante político, tendo sido sena- dor e presidente da província do Ceará. José de Alencar estudou Direito na faculdade do Largo São Francisco, em São Paulo, onde travou amizade com Álvares de Azevedo, Aureliano Lessa e Bernardo Guimarães, com quem fundou a famosa Epicureia, uma sociedade “etílico-literária- -charutesca”, que marcou época naquela faculdade. Formado em Direito, exer- ceu a advocacia, seguindo tam- bém uma promissora carreira política, sendo ministro da Justiça de Pedro II e deputado por vários mandatos. Entretanto, teve o seu nome vetado pelo próprio imperador a uma cadeira no Senado, em razão de uma desavença literária envol- vendo o poeta Gonçalves de Magalhães (1811-1882), que havia publicado o seu poema épico-indianista, Confederação dos Tamoios, sob as expensas de Pedro II. Ao declarar que sua obra se tornaria o símbolo da poesia brasileira (assim como Os lusíadas, de Camões, simbolizavam a poesia de Portugal), recebeu críticas negativas deAlencar em artigos assinados sob o pseudônimo de Ig. Pedro II saiu em defesa do amigo poeta, com o artigo Um outro amigo do poeta. Não satisfeito, proibiu Alencar de assumir o Senado, alegando que ele ainda era jovem para tal cargo. Inconformado,Alencar retrucou, perguntando ao imperador como alguém de 14 anos poderia, então, ter assumido o Império. Decepcionado com a política, passou a dedicar-se com mais frequência à carreira literária (e também à jornalística), explorando o romance, a crônica, o teatro, a poesia e a crítica literária, tornando-se o mais completo escritor do Romantismo brasileiro. José de Alencar morreu no Rio de Janeiro, em 12 de de- zembro de 1877, acometido pela tuberculose.
  10. 10. 13 IracemaAOL-11 Obras Romances sociais 1856 – Cinco minutos 1857 – A viuvinha 1862 – Lucíola 1864 – Diva 1870 – A pata da gazela 1872 – Sonhos D’Ouro 1875 – Senhora 1893 – Encarnação Romances indianistas 1857 – O Guarani 1865 – Iracema 1874 – Ubirajara Romances regionalistas 1870 – O gaúcho 1871 – O tronco do ipê 1874 – Til 1875 – O sertanejo Romances históricos 1865 – As minas de prata 1871 – Guerra dos mascates 1873 – Alfarrábios Narrativa autobiográfica 1893 – Como e por que sou romancista Teatro 1857 – O crédito 1857 – Verso e reverso 1857 – O demônio familiar 1858 – As asas de um anjo 1860 – Mãe 1867 – A expiação 1875 – O jesuíta Crítica literária e polêmica 1856 – Cartas sobre a Confederação dos Tamoios 1865 – Ao imperador: cartas políticas de Erasmo e novas cartas políticas de Erasmo 1866 – Ao povo: cartas políticas de Erasmo 1866 – O sistema representativo Crônica 1874 – Ao correr da pena
  11. 11. 14 José Martiniano de Alencar Júnior 4. A OBRA
  12. 12. 15 IracemaAOL-11 CARACTERÍSTICAS GERAIS José de Alencar soube como ninguém explorar o espaço que lhe era con- cedido no jornal. Criou colunas para suas crônicas, publicou seus romances de folhetim, já que era muito difícil conseguir quem os editasse em livros – vale a pena lembrarmos que a primeira editora nacional só surgiu no começo do século XX, fundada por Monteiro Lobato (1882-1948). Também não se deixou intimidar, escrevendo críticas e criando polêmicas, que fizeram dele um dos nomes mais respeitados, admirados e temidos no meio jornalístico da época. Alguns de seus romances, como Senhora e Lucíola, já deixavam transpa- recer, devido aos temas tratados, características realistas; já outros, como O Guarani e Iracema, fizeram de Alencar o maior romancista romântico de nossa literatura. O primeiro, quando publicado no Diário do Rio de Janeiro, sob a forma de folhetim, causou tanto impacto, furor e frenesi na época que era comum ver pessoas em círculo escutando um leitor de boa voz contar o capítulo do dia. Já Iracema, uma das obras-primas de nossa literatura, é considerada um verdadeiro poema em prosa (ou uma prosa poética?), devido à beleza e à rara sensibilidade com que nos é contada a história de Martim e Iracema. Conhecedor de nossa cultura indígena – assim como Gonçalves Dias (1823- 1864) na poesia –, Alencar, como vimos, escreveu três romances indianistas: O Guarani (este também com valor histórico, daí ser considerado o introdutor do romance histórico na literatura brasileira), Iracema e Ubirajara. Em O Guarani, te- mos a figura do índio assimilando a cultura europeia de Ceci e de sua família; em Iracema, temos o contrário, isto é, a figura do europeu, no caso Martim, assimilan- do a cultura indígena de Poti e Iracema. Em Ubirajara, temos somente a presença do índio, já que, ao contrário das duas anteriores, que se passam por volta de 1600, esta se passa antes de 1500, portanto sem a presença do elemento branco. Por isso, consideramos Ubirajara o mais aborígene romance de Alencar. Quanto à linguagem, Alencar adotou a coloquial. Assim, encontramos alguns erros que não ferem gravemente a nossa gramática, mas que foram du- ramente criticados pelo seu conterrâneo Franklin Távora (1842-1888), autor de O cabeleira e iniciador da literatura regionalista nordestina. Távora, que lutava por uma literatura tipicamente brasileira (e essa literatura, para ele, obrigato- riamente tinha de ser a nordestina, única região que não havia sido influen- ciada pelos costumes europeus, apesar das invasões holandesas e francesas), não se conformava que um cearense, assim como ele, escrevesse de maneira europeizada. Trocaram, então, farpas literárias: Távora sob o pseudônimo de Semprônio, Alencar, sob o de Cincinato.
  13. 13. 16 José Martiniano de Alencar Júnior CARACTERÍSTICAS DE IRACEMA O poeta modernista Manuel Bandeira (1886-1968), em seu livro Louvações, ho- menageou José de Alencar e sua obra Iracema pelo centenário de sua publicação: Louvo o Padre, louvo o Filho E louvo o Espírito Santo. Idem louvo, exalto e canto O prosador, grande filho Do Norte, e que no deserto Do romance nacional Ergueu, escorreito e diserto, Seu mundo, – um mundo imortal. Além, muito além da serra Que lá azula no horizonte, Inventou a donzela insonte, Símbolo da nossa terra, E escreveu o que é mais poema Que romance, e poema menos Que um mito, melhor que Vênus: A doce, a meiga Iracema. E o mito inda está tão jovem Qual quando o criou Alencar. Debalde sobre ele chovem Os anos, sem o alterar. Nem uma ruga no canto Dos olhos de moço brilho! Louvo o Padre, louvo o Filho E louvo o Espírito Santo Para muitos, a palavra Iracema é o anagrama de América, isto é, o novo mundo nascido do cruzamento do Velho Mundo com o Mundo Selvagem. Temos, então, a seguinte equação: Velho Mundo (Europa / Martim) + Mundo Selvagem (Indígena / Iracema) = Novo Mundo (América / Moacir).
  14. 14. 17 IracemaAOL-11 Tendo como subtítulo Lenda do Ceará, daí não possuir o mesmo valor histórico contido em O Guarani (que trata da fundação do Rio de Janeiro), Ira- cema é, portanto, uma obra alegórica sobre a colonização do Ceará, podendo, perfeitamente, representar toda a colonização brasileira. Desse modo, podemos considerar Moacir, o filho do sofrimento, não só o primeiro cearense, mas o primeiro brasileiro. São características românticas presentes em Iracema: nacionalismo; idea- lização do índio como um herói (aí entra também a figura do guerreiro branco, Martim); sentimentalismo exagerado; retorno ao passado; e sentimento de reli- giosidade cristã, como podemos perceber neste trecho: O cristão repeliu do seio a virgem indiana. Ele não deixará o rastro da desgraça na cabana hospedeira. Cerra os olhos para não ver, e enche sua alma com o nome e a veneração de seu Deus: – Cristo!... Cristo!... Quanto ao foco narrativo Narrado em terceira pessoa, o narrador, dotado de onisciência, isto é, sabe de tudo o que acontece com os seus personagens, mostra-se tão inspirado quanto qualquer exaltado poeta do período, deixando pelo caminho de sua narrativa um rastro de mensagens de amizade, amor, sabedoria, felicidade e família, que podemos sintetizar nesta fala de Poti: – O guerreiro sem amigo é como a árvore solitária que o vento açouta no meio do campo; o fruto dela nunca amadurece. A felicidade do varão é a prole, que nasce dele e faz seu orgulho; cada guerreiro que sai de suas veias é mais um galho que leva seu nome às nuvens, como a grimpa do cedro. Amado de Tupã, é o guerreiro que tem uma esposa, um amigo e muitos filhos; ele nada mais deseja senão a morte gloriosa. Quanto à linguagem Como bem disse Manuel Bandeira, Alencar escreveu um romance que se parece mais com um poema. Isso porque o romancista-poeta se utilizou de recursos estilísticos, principalmente de símiles e metáforas da fauna e da flora de nossa natureza, para a caracterização de seus personagens, tanto no aspecto físico quanto no emocional, fazendo com que eles surgissem amalgamados a essa natureza. – O gavião paira nos ares. Quando o nambu levanta, ele cai das nuvens e rasga as entranhas da vítima. O guerreiro tabajara, filho da serra é o gavião. – O guerreiro pitiguara é a ema que voa sobre a terra; nós o seguiremos como suas asas – disse Iracema. – As lágrimas da mulher amolecem o coração do guerreiro, como o orvalho da manhã amolece a terra.
  15. 15. 18 José Martiniano de Alencar Júnior Quanto ao tempo O romance Iracema se passa por volta de 1600, já com a presença do colo- nizador europeu. Essa é uma época de lutas entre os portugueses e os invasores franceses e holandeses. Tempos depois, quando veio Albuquerque, o grande chefe dos guerreiros brancos, Martim e Camarão partiram para as margens do Mearim a castigar o feroz tupinambá e expulsar o branco tapuia. Quanto ao espaço As ações se passam no território cearense. A tribo Tabajara (senhor das aldeias) domina o interior da província. Já a tribo Pitiguara ou Potiguara (senhor dos vales) domina o litoral (daí uma tribo de pescadores ou, pejorativamente, os comedores de camarão, segundo os seus inimigos). Poti saudou o amigo e falou assim: – Antes que o pai de Jacaúna e Poti, o valente guerreiro Jatobá, mandasse sobre todos os guerreiros pitiguaras o grande tacape da nação estava na destra de Batuireté, o maior chefe, pai de Jatobá. Foi ele que veio pelas praias do mar até o rio do jaguar, e expulsou os tabajaras para dentro das terras, marcando a cada tribo seu lugar; depois entrou pelo sertão até a serra que tomou seu nome. ENREDO O primeiro capítulo, na verdade, é o último, em que Martim, seu filho, Moacir, e o cão partem para Portugal, logo após a morte de Iracema. Mas vamos ao enredo: Martim, o guerreiro branco, vive entre os índios pitiguaras e tem o guer- reiro Poti como um irmão. Os pitiguaras vivem no litoral, daí serem chamados também de senhores das palmeiras. Numa caçada com Poti, Martim se perde do amigo, entrando na área habitada pelos inimigos tabajaras, tribo da índia Irace- ma. E é justamente ela, ao sair do seu banho, quem o encontra e, pensando ser talvez ele algum mau espírito da floresta, atira nele sua flecha, acertando-o de raspão no rosto. Foi rápido, como o olhar, o gesto de Iracema. A flecha embebida no arco partiu. Gotas de sangue borbulham na face do desconhecido. Mas Iracema percebe que Martim não era um espírito, tampouco um inimi- go, e o amor entre eles nasce de maneira repentina. Preocupada com o ferimento, Iracema leva Martim para sua tribo, apresentando-o ao pajé e seu pai, Araquém, como um convidado de Tupã.
  16. 16. 19 IracemaAOL-11 A virgem aponta para o estrangeiro e diz: – Ele veio, pai. – Veio bem. É Tupã que traz o hóspede à cabana de Araquém. Assim dizendo, o Pajé passou o cachimbo ao estrangeiro; e entraram ambos na cabana. Iracema era a responsável por preparar o licor da jurema, uma bebida alucinógena que, segundo a crença, fazia com que os índios entrassem em con- tato com Tupã, o seu deus, e com outros sonhos. Mas para isso ela tinha de se manter virgem. Iracema voltara com as mulheres chamadas para servir o hóspede de Araquém, e os guerreiros vindos para obedecer-lhe. – Guerreiro branco – disse a virgem –, o prazer embale tua rede durante a noite; e o sol traga luz a teus olhos, alegria à tua alma. E assim dizendo, Iracema tinha o lábio trêmulo, e úmida a pálpebra. – Tu me deixas? – As mais belas mulheres da grande taba contigo ficam. – Para elas a filha de Araquém não devia ter conduzido o hóspede à cabana do Pajé. – Estrangeiro, Iracema não pode ser sua serva. É ela que guarda o segredo da jurema e o mistério do sonho. Sua mão fabrica para o Pajé a bebida de Tupã. Por estar Martim com saudade de sua pátria e de seus pais, e sabendo ainda que ele deixara a sua noiva em Portugal, Iracema lhe prepara a bebida, para que ele os visse e matasse assim a sua saudade. – Bebe! Martim sentiu perpassar nos olhos o sono da morte; porém logo a luz inundou-lhe os seios d’alma; a força exuberou em seu coração. Reviveu os dias passados melhor do que os tinha vivido: fruiu a realidade de suas mais belas esperanças. Ei-lo que volta à terra natal, abraça a velha mãe, revê mais lindo e terno o anjo puro dos amores infantis. Irapuã, chefe dos tabajaras, ao saber da presença do branco em sua tribo e de seu envolvimento com Iracema, por quem era apaixonado, enciúma-se e o desafia para um combate. – O coração aqui no peito de Irapuã ficou tigre. Pulou de raiva. Veio farejando a presa. O estrangeiro está no bosque, e Iracema o acompanhava. Quero beber-lhe o sangue todo: quando o sangue do guerreiro branco correr nas veias do chefe tabajara, talvez o ame a filha de Araquém.
  17. 17. 20 José Martiniano de Alencar Júnior Iracema protege Martim da ira de Irapuã. Mas o seu desejo é vê-lo longe dos campos tabajaras e revela-lhe o seu segredo: – Guerreiro branco, Iracema é filha do Pajé, e guarda o segredo da jurema. O guerreiro que possuísse a virgem de Tupã morreria. Caubi é destinado por seu pai, Araquém, a ser o guia de Martim, levando- -o em segurança até a presença de Poti. Entretanto, os tabajaras os perseguem e Iracema tem de voltar à cabana de seu pai, onde Martim é escondido. Quem seus olhos primeiro viram, Martim, estava tranquilamente sentado em uma sapopema, olhando o que passava ali. Contra, cem guerreiros tabajaras com Irapuã à frente, formavam arco. O bravo Caubi os afrontava a todos, com o olhar cheio de ira e as armas valentes empunhadas na mão robusta. O chefe exigira a entrega do estrangeiro, e o guia respondera simplesmente: – Matai Caubi antes. A filha do Pajé passara como uma flecha: ei-la diante de Martim, opondo também seu corpo gentil aos golpes dos guerreiros. Irapuã soltou o bramido da onça atacada na furna. – Filha do Pajé – disse Caubi em voz baixa –, conduz o estrangeiro à cabana: só Araquém pode salvá-lo. Iracema prepara novamente o licor da jurema para Martim, que desta vez sonha em possuir a bela índia. – Vai, e torna com o vinho de Tupã. Quando Iracema foi de volta, já o Pajé não estava na cabana; tirou a virgem do seio o vaso que ali trazia oculto sob a carioba de algodão entretecida de penas. Martim lhe arrebatou das mãos, e libou as gotas do verde e amargo licor. Agora podia viver com Iracema, e colher em seus lábios o beijo, que ali viçava entre sorrisos, como o fruto na corola da flor. Podia amá-la, e sugar desse amor o mel e o perfume, sem deixar veneno no seio da virgem. (...) A filha de Araquém escondeu no coração a sua ventura. Ficou tímida e inquieta, como a ave que pressente a borrasca no horizonte. Afastou-se rápida, e partiu. As águas do rio banharam o corpo casto de recente esposa. Tupã já não tinha sua virgem na terra dos tabajaras. Os guerreiros tabajaras vão ao encontro de Araquém no bosque sagrado para o ritual do mistério da jurema. O pajé decreta a cada guerreiro um sonho enquanto distribui a bebida de Tupã preparada por Iracema: Este, grande caçador, sonha que os veados e as pacas correm de encontro às suas flechas para se transpassarem nelas (...).
  18. 18. 21 IracemaAOL-11 Outro, fogoso em amores, sonha que as mais belas virgens tabajaras deixam a cabana de seus pais e o seguem cativas de seu querer (...). O herói sonha tremendas lutas e horríveis combates, de que sai vencedor, cheio de glória e fama. Enquanto estão sob o efeito da bebida, Iracema, proibida de presenciar o ritual, aproveita para levar Martim ao encontro de Poti. Ao transporem as terras dos tabajaras, pisando já na dos pitiguaras, a índia dos lábios de mel revela a Martim que o que houve entre eles não tinha sido um sonho, portanto ela não era mais virgem, muito menos a protegida de Tupã. E já se considerava mulher de Martim, que a aceita como tal. Mas os índios tabajaras, já refeitos do ritual sagrado, perseguem-nos novamente. Quando tudo parecia perdido, surgem os guerreiros pitiguaras, chefiados por Jacaúna, irmão de Poti, que derrotam os tabajaras. Iracema se entristece ao ver os cadáveres de seus irmãos no campo de batalha, enquanto os sobreviventes fugiam envergonhados. Iracema silvou como a boicininga; e arrojou-se contra a fúria do guerreiro tabajara. A arma rígida tremeu na destra possante do chefe e o braço caiu-lhe desfalecido. Soava a pocema da vitória. Os guerreiros pitiguaras conduzidos por Jacaúna e Poti varriam a floresta. Fugindo, os tabajaras arrebataram seu chefe ao ódio da filha de Araquém que o podia abater, como a jandaia abate o prócero coqueiro roendo-lhe o cerne. Os olhos de Iracema, estendidos pela floresta, viram o chão juncado de cadáveres de seus irmãos; e longe o bando dos guerreiros tabajaras que fugiam nuvem negra de pó. Aquele sangue que enrubescia a terra, era o mesmo sangue brioso que lhe ardia nas faces de vergonha. O pranto orvalhou seu lindo semblante. Martim afastou-se para não envergonhar a tristeza de Iracema. Ao chegarem ao litoral, Martim e Iracema se hospedam na tribo Pitiguara. Mas a índia não se sente à vontade vivendo numa tribo inimiga da sua. Partem, então, à procura de uma terra que não fosse dominada pela grande nação “dos comedores de camarão”. Com o auxílio de Poti, Martim constrói a cabana na terra em que nasceria o próprio Alencar, Mecejana. – Estes campos são alegres, e ainda mais serão quando Iracema neles habitar. Que diz teu coração? – O coração da esposa está sempre alegre junto de seu guerreiro e senhor. Seguindo pela margem do rio, o cristão escolheu um lugar para levantar a ca- bana. Poti cortou esteios dos troncos da carnaúba; a filha de Araquém ligava os leques da palmeira para vestir o teto e as paredes; Martim cavou a terra e fabricou a porta das fasquias da taquara. Quando veio a noite, os dois esposos armaram a rede em sua nova cabana; e o amigo no copiar que olhava para o nascente.
  19. 19. 22 José Martiniano de Alencar Júnior Iracema dá a Martim a notícia de sua gravidez: Travou da mão do esposo, e impôs no regaço: – Teu sangue já vive no seio de Iracema. Ela será mãe de teu filho. – Filho, dizes tu? – exclamou o cristão em júbilo. Ajoelhou ali e cingindo-a com os braços, beijou o seio fecundo da esposa. Mas um mensageiro pitiguara, mandado por Jacaúna, convoca Poti para uma grande batalha: Irapuã havia feito uma aliança com os brancos tapuias, como eram chamados os franceses pelos pitiguaras, para combater a grande nação de Jacaúna. Martim, guerreiro branco, deixa Iracema grávida, partindo ao lado de Poti. Caminhando, caminhando, chegaram os guerreiros à margem de um lago, que havia nos tabuleiros. O cristão parou de repente e voltou o rosto para as bandas do mar: a tristeza saiu de seu coração e subiu à fronte. – Meu irmão – disse o chefe –, teu pé criou raiz na terra do amor, fica. Poti voltará breve. – Teu irmão te acompanha – ele disse –; e sua palavra é como a seta de teu arco: quando soa, é chegada. – Queres tu que Iracema te acompanhe às margens do Acaracu? – Nós vamos combater seus irmãos. A taba dos pitiguaras não terá para ela mais que tristeza e dor. A filha dos tabajaras deve ficar. Novamente os pitiguaras derrotam os tabajaras, irmãos de Iracema: Martim e seu irmão haviam chegado à taba de Jacaúna, quando soava a inúbia: eles guiaram ao combate os mil arcos de Poti. Ainda dessa vez os tabajaras, apesar da aliança dos brancos tapuias do Mearim, foram levados de vencida pelos valentes pitiguaras. Nunca tão disputada vitória e tão renhida pugna, se pelejou nos campos que regam o Acararu e o Camucim; o valor era igual de parte a parte, e nenhum dos dois povos fora vencido, se o deus da guerra, o torvo Aresqui, não tivesse decidido dar estas plagas à raça do guerreiro branco, aliada dos pitiguaras. Ao retornar, Martim encontra Iracema triste, pois percebe que o seu amado tem o pensamento em sua terra natal e na noiva que deixara por lá: – O que espreme as lágrimas do coração de Iracema? – Chora o cajueiro quando fica tronco seco e triste. Iracema perdeu sua felicidade, depois que te separaste dela. – Não estou eu junto de ti?
  20. 20. 23 IracemaAOL-11 – Teu corpo está aqui; mas tua alma voa à terra de teus pais, e busca a virgem branca, que te espera. Martim doeu-se. Os grandes olhos negros que a indiana pousara nele o tinham ferido no íntimo. – O guerreiro branco é teu esposo, ele te pertence. Sorriu em sua tristeza a formosa tabajara: – Quanto tempo há que retiraste de Iracema teu espírito? Dantes, teu passo te guiava para as frescas serras e alegres tabuleiros: teu pé gostava de pisar a terra da feli- cidade, e seguir o rasto da esposa. Agora só buscas as praias ardentes, porque o mar que lá murmura vem dos campos em que nasceste; e o morro das areias, porque do alto se avista a igara que passa. Iracema tem consciência de que faz do seu amado um infeliz. Martim parte novamente para guerrear ao lado dos pitiguaras. Enquanto Martim guerreia, nasce o seu filho. Iracema dá-lhe o nome de Moacir: Iracema, sentindo que se lhe rompia o seio, buscou a margem do rio, onde crescia o coqueiro. Estreitou-se com a haste da palmeira. A dor lacerou suas entranhas; porém logo o choro infantil inundou sua alma de júbilo. A jovem mãe, orgulhosa de tanta ventura, tomou o tenro filho nos braços e com ele arrojou-se às águas límpidas do rio. Depois suspendeu-o à teta mimosa; seus olhos o envolviam de tristeza e amor. – Tu és Moacir, o nascido de meu sofrimento. Caubi, irmão de Iracema, aparece, dando-lhe notícias de Araquém, que nunca mais ergueu a cabeça depois que a filha partiu. Iracema pede a Caubi que conte ao pai sobre a morte da filha, para, assim, aliviar o seu sofrimento. Iracema não tem leite para amamentar o seu filho. Filhotes de cachorro sugam o seu peito e: A feliz mãe arroja de si os cachorrinhos, e cheia de júbilo mata a fome ao filho. Ele é agora duas vezes filho de sua dor, nascido dela e também nutrido. Ao retornar para Iracema, Martim a encontra enfraquecida e ela, com gran- de esforço, entrega-lhe Moacir. Antes de morrer, faz um último pedido: – Enterra o corpo de tua esposa ao pé do coqueiro que tu amavas. Quando o vento do mar soprar nas folhas, Iracema pensará que é tua voz que fala entre seus cabelos.
  21. 21. 24 José Martiniano de Alencar Júnior Martim, seu filho, Moacir, e o cão partem para Portugal. Algum tempo depois, voltam e colonizam o Ceará. O primeiro cearense, ainda no berço, emigrava da terra da pátria. Havia aí a pre- destinação de uma raça. (...) Afinal volta Martim de novo às terras, que foram de sua felicidade, e são agora de amarga saudade. (...) Era sempre com emoção que o esposo de Iracema revia as plagas onde fora tão feliz, e as verdes folhas a cuja sombra dormia a formosa tabajara. PERSONAGENS Iracema (lábios de mel) – Índia tabajara, responsável por preparar o licor da jurema, bebida que provoca alucinações em seus guerreiros. Apaixona-se por Martim, colonizador português, com quem perde a sua virgindade, quebrando a tradição da jurema. Iracema representa o amor e a abnegação, morrendo em favor da colonização europeia. Como sabemos, Iracema é o anagrama de América. Na descrição abaixo, note que a natureza serve de recurso para a caracterização da índia, entretanto a índia é superior à natureza: Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeira. O favo da jati não era doce como o seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado. Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo, da grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas. Martim (filho de guerreiro) – Português que passa a viver entre os índios pitiguaras. Seu nome deriva de Marte, deus da guerra, daí dar mais importância às batalhas do que propriamente ao amor que nutria por Iracema. E é a própria Iracema quem o batiza com o nome indígena de Coatiabo, isto é, guerreiro pintado. Aliás, Martim não sente remorso nenhum em lutar contra os tabajaras, tribo a que pertencia Iracema. Historicamente, Martim Soares Moreno participou das lutas contra os holandeses e franceses que invadiram o Nordeste brasileiro. Diante dela e todo a contemplá-la, está um guerreiro estranho, se é guerreiro e não algum mau espírito da floresta. Tem nas faces o branco das areias que bordam o mar, nos olhos o azul triste das águas profundas. Ignotas armas e tecidos ignotos cobrem-lhe o corpo.
  22. 22. 25 IracemaAOL-11 Poti (camarão) – Guerreiro pitiguara, amigo de Martim. Convertido ao cristianismo, recebeu o nome de Antônio Filipe Camarão. Historicamente, participou, ao lado dos portugueses, da guerra contra os invasores holandeses, com a patente de capitão-mor dos índios. Em Iracema, Poti simboliza a amizade sincera e inquebrantável. O valente Poti, resvalando pela relva, como o ligeiro camarão, de que ele tomara o nome e a viveza, desapareceu no lago profundo. A água não soltou um murmúrio, e cerrou sobre ele sua onda límpida. Araquém – Pajé dos tabajaras e pai de Iracema. Recebe Martim em sua tribo, julgando-o ser um convidado de Tupã. Simboliza a sabedoria adquirida com a velhice (como todo pajé em uma tribo). É o responsável, no bosque sagrado, por distribuir os sonhos no momento em que os guerreiros tabajaras bebem o licor da jurema, preparado por Iracema. Com a partida da filha, sua cabeça vergou para o peito e não se ergueu mais. O ancião fumava à porta, sentado na esteira de carnaúba, meditando os sagrados ritos de Tupã. O tênue sopro da brisa carmeava, como frocos de algodão, os compridos e raros cabelos brancos. De imóvel que estava, sumia a vida nos olhos cavos e nas rugas profundas. Caubi (senhor do caminho) – Irmão de Iracema. É designado por seu pai, Araquém, para ser o guia de Martim até o encontro com Poti. Mais tarde, reencontra a irmã, quando, pela primeira vez, Martim a deixara para guerrear, trazendo-lhe notícias de seu pai, Araquém. – Filha de Araquém, escolhe para teu hóspede o presente da volta e prepara o mo- quém da viagem. Se o estrangeiro precisa de guia, o guerreiro Caubi, senhor do caminho, o acompanhará. Andira (morcego) – Índio tabajara, irmão do pajé Araquém. Assim como o irmão, é prudente, mas acaba sendo ofendido por Irapuã, por este não aceitar o seu conselho de não ir atrás dos pitiguaras e esperá-los para o combate. – Andira, o velho Andira, bebeu mais sangue na guerra do que já beberam cauim nas festas de Tupã, todos quantos guerreiros alumia agora a luz de seus olhos. Ele viu mais combates em sua vida, do que as luas lhe despiram a fronte. Quanto crânio de potiguara escalpelou sua mão implacável, antes que o tempo lhe arrancasse o primeiro cabelo? E o velho Andira nunca temeu que o inimigo pisasse a terra de seus pais; mas alegrava-se quando ele vinha, e sentia com o faro da guerra a juventude renascer no corpo decrépito, como a árvore seca renasce com o sopro do inverno. A nação tabajara é prudente. Ela deve encostar o tacape da luta para tanger o membi da festa. Celebra, Irapuã, a vinda dos emboabas e deixa que cheguem todos aos nossos campos. Então Andira te promete o banquete da vitória.
  23. 23. 26 José Martiniano de Alencar Júnior Irapuã (mel redondo) – Chefe dos tabajaras e apaixonado por Iracema. Daí o seu ciúme doentio, o seu ódio por Martim e o desejo de matá-lo a qualquer custo.Assim como Poti e Martim, Irapuã também é um personagem histórico, só que é inimigo declarado dos portugueses e aliado dos franceses que invadiram o Maranhão. Desabriu, enfim, Irapuã a funda cólera: – Fica tu, escondido entre as igaçabas de vinho, fica, velho morcego, porque temes a luz do dia, e só bebes o sangue da vítima que dorme. Irapuã leva a guerra no punho de seu tacape. O terror que ele inspira voa com o rouco som do boré. O potiguara já tremeu ouvindo o rugir na serra, mais forte que o ribombo do mar. Jacaúna (jacarandá preto) – Grande chefe dos pitiguaras e irmão de Poti. Outro personagem histórico, foi amigo de Martim Soares Moreno, lutando ao seu lado contra os holandeses e franceses.Assim comoAraquém, Jacaúna representa a boa hospitalidade. Seu colar de guerra fazia voltas em seu pescoço, exibindo os dentes dos inimigos por ele derrotados. – Jacaúna é um grande chefe, seu colar de guerra dá três voltas ao peito. O tabajara pertence ao guerreiro branco. Moacir (filho do sofrimento) – Filho de Iracema e Martim, simboliza não só o primeiro cearense, mas o primeiro brasileiro. Com a morte de Iracema, Martim o leva para Portugal, para depois retornarem, dando início à colonização europeia. O primeiro cearense, ainda no berço, emigrava da terra da pátria. Havia aí a pre- destinação de uma raça? QUATRO ÍNDIAS E UM SÓ DESTINO O sofrimento que só vê o seu alívio com a morte não é exclusivo da índia Iracema. Outras três índias também foram marcadas em nossa literatura por essa tragicidade: Lindoia, Moema e Ci. Lindoia, personagem de O Uraguai, poema épico do árcade José Basílio da Gama (1740-1795), protagoniza a parte mais importante da obra ao se deixar picar por uma serpente no seio. Após a morte de seu marido e chefe Cacambo, envenenado a mando do padre Balda, Lindoia não se submete às ordens do sa- cerdote, que a obrigava a ser casar com Baldeta (filho do padre Balda com uma índia), optando, então, por morrer. O mesmo acontece com Moema – personagem de Caramuru, outro poema épico do também árcade frei José de Santa Rita Durão (1722-1784) –, que se dei- xa afogar quando seguia a nado o navio que levava o seu grande amor, Diogo Álvares Correia, e a índia Paraguaçu para a França, onde se casariam.
  24. 24. 27 IracemaAOL-11 Ci – personagem de Macunaíma, do modernista Mário de Andrade (1893- 1945) –, chefe das amazonas, é seduzida por Macunaíma, apaixona-se por ele, mas “sobe ao céu por um cipó” após perder o seu filho recém-nascido, que mamara em seu peito envenenado pela grande Cobra Preta. Portanto, quatro índias unidas pelo mesmo sofrimento, que se desencadeia, inevitavelmente, para a morte, como podemos notar nos três trechos a seguir: Cansada de viver, tinha escolhido Para morrer a mísera Lindoia. (...) O desgraçado irmão, que ao despertá-la Conhece, com que dor! no frio rosto Os sinais do veneno, e vê ferido Pelo dente sutil o brando peito. (...) E por todas as vezes repetido O suspirado nome de Cacambo. Inda conserva o pálido semblante Um não sei quê de magoado e triste, Que os corações mais duros enternece Tanto era bela em seu rosto a morte. O Uraguai Tão dura ingratidão menos sentira E esse fado cruel e doce me fora, Se o meu despeito triunfar não vira Essa indigna, essa infame, essa traidora. Por serva, por escrava, te seguira. Se não temera de chamar senhora A vil Paraguaçu, que, sem que o creia, Sobre ser-me inferior, é néscia e feia. Enfim, tens coração de ver-me aflita, Flutuar, moribunda, entre estas ondas; A um ai somente, com que aos meus respondas. Bárbaro, se esta fé teu peito irrita, Nem o passado amor teu peito incita
  25. 25. 28 José Martiniano de Alencar Júnior (Disse, vendo-o fugir) ah, não te escondas Dispara sobre mim teu cruel raio...” E indo a dizer o mais, cai num desmaio. Perde o lume dos olhos, pasma e treme, Pálida a cor, o aspecto moribundo; Com a mão já sem vigor, soltando o leme, Entre as salsas escumas desce ao fundo. Mas na onda do mar, que, irado, freme Tornando a aparecer desde o profundo, – Ah, Diogo cruel! – disse com mágoa, – E sem mais vista ser, sorveu-se na água Caramuru Terminada a função a companheira de Macunaíma toda enfeitada ainda, tirou do colar uma muiraquitã famosa, deu-a pro companheiro e subiu pro céu por um cipó. É lá que Ci vive agora nos trinques passeando, liberta das formigas, toda enfeitada ainda, toda enfeitada de luz, virada uma estrela. É a Beta do Centauro. Macunaíma 5. EXERCÍCIOS 1. UFMG Todas as personagens de Iracema, de José de Alencar, estão corretamente explicadas, exceto: a) A filha de Araquém escondeu no coração a sua ventura. Ficou tímida e quieta como a ave que pressente a borrasca no horizonte. = Iracema entrega-se a Martim. b) Iracema preparou as tintas. O chefe, embebendo as ramas da pluma, traçou pelo corpo os riscos vermelhos e pretos, que ornavam a grande nação pitiguara. = O chefe pinta Martim, preparando-o para o combate com os tabajaras. c) Iracema, sentindo que se lhe rompia o seio, buscou a margem do rio, onde crescia o coqueiro. = Iracema prepara-se para dar à luz Moacir. d) O guerreiro branco é hóspede de Araquém. A paz o trouxe aos campos do Ipu, a paz o guarda. = Iracema protege Martim da fúria de Irapuã. e) Rumor suspeito quebra a doce harmonia da sesta. Ergue a virgem os olhos, que o sol não deslumbra, sua vista perturba-se. = Martim aparece pela primeira vez a Iracema, que saía do banho.
  26. 26. 29 IracemaAOL-11 2. IME-RJ Na visão romântica de José de Alencar, o índio é: a) descrito como um ser preguiçoso, que passa o tempo sentado à porta da cabana. b) um defensor árduo dos animais que são por ele atraídos. c) idealizado para assumir características europeias. d) exterminado para que os cristãos povoem as nossas terras. e) nenhuma das repostas anteriores. 3. Fatec-SP Em Iracema, de José de Alencar, observa-se que o autor: a) procurou ser fiel à tradição histórica, e suas personagens foram participantes de episódios reais da colonização brasileira. b) procurou basear-se na história da colonização para recompor, em termos poéticos, as origens do Ceará. c) procurou explorar o lado pitoresco e sentimental da vida dos índios, na época em que os portugueses ainda não haviam chegado. d) procurou enfatizar o problema da destruição da cultura indígena pelo domínio português. e) procurou negar a existência de conflitos culturais entre colonizadores e nativos. 4. PUC-SP Iracema constitui com O Guarani e Ubirajara a trilogia dos romances indianistas de José de Alencar. Na poesia, Gonçalves Dias também exaltou o índio em textos como I-Juca Pirama, Leito de folhas verdes, Marabá, O canto do piaga, além do poema épico Os Timbiras. Pergunta-se: o que representou o indianismo na literatura romântica brasileira? 5. Leia o trecho abaixo: Estreitou-se com a haste da palmeira. A dor lacerou suas entranhas; porém logo o choro infantil inundou sua alma de júbilo. A jovem mãe, orgulhosa de tanta ventura, tomou o tenro filho nos braços e com ele arrojou-se às águas límpidas do rio. Depois suspendeu-o à teta mimosa; seus olhos então o envolviam de tristeza e amor. – Tu és Moacir, o nascido de meu sofrimento. Considere atentamente as seguintes afirmações, que se referem não só ao texto anterior como também ao contexto do romance Iracema. I. A protagonista divide-se entre a tristeza e a alegria: esta, pelo nascimento do filho mestiço; aquela, por sentir que não viverá para vê-lo crescer.
  27. 27. 30 José Martiniano de Alencar Júnior II. Um dos procedimentos estilísticos de Alencar em seu romance está nas su- gestivas aproximações entre expressões em tupi e o significado em português, como a que se dá na fala da protagonista. III. O nascimento de Moacir representa, simbolicamente, a heroica, mas inútil, resistência dos guerreiros tabajaras à colonização do branco europeu. Das afirmações anteriores: a) apenas II é verdadeira. b) apenas III é verdadeira. c) apenas I e II são verdadeiras. d) apenas II e III são verdadeiras. e) I, II e III são verdadeiras. 6. Fuvest-SP Sobre o romance indianista de José de Alencar, pode-se afirmar que: a) analisa as reações psicológicas da personagem como um efeito das influências sociais. b) é um composto resultante de formas originais do conto. c) dá forma ao herói, amalgamando-o à vida da natureza. d) representa contestação política ao domínio português. e) mantém-se preso aos modelos legados pelos clássicos. 7. Unisul-SC Assinale a alternativa incorreta a respeito de Iracema, de José de Alencar. a) Nela aponta-se a confluência dos gêneros literários lírico e épico. b) É uma exaltação da flora, da fauna e da terra brasileiras. c) Retrata a luta pela colonização do Ceará, no início do século XVII. d) É uma obra essencialmente lírica, pois é repleta de elementos sonoros. e) Iracema pode ser considerada a personagem-símbolo da terra-mãe que seduz o estrangeiro. 8. Fuvest-SP Iracema faz parte da tríade indianista de José de Alencar, juntamente com outros dois romances. a) Quais? b) Cada um desses romances teria uma finalidade histórica. Qual teria sido a intenção do autor com Iracema?
  28. 28. 31 IracemaAOL-11 9. UFMG Leia a afirmativa a seguir, em que José de Alencar critica a visão dos cronistas europeus sobre os indígenas: Os historiadores, cronistas e viajantes da primeira época, se não de todo o período colonial, devem ser lidos à luz de uma crítica severa (...) Homens cultos, filhos de uma sociedade velha e curtida por longo trato de séculos, queriam esses forasteiros achar nos indígenas de um mundo novo e segregado da civilização universal uma perfeita confor- midade de ideias e costumes. Apesar de sua visão crítica, Alencar, em Iracema, adota a mesma atitude, quando: a) apresenta metaforicamente o índio como representante do homem brasileiro. b) atribui às personagens indígenas um comportamento baseado em códigos europeus. c) recupera para a literatura a memória da fauna, da flora e da toponímia indí- genas. d) tenta ser fiel ao espírito da língua indígena na composição das imagens. 10. Assinale a alternativa incorreta a respeito de Iracema, de José de Alencar. a) O livro faz parte de um painel que mostra a contribuição de brancos, índios e negros na constituição da nacionalidade brasileira, ao lado de romances como O gaúcho e As minas de prata. b) Esta obra corresponde ao desejo de José de Alencar de escrever um livro que tratasse das origens da nacionalidade brasileira, característica comum aos projetos românticos brasileiros. c) As personagens indígenas são idealizadas como boas ou más, conforme o apoio que davam ou não ao colonizador português, num maniqueísmo bas- tante comum ao Romantismo. d) “– Senhor de Iracema, cerra seus ouvidos para que ela não ouça.” – esta é uma fala de Iracema. O uso da terceira pessoa dirigida a ela própria é um recurso do autor para tentar recriar a linguagem que ele considerava próxima à indígena. e) Símiles de elementos da terra – vegetais e animais – e da linguagem indígena dão à narrativa um certo exotismo buscado pelo autor, aproximando-a, ao mesmo tempo, do mito.
  29. 29. 32 José Martiniano de Alencar Júnior Gabarito 1. B 2. C 3. B 4. O índio, para o Romantismo brasileiro, tem a mesma simbologia que o cavaleiro medieval para o Romantismo português, isto é, o símbolo da nacionalidade, do heroísmo de uma pátria livre. 5. C 6. C 7. D 8. a) O Guarani e Ubirajara b) Narrar a lenda da fundação do Ceará e a mistura das raças indígena (Iracema) e branca (Martim), criando o primeiro brasileiro (Moa- cir). 9. B 10. A

×